MLS SE DESTACA NA LUTA PELA IGUALDADE NOS ESTÁDIOS

Por Pedro Cuenca Em todo o mundo, cantos homofóbicos ecoam pelos estádios. No Brasil, não é diferente. Inspirados pelos mexicanos após a Copa do Mundo de 2014, milhares de torcedores decidiram que é legal cantar ofensivamente para os goleiros rivais durante os tiros de meta, como se o fato de alguém ser gay – ou […]

Por Pedro Cuenca

Em todo o mundo, cantos homofóbicos ecoam pelos estádios. No Brasil, não é diferente. Inspirados pelos mexicanos após a Copa do Mundo de 2014, milhares de torcedores decidiram que é legal cantar ofensivamente para os goleiros rivais durante os tiros de meta, como se o fato de alguém ser gay – ou ‘bicha’, como eles tanto cantam – fizesse a pessoa ser inferior a outra. Nos Estados Unidos e no Canadá, os gritos também existem, mas a Major League Soccer e os clubes locais começam a mudar a perspectiva de todos os envolvidos no esporte, causando mudanças na visão do futebol nos países e integrando a comunidade LGBT+ com o esporte.

Nos últimos anos, a Major League Soccer tem feito parceria com ONGs e grupos defensores dos direitos LGBT+. Um desses projetos é o You Can Play – em português, ‘Vocês podem jogar’ – que promove a igualdade de trabalho, inclusão e respeito a todos os atletas. Vários clubes da MLS aderiram ao projeto, além da US Soccer, federação de futebol local. Esse foi o primeiro de muitos pequenos passos dado nos Estados Unidos para unir as duas comunidades.

A MLS promove, anualmente, o ‘Pride Month’ para que diversas equipes incluam e façam homenagens a diferentes comunidades LGBT+ ao redor do país. Doações de dinheiro, geralmente da bilheteria das partidas, também ocorre com frequência. Em 2018, horas antes do ‘Pride Night’ – em português, ‘Noite do Orgulho’ – o jogador Collin Martin, do Minnesota United, usou suas redes sociais para assumir sua homossexualidade. O fato, inesperado para muitos, foi bem recebido por outros jogadores e pelas torcidas da liga. Aliás, se olharmos para as arquibancadas de jogos nos Estados Unidos e no Canadá, não será estranho se encontrarmos uma bandeira do movimento LGBT+, talvez até mais se prestarmos atenção.

O caso de Collin Martin não foi isolado. Em 2013, o lateral Robbie Rodgers assumiu sua homossexualidade e anunciou aposentadoria do futebol por medo da pressão de torcedores e da imprensa. Meses depois, porém, foi anunciado no Los Angeles Galaxy e se tornou o primeiro jogador assumidamente gay a atuar em um das grandes ligas americanas. No ano seguinte, conquistou o título da MLS com a equipe californiana por onde atuou até se aposentar definitivamente, por causa das muitas lesões, em 2017. Ambos podem deixar um grande legado para futuras gerações com o impacto e a coragem de seus anúncios atualmente.

_20180630052431-k0bE-U4550483516625D-980x554@MundoDeportivo-Web

A atitude positiva e acolhedora da liga tem feito a diferença nos últimos anos. É verdade que casos de cantos homofóbicos acontecem nas arquibancadas, como foi com a torcida do Atlanta United, em 2017. Na atual temporada, foi a vez dos ultras do LA Galaxy emitirem o grito de ‘puto’, o equilavalente espanhol ao grito de ‘bicha’, sendo repreendidos por jornalistas, dirigentes e até mesmo jogadores da própria equipe. O atacante Alan Gordon, em 2013, foi suspenso por uso de linguajar homofóbico, mostrando que a liga não aceitaria desrespeitos dentro de campo, mesmo que os jogadores estejam de cabeça quente durante os 90 minutos.

A marca da cultura LGBT e do respeito já está muito presente na MLS, e isso deve ser celebrado, como no caso do Orlando City separando 49 cadeiras em seu estádio com as cores do arco-íris, homenageando os mortos na boate gay Pulse, em 2016. O fato de jogadores estarem assumindo a homossexualidade ainda ativos na profissão mostra que a liga é acolhedora a eles e isso deve ser reconhecido, assim como os incentivos dos clubes ao movimento LGBT.

A Major League Soccer dá pequenos passos no caminho da diversidade. Não veremos uma avalanche de jogadores assumindo a homossexualidade, mas o caminho está sendo trilhado para que o preconceito não exista mais no futebol, dentro e fora das quatro linhas. A semente foi plantada, os frutos ainda estão começando a conhecer a luz, mas mostra que o futebol nos Estados Unidos está avançando a passos mais largos do que em diversos lugares do mundo, inclusive em relação ao Brasil, onde a homofobia ainda é tratada como ‘rivalidade’ ou ‘brincadeira provocativa’

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Footure

Últimas Postagens

A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola
Lucas Filus

A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola

0 Comentários
O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?
Dimitri Barcellos

O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?

0 Comentários
Paul Pogba pode ser o primeiro ‘reforço’ do United para a próxima temporada
Lucas Filus

Paul Pogba pode ser o primeiro 'reforço’ do United para a próxima temporada

0 Comentários
A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir
Caio Nascimento

A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir

0 Comentários
Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari
Caio Bitencourt

Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari

0 Comentários
Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol
Caio Alves

Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol

0 Comentários
Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube
Caio Nascimento

Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube

0 Comentários
Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete
Bruna Mendes

Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete

0 Comentários
O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?
Jonatan Cavalcante

O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?

0 Comentários
4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021
Dimitri Barcellos

4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021

0 Comentários
Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense
Gabriel Corrêa

Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense

0 Comentários
Kayky, Galarza, Nestor, Kaiky, Rodrigo Varanda e o semestre animador dos garotos da base brasileira
Caio Nascimento

Kayky, Galarza, Nestor, Kaiky, Rodrigo Varanda e o semestre animador dos garotos da base brasileira

0 Comentários
As transições da Inter que as deixam na cara do gol (e do Scudetto)
Caio Bitencourt

As transições da Inter que as deixam na cara do gol (e do Scudetto)

0 Comentários
Danilo, uma boa dor de cabeça para Abel Ferreira no Palmeiras
Gabriel Corrêa

Danilo, uma boa dor de cabeça para Abel Ferreira no Palmeiras

0 Comentários
Zidane vence jogo de xadrez no El Clásico e aumenta disputa por título na Liga
Bruna Mendes

Zidane vence jogo de xadrez no El Clásico e aumenta disputa por título na Liga

0 Comentários