OITAVAS DA COPA - DIA 3

Por @Maiiron_ Brasil passa incontestavelmente para as quartas de final. O México vendeu caríssimo, no aspecto tático é o melhor adversário do ciclo inteiro do Tite no comando. México consegue mudar plataformas de acordo com as fraquezas do adversário, isso é estratégia. Lozano, mais usado pela esquerda, nesse jogo foi para a direita, batendo com […]

Por @Maiiron_

Brasil passa incontestavelmente para as quartas de final. O México vendeu caríssimo, no aspecto tático é o melhor adversário do ciclo inteiro do Tite no comando. México consegue mudar plataformas de acordo com as fraquezas do adversário, isso é estratégia. Lozano, mais usado pela esquerda, nesse jogo foi para a direita, batendo com Filipe Luis e isolando o lateral esquerdo que ativou Neymar e Coutinho na zona decisiva contra a Sérvia. Profe Osorio 1×0 Tite. Carlos Vela jogou colado a linha pela esquerda, Fágner vinha perseguir, deixando um vão entre ele e Thiago, jogava Guardado por ali. Profe Osorio 2×0 Tite.

O jogo deu mini desdobramentos, todos favoráveis aos mexicanos. Mas o trio defensivo com Casemiro, Thiago Silva e Miranda deu mais um espetáculo. Alisson? Quem é Alisson? Não o vi na Copa, não trabalha por não precisar trabalhar. Tite, matreiro, viu que o jogo Mexicano se dava entre os espaços com zagueiros e laterais, além de vir Chicharito dar o apoio forte. O que ele fez? Reposicionou Paulinho, mais um dos operários, ao lado de Casemiro. Desdobramos e atacamos bem após disso. Recuperando e fazendo transição com William endiabrado pela direita. Profe Osorio 2×1 Tite.

Segundo tempo foi diferente em todos os aspectos. Neymar, preso ao lado esquerdo, saiu de lá e entrou no jogo, em todas as zonas, se movendo como um mestre-sala e a bola era sua porta-bandeira. O que deixou ele em um “país livre” foi a saída de Márquez. Ele fazia um trabalho sem bola perfeito, anulando até Coutinho. No primeiro gol ele sai da esquerda, atrai a atenção e deixa William solo. O foguetinho, como chama Tite, não é bobo. Bateu pra dentro sabendo que Gabriel, muito esperto, estaria lá, mas ela escapou e Neymar achou pra abrir o placar em um jogo enrascado. 1×0 Brasil, 2×2 entre Osorio e Tite. México incomodava com os pontas que não encontravam o Chicharito, mas não tinha como. A dupla de 66 anos formada por Thiago e Miranda jogam como moleques e apagaram o perigoso centroavante.

Fim de jogo; Fernandinho se transforma em Busquets e deixa Neymar e o goleiro. Como Ronaldo Fenômeno, tenta colocar de bico. Mas o bico de Ochoa não deixa entrar e ela cai no pé de Firmino colocando o Brasil cada vez mais favorito nas quartas. 2×0 Brasil

Sobre Neymar: queriam ele mais coletivo, ele foi. Queriam mais decisivo, ele foi. Queriam menos preocupado com o cabelo, ele foi. Nem reagiu ao pisão desleal de Layún, focou em jogar bola e ali ele é um fenômeno. Brasileiro no modo de jogar e sentir o jogo. Neymar é o futebol de rua, é o que todo menino brasileiro busca quando começa a jogar; o divertimento puro, o drible no adversário como molecagem. Alguns tratam isso como coisa de criança, desses alguns eu tenho pena, eles já nasceram adultos. Neymar é uma criança que só precisa de uma bola para se divertir.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Últimas Postagens

Cinco promessas africanas na base de clubes europeus
Caio Nascimento

Cinco promessas africanas na base de clubes europeus

0 Comentários
Pellegrini: a história dos romanos na Roma continua
Caio Bitencourt

Pellegrini: a história dos romanos na Roma continua

0 Comentários
A afirmação da Espanha e sua nova geração
Bruna Mendes

A afirmação da Espanha e sua nova geração

0 Comentários
Guto Ferreira coloca o Bahia para acelerar
Gabriel de Assis

Guto Ferreira coloca o Bahia para acelerar

0 Comentários
RAIO-X: De onde saem as assistências dos líderes do quesito na Série B
Douglas Batista

RAIO-X: De onde saem as assistências dos líderes do quesito na Série B

0 Comentários
Os destaques dos 8 classificados no Brasileirão Sub-20
Caio Nascimento

Os destaques dos 8 classificados no Brasileirão Sub-20

0 Comentários
A reinvenção de Brahim Diaz no meio-campo do Milan
Caio Bitencourt

A reinvenção de Brahim Diaz no meio-campo do Milan

0 Comentários
Maduro, o Red Bull Bragantino se aproxima de fazer história
Gabriel de Assis

Maduro, o Red Bull Bragantino se aproxima de fazer história

0 Comentários
Friendly #7 | O novo rico Newcastle, Sports Washing e a ‘era’ de clube-estado
Eduardo Dias

Friendly #7 | O novo rico Newcastle, Sports Washing e a 'era' de clube-estado

0 Comentários
Napoli: O impacto inicial de Anguissa com a camisa partenopei
Caio Bitencourt

Napoli: O impacto inicial de Anguissa com a camisa partenopei

0 Comentários
O Grande Norte e os grandes desafios: o que o futuro reserva para o futebol masculino do Canadá?
Caio Nascimento

O Grande Norte e os grandes desafios: o que o futuro reserva para o futebol masculino do Canadá?

0 Comentários
O agressivo América/MG de Vagner Mancini
Gabriel de Assis

O agressivo América/MG de Vagner Mancini

0 Comentários
O Botafogo/PB em busca de um acesso histórico na Paraíba
Douglas Batista

O Botafogo/PB em busca de um acesso histórico na Paraíba

0 Comentários
A disparidade entre Atlético de Madrid e Barcelona
Bruna Mendes

A disparidade entre Atlético de Madrid e Barcelona

0 Comentários
Tuchel, Solskjaer, tropeços e realidades diferentes
Lucas Filus

Tuchel, Solskjaer, tropeços e realidades diferentes

0 Comentários