O Corinthians de Arthur Elias

Arthur Elias enxerga o futebol de maneira ofensiva e intensa, mas com muita organização coletiva também quando precisa se defender. As jogadoras buscam a bola o tempo inteiro e, apesar do controle que tem com a posse, em momentos de transição também procuram o jogo mais vertical.

O time titular hoje possui diversas alterações causadas por lesões de grandes nomes. Gabi Nunes, Diany e Adriana, por exemplo, são jogadoras de alto nível, algumas com experiência de seleção brasileira, todas no departamento médico. Grazi (volante capitã) e Cacau estão retornando ao time nessa reta final de temporada. Isso mostra que além do grande trabalho coletivo, temos disponível um elenco muito forte que consegue manter o alto nível de jogo mesmo desfalcado e improvisando jogadoras em posições e funções diferentes. Dificilmente o Arthur Elias repete escalação, inclusive as goleiras que revezam bastante a titularidade.

Como o time de Arthur Elias se defende?

A equipe do Corinthians se defendendo.

O Corinthians normalmente se defende no 4-4-2, onde as duas jogadoras mais à frente pressionam o portador da bola e fecham as linhas de passe por dentro, forçando o adversário a sair pelos lados ou buscar o passe longo (Pardal e Mimi comandam a última linha alta do Corinthians e usam de seu entrosamento para deixar as atacantes rivais em impedimento nesse tipo de lançamento ou para disputarem a primeira bola com cobertura uma da outra). No lance da imagem, a jogadora do Santos opta pela saída no corredor, mas o passe é interceptado pela Gi, corinthiana responsável por sua marcação e se torna uma jogada de perigo do Corinthians, que ocupa o último terço nessa saída com 7 jogadoras.

Outro momento defensivo da equipe do Corinthians.

Quando o adversário consegue encontrar espaços para sair jogando por dentro, o Corinthians se compacta defensivamente para não permitir que essa subida ao ataque ocorra de forma rápida e com espaços para organização das jogadas. Para sufocar o adversário, as comandadas do Arthur Elias fecham o espaço da portadora da bola, criando uma zona de pressão difícil de ser superada. Assim, impede ligações ao ataque e obriga as jogadoras adversárias a permanecerem no campo de defesa para tentar competir espaços com as inúmeras corinthianas, além de dar tempo para que a ultima linha de marcação se organize, quando em situação de contra-ataque.

Marcação quando o adversário busca espaços.

Se o adversário consegue quebrar essa marcação, como foi no caso da jogada dos prints explicativos, a maioria das jogadoras ainda estão no campo de defesa, encaixotadas pela ultima linha defensiva do Corinthians que se posta de forma alta para impedir que alguma jogadora rival receba a bola em boa condição de ataque.

Pardal e Mimi, nossa dupla de zagueiras que jogam juntas há anos, são fundamentais nesse esquema. Tanto para recuperar a bola e acelerar a transição ofensiva com a capacidade que elas tem de executar passes que quebram linhas e lançamentos longos, como na recomposição quando o time adversário consegue fazer fluir o jogo. Além do que, as duas tem boa leitura de jogo e fecham o espaço das jogadoras mais adiantadas, com bom tempo de bola para o bote. Dificilmente o Corinthians permite situações em que suas defensoras precisem correr atrás das adversárias, a dupla se posiciona para fazer o combate de frente e tem bom aproveitamento nessa disputa.

A marcação pressão da equipe.

Como o Corinthians ataca em bloco e com muita movimentação no último terço do campo, todas as jogadoras precisam ter essa consciência defensiva para recomposição. Uma por todas e todas por uma. No lance em questão, é possível ver a Érika, atuando como volante na partida, fechando a última linha para cobrir a lateral Juliete. As jogadoras de meio de campo tem como função nesse momento, perseguir a portadora da bola, não deixá-la ter espaço para pensar a jogada e encontrar companheiras em condições de receber o passe. Além de, claro, tentar o bote. Essa pressão na zona da bola tem objetivos. São eles, tanto recuperar a posse com número de jogadoras suficiente para fazer a transição ofensiva, como retardar o ataque adversário, dando tempo para a recomposição defensiva das jogadoras que foram vencidas na marcação alta.

Quando o adversário consegue controlar a bola mas é impedido de buscar o jogo vertical, o Corinthians se organiza e o desenho tático (1-4-4-2) fica mais perceptível.

O momento defensivo quando o adversário consegue se organizar.

Nesse momento, a marcação é feita por zona com perseguições curtas e médias, que nada mais é do que uma jogadora alvinegra deixando sua posição na linha para perseguir individualmente a portadora da bola, mas raramente deixam seu setor, e quando fazem a perseguição um pouco mais longa, outra jogadora ocupa seu espaço para sustentar a linha defensiva e impedir que alguma adversária ataque o espaço deixado.

A marcação por zona e perseguições médias.

