Nicolás De La Cruz: dinamismo para Gallardo

O jovem uruguaio joga, recupera e faz jogar. É o elemento mais dinâmico de “Muñeco” Gallardo

Nicolás De La Cruz é o irmão mais novo de Carlos Sánchez, peça chave na campanha do River Plate no título da Copa Libertadores de 2015. Assim como o atual jogador do Santos, o jovem uruguaio oferece um trabalho semelhante ao do seu irmão dentro do sistema de Marcelo Gallardo a partir de uma gran de versatilidade. O caso é que De La Cruz se trata de um jogador que pode ser utilizado em distintas posições, podendo jogar aberto pelos dois lados ou por dentro na função de interior se for necessário.

Muito além de ser uma peça capaz de jogar em diferentes zonas do campo, Nico, assim como “Pato” Sánchez, é uma peça capaz de oferecer o equilíbrio entre o que consegue produzir com e sem a bola. Neste sentido, ele registra quatro gols e quatro assistências nos nove jogos que fez pela Superliga argentina (o segundo que mais anotou pelo time na competição); Pela Libertadores, são três tentos e um passe para gol em 11 partidas. E por mais que não seja exatamente expressivo nestes últimos números, é o jogador do River com mais dribles completados (62%) ao passo que é também o que mais recupera bolas (71) no torneio sudamericano. Por outra via, é o atleta que mais comete perdas – uma de suas principais debilidades, algo que tem a ver por tomadas de decisões e pela busca demasiada pelo último passe.

O mapa de calor de De La Cruz no Argentino

Como já foi dito anteriormente, Nicolás De La Cruz pode atuar em ambos costados no 4-1-3-2 de “Muñeco” Gallardo. De todo modo, inicia e lança transições (soma muito desta forma) e, ao lado de “Nacho” Fernández (com quem divide os lances de bolas paradas), é o responsável por dar continuidade e manter fluidez ofensiva do River Plate em campo contrário. Quando atua pelo lado canhoto, alterna entre posições abertas e interiores com o lateral-esquerdo Milton Casco.

O mapa de calor de Nico de La Cruz na Libertadores

 Já pela direita, atuando ao pé natural, transmite sensações de se relacionar melhor com o jogo e acompanhar as jogadas elaboradas pela esquerda para invadir a área e finalizar estando no segundo pau ou em boa zona de remate. Também é um efetivo em fase defensiva, lançando pressões durante o bom trabalho de pressão pós-perda do River e sendo preciso colocando o pé nas divididas, onde triunfa em 60% dos duelos no Campeonato Argentino.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Vinícius Dutra

Últimas Postagens

A onda tecnicista na função do auxiliar técnico de futebol
Jonatan Cavalcante

A onda tecnicista na função do auxiliar técnico de futebol

0 Comentários
Friendly #1 | Imaginar e construir o futuro, a habilidade fundamental do século XXI
Footure

Friendly #1 | Imaginar e construir o futuro, a habilidade fundamental do século XXI

0 Comentários
Surpresa e tradição: os classificados para as quartas do futebol masculino na Olimpíada
Caio Nascimento

Surpresa e tradição: os classificados para as quartas do futebol masculino na Olimpíada

0 Comentários
Osimhen, Simy, e a problemática das narrativas sobre jogadores africanos
Caio Bitencourt

Osimhen, Simy, e a problemática das narrativas sobre jogadores africanos

0 Comentários
O que esperar do Real Madrid para os próximos anos com Carlo Ancelotti?
Bruna Mendes

O que esperar do Real Madrid para os próximos anos com Carlo Ancelotti?

0 Comentários
O que explica as goleadas do Flamengo com Renato Gaúcho?
Gabriel de Assis

O que explica as goleadas do Flamengo com Renato Gaúcho?

0 Comentários
Como o Vojvodismo transformou o Fortaleza em protagonista no futebol brasileiro?
Jonatan Cavalcante

Como o Vojvodismo transformou o Fortaleza em protagonista no futebol brasileiro?

0 Comentários
God Save the Game #34 | A janela de transferências da Premier League 21/22
Gabriel Corrêa

God Save the Game #34 | A janela de transferências da Premier League 21/22

0 Comentários
Felipão chega entregando o de sempre: segurança e resultado
Gabriel de Assis

Felipão chega entregando o de sempre: segurança e resultado

0 Comentários
Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 2
Caio Nascimento

Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 2

0 Comentários
A Itália ainda pode crescer após o título da Euro?
Caio Bitencourt

A Itália ainda pode crescer após o título da Euro?

0 Comentários
Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 1
Caio Nascimento

Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 1

0 Comentários
O complicado início de Diego Aguirre no Internacional
Gabriel de Assis

O complicado início de Diego Aguirre no Internacional

0 Comentários
Rodrigo De Paul: o meia com DNA de Simeone e Atlético de Madrid
Bruna Mendes

Rodrigo De Paul: o meia com DNA de Simeone e Atlético de Madrid

0 Comentários
A Inglaterra superou seus traumas e, agora, se permite sonhar
Lucas Filus

A Inglaterra superou seus traumas e, agora, se permite sonhar

0 Comentários