Os problemas do Borussia Dortmund

O time de Lucien Favre tem sofrido nas transições defensivas e bolas paradas durante a temporada da Bundesliga.

Depois de nove rodadas disputadas, o Borussia Dortmund ocupa a quinta posição da Bundesliga – apenas três pontos atrás do líder Mönchengladbach, diga-se. O conjunto aurinegro, bastante audacioso em suas contratações na última janela de transferências ao fazer aquisições como Julian Brandt, Thorgan Hazard, Nico Schulz e Mats Hummels, venceu apenas dois de seus últimos oitos jogos por todas as competições e não vai correspondendo às expectativas criadas neste início de temporada. O treinador suíço Lucien Favre, em seu segundo ano no clube, já está pressionado no cargo e não vai encontrando alternativas para solucionar os problemas da equipe. 

O caso é que o Borussia possui problemas sérios para um postulante ao título do Campeonato Alemão. Se trata de uma equipe com pouca estrutura e de mecanismos ofensivos limitados que dependem, além das individualidades de suas peças, de determinados contextos para funcionar. O exemplo mais claro que temos disso é em relação ao conceito tático do terceiro homem, fundamento presente em todos os trabalhos de Favre, que consiste, sem ir mais longe, em uma jogada marcada por triangulações e uma série de combinações em uma faixa consideravelmente curta do campo. Neste sentido, o Dortmund está necessitando que o adversário “ofereça” o cenário ideal para que o time ative este conceito.

As pressões altas realizadas pelos adversários estão fazendo que o clube de Signal Iduna Park acuse problemas consideráveis na hora de iniciar jogadas. Nesta direção, os jogos contra Werder Bremen, Freiburg, Slavia Praha e o mais recente clássico do Vale do Ruhr diante do Schalke 04, são uma verdadeira amostra disso. No 4-2-3-1 de Lucien Favre, os zagueiros estão sendo pouco influentes com o esférico enquanto a dupla de meio-campistas dos jogos grandes, o belga Axel Witsel e o dinamarquês Thomas Delaney,  tampouco realiza um bom trabalho em saída de bola. Witsel e Delaney não são especialistas nos primeiros toques sob pressão e não possuem condições técnicas necessárias (agilidade, velocidade e leitura) para criarem vantagens nestas situações.

Para chegar em terreno rival e gerar ocasiões, o Borussia Dortmund tem utilizado bastante o jogo exterior através de seus laterais e extremos, com especial destaque para atuações recentes do marroquino Achraf Hakimi, que tem atuado como lateral-direito ou extremo-esquerdo. Ao final, o Dortmund, assim como na última temporada, transmite suas melhores sensações ofensivas por meio de transições e contragolpes.

Na partida contra o Werder Bremen, a utilização do jogo mais exterior (Imagem: Whoscored)

Sem a bola, o BVB tem feito boas apresentações em defesa posicional. Os problemas, no entanto, surgem nas transições defensivas e em momentos de bola parada defensiva. A marcação em zona do Borussia em lances de estratégia está sendo fracamente problemática para a equipe, que cedeu 43% de seus gols desta forma na última temporada – maior proporção entre as principais divisões da Alemanha. A média na atual temporada segue próxima: cinco dos 11 gols concedidos na Bundesliga surgiram de bola parada. 

A verdade é que a paciência com Lucien Favre parece estar se esgotando no Signal Iduna Park, sobretudo depois dos 127 milhões de euros gastos na janela de transferências, algo incomum para um time alemão que não seja o Bayern München, e que reflete na ambição do clube de não deixar a Bundesliga escapar desta vez.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Últimas Postagens

O caminho da Seleção, as mudanças de Tite e um norte para o Catar
Aurelio Solano

O caminho da Seleção, as mudanças de Tite e um norte para o Catar

0 Comentários
Cinco promessas africanas na base de clubes europeus
Caio Nascimento

Cinco promessas africanas na base de clubes europeus

0 Comentários
Pellegrini: a história dos romanos na Roma continua
Caio Bitencourt

Pellegrini: a história dos romanos na Roma continua

0 Comentários
A afirmação da Espanha e sua nova geração
Bruna Mendes

A afirmação da Espanha e sua nova geração

0 Comentários
Guto Ferreira coloca o Bahia para acelerar
Gabriel de Assis

Guto Ferreira coloca o Bahia para acelerar

0 Comentários
RAIO-X: De onde saem as assistências dos líderes do quesito na Série B
Douglas Batista

RAIO-X: De onde saem as assistências dos líderes do quesito na Série B

0 Comentários
Os destaques dos 8 classificados no Brasileirão Sub-20
Caio Nascimento

Os destaques dos 8 classificados no Brasileirão Sub-20

0 Comentários
A reinvenção de Brahim Diaz no meio-campo do Milan
Caio Bitencourt

A reinvenção de Brahim Diaz no meio-campo do Milan

0 Comentários
Maduro, o Red Bull Bragantino se aproxima de fazer história
Gabriel de Assis

Maduro, o Red Bull Bragantino se aproxima de fazer história

0 Comentários
Friendly #7 | O novo rico Newcastle, Sports Washing e a ‘era’ de clube-estado
Eduardo Dias

Friendly #7 | O novo rico Newcastle, Sports Washing e a 'era' de clube-estado

0 Comentários
Napoli: O impacto inicial de Anguissa com a camisa partenopei
Caio Bitencourt

Napoli: O impacto inicial de Anguissa com a camisa partenopei

0 Comentários
O Grande Norte e os grandes desafios: o que o futuro reserva para o futebol masculino do Canadá?
Caio Nascimento

O Grande Norte e os grandes desafios: o que o futuro reserva para o futebol masculino do Canadá?

0 Comentários
O agressivo América/MG de Vagner Mancini
Gabriel de Assis

O agressivo América/MG de Vagner Mancini

0 Comentários
O Botafogo/PB em busca de um acesso histórico na Paraíba
Douglas Batista

O Botafogo/PB em busca de um acesso histórico na Paraíba

0 Comentários
A disparidade entre Atlético de Madrid e Barcelona
Bruna Mendes

A disparidade entre Atlético de Madrid e Barcelona

0 Comentários