PANORAMA VERDE E AMARELO - BRASIL x AUSTRÁLIA

Por Camila Aveiro Lima Brasil inicia o jogo surpreendentemente no 1-4-1-4-1, com Formiga à frente da linha defensiva, Marta e Thaísa por dentro na segunda linha, Andressa e Debinha por fora e Cristiane sendo referência no ataque.     Defensivamente seguíamos com referência na adversária em função da bola, os encaixes, com perseguições bem longas […]

Por Camila Aveiro Lima

Brasil inicia o jogo surpreendentemente no 1-4-1-4-1, com Formiga à frente da linha defensiva, Marta e Thaísa por dentro na segunda linha, Andressa e Debinha por fora e Cristiane sendo referência no ataque.

 

A formação do Brasil no início do jogo.
A formação do Brasil no início do jogo.

 

Defensivamente seguíamos com referência na adversária em função da bola, os encaixes, com perseguições bem longas de Formiga saindo da sua zona de atuação. Com a mudança de sistema tático, mesmo com os erros na nossa ‘’dança de pares’’ houve uma diminuição espaço e consequentemente mais ações de coberturas e dobras na portadora da bola. Observe:

 

Como se postou defensivamente o Brasil.
Como se postou defensivamente o Brasil.

 

Essa aproximação das jogadoras brasileiras permitiu com que triângulos defensivos fossem formados nos corredores do campo, setor no qual o Brasil costuma sofrer com bolas nas costas devido às perseguições longas das laterais. Do lado direito tínhamos Letícia-Andressa Alves-Thaísa e do lado esquerdo com Marta-Formiga-Tamires ou Debinha. Importante salientar que a ‘’zona de funil’’ deixada por Formiga nas perseguições mais laterais era compensada por Thaísa (foto abaixo). A figura geométrica citada nos permitia ficar em igualdade ou até mesmo superioridade numérica frente as australianas.

 

Formiga formando triângulo com Marta e Tamires no corredor esquerdo e Thaísa (destacada de rosa) é quem anda pra cobrir a zona de funil deixada por Formiga.
Formiga formando triângulo com Marta e Tamires no corredor esquerdo e Thaísa (destacada de rosa) é quem anda pra cobrir a zona de funil deixada por Formiga.

 

Andressa Alves também teve participação efetiva no aspecto defensivo, buscando sair de fora para dentro, na tentativa de proteger a área quando a bola estava do lado oposto a ela. Até então o Brasil anulava a Austrália, que tentativa aproveitar aquilo que tinha de melhor em suas características: as bolas áreas, porém sem sucesso.

Marta era a grande preocupação nesse jogo, pois retornava de lesão e por vezes afundava muito para perseguir sua adversária correspondente, além de auxiliar nas coberturas:

 

Marta destacada de rosa, baixando para perseguir, ocupando a zona de Formiga em frente a linha defensiva.
Marta destacada de rosa, baixando para perseguir, ocupando a zona de Formiga em frente a linha defensiva.

 

Acabou que a nossa camisa 10 não só contribuiu muito defensivamente como também melhorou nossa saída de bola na base da jogada. Tentava puxar contra-ataques explorando sua individualidade, dava ritmo quando não podia acelerar, organizava o jogo lá atrás. Jogando por dentro ela também ganhava liberdade para se movimentar no campo, se aproximando de Thaísa e Andressa Alves, preenchendo um espaço que até então era pouco aproveitado pelo Brasil, a faixa central do campo.

 

Marta entre Andressa Alves e Thaísa. Brasil com superioridade numérica no setor da bola.
Marta entre Andressa Alves e Thaísa. Brasil com superioridade numérica no setor da bola.

 

Os movimentos de Marta também eram feitos por Andressa Alves, que ajudou na articulação e a ditar o ritmo da partida. Quando a camisa 7 partia pra dentro, Marta podia avançar e Letícia progredia pelo corredor lateral. Essa relação de apoio e aproximações no setor da bola, possibilitou ao Brasil chegar em seu primeiro gol, com uma jogada que é acelerada do setor defensivo para o meio-campo, finalizada com o pênalti sofrido por Letícia e convertido por Marta, empatando com Klose, ambos com 16 gols, se tornando a maior artilheira de Copa do Mundo.

 

 

Ter a posse de bola não é nosso forte nem característica do nosso modelo de jogo e por isso erramos passes demais. Em contrapartida soubemos aproveitar os espaços cedidos pelas adversárias, principalmente entre suas zagueiras e laterais, e assim sai o gol de Cristiane. São 6 passes até a bela caneta de Tamires. Debinha ataca o espaço e encontra Cristiane, que se antecipa para atacar a bola e marcar o segundo gol brasileiro.

 

Os movimentos para o 2-0 do Brasil
Os movimentos para o 2-0 do Brasil

 

Parecia o enredo perfeito para o Brasil, mas ainda no primeiro tempo nosso sistema de encaixes veio a falhar:

 

Formiga afunda com seu encaixe, Mônica solta o seu para atacar o de Formiga e assim surge o gol da Austrália, nas costas da nossa zagueira.
Formiga afunda com seu encaixe, Mônica solta o seu para atacar o de Formiga e assim surge o gol da Austrália, nas costas da nossa zagueira.

