MODRIC E RAKITIC PROPORCIONAM CONTROLE TOTAL À CROÁCIA

Por @RodrigoCout Superior durante os 90 minutos, a Croácia não teve muita dificuldade para bater a Nigéria por 2×0 na estreia da Copa do Mundo de 2018. A partida em Kaliningrado não teve um nível técnico alto, apesar da presença dos geniais Modric e Rakitic no meio-campo. A dupla aliás foi determinante para a execução […]

Por @RodrigoCout

Superior durante os 90 minutos, a Croácia não teve muita dificuldade para bater a Nigéria por 2×0 na estreia da Copa do Mundo de 2018. A partida em Kaliningrado não teve um nível técnico alto, apesar da presença dos geniais Modric e Rakitic no meio-campo. A dupla aliás foi determinante para a execução perfeita da proposta de jogo adotada pelos croatas. Menos passes curtos e mais lançamentos para uma ocupação eficaz no último terço do campo. Etebo(contra) e Modric balançaram as redes. A Croácia lidera o Grupo D e pega a Argentina na próxima rodada. Já a Nigéria busca a recuperação contra a embalada Islândia.

Escalações bem ousadas de parte e parte. Pelo menos no papel. A Croácia mandou a campo um 4-4-2 com quatro atacantes de origem. Kramaric e Mandzukic pela faixa central, Perisic e Rebic pelos lados. Modric e Rakitic construindo mais atrás. Já a Nigéria entrou em campo com Etebo, um meia de origem, como volante ao lado de Ndidi. Obi Mikel novamente como um meia central no 4-2-3-1. A promessa de um jogo mais aberto acabou ficando no vestiário. O 1º tempo, não fosse os belos lançamentos de Modric e Rakitic, seria sofrível.

Campo 01A grosso modo, as duas equipes tinham basicamente a mesma estratégia. Uma saída de bola a princípio curta, mas que ganharia um passe longo assim que os homens de frente fizessem o movimento de correr para buscar a profundidade. A grande diferença então foi a qualidade de quem fazia esse passe. Pelo lado croata, os magos Modric e Rakitic. Pelo lado nigeriano o irregular Obi Mikel. Outro ponto determinante para o domínio europeu na etapa inicial foi a coordenação com que Perisic, Rebic, Mandzukic e Kramaric faziam isso. Conseguiam agredir o terço final do campo com muito mais ímpeto e organização. Recebiam na maioria das vezes os lançamentos qualificados e davam prosseguimento.

Muito em virtude do cenário, a Croácia foi muito mais perigosa no sonolento 1º tempo. Kramaric, Perisic e Rebic já haviam assustado quando Mandzukic desviou de cabeça escanteio cobrado pelo lado direito e Etebo marcou contra aos 32 minutos. Kramaric de novo e o lateral Vrslajko fizeram investidas perigosas nos últimos minutos. Enquanto que a Nigéria não conseguia estabelecer o seu jogo de bola esticada buscando a velocidade de Iwobi ou Moses, além da força física de Ighalo. Era um time apático. Errava muito e o rendimento ofensivo da primeira etapa foi deprimente.

Print01-1 Print02-1

Na parte defensiva, a Nigéria tinha preocupação sobretudo com Modric. Etebo saía da linha dos volantes em vários momentos para impedir que o camisa 10 construísse os ataques croatas. A oscilação na intensidade acabou não possibilitando o objetivo e alguns espaços apareceram na frente da defesa. Kramaric e Perisic aproveitaram em algumas ocasiões. Já a Croácia, na parte defensiva, fez um 1º tempo perfeito. Sua linha defensiva esteve bem atenta às projeções em velocidade dos atacantes nigerianos e a marcação em bloco médio era bem intensa.

No 2º tempo a Nigéria tentou botar mais a bola no chão. Por mais que não tenha um modelo que preze esse tipo de jogo, passou a incomodar acionando Moses pelo lado direito. A Croácia teve menos a posse, mas se aproveitava de alguns erros naturais que os africanos cometiam na construção de suas jogadas. Novamente o trabalho de Rakitic e Modric era importante no meio. Desta vez comandando o posicionamento da linha de meio e a pressão ao portador da bola no momento certo.

Para tentar retomar o controle da posse. Zlatko Dalic colocou Brozovic no lugar de Kramaric aos 15 minutos. Modric foi adiantado e o esquema tático mudou para o 4-2-3-1. Gernot Rohr respondeu com a entrada de Musa no lugar de Iwobi. A estratégia croata deu certo e a Nigéria não conseguia imprimir um ritmo de marcação eficaz. Aos 25 minutos, o zagueirão Ekong cometeu pênalti em Mandzukic e Modric ampliou o marcador na cobrança.

Campo 02

Se já estava difícil antes, com dois gols contra no marcador a parte anímica da Nigéria ficou ainda mais prejudicada e a Croácia controlou como quis até o apito final. Os europeus traçaram um plano específico para a partida e o executaram perfeitamente. Os nigerianos são até aqui a grande decepção deste início de Mundial. Não conseguiram se impor em nenhum aspecto.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Últimas Postagens

Cinco promessas africanas na base de clubes europeus
Caio Nascimento

Cinco promessas africanas na base de clubes europeus

0 Comentários
Pellegrini: a história dos romanos na Roma continua
Caio Bitencourt

Pellegrini: a história dos romanos na Roma continua

0 Comentários
A afirmação da Espanha e sua nova geração
Bruna Mendes

A afirmação da Espanha e sua nova geração

0 Comentários
Guto Ferreira coloca o Bahia para acelerar
Gabriel de Assis

Guto Ferreira coloca o Bahia para acelerar

0 Comentários
RAIO-X: De onde saem as assistências dos líderes do quesito na Série B
Douglas Batista

RAIO-X: De onde saem as assistências dos líderes do quesito na Série B

0 Comentários
Os destaques dos 8 classificados no Brasileirão Sub-20
Caio Nascimento

Os destaques dos 8 classificados no Brasileirão Sub-20

0 Comentários
A reinvenção de Brahim Diaz no meio-campo do Milan
Caio Bitencourt

A reinvenção de Brahim Diaz no meio-campo do Milan

0 Comentários
Maduro, o Red Bull Bragantino se aproxima de fazer história
Gabriel de Assis

Maduro, o Red Bull Bragantino se aproxima de fazer história

0 Comentários
Friendly #7 | O novo rico Newcastle, Sports Washing e a ‘era’ de clube-estado
Eduardo Dias

Friendly #7 | O novo rico Newcastle, Sports Washing e a 'era' de clube-estado

0 Comentários
Napoli: O impacto inicial de Anguissa com a camisa partenopei
Caio Bitencourt

Napoli: O impacto inicial de Anguissa com a camisa partenopei

0 Comentários
O Grande Norte e os grandes desafios: o que o futuro reserva para o futebol masculino do Canadá?
Caio Nascimento

O Grande Norte e os grandes desafios: o que o futuro reserva para o futebol masculino do Canadá?

0 Comentários
O agressivo América/MG de Vagner Mancini
Gabriel de Assis

O agressivo América/MG de Vagner Mancini

0 Comentários
O Botafogo/PB em busca de um acesso histórico na Paraíba
Douglas Batista

O Botafogo/PB em busca de um acesso histórico na Paraíba

0 Comentários
A disparidade entre Atlético de Madrid e Barcelona
Bruna Mendes

A disparidade entre Atlético de Madrid e Barcelona

0 Comentários
Tuchel, Solskjaer, tropeços e realidades diferentes
Lucas Filus

Tuchel, Solskjaer, tropeços e realidades diferentes

0 Comentários