O BRASIL DE TITE

Por @_GabrielCorrea A Seleção é dos melhores ou de quem se encaixa melhor na sua ideia de jogo? Para o técnico Tite a segunda opção é a mais clara. Desde sua primeira convocação recebeu criticas quanto aos chamados dos “chineses” Paulinho e Renato Augusto, ambos titulares no Brasil. Depois de nove jogos, nove vitórias e uma classificação […]

Por @_GabrielCorrea

A Seleção é dos melhores ou de quem se encaixa melhor na sua ideia de jogo? Para o técnico Tite a segunda opção é a mais clara. Desde sua primeira convocação recebeu criticas quanto aos chamados dos “chineses” Paulinho e Renato Augusto, ambos titulares no Brasil. Depois de nove jogos, nove vitórias e uma classificação antecipada à Copa do Mundo de 2018, na Rússia, os críticos parecem ter sumido.

Formatada no 4-1-4-1 dos seus tempos de Corinthians, os jogadores da Seleção mantém a risca uma ideia. Aproximação de todos os setores, triangulações e sempre em busca de cortar as linhas de passe dos adversários; como podemos observar no vídeo editado por Leonardo Miranda, do blog Painel Tático.

Ele não faz tantos gols e nem dá tantas assistências, mas é um dos jogadores mais importantes da Seleção. Renato Augusto é o interior que dita o ritmo da equipe. Com uma inteligência tática acima do comum, ele orienta seus companheiros em diversos momentos. Abaixo, uma mapa de seus passes contra o Paraguai, na última partida da Seleção nas Eliminatórias, a nona vitória de Tite. Sem aparecer tanto no ataque, mas com presença no meio para controlar o jogo.

CAMPO

Por isso, de nada adianta ter dez craques por posição se não convocar aqueles que se adequarem a uma formatação (ouviu, Bauza?). Tite agora terá tempo para testes e formatações diferentes para momentos diferentes dentro do jogo.

Sem clima de empolgou ou a sensação do hexa. Mas agora, a seleção canarinho voltou a ter treinador.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Últimas Postagens

O caminho da Seleção, as mudanças de Tite e um norte para o Catar
Aurelio Solano

O caminho da Seleção, as mudanças de Tite e um norte para o Catar

0 Comentários
Cinco promessas africanas na base de clubes europeus
Caio Nascimento

Cinco promessas africanas na base de clubes europeus

0 Comentários
Pellegrini: a história dos romanos na Roma continua
Caio Bitencourt

Pellegrini: a história dos romanos na Roma continua

0 Comentários
A afirmação da Espanha e sua nova geração
Bruna Mendes

A afirmação da Espanha e sua nova geração

0 Comentários
Guto Ferreira coloca o Bahia para acelerar
Gabriel de Assis

Guto Ferreira coloca o Bahia para acelerar

0 Comentários
RAIO-X: De onde saem as assistências dos líderes do quesito na Série B
Douglas Batista

RAIO-X: De onde saem as assistências dos líderes do quesito na Série B

0 Comentários
Os destaques dos 8 classificados no Brasileirão Sub-20
Caio Nascimento

Os destaques dos 8 classificados no Brasileirão Sub-20

0 Comentários
A reinvenção de Brahim Diaz no meio-campo do Milan
Caio Bitencourt

A reinvenção de Brahim Diaz no meio-campo do Milan

0 Comentários
Maduro, o Red Bull Bragantino se aproxima de fazer história
Gabriel de Assis

Maduro, o Red Bull Bragantino se aproxima de fazer história

0 Comentários
Friendly #7 | O novo rico Newcastle, Sports Washing e a ‘era’ de clube-estado
Eduardo Dias

Friendly #7 | O novo rico Newcastle, Sports Washing e a 'era' de clube-estado

0 Comentários
Napoli: O impacto inicial de Anguissa com a camisa partenopei
Caio Bitencourt

Napoli: O impacto inicial de Anguissa com a camisa partenopei

0 Comentários
O Grande Norte e os grandes desafios: o que o futuro reserva para o futebol masculino do Canadá?
Caio Nascimento

O Grande Norte e os grandes desafios: o que o futuro reserva para o futebol masculino do Canadá?

0 Comentários
O agressivo América/MG de Vagner Mancini
Gabriel de Assis

O agressivo América/MG de Vagner Mancini

0 Comentários
O Botafogo/PB em busca de um acesso histórico na Paraíba
Douglas Batista

O Botafogo/PB em busca de um acesso histórico na Paraíba

0 Comentários
A disparidade entre Atlético de Madrid e Barcelona
Bruna Mendes

A disparidade entre Atlético de Madrid e Barcelona

0 Comentários