Nesse print, a Juliete estava adiantada para receber a bola em momento de transição ofensiva, mas o Corinthians perdeu a posse e a jogadora da Ferroviária ocupou o espaço em suas costas. A Pardal partiu para a perseguição curta e a Juliete recompôs a linha ocupando o espaço deixado pela zagueira.

E como é o ataque alvinegro?

O time do Arthur Elias tem os dois momentos de ataque muito bem definidos. Enquanto em transição, ou seja, quando rouba a bola e sai em contra-ataque, o time procura acelerar as ações para tirar proveito de uma frequência superioridade numérica que sempre procura obter na zona da bola. A Victória Albuquerque é uma jogadora que contribui muito nesse momento, está sempre atenta para puxar o contra-ataque, seja roubando a bola, acionando as meninas de frente ou sendo a opção para saída em velocidade. Não à toa é líder em passes-chaves no time do Arthur Elias (veja no Instagram do @sccpscouts o vídeo com lances que mostram essa característica da jogadora).

O ataque posicional do Corinthians acontece a partir do desenho 2-3-5 (com a lateral oposta as construções das jogadas fechando pelo meio para recompor e fazer a linha de três defensiva em caso de contra-ataque adversário). A saída de bola, dependendo da marcação adversário, ocorre no 3-2, como é possível ver a imagem ao lado. Mais uma vez nossa dupla de zaga merece menção honrosa pela capacidade que tem de trocar passes para encontrar o melhor espaço de saída e associação com a linha de 3 à frente para sair de possíveis zonas de pressão. Se o adversário povoa mais o campo de ataque para dificultar esse jogo curto, uma das laterais se aproxima e a saída ocorre no 3-2. Se o adversário faz uma marcação muito alta, as goleiras tem papel fundamental nessa saída. O Corinthians é um time que joga de forma compacta, faz sua movimentação em bloco, e as jogadoras se movimentam muito e invertem posições frequentemente para encontrar espaços e progredir com a bola. Tanto pelo meio, com apoio de uma volante que faz triangulações com a nossa camisa 10, Gabi Zanotti, com as laterais que dentro desse contexto, constróem muito por dentro e são opção de progressão, com a Vic também que recua para participar desse momento, como pelo corredor com muita triangulação entre as meio campistas, laterais e pontas.

O ataque posicional do Corinthians.

Veja nessas três imagens, uma jogada construída a partir do corredor com Tamires (ponta esquerda), Zanotti (meio campista), Juliete (lateral esquerda) e Vic Albuquerque (meia atacante) triangulando. Repare que a Ingryd apoia pelo meio e a Gi Crivelari acompanha para receber o cruzamento e finalizar.

Quando a zona de pressão é muito forte, nossas jogadoras também tem como alternativa a ligação direta. Não trata-se de lançar a bola à frente e ver no que dá, as jogadoras de ataque se posicionam para oferecer essa opção.

Especialmente pelo lado esquerdo, com Juliete e Tamires, as duas tem muita capacidade de visualizar as jogadoras de frente como opção em profundidade e lançá-las.

Na imagem, Juliete lança Gi Crivelari e a jogada termina em gol corinthiano. A Crivelari, aliás, vai muito bem nesse tipo de lance. É uma jogadora que tem explosão física, briga muito bem pelo espaço com as zagueiras, é veloz e tem muitos argumentos técnicos para concluir as jogadas. Nesse lance, ela recebe em profundidade, faz jogo de corpo para se livrar da marcação, toma à frente, limpa a zagueira dentro da área a toca entre a goleira e a jogadora que chegava para tentar impedir sua finalização.

O lançamento de Juliete.

Sempre que falamos em saber a hora de acelerar o jogo, controlar a partida na posse, limpar  jogadas para progressão ofensiva, ninguém melhor que Gabi Zanotti. Além do que, é uma jogadora que pisa muito na área para finalizar as jogadas. Se apresenta em todos os setores de transição ofensiva para ser opção e ditar as regras da equipe. Rouba muitas bolas, principalmente no campo ofensivo para acelerar a transição, mas também é importante se posicionando para ajudar a volante a proteger a área. A camisa 10 é muito inteligente jogando com e sem a bola. Uma meia campista clássica mas com a movimentação que o futebol moderno exige.

O ataque posicional geralmente em 2-3-5.

Nesse lance, Pardal e Mimi alinhadas atrás e atentas ao jogo para deixar a santista que ocupa o espaço da Juliete, que sustenta a linha do meio na organização do ataque, em posição de impedimento. Ingryd, Zanotti e Juliete pelo meio trocando passes e servindo de apoio caso a jogada precise ser reiniciada e 5 jogadoras à frente com a lateral direita dando amplitude. Vic de costas para ser opção de pivô. Tamires também é opção de passe pelo corredor e Millene (muita inteligência de posicionamento, mobilidade para participar das construções e precisão na finalização. Não à toa é artilheira recordista do campeonato brasileiro) e a Gi Crivelari pronta para sair em velocidade como opção de passe em profundidade.

