Hernane e Guilherme: os influencers da Ilha do Retiro

Atacantes do Sport tem sido fundamentais na campanha do Leão Ilha na Série B.

Em um mundo cada vez mais tecnológico é natural que eletro-eletrônicos façam parte do cotidiano da população. No Brasil não é diferente. Diante da enxurrada de 230 milhões de smartphones ativos, não é difícil se deparar com digitais influencer’s buscando o protagonismo e engajamento em causas sociais e privadas nas redes sociais. No entanto, no mundo do futebol a influência se dá de outra maneira: gols, assistências, passes-chave, mobilidade, dribles, desarmes, interceptações e a execução de outras inúmeras ações que visam atingir um desempenho ótimo dentro das expectativas que envolve cada atleta.

Essa influência pode ficar ainda mais notória dentro de um contexto de oscilação de desempenho. Como é o caso do Sport na campanha desta Série B. Dois atletas são o centro da regularidade que eleva o patamar da equipe e faz com que ocupe a segunda colocação da competição: Guilherme e Hernane. Os dois juntos participaram diretamente com gols e assistências em 20 jogos do Leão, contribuindo com a soma de 42 pontos dos 52 conquistados. Ou seja, a dupla Guilherme e Hernane detêm influência em 80% dos pontos do time rubro-negro.

Dada a importância dessa dupla para o Sport, faz-se necessário entender como cada um se comporta dentro do modelo de jogo proposto pelo técnico Guto Ferreira.

GUILHERME

Dados quantitativos e qualitativos de Guilhermena Série B 2019.

Como o Sport tem dificuldade para construir o jogo de trás, pois os zagueiros (Adryelson e Thyere) e os volantes (Charles e Willian Farias/João Igor/Marcão/Ronaldo) não executam com frequência/eficiência passes para romper a primeira e segunda linha de marcação do adversário, é comum ver Guilherme vindo até a base da jogada para auxiliar na fase de construção. Com isso, Sander vem por dentro e Charles faz a diagonal para atacar o espaço e dar profundidade.

Além disso, no terço final, Guilherme apresenta um comportamento padrão: cortar para dentro. Com isso, abre o corredor lateral para Sander atacar a profundidade e gerar dúvida no marcador. E nessa fração de segundos, toma a decisão de arrematar, passar para Sander ou realizar um passe em diagonal. Essa jogada característica de Guilherme, mediante aos apoios dos companheiros, tornam esse tipo de jogada “manjada” uma arma eficiente. Não à toa são 80 finalizações e 40 passes-chave¹ que surgiram em sua maioria do setor esquerdo de ataque.

Setores do campo em que Guilherme realizou passes-chave na Série B 2019.

Mesmo tendo uma ocupação mais forte no lado esquerdo – como mostra o heat map – Guilherme em momentos específicos ocupa a faixa direita de campo. Ou sendo através de uma simples inversão com o meia-extrema-direito (Yan, Hyuri ou Marquinho) ou mediante a organização ofensiva por ataque funcional² se aproximando do setor da bola para que com aproximação, mobilidade, drible, passe e superioridade numérica, a equipe possa superar a organização defensiva adversária.

HERNANE

Dados quantitativos e qualitativos de Hernane na Série B 2019.

O camisa 9 rubro-negro é o jogador mais letal da competição. São 18 participações diretas em gol – contando gols e assistências – superando o próprio Guilherme (17) e Claudinho do RB Bragantino também com 17. Centroavante de ofício, Hernane está longe de ficar paradão no comando do ataque como mostra o heat map acima. O artilheiro da Série B, tem uma presença mais forte em três momentos do jogo: base da jogada, entrelinha e área. Após a recuperação da bola, Hernane utiliza o pivô como ferramenta para sustentar e com poucos toques dar prosseguimento a transição ofensiva do Sport. Dessa forma foi construído um dos gols da vitória sobre o Operário. E quando a equipe está em organização ofensiva, Hernane por meio do princípio da mobilidade sai da referência e procura o espaço vazio na entrelinha para oferecer linha de passe para quem está com a bola.

