A lenda de Luka Romero e a expectativa por um novo extraclasse

Nas ruas da Ilha de Mallorca, o garoto apelidado de "Messi Mexicano" e que, aos poucos, deve aparecer na equipe é a grande esperança do clube. Quem é o jovem Luka Romero, de 16 anos, e promessa do clube espanhol?

Baixinho. Cabeludo. Canhoto. Driblador. Meia-ofensivo. Argentino. Esses adjetivos, dependendo da idade de quem os pronuncia, podem levar a duas pessoas. Se estiver acima dos 40, provavelmente o alvo é Diego Armando Maradona, ‘el Pibe’. Se for alguém mais novo, possivelmente está se referindo ao maior jogador do futebol atual, Lionel Messi.

No entanto, a doce coincidência que a vida nos proporciona parece disposta a adicionar um terceiro integrante para esse combo de adjetivos. Recentemente, o nome de Luka Romero, que é baixinho, cabeludo, canhoto, driblador, meia-ofensivo e “moralmente” argentino tem ganhado espaço nos jornais espanhóis, mexicanos e, claro, argentinos.

Faça parte do Footure Club, receba conteúdos exclusivos diariamente e venha conversar sobre futebol em nossa comunidade futeboleira

Romero é jogador do Mallorca, porém, até agora ele não entrou em campo com a camisa vermelha do clube das Ilhas Baleares. Nascido em Durango, no México, em 18 de novembro de 2004, e residente na Espanha desde 2006, esse pibe de 15 anos de idade (isso mesmo) vive a expectativa de estrear com a camisa da equipe profissional dos Bermellones desde que a quarentena acabou na Europa.

Ao entrar em campo na partida contra o Real Madrid, pela 31ª rodada de La Liga, se tornou o mais jovem da história a estrear no Campeonato Espanhol. Antes dele, o dono do recorde era Francisco “Sansón” Bao Rodríguez, que estreou pelo Celta de Vigo, na temporada 1939/40, com 15 anos e 255 dias.

Por que tanta pressa com o garoto? Existem vários motivos para esse furor todo em torno do nome de Luka Romero. O primeiro, obviamente, é a assombrosa qualidade técnica do meio-campista. Desde 2015 no Mallorca, Romero começou sua trajetória com a camisa sete, porém, pouco tempo depois a 10 já era dele. O jovem é muito, mas muito acima da média. Você percebe a qualidade quando um menino de 13 anos deixa garotos de 17 anos para trás com dribles desconcertantes, jogadas individuais que resolvem uma partida e um entendimento tático surreal. Ele não demonstra apenas um talento natural, mas uma compreensão dos aspectos táticos e técnicos que envolvem uma partida de futebol digna de um veterano.

Luka Romero Argentina
Luka Romero em ação pela seleção argentina sub-15, em 2019, durante o Sul-americano. Foto: Reprodução.

O segundo motivo, claro, é a necessidade do Mallorca em desfrutar do talento de Romero enquanto ainda há tempo. Recentemente, o Barcelona adquiriu o estonteante Pedri, 17 anos, do Las Palmas, por uma bagatela. Os clubes menores da Espanha seguem revelando joias atrás de joias, mas a competição com os gigantes é desumana. Eles acabam ficando entre a cruz e a espada, precisando vender para fazer caixa e podendo, às vezes, conseguir um empréstimo (caso de Pedri) até determinado momento para agradar o torcedor.

LEIA MAIS: A temporada do Alavés tem muito a ver com Lucas Pérez

O terceiro, e talvez o mais perigoso de todos os motivos, é o marketing em cima das coincidências que apontam para o garoto. Já cansamos de ler matérias taxando jogadores como “Messi Brasileiro”, “Messi Espanhol”, “Messi Albanês” e etc, mas que não vingaram depois. Os adjetivos colocados no primeiro parágrafo foram propositais, porque, querendo ou não, a vida é uma grande coincidência e o futebol ilustra isso muito bem com a aclamação dos heróis e a demonização daqueles que ficaram pelo caminho. No entanto, esse marketing todo é bom para o Mallorca, que sabe que uma hora vai perder o Romero para um clube gigante e uma grana sempre será bem-vinda para o clube formador.

