O FUTURO É LOGO ALI

Por @maiiron_ Laurent Blanc, Davor Suker, Luís Figo, Andrea Pirlo, Fabio Cannavaro, Thiago Alcântara, Koke, William Carvalho, Bernardo Silva… A Eurocopa sub-21 é a antessala dos jovens que vão brilhar no futebol europeu em breve. Como o futebol está cada vez mais precoce, alguns já brilham. Sexta-feira que vem inicia na Polônia a competição que, como sempre, […]

Por @maiiron_

Laurent Blanc, Davor Suker, Luís Figo, Andrea Pirlo, Fabio Cannavaro, Thiago Alcântara, Koke, William Carvalho, Bernardo Silva… A Eurocopa sub-21 é a antessala dos jovens que vão brilhar no futebol europeu em breve. Como o futebol está cada vez mais precoce, alguns já brilham. Sexta-feira que vem inicia na Polônia a competição que, como sempre, promete ser concorrida. A atual campeã Suécia tem um bom time, mas está menos fortalecida que os principais postulantes ao caneco. O favoritismo está nas mãos de Espanha, Portugal, Alemanha e Itália, mas devemos destacar a perigosa Sérvia, a anfitriã Polônia e a Dinamarca. Historicamente a imprevisibilidade é um dos principais atrativos deste torneio, mas nem por isso você precisa assisti-lo sem saber quem vai jogar. Aqui vão os destaques:

Grupo A: Inglaterra, Polônia, Suécia e Eslováquia

James Ward-Prose, do Southampton, é um dos destaques do time
James Ward-Prose, do Southampton, é um dos destaques do time

INGLATERRA: com a seleção sub-20 na final no Mundial elevaram-se as expectativas sobre o time sub-21. O elenco é interessante, liderado por bons nomes como Jordan Pickford, promissor goleiro do Sunderland; Demarai Gray, extrema do Leicester; Nathaniel Chalobah, meia central do Chelsea e Cauley Woodrow, atacante do Fulham. Os Youth Lions esperam fazer uma campanha forte na Euro. Como caíram num grupo de força média, têm tudo para passar em primeiro lugar.

Fique de olho: James Ward-Prose, meia do Southampton. Os Saints têm uma base fortíssima na Inglaterra. De lá saíram Luke Shaw, Gareth Bale, Adam Lallana, Theo Walcott e agora Ward-Prose; jogador técnico, de boa bola parada. É a referência técnica da equipe e tem tudo para ser o grande jogador inglês no torneio.

POLÔNIA: os anfitriões chegam empurrados pela torcida e com um time competitivo e forte fisicamente. Dragowski, Kaputska e Linetty são os destaques da equipe.

Fique de olho: Bartosz Kaputska, meia do Leicester. É bem verdade que o polonês não fez uma boa temporada nos Foxes, mas quem fez? Kaputska rende melhor pelos lados, onde potencializa sua velocidade na transição ofensiva.

SUÉCIA: atual campeã, seria surpresa se a Suécia voltasse para Estocolmo com o bicampeonato. Mas isso não quer dizer que a seleção tenha parado no tempo e que o time seja fraco. Há alguns nomes que podem aproveitar um bom dia da defesa e resolver o jogo no contra-ataque. O esquema reativo deve ser a grande arma da equipe

Fique de olho: Simon Tibbling; meia do Groningen. Tibbling é um jogador de técnica refinada. Esteve no elenco campeão em 2015. Hoje mais amadurecido, é o grande nome da seleção.

Grupo B: Portugal, Sérvia, Espanha e Macedônia

Renato Sanches é um dos destaques da promissora Seleção Portuguesa
Renato Sanches é um dos destaques da promissora Seleção Portuguesa

PORTUGUAL: Depois de padecer por anos com equipes pouco atrativas, enfim Portugal se reencontrou com sua raiz formadora, que revelou para o mundo Figo, Rui Costa e Cristiano Ronaldo. No último sub-21 apresentou Bernardo Silva e William Carvalho. Na atual edição o nível sobe ainda mais. Estarão em campo Ruben Semedo, Ruben Neves, Renato Sanches, Bruma, Gonçalo Guedes e outros atletas que já se destacam entre os profissionais. É uma séria candidata ao título.

Fique de Olho: Diogo Jota, atacante do Atlético de Madrid. Preterido por Simeone, Diogo foi emprestado para o Porto e não decepcionou. Em 28 jogos pela liga portuguesa anotou oito gols e deu sete assistências. Com o embargo de transferências imposto ao Atlético de Madrid, tem tudo para ser utilizado na próxima temporada.

SÉRVIA: A Sérvia aposta na base do time campeão mundial sub-20 em 2015. Milenkovic, Gacinovic e Grujic são os bons nomes da equipe. É recomendável que Espanha e Portugal estejam atentas, pois os sérvios volta e meia aprontam em torneios de base.

Fique de olho: Andrija Zivkovic, meia do Benfica. Vertical, habilidoso e incisivo, Zivkovic é puro talento. Foi o grande craque do Mundial sub-20 de 2015. Partiu dos seus pés a assistência para o gol do título sobre o Brasil.

ESPANHA: A Fúria segue revelando em escala industrial. A geração que vai à campo na Euro sub-21 não é menos promissora que antecessoras. Há bons nomes em todas os setores e por isso é difícil elencar um melhor jogador. Gayá, Mere, Vallejo, Odriozola, Marcos Llorente, Iñaki Williams, Asensio; todos com rodagem nas equipes profissionais e margem de crescimento no cenário do futebol. É um time que postula o título e talvez seja o mais estrelado do torneio. Portugal, Sérvia e Espanha brigam forte por vaga nesse grupo, que vai ser embolado.