 

O segundo tempo nos trouxe logo duas mudanças: as saídas de Marta (por cansaço) e Formiga (por lesão) colocaram em campo Ludmila e Luana, respectivamente. Lud entrou pela beirada direita com Andressa Alves por dentro, enquanto Luana deslocou Thaísa para atuar de primeira volante. Substituições que geraram confusão no sistema defensivo do Brasil, que com o aumento do volume ofensivo da Austrália acabou cedendo espaços sem coberturas próximas, como na jogada do gol de empate:

 

Thaísa (5) não encaixa, Tamires persegue longo na lateral e a bola entra no espaço cedido pelo Brasil. Uma falha coletiva que termina com Bárbara, colada no primeiro pau, sem conseguir evitar a bola de entrar no gol brasileiro.
Thaísa (5) não encaixa, Tamires persegue longo na lateral e a bola entra no espaço cedido pelo Brasil. Uma falha coletiva que termina com Bárbara, colada no primeiro pau, sem conseguir evitar a bola de entrar no gol brasileiro.

 

O Brasil ofensivamente voltou a jogar mais dentro de suas características: velocidade e individualidade, concentrando jogadas com Debinha, porém de maneira bem ineficiente, cedendo ainda mais espaços para as adversárias. Estávamos em organização defensiva em bloco médio, sem pressão na portadora da bola, quando tomamos o terceiro gol, a partir de um lançamento forçando a defesa a correr para trás.

 

Cristiane não pressiona quem está com a bola, que tem tempo e espaço para lançar a bola.
Cristiane não pressiona quem está com a bola, que tem tempo e espaço para lançar a bola.

 

Um dado interessante a salientar é que até essa partida, nos últimos 6 jogos do Brasil, a maior quantidade de gols que sofremos aconteceu justamente no segundo tempo e pode ser interpretado também pela fadiga das jogadoras em campo, tendo em consideração nossos sistemas de encaixes com perseguições e as ações mais agudas de contra-ataque. Complicamos-nos no grupo, que tem a Itália na liderança com 6 pontos e nossa próxima adversária. Empatar ou vencer nos coloca na próxima fase da Copa do Mundo. Em caso de derrota, precisaremos do auxilio da matemática pra tentar uma vaga entre os melhores terceiros.

Além disso, perdemos a maior líder defensiva: Formiga. E Vadão precisará criar estratégias para suprir sua ausência. Repetir alguns comportamentos do primeiro tempo e utilizar os do segundo como algo que não pode acontecer é um caminho pra nossa Seleção. Elas mostraram em suas redes sociais que lutarão até o fim.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Camila Aveiro

Últimas Postagens

A onda tecnicista na função do auxiliar técnico de futebol
Jonatan Cavalcante

A onda tecnicista na função do auxiliar técnico de futebol

0 Comentários
Friendly #1 | Imaginar e construir o futuro, a habilidade fundamental do século XXI
Footure

Friendly #1 | Imaginar e construir o futuro, a habilidade fundamental do século XXI

0 Comentários
Surpresa e tradição: os classificados para as quartas do futebol masculino na Olimpíada
Caio Nascimento

Surpresa e tradição: os classificados para as quartas do futebol masculino na Olimpíada

0 Comentários
Osimhen, Simy, e a problemática das narrativas sobre jogadores africanos
Caio Bitencourt

Osimhen, Simy, e a problemática das narrativas sobre jogadores africanos

0 Comentários
O que esperar do Real Madrid para os próximos anos com Carlo Ancelotti?
Bruna Mendes

O que esperar do Real Madrid para os próximos anos com Carlo Ancelotti?

0 Comentários
O que explica as goleadas do Flamengo com Renato Gaúcho?
Gabriel de Assis

O que explica as goleadas do Flamengo com Renato Gaúcho?

0 Comentários
Como o Vojvodismo transformou o Fortaleza em protagonista no futebol brasileiro?
Jonatan Cavalcante

Como o Vojvodismo transformou o Fortaleza em protagonista no futebol brasileiro?

0 Comentários
God Save the Game #34 | A janela de transferências da Premier League 21/22
Gabriel Corrêa

God Save the Game #34 | A janela de transferências da Premier League 21/22

0 Comentários
Felipão chega entregando o de sempre: segurança e resultado
Gabriel de Assis

Felipão chega entregando o de sempre: segurança e resultado

0 Comentários
Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 2
Caio Nascimento

Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 2

0 Comentários
A Itália ainda pode crescer após o título da Euro?
Caio Bitencourt

A Itália ainda pode crescer após o título da Euro?

0 Comentários
Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 1
Caio Nascimento

Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 1

0 Comentários
O complicado início de Diego Aguirre no Internacional
Gabriel de Assis

O complicado início de Diego Aguirre no Internacional

0 Comentários
Rodrigo De Paul: o meia com DNA de Simeone e Atlético de Madrid
Bruna Mendes

Rodrigo De Paul: o meia com DNA de Simeone e Atlético de Madrid

0 Comentários
A Inglaterra superou seus traumas e, agora, se permite sonhar
Lucas Filus

A Inglaterra superou seus traumas e, agora, se permite sonhar

0 Comentários