A influência de Luciano Juba no ataque do Sport Recife

Um dos melhores e mais efetivos jogadores deste início de temporada, o meia de 23 anos já participou de 17 gols em 17 partidas.

O Sport bateu na trave na temporada passada e não garantiu o acesso à elite do futebol brasileiro. Neste ano a esperança se mantém e digamos que as chances são grandes do objetivo ser alcançado. Equipe sólida, que conta com o experiente Enderson Moreira no comando, sistema defensivo competente e um ataque bastante perigoso. Tudo isso fortalece o coletivo do Leão da Ilha e o coloca como um dos favoritos para uma das quatro vagas da competição que está por vir.

Mas uma das peças chave para este sucesso da equipe até aqui, que só perdeu uma vez no ano (para o Ceará, 3-2), é o meia Luciano Juba. Aos 23 anos, a prata da casa toma conta das bolas paradas, organiza e deixa os companheiros em boas condições de finalizar, além de balançar as redes com frequência – Juba está a um gol de igualar sua marca em todo o ano passado.

É destacável seu aproveitamento em cruzamentos (49.3%), passes para finalização (24) e a média de gols esperados por remate (0.08). Para um atleta que gosta de ter a bola e sabe como gerar volume ofensivo, são números expressivos. A tendência é que melhore jogo após jogo e concretize a regularidade vista em campo.

Dados coletados pelo Footure PRO

Atuando predominantemente pelo lado esquerdo, o meia possui um vasto repertório de jogadas para levar perigo ao gol adversário. Seja com passes de ruptura buscando companheiros no ataque, dribles ou definições de média-longa distância, tem sempre uma ótima alternativa em mente e na poderosa perna esquerda.

Juba precisa de poucos toques na bola para servir algum companheiro. Ganha segundos preciosos se posicionando de forma inteligente e ocupando espaços que facilitam a progressão até dar o passe. Não apenas neste fundamento, mas também com dribles e explosão nos metros iniciais, e sabe sair da pressão para dar continuidade às jogadas.

Outra qualidade é a bola parada. Nos escanteios e cruzamentos, força e velocidade alternando o direcionamento da batida. Já nas faltas diretas busca o contrapé do goleiro em cobranças firmes no canto ou tirando completamente da barreira para reduzir as chances de defesa.

Juba é certamente um dos melhores jogadores para se acompanhar neste início de temporada e segue bem avaliado. Seu contrato termina em agosto deste ano, há princípio de acordo para renovação, resta agora observar os próximos passos de sua carreira..

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Últimas Postagens

O trabalho de André Jardine no América-MEX

O trabalho de André Jardine no América-MEX

Douglas Batista
Fique de olho: Jogadores que podem se destacar no Brasileiro Sub-20 – Parte 2

Fique de olho: Jogadores que podem se destacar no Brasileiro Sub-20 - Parte 2

André Andrade
As causas da dificuldade ofensiva do Corinthians

As causas da dificuldade ofensiva do Corinthians

Douglas Batista
Fique de olho: Jogadores que podem se destacar no Brasileiro Sub-20 – Parte 1

Fique de olho: Jogadores que podem se destacar no Brasileiro Sub-20 - Parte 1

André Andrade
Guia do Brasileirão: Vitória

Guia do Brasileirão: Vitória

Douglas Batista
Guia do Brasileirão: Vasco

Guia do Brasileirão: Vasco

Gabriel Mota
Guia do Brasileirão: São Paulo

Guia do Brasileirão: São Paulo

Vinícius Dutra
Guia do Brasileirão: Red Bull Bragantino

Guia do Brasileirão: Red Bull Bragantino

Vinícius Dutra
Guia do Brasileirão: Palmeiras

Guia do Brasileirão: Palmeiras

Vinícius Dutra
Guia do Brasileirão: Juventude

Guia do Brasileirão: Juventude

Vinícius Dutra
Guia do Brasileirão: Internacional

Guia do Brasileirão: Internacional

Vinícius Dutra
Guia do Brasileirão: Grêmio

Guia do Brasileirão: Grêmio

Vinícius Dutra
Guia do Brasileirão: Fortaleza

Guia do Brasileirão: Fortaleza

Douglas Batista
Guia do Brasileirão: Fluminense

Guia do Brasileirão: Fluminense

Gabriel Mota
Guia do Brasileirão: Flamengo

Guia do Brasileirão: Flamengo

Gabriel Mota