O que explica as goleadas do Flamengo com Renato Gaúcho?

Solto, confiante e confortável, o Flamengo impressiona em seus primeiros jogos sob o comando de Renato Gaúcho. O que mudou?

Quatro vitórias, 15 gols marcados, dois sofridos e o melhor início de um técnico pelo Flamengo no século. Esse é o começo da trajetória de Renato Gaúcho na Gávea. Para além dos números, vemos uma equipe muito mais confortável, agressiva e competitiva em campo. O que mudou?

Em primeiro lugar, a marcação pressão do Flamengo vem sendo muito bem feita. O rubro-negro encaixa no campo de ataque e dificulta muito a saída de bola do adversário, provocando erros ou o chutão do oponente. A consequência disso é um alto volume de jogo e, em diversos momentos, a recuperação da posse em áreas privilegiadas do gramado. A lógica da pressão se aplica também às transições defensivas flamenguistas, inconstantes com Rogério Ceni e melhores até aqui com Renato. Matar contragolpes rivais na raiz através do pós-perda é mais um elemento importante para atacar bem quando a intenção é ser propositivo.

Flamengo Renato Gaúcho Footure
Marcação alta do Flamengo

Falando em transições, o contra-ataque do Flamengo é extremamente perigoso há anos e segue muito bem. O time carioca tem em Bruno Henrique um excelente escape pelo lado esquerdo, porém sobra qualidade técnica para o rubro-negro trocar passes curtos e rapidamente acionar Gabigol por dentro, em profundidade. Bahia e Defensa Y Justicia que o digam.

A melhora do clima no elenco é perceptível em campo com esse desempenho mais solto e confiante do Flamengo. O desempenho assombroso de Bruno Henrique nas últimas duas partidas e o crescimento de Michael são bons exemplos do bom momento psicológico da equipe. Além disso, Renato fez alguns ajustes pontuais como o sistema de marcação por encaixes, Arão na saída de três ao invés de Filipe Luís e maior liberdade posicional.

Esse dois últimos aspectos se assemelham ao que Jorge Jesus implementava no histórico ano de 2019. O Flamengo de JJ está no passado e o rubro-negro já foi campeão após a saída do português, a intenção aqui não é comparar equipes ou cobrar um rendimento parecido, porém ao utilizar alguns mecanismos que remetem ao time de dois atrás, Renato deixa seus jogadores mais confortáveis.

Flamengo Renato Gaúcho Footure
Estrutura ofensiva do Flamengo. Gabigol sai muito da referência.

É interessante perceber como os atletas parecem mais confortáveis com a maior liberdade dentro de campo. O Flamengo não promove trocas de posições incessantemente, porém os jogadores tem bastante autonomia para se aproximar, principalmente pela direita com Isla, Everton Ribeiro, Arrascaeta e Gabigol caindo por ali. Mas o principal é a intensidade e confiança com que o rubro-negro está atuando em fase ofensiva. Os jogadores dominam driblando o marcador no primeiro toque, rodam a bola com bom ritmo, invertem o lado da jogada frequentemente e não hesitam em atacar o espaço.

Se tudo isso é um choque inicial pela chegada do novo comandante ou de fato o time carioca terá esse ótimo desempenho regularmente, o tempo vai dizer. As dificuldades no primeiro tempo contra o São Paulo no último domingo, quando o Flamengo encontrou um oponente mais qualificado, com um contra-ataque muito veloz e uma marcação intensa, nos mostram que, obviamente, é preciso seguir evoluindo. De qualquer forma, o flamenguista tem motivos para estar muito otimista.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Últimas Postagens

Geração 2003: quatro joias e quatro contextos diferentes na América do Sul
Caio Nascimento

Geração 2003: quatro joias e quatro contextos diferentes na América do Sul

0 Comentários
Existem perspectivas positivas para o Arsenal?
Lucas Filus

Existem perspectivas positivas para o Arsenal?

0 Comentários
Florian Wirtz: referência técnica do Leverkusen aos 18 anos
Gabriel Belo

Florian Wirtz: referência técnica do Leverkusen aos 18 anos

0 Comentários
Real Sociedad e Real Betis na Europa League: é possível sonhar
Bruna Mendes

Real Sociedad e Real Betis na Europa League: é possível sonhar

0 Comentários
Diego Costa chega chegando e empolga ao lado de Hulk
Gabriel de Assis

Diego Costa chega chegando e empolga ao lado de Hulk

0 Comentários
Conor Gallagher e a busca por protagonismo no Palace
Gabriel Belo

Conor Gallagher e a busca por protagonismo no Palace

0 Comentários
Youth League retorna em 2021/22 com estrelas brilhando
Caio Nascimento

Youth League retorna em 2021/22 com estrelas brilhando

0 Comentários
Lazio: de que forma o Sarrismo pode funcionar na capital?
Caio Bitencourt

Lazio: de que forma o Sarrismo pode funcionar na capital?

0 Comentários
O ótimo começo de Carlos Soler na temporada do Valencia
Bruna Mendes

O ótimo começo de Carlos Soler na temporada do Valencia

0 Comentários
Marcão, André e o Fluminense de volta a briga por Libertadores
Gabriel de Assis

Marcão, André e o Fluminense de volta a briga por Libertadores

0 Comentários
Friendly #6 | A Copa de 2 em 2 anos, FIFA x UEFA, clubes x seleções e mudanças na análise mainstream
Eduardo Dias

Friendly #6 | A Copa de 2 em 2 anos, FIFA x UEFA, clubes x seleções e mudanças na análise mainstream

0 Comentários
O holandês que ajudou a transformar a carreira de Cristiano Ronaldo
Lucas Filus

O holandês que ajudou a transformar a carreira de Cristiano Ronaldo

0 Comentários
Sport: defesa sólida ou percepção quantitativa?
Jonatan Cavalcante

Sport: defesa sólida ou percepção quantitativa?

0 Comentários
O domínio do País Basco na cantera espanhola
Caio Nascimento

O domínio do País Basco na cantera espanhola

0 Comentários
Moise Kean: de volta para o futuro bianconero
Caio Bitencourt

Moise Kean: de volta para o futuro bianconero

0 Comentários