O DRIBLE NA COPA E NO BRASIL

Por Valter Júnior O gol é a alegria do futebol. O drible é o divertimento. É tão divertido que muitos ousam preferir o drible ao gol. Driblar é enganar o adversário sem ser antiético. Driblar é jogar futebol brincando. É mostrar sua superioridade técnica ao oponente. Driblar é fazer que vai para um lado e […]

Por Valter Júnior

O gol é a alegria do futebol. O drible é o divertimento. É tão divertido que muitos ousam preferir o drible ao gol. Driblar é enganar o adversário sem ser antiético. Driblar é jogar futebol brincando. É mostrar sua superioridade técnica ao oponente. Driblar é fazer que vai para um lado e ir para outro. Driblar é quebrar o ritmo para acelerar novamente logo em seguida.

Driblar foi, é e será o ganha pão de grandes craques da bola. Lhes tirem do time se é para lhes tirar o direito de fintar o adversário.

Driblar está, na maioria das vezes, relacionado a ter a bola, iludir o adversário com um movimento, ultrapassá-lo e seguir adiante na jogada. Em tempos de espaços exíguos, o drible é uma das armas para quebrar linhas e abrir retrancas. Até aqui, segundo dados do SofaScore, foram aplicados 360 dribles bem sucedidos na Copa do Mundo, uma média de 15,6 a cada 90 minutos. Um dos mais belos deles, entretanto, não aparece nos números. O que Cristiano Ronaldo fez no zagueiro Da Costa foi simples, eficaz e bonito. O português fingiu que ia para um lado, e quando o defensor foi acompanhá-lo, ele tomou outra direção. Foi como aquela ultrapassagem de Ayrton Senna sobre Damon Hill em Interlagos (ok, pode ir lá no Youtube rever a ultrapassagem, mas volte).  Esse movimento deixou CR7 livre para cabecear e decidir o jogo.

crczw6a9nhouxl42pip6

Que drible! Um drible sem bola, porque futebol se joga na maior parte do tempo sem ela e também se dribla antes da sua chegada. Um movimento econômico, comum no basquete e no futebol americano, um esporte pródigo nesse tipo de lance em que os receivers precisam criar espaço e tempo para conseguirem pegar a bola oval, e eficaz.

O drible, em sua origem no Brasil, mais do que uma maneira de levar vantagem sobre o marcador, foi uma forma de afirmação. Em uma época em que a participação do negro não era bem vista no esporte bretão, as faltas eram praticamente liberadas em quem não era branco. O ato de driblar foi a maneira encontrada para fugir das pancadas e do mau caratismo da arbitragem. No fim, se acabou indo além, se transformando numa forma de expressão, num estilo de jogo. Passou a ser uma identidade do futebol brasileiro. O nosso “jogo bonito”. A maior e melhor propaganda do futebol tupiniquim. Um bom driblador pode preparar o passaporte porque provavelmente será negociado para a Europa. Esse é o fundamento que mais atrai os olheiros quando olham um avante brasileiro.

A principal característica do nosso estilo virou crítica a Neymar após a estreia brasileira na Copa do Mundo. O drible não é o único prato no cardápio dele, mas está mais para prato principal do que para entrada ou sobremesa. O atacante do PSG deveria ser criticado se abdicasse de sua habilidade e não tentasse o drible, se tivesse se transformado num burocrata que domina e passa para o lado, que joga o problema para outro resolver. Ao tentar fintar, Neymar assume a bronca para si. Faz o que se espera dele. Contra a Suíça, ele errou metade dos dez dribles tentados. Um ou outro pode ter sido desnecessário, faz parte. É um preço tão baixo para o banquete que pode ser aproveitado caso a tentativa funcione. O drible faz parte da essência de Neymar e do futebol brasileira. Essa essência não pode ser reprimida

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Últimas Postagens

Cinco promessas africanas na base de clubes europeus
Caio Nascimento

Cinco promessas africanas na base de clubes europeus

0 Comentários
Pellegrini: a história dos romanos na Roma continua
Caio Bitencourt

Pellegrini: a história dos romanos na Roma continua

0 Comentários
A afirmação da Espanha e sua nova geração
Bruna Mendes

A afirmação da Espanha e sua nova geração

0 Comentários
Guto Ferreira coloca o Bahia para acelerar
Gabriel de Assis

Guto Ferreira coloca o Bahia para acelerar

0 Comentários
RAIO-X: De onde saem as assistências dos líderes do quesito na Série B
Douglas Batista

RAIO-X: De onde saem as assistências dos líderes do quesito na Série B

0 Comentários
Os destaques dos 8 classificados no Brasileirão Sub-20
Caio Nascimento

Os destaques dos 8 classificados no Brasileirão Sub-20

0 Comentários
A reinvenção de Brahim Diaz no meio-campo do Milan
Caio Bitencourt

A reinvenção de Brahim Diaz no meio-campo do Milan

0 Comentários
Maduro, o Red Bull Bragantino se aproxima de fazer história
Gabriel de Assis

Maduro, o Red Bull Bragantino se aproxima de fazer história

0 Comentários
Friendly #7 | O novo rico Newcastle, Sports Washing e a ‘era’ de clube-estado
Eduardo Dias

Friendly #7 | O novo rico Newcastle, Sports Washing e a 'era' de clube-estado

0 Comentários
Napoli: O impacto inicial de Anguissa com a camisa partenopei
Caio Bitencourt

Napoli: O impacto inicial de Anguissa com a camisa partenopei

0 Comentários
O Grande Norte e os grandes desafios: o que o futuro reserva para o futebol masculino do Canadá?
Caio Nascimento

O Grande Norte e os grandes desafios: o que o futuro reserva para o futebol masculino do Canadá?

0 Comentários
O agressivo América/MG de Vagner Mancini
Gabriel de Assis

O agressivo América/MG de Vagner Mancini

0 Comentários
O Botafogo/PB em busca de um acesso histórico na Paraíba
Douglas Batista

O Botafogo/PB em busca de um acesso histórico na Paraíba

0 Comentários
A disparidade entre Atlético de Madrid e Barcelona
Bruna Mendes

A disparidade entre Atlético de Madrid e Barcelona

0 Comentários
Tuchel, Solskjaer, tropeços e realidades diferentes
Lucas Filus

Tuchel, Solskjaer, tropeços e realidades diferentes

0 Comentários