O método Del Valle

"O futuro campeão equatoriano", como apresenta seu slogan, se consolida na América do Sul com um projeto visando formação de jovens jogadores

O clube situado em Sangolquí, perto da capital Quito, é uma espécie de fábrica de jogadores. Fundado em 1958, o Club de Alto Rendimiento Especializado Independiente del Valle foi comprado em 2007 por um grupo de empresários liderados por Franklin Tello, mas que só teve sua estréia na primeira divisão equatoriana em 2010 e de lá pra cá, ganhou notoriedade na América Latina pelo método baseado em dois pilares: formar jovens integralmente para o time principal e ter visão empresarial.

Nenhum dos donos do Del Valle tinham experiência em futebol. Mas o objetivo de todos era um só: ser diferenciados de todos no Equador e América Latina. Los Rayados, nessa década, são campeões de 26 copas nacionais e 3 internacionais nas suas canteras. E as vendas já acontecem: Stiven Plaza (Valladolid) e Jordan Rezabala (Xolos-MEX) já fizeram a passagem no clube. Os dois foram protagonistas na Libertadores sub-20. 

O Del Valle, antes do título da Copa Sul-Americana, tinha alguns êxitos formativos louváveis no seu plantel principal. O vice da Libertadores, treinado por Pablo Repetto, em 2016 já tinha dado uma amostra continental de onde poderia chegar. Do time titular, alguns jogadores feito em casa: Sornoza, Orejuela, Bryan Cabezas e Angulo eram protagonistas do time que eliminou o todo poderoso Boca Juniors nas semifinais e só caiu para o Atletico Nacional da Colômbia na final. Tudo isso em 9 anos de gestão focada em formação.

Com Miguel Ángel Ramírez no comando, o primeiro título continental e algumas palavras fortes do espanhol. Ele chega a afirmar que foi em “todas as canchas de terra” do Equador atrás de talentos porque o jogo lá é mais autêntico e sua profissão exige desenvolver esses talentos que aparecem. O clube tem uma parceria com a academia Aspire do Qatar que visa colocar o nível da base mais acima, treinam 120 jogadores no CT de Agrio. Do sub-12 ao profissional, todos jogando do mesmo estilo.

“Desenvolver o talento que temos… e muito. Os jogadores precisam de uma oportunidade e que a gente coloque-os em campo, como temos feito, para fornecer jogadores a Seleção principal”

Miguel Ángel Rámirez em entrevista ao jornal Primicias, do Equador.

O treinador ainda diz que o método formativo deveria vir à frente do talento. Segundo ele o jogador equatoriano tem bom físico, boa técnica, bom instinto, mas com pouco desenvolvimento. Ele quer formar jogadores que batam na Europa e não voltem, sejam protagonistas no maior palco do futebol mundial. Um outro ponto observado pelo treinador espanhol era que todos os rivais que os Rayados pegaram na Copa Sul-Americana estavam estagnados e não evoluindo

Del Valle irá para mais um Libertadores, dessa vez como campeão da América, chancelado por títulos, futebol com marca forte no continente e com o projeto mais assentado. O futuro é desses clubes que apostam na metodologia, a gente pode citar vários como: Athletico com o scout apurado, Grêmio pela qualidade dos jogadores que sempre são os mais técnicos possíveis em sua base, River Plate misturando scout apurado e força na base argentina, Atletico Nacional com busca de jovens em seu país…  cada um ao seu modo; do mais tecnológico ao mais tradicional. O futuro é hoje, o futebol anda rápido demais. E quem não se adaptar, vai ser engolido.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Últimas Postagens

Cinco promessas africanas na base de clubes europeus
Caio Nascimento

Cinco promessas africanas na base de clubes europeus

0 Comentários
Pellegrini: a história dos romanos na Roma continua
Caio Bitencourt

Pellegrini: a história dos romanos na Roma continua

0 Comentários
A afirmação da Espanha e sua nova geração
Bruna Mendes

A afirmação da Espanha e sua nova geração

0 Comentários
Guto Ferreira coloca o Bahia para acelerar
Gabriel de Assis

Guto Ferreira coloca o Bahia para acelerar

0 Comentários
RAIO-X: De onde saem as assistências dos líderes do quesito na Série B
Douglas Batista

RAIO-X: De onde saem as assistências dos líderes do quesito na Série B

0 Comentários
Os destaques dos 8 classificados no Brasileirão Sub-20
Caio Nascimento

Os destaques dos 8 classificados no Brasileirão Sub-20

0 Comentários
A reinvenção de Brahim Diaz no meio-campo do Milan
Caio Bitencourt

A reinvenção de Brahim Diaz no meio-campo do Milan

0 Comentários
Maduro, o Red Bull Bragantino se aproxima de fazer história
Gabriel de Assis

Maduro, o Red Bull Bragantino se aproxima de fazer história

0 Comentários
Friendly #7 | O novo rico Newcastle, Sports Washing e a ‘era’ de clube-estado
Eduardo Dias

Friendly #7 | O novo rico Newcastle, Sports Washing e a 'era' de clube-estado

0 Comentários
Napoli: O impacto inicial de Anguissa com a camisa partenopei
Caio Bitencourt

Napoli: O impacto inicial de Anguissa com a camisa partenopei

0 Comentários
O Grande Norte e os grandes desafios: o que o futuro reserva para o futebol masculino do Canadá?
Caio Nascimento

O Grande Norte e os grandes desafios: o que o futuro reserva para o futebol masculino do Canadá?

0 Comentários
O agressivo América/MG de Vagner Mancini
Gabriel de Assis

O agressivo América/MG de Vagner Mancini

0 Comentários
O Botafogo/PB em busca de um acesso histórico na Paraíba
Douglas Batista

O Botafogo/PB em busca de um acesso histórico na Paraíba

0 Comentários
A disparidade entre Atlético de Madrid e Barcelona
Bruna Mendes

A disparidade entre Atlético de Madrid e Barcelona

0 Comentários
Tuchel, Solskjaer, tropeços e realidades diferentes
Lucas Filus

Tuchel, Solskjaer, tropeços e realidades diferentes

0 Comentários