Fique de olho: Marcos Llorente, meia do Real Madrid. Na era Zizou, o Real avalia com carinho seus jovens. Llorente deve ser o próximo a ganhar minutos no esquadrão merengue. Maestro em campo, Llorente mescla raça com ótimo toque. Acertou 87% dos passes na Liga. Volante combativo, é um dos bons nomes dessa geração espanhola.

Grupo C: República Tcheca, Dinamarca, Alemanha e Itália

Amiri é um dos jogadores mais badalados e promissores do torneio
Amiri é um dos jogadores mais badalados e promissores do torneio

ALEMANHA: A Die Nationalelf vive épocas douradas, tanto na base quanto na equipe principal. A equipe que vai à campo não é nada parecida com aquela que perdeu a medalha de ouro para o Brasil nos Jogos Olímpicos, mas segue forte. Jonathan Tah, Marc-Olivier Kempf, Dahoud e Gnabry são os nome mais badalados do bom time alemão.

Fique de olho: Nadiem Amiri, meia do Hoffenheim. Cria da frutífera base do Hoffenheim, o talentoso meia de ascendência afegã é um habilidoso driblador. Fez boa temporada a serviço de Julian Nagelsmann e tem tudo para fazer uma grande Euro. Olho nele.

REPÚBLICA TCHECA: é preciso registrar que o país já teve gerações melhores. A atual, que conta com nomes como Jakub Jankto, da Udinese, e Cerný, do Ajax, deve penar no grupo.

Fique de olho: Patrik Schick, atacante da Sampdoria. O goleador da Samp no último campeonato italiano é um ambidestro de muita mobilidade e velocidade. Os onze gols e as cinco assistências no Calcio renderam um interesse da sempre atenta Juventus.

DINAMARCA: O país nórdico não vive boa fase no cenário europeu. Recentemente revelou Eriksen, Dollberg e parou por aí. Nessa Euro sub-21, sem o Dollberg, tende a cair cedo.

Fique de olho: o centroavante Kenneth Zohore, do Cardiff, é um dos selecionados acima dos 21 anos. Marcou 12 gols na última temporada e, do alto dos seus 190cm, pode oferecer perigo na bola área.

ITÁLIA: Quem diria que a Itália teria uma seleção de bons nomes para o futuro, não é mesmo? As mudanças na política de aproveitamento de nativos na liga nacional vem refletindo diretamente no uso da base. Ganha a Azzurra Sub-21, que contará com jogadores amadurecidos e prontos para conquistar o título europeu. Donnarumma, Calabria, Rugani, Gagliardini, Pellegrini, Bernadeschi e Berardi são os nomes badalados do time. A última vez que o ergueu o troféu a Itália tinha De Rossi e Totti no elenco.

Fique de olho: Mattia Caldara, zagueiro da Juventus. Recém contratado pela Juventus, Caldara é um defensor de extrema qualidade. Um dos pilares da competitiva Atalanta nessa temporada e apontado como o grande nome da atual geração. Além do ótimo senso de posicionamento, se destaca pelos gols. Foram sete em trinta jogos. É o zagueiro que mais balançou as redes no futebol italiano.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Mairon Rodrigues

Últimas Postagens

A onda tecnicista na função do auxiliar técnico de futebol
Jonatan Cavalcante

A onda tecnicista na função do auxiliar técnico de futebol

0 Comentários
Friendly #1 | Imaginar e construir o futuro, a habilidade fundamental do século XXI
Footure

Friendly #1 | Imaginar e construir o futuro, a habilidade fundamental do século XXI

0 Comentários
Surpresa e tradição: os classificados para as quartas do futebol masculino na Olimpíada
Caio Nascimento

Surpresa e tradição: os classificados para as quartas do futebol masculino na Olimpíada

0 Comentários
Osimhen, Simy, e a problemática das narrativas sobre jogadores africanos
Caio Bitencourt

Osimhen, Simy, e a problemática das narrativas sobre jogadores africanos

0 Comentários
O que esperar do Real Madrid para os próximos anos com Carlo Ancelotti?
Bruna Mendes

O que esperar do Real Madrid para os próximos anos com Carlo Ancelotti?

0 Comentários
O que explica as goleadas do Flamengo com Renato Gaúcho?
Gabriel de Assis

O que explica as goleadas do Flamengo com Renato Gaúcho?

0 Comentários
Como o Vojvodismo transformou o Fortaleza em protagonista no futebol brasileiro?
Jonatan Cavalcante

Como o Vojvodismo transformou o Fortaleza em protagonista no futebol brasileiro?

0 Comentários
God Save the Game #34 | A janela de transferências da Premier League 21/22
Gabriel Corrêa

God Save the Game #34 | A janela de transferências da Premier League 21/22

0 Comentários
Felipão chega entregando o de sempre: segurança e resultado
Gabriel de Assis

Felipão chega entregando o de sempre: segurança e resultado

0 Comentários
Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 2
Caio Nascimento

Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 2

0 Comentários
A Itália ainda pode crescer após o título da Euro?
Caio Bitencourt

A Itália ainda pode crescer após o título da Euro?

0 Comentários
Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 1
Caio Nascimento

Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 1

0 Comentários
O complicado início de Diego Aguirre no Internacional
Gabriel de Assis

O complicado início de Diego Aguirre no Internacional

0 Comentários
Rodrigo De Paul: o meia com DNA de Simeone e Atlético de Madrid
Bruna Mendes

Rodrigo De Paul: o meia com DNA de Simeone e Atlético de Madrid

0 Comentários
A Inglaterra superou seus traumas e, agora, se permite sonhar
Lucas Filus

A Inglaterra superou seus traumas e, agora, se permite sonhar

0 Comentários