O REVOLUCIONÁRIO GAROTO DE FUSIGNANO

Por @EryckWaydson “Quando olho para trás, sinto-me muito orgulhoso da minha carreira como treinador. Eu comecei com os torcedores, a verdadeira universidade; depois passei um ano nos semi-profissionais, três anos na terceira divisão, um ano na segunda, quatro anos com os juniores da Fiorentina e Cesena. Finalmente, desembarquei na primeira. Fiz toda a escalada sem nunca […]

Por @EryckWaydson

“Quando olho para trás, sinto-me muito orgulhoso da minha carreira como treinador. Eu comecei com os torcedores, a verdadeira universidade; depois passei um ano nos semi-profissionais, três anos na terceira divisão, um ano na segunda, quatro anos com os juniores da Fiorentina e Cesena. Finalmente, desembarquei na primeira. Fiz toda a escalada sem nunca ser demitido ou rebaixado, com equipes de jovens que deveriam ter lutado pela salvação e que, em contrapartida, estavam lutando na parte de cima dos diferentes campeonatos.”

O período entre o fim dos anos 80 e início dos 90 faz parte de um dos marcos na história do futebol. Mais precisamente, em 1987, um desconhecido cidadão de Fusignano (comunidade na província de Ravenna, com 24 km² e cerca de sete mil habitantes) desembarcou em Milão. Há um ano à frente do Milan, Silvio Berlusconi ambicionava mudar o patamar do clube que havia ganho apenas uma Serie A nas 20 temporadas anteriores. A contragosto de muitos, apostou num tal de Arrigo Sacchi. Dali em diante, o mundo da bola mudaria para sempre.

A biografia “Arrigo Sacchi: Fútbol Total” apresenta, com riqueza de detalhes e uma boa dose de tática, toda a trajetória do treinador – que também aventurou-se como dirigente.

“Minha chegada a Milão foi, como sempre, difícil. Foi um grande impacto para a equipe. Houve uma certa desconfiança. Meu discurso era diferente. Dizia coisas diferentes sobre futebol, sobre a mentalidade que deve ser mantida no campo, sobre a programação do treinamento. O ambiente do futebol e parte dos jornalistas me consideravam um subversivo, um pária, um adversário que, se possível, tinham que vencer, porque coloquei a liderança deles e o seu papel como possuidor de conhecimento antigo e ultrapassado em crise. Por outro lado, os jovens e os menos conservadores olhavam para mim com algum interesse. Foi assim que me apresentei no Milan. ‘Quem é este que nunca jogou futebol? Ele quer fazer outras coisas além daquelas que sempre dissemos e escrevemos. Por que mudar?’ Uma vez fui convidado para uma coletiva. A primeira pergunta que um estudante me fez foi: – Como você pode treinar jogadores de alto nível se você nunca foi um? – Eu não sabia que antes de ser um cavaleiro era necessário ter sido um cavalo! – respondi.”

Sacchi
Biografia do italiano Arrigo Sacchi

A obra traz diversas particularidade de Arrigo, hoje com 72 anos, desde o início no Cesena, passando pelo Rimini, Fiorentina, Parma, Milan, Seleção Italiana e Atlético de Madrid; depois, como diretor de futebol no Verona e Real Madrid. A relação íntima com Berlusconi (que ofereceu presentes para que ele não cedesse ao assédio da Juventus), amizade com Ancelotti e encantamento com Van Basten, Gullit, Baresi e outras estrelas daquele time. Em meio a tudo isso, o comandante expõe o seu modo de pensar o jogo, abordando todas as suas fases – ofensiva, defensiva e transições.

“Eu sempre pensei que o futebol deveria ser jogado com a mente – os pés são apenas um meio que facilita o aprendizado. Se você tem uma boa técnica, mas falta-lhe uma capacidade interpretativa e lógica, você passa a bola para frente quando deve ser para trás, retém quando deve tocá-la de primeira, passa quando deve segurá-la. A técnica não é suficiente. É funcional, mas não é suficiente. ”

“Na verdade, entre música e futebol não há muita diferença. Na minha opinião, o jogo, a partitura para interpretar, é o verdadeiro protagonista no campo. Você pode ter os melhores músicos e solistas do mundo, mas você não ouvirá nenhuma melodia se eles não forem coordenados por um diretor e por uma partitura comum.”

Aquele icônico Milan do fim dos anos 80 jogava em um 4-4-2 reconhecido pela ofensividade e intensa pressão pós-perda da bola. Arrigo sempre queria os 11 jogadores participando da fase de construção e algumas vezes sacrificou talentos individuais pelo bem coletivo (há a descrição de um episódio de atrito com Roberto Baggio, na Copa do Mundo de 1994, onde sacou o ídolo nacional ainda no primeiro tempo da partida contra a Noruega). Comprometendo a própria saúde, Sacchi foi um obstinado pelas vitórias. Mas com uma observação: só a aceitava se viesse de mãos dadas com um bom futebol.

