O MARADONA LOIRO

Por @jessmirandinha O ano de 2006 estava começando para o Chelsea, que conquistara a Premier League na temporada anterior, após cinquenta anos de hiato. José Mourinho, como sempre, queria mais. Em Upton Park, os Blues enfrentavam o West Ham quando, antes mesmo dos quinze minutos iniciais, Essien se lesionou e precisou ser substituído. Mourinho escolheu Eiður […]

Por @jessmirandinha

O ano de 2006 estava começando para o Chelsea, que conquistara a Premier League na temporada anterior, após cinquenta anos de hiato. José Mourinho, como sempre, queria mais. Em Upton Park, os Blues enfrentavam o West Ham quando, antes mesmo dos quinze minutos iniciais, Essien se lesionou e precisou ser substituído. Mourinho escolheu Eiður Guðjohnsen, contratado três anos antes da chegada das milhares de libras de Abramovich, em 2003, alterando o panorama da partida ao dar mais apoio ofensivo ao lado direito do campo, com Del Horno e um ainda cabeludo Robben. A exibição proeminente do Chelsea não terminou apenas na vitória por 3 a 1. Após o jogo, Mourinho cunhou um apelido para o islandês: o Maradona loiro.

Para mim, a comparação tem um misto de gozação, reconhecimento pelos longos anos de serviço de Eiður com a camisa do clube e, principalmente, devido a seu carisma — ele até se ofereceu para jogar pela Chapecoense após a tragédia na Colômbia. Guðjohnsen é como Balðr, figura da mitologia nórdica que frequentava Asgard pois trazia paz e harmonia aos deuses. O islandês sempre foi uma figura querida por onde passou. Também foi um dos poucos jogadores a trabalhar com Mourinho e Guardiola, divindades do futebol moderno, além de ter visto em campo a reencarnação do épico gol de Maradona levando as mãos à cabeça antes mesmo do jovem Messi marcar contra o Getafe, em 2007. “Eu não percebi na hora o meu gesto. Só coloquei as mãos na cabeça. Eu estava pensando ‘céus, o que eu acabei de ver’?”, disse em entrevista ao The Independent em 2011.

BRITAIN SOCCER CHAMPIONS LEAGUE

Como inúmeros outros amantes do futebol, desenvolvi uma curiosidade pela Islândia por conta de Guðjohnsen. Ele era singular. Em seu país, a expectativa em torno dele era grande, estreando pela seleção sub-17 com apenas 14 anos, inclusive. O primeiro jogo pela principal também não tardou. O ano era 1996 e a Islândia visitava a Estônia em um amistoso. No intervalo, Eiður entrou no lugar de seu pai, Arnór Guðjohnsen, que marcou um gol na vitória por 3 a 2. Pai e filho não puderam atuar juntos por conta do presidente da federação, que vislumbrava este fato histórico acontecendo dentro de casa. Mas esta chance foi desperdiçada por maldade do destino, pois pouco tempo depois daquela partida Eiður quebrou a perna e, quando se recuperou, seu pai já havia se aposentado.

GUDJOHNSENPAIiiii

Arnor-and-Eidur-Gudjohnsen

O jovem filho rodou a Europa em diversos clubes, alternando protagonismo discreto com passagens inócuas, ao mesmo tempo que acumulava experiências para se tornar a figura paterna da seleção islandesa que fez história na Euro 2016. Na eliminação para a anfitriã França, Eiður entrou no segundo tempo e assumiu a faixa de capitão, uma última honraria.
Em setembro de 2017, se aposentou do futebol profissional, aos 39 anos, mas os Guðjohnsen seguirão sua linhagem futeboleira através de Arnór Jr., contratado para a base do Swansea.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Jessica Miranda

Últimas Postagens

A onda tecnicista na função do auxiliar técnico de futebol
Jonatan Cavalcante

A onda tecnicista na função do auxiliar técnico de futebol

0 Comentários
Friendly #1 | Imaginar e construir o futuro, a habilidade fundamental do século XXI
Footure

Friendly #1 | Imaginar e construir o futuro, a habilidade fundamental do século XXI

0 Comentários
Surpresa e tradição: os classificados para as quartas do futebol masculino na Olimpíada
Caio Nascimento

Surpresa e tradição: os classificados para as quartas do futebol masculino na Olimpíada

0 Comentários
Osimhen, Simy, e a problemática das narrativas sobre jogadores africanos
Caio Bitencourt

Osimhen, Simy, e a problemática das narrativas sobre jogadores africanos

0 Comentários
O que esperar do Real Madrid para os próximos anos com Carlo Ancelotti?
Bruna Mendes

O que esperar do Real Madrid para os próximos anos com Carlo Ancelotti?

0 Comentários
O que explica as goleadas do Flamengo com Renato Gaúcho?
Gabriel de Assis

O que explica as goleadas do Flamengo com Renato Gaúcho?

0 Comentários
Como o Vojvodismo transformou o Fortaleza em protagonista no futebol brasileiro?
Jonatan Cavalcante

Como o Vojvodismo transformou o Fortaleza em protagonista no futebol brasileiro?

0 Comentários
God Save the Game #34 | A janela de transferências da Premier League 21/22
Gabriel Corrêa

God Save the Game #34 | A janela de transferências da Premier League 21/22

0 Comentários
Felipão chega entregando o de sempre: segurança e resultado
Gabriel de Assis

Felipão chega entregando o de sempre: segurança e resultado

0 Comentários
Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 2
Caio Nascimento

Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 2

0 Comentários
A Itália ainda pode crescer após o título da Euro?
Caio Bitencourt

A Itália ainda pode crescer após o título da Euro?

0 Comentários
Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 1
Caio Nascimento

Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 1

0 Comentários
O complicado início de Diego Aguirre no Internacional
Gabriel de Assis

O complicado início de Diego Aguirre no Internacional

0 Comentários
Rodrigo De Paul: o meia com DNA de Simeone e Atlético de Madrid
Bruna Mendes

Rodrigo De Paul: o meia com DNA de Simeone e Atlético de Madrid

0 Comentários
A Inglaterra superou seus traumas e, agora, se permite sonhar
Lucas Filus

A Inglaterra superou seus traumas e, agora, se permite sonhar

0 Comentários