NOVAS REGRAS E NOVAS ESTRATÉGIAS

Por Léo Gomide O último final de semana marcou o início do Campeonato Brasileiro já com a aplicação das novas regras para o jogo de futebol definidas pela International Board em 2 de março. Entre as mudanças que entraram em vigor está a cobrança do tiro de meta. Se antes era necessário a bola sair […]

Por Léo Gomide

O último final de semana marcou o início do Campeonato Brasileiro já com a aplicação das novas regras para o jogo de futebol definidas pela International Board em 2 de março.

Entre as mudanças que entraram em vigor está a cobrança do tiro de meta. Se antes era necessário a bola sair da grande área para estar em jogo, a partir de agora está excluída esta obrigatoriedade. Um defensor pode receber o passe do goleiro ou de outro companheiro dentro da grande área.

Mesmo em um campeonato em que o cenário é mais pragmático do que de se assumir riscos, a modificação aplicada pela IFAB deve ocasionar um acréscimo na qualidade do jogo.

Ao se posicionar para a nova saída curta no tiro de meta, um time visa atrair jogadores adversários para as proximidades da grande área, o que tende a criar espaços entre as linhas do oponente e a possibilidade de com passes verticais conseguir progredir no campo de forma mais rápida e aproveitando o espaço às costas da marcação adversária.

De forma estratégica o Athletico foi a exclusividade na tentativa de tirar proveito da mudança. O Furacão teve cinco tiros de meta na partida contra o Vasco e em três deles posicionou jogadores dentro da grande área na tentativa de subir a marcação e abrir espaços nos setores do time carioca. E tal plano de ação culminou no quarto gol marcado por Nikão. Depois de uma cobrança curta a equipe rubro-negra construiu a jogada para selar a vitória.

Captura de Tela 2019-04-29 às 12.35.28 Captura de Tela 2019-04-29 às 12.13.48

No geral*, 111 tiros de meta foram cobrados na rodada inaugural do Brasileirão, e, além do time de Tiago Nunes, pode ser observado apenas uma batida curta feita também por Fluminense, Fortaleza, Vasco e Santos, mas todos com o comportamento mais de agilizar o reinício do jogo do que aproveitar-se estrategicamente da situação.

Outro salto de qualidade poderá ser a necessidade de um goleiro com maior habilidade com os pés, para que se tornem definitivamente uma opção não só para defender a meta, mas também no início da construção das jogadas ofensivas, já que um passe mais longo e com precisão pode desequilibrar a marcação do rival.

Vimos uma nova regra, mas ainda com velhos hábitos. E o exemplo do Athletico-PR deve estimular ainda mais a discussão sobre a racionalização do calendário para uma melhora da qualidade do jogo.


Observação: a mensuração do número de tiros de meta na 1ª rodada foi feita através da plataforma INSTAT utilizando o recurso da mesma de Match in “ball in play mode”. O número acima não contabiliza a partida entre Bahia x Corinthians, não disponibilizada pela plataforma até a finalização do texto.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Últimas Postagens

Silvio Romero: como se movimenta e finaliza as jogadas?
Jonatan Cavalcante

Silvio Romero: como se movimenta e finaliza as jogadas?

0 Comentários
Como funciona o sistema de marcação do Torino de Ivan Juric
Caio Bitencourt

Como funciona o sistema de marcação do Torino de Ivan Juric

0 Comentários
Schick: ‘intruso’ em meio a Lewandowski e Haaland
Gabriel Belo

Schick: 'intruso' em meio a Lewandowski e Haaland

0 Comentários
O potencial do Valencia de Pepe Bordalás
Bruna Mendes

O potencial do Valencia de Pepe Bordalás

0 Comentários
Destaques da Copa São Paulo – Eliminados na primeira fase
Douglas Batista

Destaques da Copa São Paulo - Eliminados na primeira fase

0 Comentários
Cuiabá tem atuação boa e consciente no mercado
Gabriel de Assis

Cuiabá tem atuação boa e consciente no mercado

0 Comentários
Pedro Naressi: acrescenta competitividade e repertório ao Sport
Jonatan Cavalcante

Pedro Naressi: acrescenta competitividade e repertório ao Sport

0 Comentários
O que é um ‘Falso 9’ e quais as diferenças entre os diversos tipos de centroavantes

O que é um 'Falso 9' e quais as diferenças entre os diversos tipos de centroavantes

Aurelio Solano
O encaixe dos reforços do Fluminense e Abel Braga
Gabriel de Assis

O encaixe dos reforços do Fluminense e Abel Braga

0 Comentários
Como Ferran Torres pode ajudar o Barcelona?
Bruna Mendes

Como Ferran Torres pode ajudar o Barcelona?

0 Comentários
As virtudes e vulnerabilidades que Richardson aporta ao Ceará
Jonatan Cavalcante

As virtudes e vulnerabilidades que Richardson aporta ao Ceará

0 Comentários
As perguntas e respostas que fazem evoluir o jogo
Luís Cristovão

As perguntas e respostas que fazem evoluir o jogo

0 Comentários
Cuca deixa o Atlético Mineiro como um dos melhores trabalhos de sua carreira
Gabriel de Assis

Cuca deixa o Atlético Mineiro como um dos melhores trabalhos de sua carreira

0 Comentários
Paulo Sousa: “O futebol é baseado no espaço e tempo”
Renato Gomes

Paulo Sousa: “O futebol é baseado no espaço e tempo”

1 Comentários
Há algo de podre no jeito italiano de se fazer futebol: o caso Salernitana
Caio Bitencourt

Há algo de podre no jeito italiano de se fazer futebol: o caso Salernitana

0 Comentários