O regresso de Jorge Jesus - Ano 2

Jorge Jesus inicia a segunda temporada no seu regresso ao Benfica e depara-se com um quadro diferente no que toca à forma como é visto pela concorrência. Será este o ano da maturidade do técnico português?

O regresso a Portugal foi, para Jorge Jesus, o entrar num novo nível de entendimento da sua posição perante a concorrência. Como um produto que faz o seu percurso, o treinador português teve que deixar para trás algumas das características que o fizeram ter sucesso no passado, para se mostrar consolidado e maduro na forma de encarar os jogos. É certo que 2020/21 teve um início traumático, com a eliminação no acesso à Liga dos Campeões, e um percurso acidentado que nunca permitiu ao Benfica estar no máximo do seu potencial. A porta de entrada de 2021/22 deixa outras perspetivas em mente. 

Na terceira pré-eliminatória da qualificação para a Liga dos Campeões, Jorge Jesus reencontrou Rui Vitória, agora como treinador do Spartak de Moscovo. Os dois jogos acabaram por se transformar num desafio acessível, tal a diferença de qualidade entre as duas equipas. Ao trabalho realizado durante a temporada passada, Jorge Jesus adicionou um trunfo na forma de João Mário, campeão pelo Sporting e resgatado ao Inter de Milão, com quem ainda tinha contrato. O agora camisola 20 da equipa da Luz demonstrou que com o seu controlo posicional e qualidade técnica em posse, o Benfica consegue encontrar melhores caminhos para vencer. 

Mas a mudança de contexto na carreira de Jorge Jesus está aí para ser vivida. Numa Liga Portuguesa cada vez mais equilibrada no topo, com um Sporting que se mantém muito forte e resistente perante as ameaças do mercado, um FC Porto com capacidade para se regenerar e um SC Braga que continuará a tentar colocar em cheque os três grandes, o Benfica é apenas mais um concorrente. E Jorge Jesus, no confronto com técnicos todos eles ganhadores de títulos num passado recente, não marca a diferença só por si, precisa de o demonstrar no desenvolvimento estratégico do seu modelo. 

Entre o Benfica e a Liga dos Campeões existe ainda um difícil obstáculo, nos neerlandeses do PSV Eindhoven. A entrada na prova dos milhões é, de novo, essencial para assumir o sucesso de um trabalho que, em termos futebolísticos, demonstra solidez. Mas o enorme desafio do Benfica estará na estabilidade perante uma concorrência feroz. Voltar a ser campeão pelos encarnados não é apenas o objetivo de Jorge Jesus – é a razão que tornará aceitável a saída do Flamengo para regressar a casa. 

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Últimas Postagens

Guia do Brasileirão: Vitória

Guia do Brasileirão: Vitória

Douglas Batista
Guia do Brasileirão: Vasco

Guia do Brasileirão: Vasco

Gabriel Mota
Guia do Brasileirão: São Paulo

Guia do Brasileirão: São Paulo

Vinícius Dutra
Guia do Brasileirão: Red Bull Bragantino

Guia do Brasileirão: Red Bull Bragantino

Vinícius Dutra
Guia do Brasileirão: Palmeiras

Guia do Brasileirão: Palmeiras

Vinícius Dutra
Guia do Brasileirão: Juventude

Guia do Brasileirão: Juventude

Vinícius Dutra
Guia do Brasileirão: Internacional

Guia do Brasileirão: Internacional

Vinícius Dutra
Guia do Brasileirão: Grêmio

Guia do Brasileirão: Grêmio

Vinícius Dutra
Guia do Brasileirão: Fortaleza

Guia do Brasileirão: Fortaleza

Douglas Batista
Guia do Brasileirão: Fluminense

Guia do Brasileirão: Fluminense

Gabriel Mota
Guia do Brasileirão: Flamengo

Guia do Brasileirão: Flamengo

Gabriel Mota
Guia do Brasileirão: Cuiabá

Guia do Brasileirão: Cuiabá

André Andrade
Guia do Brasileirão: Cruzeiro

Guia do Brasileirão: Cruzeiro

André Andrade
Guia do Brasileirão: Criciúma

Guia do Brasileirão: Criciúma

André Andrade
Guia do Brasileirão: Corinthians

Guia do Brasileirão: Corinthians

Douglas Batista