Com esse mecanismo, o camisa 9, garante a fluência do jogo, atrai a marcação (quando por encaixe no setor) e abre espaços para que outros jogadores infiltrem no espaço deixado. E mesmo tendo um estigma de centroavante finalizador, vale ressaltar, a significativa melhora na participação nos momentos que antecedem à conclusão a gol. Não por acaso Hernane concedeu 5 assistências e distribuiu 21 passes-chave até o momento.

Regiões do campo onde Hernane realizou finalizações na Série B 2019.

A grande área é tida por Hernane como habitat natural. E não é para menos, das 45 conclusões a gol, 34 foram realizadas de dentro da grande ou pequena área. A leitura de jogo aliada ao bom posicionamento tornam o Brocador um dos centroavantes mais perigosos do futebol brasileiro. Além dessas duas valências, o camisa 9 do Sport, tem mostrado excelente capacidade de definição. Se em números absolutos, Hernane precisa em média de 3 finalizações para marcar um gol, essa média cai quando analisamos apenas os jogos os quais marcou gols.  Nos 11 jogos em que balançou as redes, Hernane precisou no máximo de duas finalizações para estufar as redes. E essa capacidade de fazer gol tem sido fundamental para equipe em momentos cruciais das partidas. Uma vez que, os gols marcados por Hernane dão ao Sport a condição de ficar em vantagem, tornar o placar cômodo ou garantir o somatório de ao menos um ponto.


¹Passes que deixam os companheiros em condições de finalizar.

²Modo de atacar que prevê a organização dos jogadores através do setor que a bola ocupa.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Jonatan Cavalcante

Últimas Postagens

A onda tecnicista na função do auxiliar técnico de futebol
Jonatan Cavalcante

A onda tecnicista na função do auxiliar técnico de futebol

0 Comentários
Friendly #1 | Imaginar e construir o futuro, a habilidade fundamental do século XXI
Footure

Friendly #1 | Imaginar e construir o futuro, a habilidade fundamental do século XXI

0 Comentários
Surpresa e tradição: os classificados para as quartas do futebol masculino na Olimpíada
Caio Nascimento

Surpresa e tradição: os classificados para as quartas do futebol masculino na Olimpíada

0 Comentários
Osimhen, Simy, e a problemática das narrativas sobre jogadores africanos
Caio Bitencourt

Osimhen, Simy, e a problemática das narrativas sobre jogadores africanos

0 Comentários
O que esperar do Real Madrid para os próximos anos com Carlo Ancelotti?
Bruna Mendes

O que esperar do Real Madrid para os próximos anos com Carlo Ancelotti?

0 Comentários
O que explica as goleadas do Flamengo com Renato Gaúcho?
Gabriel de Assis

O que explica as goleadas do Flamengo com Renato Gaúcho?

0 Comentários
Como o Vojvodismo transformou o Fortaleza em protagonista no futebol brasileiro?
Jonatan Cavalcante

Como o Vojvodismo transformou o Fortaleza em protagonista no futebol brasileiro?

0 Comentários
God Save the Game #34 | A janela de transferências da Premier League 21/22
Gabriel Corrêa

God Save the Game #34 | A janela de transferências da Premier League 21/22

0 Comentários
Felipão chega entregando o de sempre: segurança e resultado
Gabriel de Assis

Felipão chega entregando o de sempre: segurança e resultado

0 Comentários
Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 2
Caio Nascimento

Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 2

0 Comentários
A Itália ainda pode crescer após o título da Euro?
Caio Bitencourt

A Itália ainda pode crescer após o título da Euro?

0 Comentários
Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 1
Caio Nascimento

Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 1

0 Comentários
O complicado início de Diego Aguirre no Internacional
Gabriel de Assis

O complicado início de Diego Aguirre no Internacional

0 Comentários
Rodrigo De Paul: o meia com DNA de Simeone e Atlético de Madrid
Bruna Mendes

Rodrigo De Paul: o meia com DNA de Simeone e Atlético de Madrid

0 Comentários
A Inglaterra superou seus traumas e, agora, se permite sonhar
Lucas Filus

A Inglaterra superou seus traumas e, agora, se permite sonhar

0 Comentários