NOVAS REGRAS E NOVAS ESTRATÉGIAS

Por Léo Gomide O último final de semana marcou o início do Campeonato Brasileiro já com a aplicação das novas regras para o jogo de futebol definidas pela International Board em 2 de março. Entre as mudanças que entraram em vigor está a cobrança do tiro de meta. Se antes era necessário a bola sair […]

Por Léo Gomide

O último final de semana marcou o início do Campeonato Brasileiro já com a aplicação das novas regras para o jogo de futebol definidas pela International Board em 2 de março.

Entre as mudanças que entraram em vigor está a cobrança do tiro de meta. Se antes era necessário a bola sair da grande área para estar em jogo, a partir de agora está excluída esta obrigatoriedade. Um defensor pode receber o passe do goleiro ou de outro companheiro dentro da grande área.

Mesmo em um campeonato em que o cenário é mais pragmático do que de se assumir riscos, a modificação aplicada pela IFAB deve ocasionar um acréscimo na qualidade do jogo.

Ao se posicionar para a nova saída curta no tiro de meta, um time visa atrair jogadores adversários para as proximidades da grande área, o que tende a criar espaços entre as linhas do oponente e a possibilidade de com passes verticais conseguir progredir no campo de forma mais rápida e aproveitando o espaço às costas da marcação adversária.

De forma estratégica o Athletico foi a exclusividade na tentativa de tirar proveito da mudança. O Furacão teve cinco tiros de meta na partida contra o Vasco e em três deles posicionou jogadores dentro da grande área na tentativa de subir a marcação e abrir espaços nos setores do time carioca. E tal plano de ação culminou no quarto gol marcado por Nikão. Depois de uma cobrança curta a equipe rubro-negra construiu a jogada para selar a vitória.

Captura de Tela 2019-04-29 às 12.35.28 Captura de Tela 2019-04-29 às 12.13.48

No geral*, 111 tiros de meta foram cobrados na rodada inaugural do Brasileirão, e, além do time de Tiago Nunes, pode ser observado apenas uma batida curta feita também por Fluminense, Fortaleza, Vasco e Santos, mas todos com o comportamento mais de agilizar o reinício do jogo do que aproveitar-se estrategicamente da situação.

Outro salto de qualidade poderá ser a necessidade de um goleiro com maior habilidade com os pés, para que se tornem definitivamente uma opção não só para defender a meta, mas também no início da construção das jogadas ofensivas, já que um passe mais longo e com precisão pode desequilibrar a marcação do rival.

Vimos uma nova regra, mas ainda com velhos hábitos. E o exemplo do Athletico-PR deve estimular ainda mais a discussão sobre a racionalização do calendário para uma melhora da qualidade do jogo.


Observação: a mensuração do número de tiros de meta na 1ª rodada foi feita através da plataforma INSTAT utilizando o recurso da mesma de Match in “ball in play mode”. O número acima não contabiliza a partida entre Bahia x Corinthians, não disponibilizada pela plataforma até a finalização do texto.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Leo Gomide

Últimas Postagens

O que é a linha sustentada, conceito dominado por Tite e Mano Menezes e que fez sucesso no Corinthians
Caio Alves

O que é a linha sustentada, conceito dominado por Tite e Mano Menezes e que fez sucesso no Corinthians

0 Comentários
Atlético-MG vive seu melhor momento na temporada
Gabriel de Assis

Atlético-MG vive seu melhor momento na temporada

0 Comentários
A onda tecnicista na função do auxiliar técnico de futebol
Jonatan Cavalcante

A onda tecnicista na função do auxiliar técnico de futebol

0 Comentários
Friendly #1 | Imaginar e construir o futuro, a habilidade fundamental do século XXI
Footure

Friendly #1 | Imaginar e construir o futuro, a habilidade fundamental do século XXI

0 Comentários
Surpresa e tradição: os classificados para as quartas do futebol masculino na Olimpíada
Caio Nascimento

Surpresa e tradição: os classificados para as quartas do futebol masculino na Olimpíada

0 Comentários
Osimhen, Simy, e a problemática das narrativas sobre jogadores africanos
Caio Bitencourt

Osimhen, Simy, e a problemática das narrativas sobre jogadores africanos

0 Comentários
O que esperar do Real Madrid para os próximos anos com Carlo Ancelotti?
Bruna Mendes

O que esperar do Real Madrid para os próximos anos com Carlo Ancelotti?

0 Comentários
O que explica as goleadas do Flamengo com Renato Gaúcho?
Gabriel de Assis

O que explica as goleadas do Flamengo com Renato Gaúcho?

0 Comentários
Como o Vojvodismo transformou o Fortaleza em protagonista no futebol brasileiro?
Jonatan Cavalcante

Como o Vojvodismo transformou o Fortaleza em protagonista no futebol brasileiro?

0 Comentários
God Save the Game #34 | A janela de transferências da Premier League 21/22
Gabriel Corrêa

God Save the Game #34 | A janela de transferências da Premier League 21/22

0 Comentários
Felipão chega entregando o de sempre: segurança e resultado
Gabriel de Assis

Felipão chega entregando o de sempre: segurança e resultado

0 Comentários
Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 2
Caio Nascimento

Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 2

0 Comentários
A Itália ainda pode crescer após o título da Euro?
Caio Bitencourt

A Itália ainda pode crescer após o título da Euro?

0 Comentários
Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 1
Caio Nascimento

Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 1

0 Comentários
O complicado início de Diego Aguirre no Internacional
Gabriel de Assis

O complicado início de Diego Aguirre no Internacional

0 Comentários