As diversas opções no momento ofensivo.

Veja as opções:

Todas as jogadoras em campo são muito participativas em todos os momentos do jogo. Apoiadas em um sistema muito bem definido, elas possuem liberdade para fazer o jogo individual, inverter posições e até mesmo funções com bola rolando. Sempre que alguém se “desagarra” do desenho tático, outra ocupa o espaço. Por isso, o Corinthians opta por contratações de jogadoras versáteis. Tamires, vinda da copa do mundo onde atuou como lateral esquerda, joga como ponta nesse time mas troca muito durante o jogo com a lateral Juliete. Constrói muito bem por dentro e aparece até na direita para ser opção de desafogo. Essa capacidade dela de atuar em diferentes fases e setores do campo, aumenta ainda mais a mobilidade das outras 4 jogadoras que formam a linha de ataque, complicando mais ainda a vida de quem tem que se defender. Imagina você ser zagueira e ver Victoria Albuquerque, Gi Crivelari, Milene e Tamires se movimentando com muita intensidade e acompanhadas de perto por Gabi Zanotti que vai fazendo o ataque girar? E nem tente tirar a bola delas, Ingryd está logo atrás para ser opção de recuo e recomeçar quantas vezes precisar.

Um ponto de destaque do Corinthians de Arthur Elias, é o modo como sua equipe consegue transitar entre um bloco médio de pressão para um bloco mais alto, sem perder rendimento ou se movimentando de maneira descoordenada. É algo fundamental dentro do estilo de jogo do treinador e o modo como a equipe absorveu a ideia e trabalho com muita concentração para executar, salta aos olhos.

O Corinthians tem a dupla de zaga mais entrosada do futebol brasileiro e além de toda responsabilidade criativa, Pardal e Mimi são referencias também pelo modo como alternam entre uma abordagem mais conservadora ou uma mais agressiva, sempre tendo uma alta taxa de acerto em suas tentativas de desarme e no modo como trabalham para evitar a criação de linhas de passe, dentro da organização ofensiva das equipes rivais.

Para continuar acompanhando os feitos históricos e os grandes jogos desse time, siga o perfil oficial do Corinthians feminino nas redes sociais e também do SCCP Scouts, onde sempre trazemos a cobertura dos jogos e análises dos gols da semana!


Foto de capa: Bruno Teixeira/Corinthians

Participação: Henrique Mathias (análise e números), Timão Mulher (números) e Movimento Alvinegras (números)

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Últimas Postagens

Cinco jogadores que se destacaram na Copa América

Cinco jogadores que se destacaram na Copa América

André Andrade
As influências dos campos reduzidos na Copa América

As influências dos campos reduzidos na Copa América

Douglas Batista
FIQUE DE OLHO: Jogadores Sub-23 que podem se destacar na Copa América 2024
André Andrade

FIQUE DE OLHO: Jogadores Sub-23 que podem se destacar na Copa América 2024

A EVOLUÇÃO DE GABRIEL SARA NA INGLATERRA

A EVOLUÇÃO DE GABRIEL SARA NA INGLATERRA

Douglas Batista
EURO 2024 | COMO CHEGA PORTUGAL

EURO 2024 | COMO CHEGA PORTUGAL

Gabriel Mota
EURO 2024 | COMO CHEGA A BÉLGICA

EURO 2024 | COMO CHEGA A BÉLGICA

Vinícius Dutra
EURO 2024 | COMO CHEGA A FRANÇA

EURO 2024 | COMO CHEGA A FRANÇA

Gabriel Mota
EURO 2024 | COMO CHEGA A HOLANDA

EURO 2024 | COMO CHEGA A HOLANDA

Lucas Goulart
EURO 2024 | COMO CHEGA A INGLATERRA

EURO 2024 | COMO CHEGA A INGLATERRA

Vinícius Dutra
EURO 2024 | COMO CHEGA A ITÁLIA

EURO 2024 | COMO CHEGA A ITÁLIA

Lucas Goulart
EURO 2024 | COMO CHEGA A ESPANHA

EURO 2024 | COMO CHEGA A ESPANHA

Vinícius Dutra
EURO 2024 | COMO CHEGA A ALEMANHA

EURO 2024 | COMO CHEGA A ALEMANHA

Lucas Goulart
O crescimento de Andrey Santos no Strasbourg

O crescimento de Andrey Santos no Strasbourg

Douglas Batista
Os treinadores de bolas paradas no futebol e a importância de Nicolas Jover no Arsenal

Os treinadores de bolas paradas no futebol e a importância de Nicolas Jover no Arsenal

André Andrade
O trabalho de André Jardine no América-MEX

O trabalho de André Jardine no América-MEX

Douglas Batista