O COMEÇO DE BOSZ

Por @viniciusof Posse de bola e passividade são duas marcas que acompanham o titubeante princípio de trabalho do holandês Peter Bosz em Dortmund. Com um time que alterna velocidade com a bola, Bosz optou por apostar no mesmo formato que o trouxe para o Signal Iduna Park: o 4-3-3. Depois de embalar seis vitórias em sete […]

Por @viniciusof

Posse de bola e passividade são duas marcas que acompanham o titubeante princípio de trabalho do holandês Peter Bosz em Dortmund. Com um time que alterna velocidade com a bola, Bosz optou por apostar no mesmo formato que o trouxe para o Signal Iduna Park: o 4-3-3. Depois de embalar seis vitórias em sete jogos, com dois gols sofridos e 26 marcados, o Dortmund encontrou dificuldades quando se deparou com oponentes mais qualificados, que pressionaram sua saída de bola.


 

CONSTRUINDO

Chama a atenção que, ao constrário da grande maioria das equipes que atua no 4-3-3, o Dortmund não promove a chamada “linha de 3”, movimento que marca o ingresso do primeiro volante na linha dos zagueiros para garantir superioridade numérica na saída de bola. Nuri Sahin, o volante escolhido por Bosz enquanto Julian Weigl se recupera de lesão, trabalha atrás da primeira linha de marcação adversária, como um meio-campista. O frame sinaliza, em amarelo, Sahin executando um movimento frequente do “primeiro volante” neste início da Era Bosz: se projetar entre as linhas de marcação quando sua equipe tem a bola. O mesmo ocorreu quando o treinador optou por Dahoud na posição. Logo temos um padrão de comportamento.

PRINT1

Sem o apoio deste “primeiro volante”, que se manda para receber bola entre as linhas adversárias, a linha defensiva costuma trocar pacientemente passes até o adversário se abrir. Isso marcou sobretudo as atuações das primeiras rodadas, quando Dortmund chegou a liderar o índice de posse de bola entre as quatro principais ligas européias, com médias próximas aos 64%. Abaixo, um mapa de influência e interação entre jogadores desenvolvido pelo @11tegen11 na partida do Dortmund contra o Freiburg, pela terceira rodada da Bundesliga. O alto índice de troca de passes entre os dois zagueiros fica bem ilustrado, enquanto os extremas Pulisic e Phillip são pouco acionados.

PRINT2

 

FASE OFENSIVA
Com a bola, o trio final do Dortmund faz preferencialmente dois movimentos: o de volume de área (ilustrado no frame abaixo) ou se abre para a penetração dos meio-campistas (vídeo abaixo). Quando os extremas se aproximam de Aubameyang propósito é gerar igualdade numérica numa região terminal e crucial do campo. E, ao saírem das extremidades, os pontas deixam a área vaga para que os laterais avancem, garantam amplitude e descongestionem o centro do campo. Trata-se de um movimento clássico de atração do oponente para atacá-lo em outra região do campo.

 

PRINT3

 

Outra arma importante utilizada frequentemente pelo Dortmund para romper a última linha adversário é o movimento de Aubameyang para buscar jogo, atrair um zagueiro consigo e assim deixar uma brecha para ser ocupada por algum ponta. Este movimento visa “quebrar” a última linha do rival e facilitar o ingresso à área.

PRINT4

 

SAÍDA SITIADA
Como Sahin ou qualquer um dos volantes não recua para fazer a chamada “saída de 3”, o Dortmund recorre ao goleiro Burki com o objetivo de garantir superioridade numérica na saída de jogo. Mas repare que no frame abaixo o Leipzig fecha inteligentemente as linhas de passe do Dortmund, enredando completamente a equipe de Peter Bosz. Foi o primeiro adversário que o marcou em bloco médio/alto os aurinegros na atual temporada, causando enormes dificuldades e os obrigando a recorrer à bola longa.

PRINT5

 

YARMOLENKO
Extrema de força física, habilidade e vitória pessoal, Yarmolenko é uma perigosa arma ofensiva, mas pouco intenso sem a bola. Assim como já resolveu partidas com assistências e gols, o ucraniano também comprometeu defensivamente a equipe, como ilustrado nos frames abaixo. No primeiro recorte, contra o Leipzig, o jogador cai na indução do lateral adversário, que o arrasta para o centro do campo. Movimento que acaba por expor o lateral-direito Toljan. No segundo print Yarmolenko não fecha a linha de passe e tampouco acompanha o lateral-esquerdo Alaba, que recebe uma bola às suas costas.

PRINT6
PRINT7

Yarmolenko está longe de ser o vilão ou mesmo a razão para sequência negativa do time, mas é a boa representação de um trabalho que ainda engatinha e, como tal, encontra problemas de execução em todas as fases do jogo. Rompendo com a intensidade insana que marcou as equipes do Dortmund de Klopp e Tuchel, Bosz aposta num jogo de controle e progressão gradativa ao gol adversário. Precisará de paciência para vencer num território há anos predominado pelo Bayern.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Vinícius Fernandes

Últimas Postagens

A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola
Lucas Filus

A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola

0 Comentários
O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?
Dimitri Barcellos

O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?

0 Comentários
Paul Pogba pode ser o primeiro ‘reforço’ do United para a próxima temporada
Lucas Filus

Paul Pogba pode ser o primeiro 'reforço’ do United para a próxima temporada

0 Comentários
A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir
Caio Nascimento

A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir

0 Comentários
Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari
Caio Bitencourt

Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari

0 Comentários
Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol
Caio Alves

Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol

0 Comentários
Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube
Caio Nascimento

Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube

0 Comentários
Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete
Bruna Mendes

Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete

0 Comentários
O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?
Jonatan Cavalcante

O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?

0 Comentários
4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021
Dimitri Barcellos

4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021

0 Comentários
Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense
Gabriel Corrêa

Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense

0 Comentários
Kayky, Galarza, Nestor, Kaiky, Rodrigo Varanda e o semestre animador dos garotos da base brasileira
Caio Nascimento

Kayky, Galarza, Nestor, Kaiky, Rodrigo Varanda e o semestre animador dos garotos da base brasileira

0 Comentários
As transições da Inter que as deixam na cara do gol (e do Scudetto)
Caio Bitencourt

As transições da Inter que as deixam na cara do gol (e do Scudetto)

0 Comentários
Danilo, uma boa dor de cabeça para Abel Ferreira no Palmeiras
Gabriel Corrêa

Danilo, uma boa dor de cabeça para Abel Ferreira no Palmeiras

0 Comentários
Zidane vence jogo de xadrez no El Clásico e aumenta disputa por título na Liga
Bruna Mendes

Zidane vence jogo de xadrez no El Clásico e aumenta disputa por título na Liga

0 Comentários