Entretanto, acompanhar Luka Romero é um exercício muito bom para quem gosta do futebol alegre, do drible e como ele pode ser adaptado ao jogo objetivo. Quando se analisa um atleta na base, é sempre importante ter em mente que o processo de formação varia de escola para escola. O aspecto tático, como sistemas e funções, é inserido paulatinamente, sendo mais firme e exigido em categorias mais próximas do profissional.

Romero, hoje, é chamado de meia-ofensivo, mas ele tem lampejos daquele estilo clássico do enganche, que é uma função adaptável ao futebol atual se você tiver a disposição um atleta de nível alto e que entenda os momentos da partida. O jovem é muito comparado a Lionel Messi pelos highlights que separam de suas atuações, sobretudo pelas corridas e dribles que ele tira da cartola.

De fato, Luka é muito habilidoso e a exigência na base é menor quanto ao cumprimento da função tática, porém, mesmo tendo liberdade para desfilar pelo gramado e resolver a parada com uma jogada individual, e assim ser comparado a Messi, é possível ver o comprometimento dele com os espaços e as decisões que devem ser tomadas.

Romero já é capaz de saber quando soltar a bola, de quando carrega-la, de quando buscar o jogo e atacar o espaço. Apesar de medir apenas 1,65m, ele sabe utilizar muito bem o corpo, mostrando um domínio orientado impressionante. Mesmo sendo franzino, é muito difícil derruba-lo, justamente pela capacidade de proteger a bola e conduzi-la até acelerar o jogo.

É importante fazer um adendo, pois saber carregar a bola é diferente de ser veloz. Romero não é um atleta que quebra barreiras na corrida, mas sim um jogador que usa o drible para iniciar uma jogada individual, podendo mudar de direção com facilidade e assim desvencilhar-se da marcação, a agilidade no domínio de bola permite que ele dite o ritmo e a velocidade sem depender do sprint.

Outro fator importante quanto a Romero é sua capacidade de finalização, algo que também remete a comparações com Messi. O jovem é fatal perto da meia-lua, principalmente quando ele parte na diagonal, clareia a jogada com um drible e chuta cruzado. Além disso, Luka já é um bom batedor de faltas, algo que conta bastante para alguém no processo de formação.

Apesar de ter nascido no México e de ser taxado pela imprensa espanhola como “Messi Mexicano”, Luka Romero não se vê vestindo outra camisa que não seja a albiceleste. Ele ainda pode escolher entre México, Espanha e Argentina, por nacionalidade e ancestralidade, porém, o sentimento é o que deve prevalecer. Ele, inclusive, fez um excepcional Sul-americano Sub-15, no Paraguai, em 2019, quando foi vice-campeão contra o Brasil. Apesar de ter perdido nos pênaltis, Romero foi um dos melhores em campo naquela final, carregando a Argentina muitas vezes nas costas durante o confronto.

Vicente Moreno, treinador do Mallorca, incorporou Luka Romero aos treinos da equipe profissional logo após a volta às atividades. Desde então, a expectativa quanto à estreia do argentino tem aumentado. A luta contra o rebaixamento é um empecilho a mais para que o treinador lance mão do talento que ele tem guardado no banco de reservas. De certa forma, Moreno está correto em esperar o momento ideal.

Entretanto, caso ele opte pela utilização de Romero ainda nesta temporada, o sistema 4-1-4-1, que ele comumente usa, serviria de bom grado ao meio-campista. Ainda que o argentino preferencialmente atue como meia-ofensivo, ele também pode atuar pelas duas extremidades do campo, sobretudo como extremo-invertido visando potencializar a finalização, que é um dos seus melhores atributos.

O ideal, no entanto, é deixa-lo próximo à outra joia que Moreno tem a disposição: Takefusa Kubo. Assim como Romero, Kubo também já recebeu a responsabilidade de ser “o novo Messi”, ou “o Messi Japonês”. A situação dele é até mais complicada porque ele esteve em La Masia antes do imbróglio contratual que o Barcelona se meteu devido a sua politica de contratação de jogadores juvenis.