“Eu assinava contratos de apenas um ano porque, como eu disse, sempre pensei em desistir. Ansiedade, tensão e problemas gástricos foram sentidos cada vez mais. Em cada jogo eu perdia um ou dois quilos por causa do estresse, a veemência e a energia que eu colocava em dirigir o time. Eu gritava, levantava, encorajava os jogadores. Eu queria que eles dessem tudo, como eu dava tudo. Corri e trabalhei com eles porque queria que entendessem que eu também fazia parte da equipe, que eu estava suando como eles.”

Um dos confrontos mais lembrados e tido como símbolo daquela equipe foi contra o Real Madrid, em 1989, no San Siro, na partida de volta da semifinal da Copa dos Campeões da Europa (atual Champions League). O 5 a 0 veio com gols de Carlo Ancelotti, Frank Rijkaard, Ruud Gullit, Roberto Donadoni e Van Basten. Hoje, é inevitável que grandes técnicos não se influenciem pelo que Sacchi fez, e o italiano chega a fazer um agradecimento especial ao alemão Jurgen Klopp, agora no comando do Liverpool.

“Há também os treinadores que olham para o jogo daquele Milan como ponto de referência: quero dizer Pep Guardiola ou Jürgen Klopp, que nunca deixam de me satisfazer com suas palavras, como aconteceu logo após a final da Liga dos Campeões, quando Klopp, em uma entrevista na televisão, disse: ‘Eu nunca o vi, mas aprendi tudo com ele. Tudo o que sou, devo a ele. Meu Borussia é apenas 10% do seu grande Milan’.”

Abaixo, alguns trechos sobre as crenças de Sacchi acerca do modelo de jogo que utilizava.

Zona Pressionante

“A zona de pressão implica em uma defesa ativa: significa que, mesmo quando os adversários têm a bola, você é o dominus do jogo. Com esta pressão, você os força a jogar com velocidade, ritmos e intensidade que jogam mal e como você quer.”

Uso do goleiro

“Minha ideia de futebol também revolucionou papéis, como o do goleiro, que não está separado do resto do time, mas é parte integrante da defesa. Ele não deve apenas saber como parar e pular, também deve ser um jogador e conhecer o jogo.”

Ataque x Defesa

“Um exercício de dez ou quinze minutos com o goleiro, mais os defensores, contra uma equipe de 11 composta por Van Basten, Gullit, Donadoni, Massaro, Ancelotti, Rijkaard, etc., em todo o campo. Pouquíssimas vezes o time completo marcava gol. Eu dizia para Van Basten, que apostava comigo e sempre pagava o champanhe: ‘Melhor cinco jogadores organizados do que onze sem uma linha de jogo’.”

Transições

“Para melhorar os contra-ataques, eu formava três equipes de 6×6 em uma metade do campo, enquanto outros seis esperavam na outra metade. Se o time de seis atacantes passasse a metade do campo, enfrentaria os outros seis; se eles perdessem a bola, tentariam garantir que os rivais não ultrapassassem metade do campo. Vencia a equipe que marcasse mais gols.”

Quer entender como funcionava o Milan de Arrigo Sacchi? Abaixo, a partida completa da histórica goleada por 5 a 0 em cima do Real Madrid, pela Copa dos Campeões da temporada 1988/1989.

Captura de Tela (95)

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Footure

Últimas Postagens

Power in Motion: o projeto de restabelecimento do Dínamo de Moscou
Caio Nascimento

Power in Motion: o projeto de restabelecimento do Dínamo de Moscou

0 Comentários
Em sua primeira final europeia da história, o Villarreal desbanca o Arsenal nas semis da Europa League
Bruna Mendes

Em sua primeira final europeia da história, o Villarreal desbanca o Arsenal nas semis da Europa League

0 Comentários
A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola
Lucas Filus

A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola

0 Comentários
O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?
Dimitri Barcellos

O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?

0 Comentários
Paul Pogba pode ser o primeiro ‘reforço’ do United para a próxima temporada
Lucas Filus

Paul Pogba pode ser o primeiro 'reforço’ do United para a próxima temporada

0 Comentários
A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir
Caio Nascimento

A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir

0 Comentários
Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari
Caio Bitencourt

Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari

0 Comentários
Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol
Caio Alves

Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol

0 Comentários
Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube
Caio Nascimento

Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube

0 Comentários
Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete
Bruna Mendes

Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete

0 Comentários
O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?
Jonatan Cavalcante

O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?

0 Comentários
4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021
Dimitri Barcellos

4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021

0 Comentários
Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense
Gabriel Corrêa

Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense

0 Comentários
Kayky, Galarza, Nestor, Kaiky, Rodrigo Varanda e o semestre animador dos garotos da base brasileira
Caio Nascimento

Kayky, Galarza, Nestor, Kaiky, Rodrigo Varanda e o semestre animador dos garotos da base brasileira

0 Comentários
As transições da Inter que as deixam na cara do gol (e do Scudetto)
Caio Bitencourt

As transições da Inter que as deixam na cara do gol (e do Scudetto)

0 Comentários