LEIA MAIS: A incubadora de Paris e as joias que o PSG não quis

Kubo e Romero são jogadores bastante associativos e ambos podem desempenhar as mesmas funções no último terço. Ao contrário do que parece, é improvável que eles se “choquem” em campo, principalmente pelo QI de jogo que possuem. Apesar de ter apenas 19 anos, Kubo tem demonstrado muita maturidade nas participações com o Mallorca, onde está emprestado pelo Real Madrid. O japonês é responsável por criar as melhores chances de gol da equipe, seja em jogada individual a partir do drible ou pelos passes. Preferencialmente, Kubo atua como extremo-direito, sendo um extremo-invertido, já que ele é canhoto. Tendo Romero como interior-direito no 4-1-4-1, Moreno teria muita movimentação e sustentação ofensiva, podendo reter mais a posse de bola em vez de ter que depender de um jogo mais direto.

A probabilidade de Romero entrar durante uma partida é maior do que a dele iniciar o jogo. Esse cenário do 4-1-4-1 seria o mais propicio tendo em vista as principais qualidades do argentino. O 4-4-2, que Victor Moreno gosta, também seria um sistema que serviria aos predicados do meio-campista, que poderia atuar até mais próximo dos atacantes. Dependendo da circunstância, Luka poderia até ser um segundo atacante, especialmente ao lado de um centroavante mais fixo.

O sentimento de iminência pela estreia do argentino é grande e pensando na posterioridade, seria um caso bastante singular na história do Mallorca em reunir duas enormes promessas como Romero e Kubo ao menos por um jogo.

Apesar do post do social media e das replies suplicando pela utilização de Romero e Kubo, esse é o mais próximo que veremos da dupla juntos pelo Mallorca no momento.

Comparações podem ser tóxicas para um jogador com tão pouca idade. Nesse momento é importante levar as palavras de Bernardo Romero, coordenador das seleções juvenis da AFA, em entrevista recente ao jornal argentino Clarín: “Não precisamos apura-lo. É um grande jogador, muito centrado e educado. Depende de todos nós levarmos de pouco em pouco”.

O futuro parece brilhante para esse garoto cujo pai foi jogador de futebol profissional, porém, sem o mesmo sucesso que o filho, que sequer jogou uma partida oficial até hoje. Romero ainda tem um irmão chamado Tobías, que é goleiro. O sangue futebolista corre em suas veias assim como as coincidências.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Caio Nascimento

Últimas Postagens

Power in Motion: o projeto de restabelecimento do Dínamo de Moscou
Caio Nascimento

Power in Motion: o projeto de restabelecimento do Dínamo de Moscou

0 Comentários
Em sua primeira final europeia da história, o Villarreal desbanca o Arsenal nas semis da Europa League
Bruna Mendes

Em sua primeira final europeia da história, o Villarreal desbanca o Arsenal nas semis da Europa League

0 Comentários
A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola
Lucas Filus

A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola

0 Comentários
O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?
Dimitri Barcellos

O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?

0 Comentários
Paul Pogba pode ser o primeiro ‘reforço’ do United para a próxima temporada
Lucas Filus

Paul Pogba pode ser o primeiro 'reforço’ do United para a próxima temporada

0 Comentários
A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir
Caio Nascimento

A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir

0 Comentários
Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari
Caio Bitencourt

Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari

0 Comentários
Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol
Caio Alves

Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol

0 Comentários
Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube
Caio Nascimento

Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube

0 Comentários
Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete
Bruna Mendes

Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete

0 Comentários
O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?
Jonatan Cavalcante

O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?

0 Comentários
4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021
Dimitri Barcellos

4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021

0 Comentários
Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense
Gabriel Corrêa

Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense

0 Comentários
Kayky, Galarza, Nestor, Kaiky, Rodrigo Varanda e o semestre animador dos garotos da base brasileira
Caio Nascimento

Kayky, Galarza, Nestor, Kaiky, Rodrigo Varanda e o semestre animador dos garotos da base brasileira

0 Comentários
As transições da Inter que as deixam na cara do gol (e do Scudetto)
Caio Bitencourt

As transições da Inter que as deixam na cara do gol (e do Scudetto)

0 Comentários