PÃO E CIRCO?

Por @EryckWaydson Chegou a Copa do Mundo. Pelas próximas quatro semanas, o planeta estará mergulhado no universo do futebol – seja você um apaixonado pelo esporte ou não. Em meio a uma competição octogenária e de porte tão gigantesco (em 2014, a FIFA divulgou que 3,2 bilhões de pessoas acompanharam o torneio), atrair todos os […]

Por @EryckWaydson

Chegou a Copa do Mundo. Pelas próximas quatro semanas, o planeta estará mergulhado no universo do futebol – seja você um apaixonado pelo esporte ou não. Em meio a uma competição octogenária e de porte tão gigantesco (em 2014, a FIFA divulgou que 3,2 bilhões de pessoas acompanharam o torneio), atrair todos os holofotes é algo absolutamente normal. Entretanto, é preciso desmistificar alguns indivíduos que surgem neste período bradando o termo “Pão e Circo” – política adotada pelos líderes romanos. que ofereciam o lazer a fim de manter o povo à margem das discussões políticas.

Através da indicação de cinco livros, mostraremos por que o 11 contra 11 é muito maior do que o argumento falacioso que coloca os telespectadores do Mundial no balaio de quem não se preocupa com a sociedade.

Na lista abaixo, levei em consideração apenas títulos traduzidos para o português e fáceis de encontrar em livrarias ou sebos do Brasil.

 

1. A Bola Corre Mais Que Os Homens – Roberto DaMatta

Imagem1

Publicado em 2006 por um dos principais antropólogos brasileiros, a publicação traz várias crônicas e três ensaios que tratam do papel social que o futebol exerce na criação da identidade do povo brasileiro – tendo relevante importância na transformação de contextos sociais.

Em uma linguagem simples – característica das obras de DaMatta – há destaques como os motivos que levam tal esporte ao status de paixão nacional, e de como isso se deu ao longo da história. É um livro interessante para entender por que um jogo de origem elitizada se tornou elemento fundamental de mudança para as camadas mais vulneráveis da sociedade. O tema central está nas experiências humanas, seus valores e significados dentro da nossa cultura.

“(…) foi certamente essa humilde atividade, esse jogo inventado para divertir e disciplinar que, no Brasil, transformou-se (sem querer ou saber) no primeiro e provavelmente no seu mais contundente professor de democracia e igualdade (…)”

 

2. O Negro no Futebol Brasileiro – Mário Filho

Imagem 2

Com a primeira edição publicada em 1947, o jornalista Mário Filho (sim, o mesmo do Maracanã) retrata a longa batalha que os atletas negros travaram para vencer o racismo e conquistarem o seu espaço no futebol brasileiro. Como já dito, o esporte que apaixona o nosso país era, primordialmente, praticado apenas pela elite – impedindo a participação de pobres ou negros.

O primeiro grande ídolo do futebol no Brasil, o paulista Arthur Friedenreich, alisava os cabelos para ter mais aspectos de branco. No Rio de Janeiro, os jogadores do Fluminense chegavam a usar pó de arroz para esbranquiçar a pele. Indo contra a cultura do período, o Vasco admitiu negros em seu time e foi até proibido de jogar. Nesta briga, o talento se sobressaiu e, no fim da década de 50, surge Pelé, negro e maior expoente do futebol mundial.

“A paixão do povo tinha de ser como o povo, de todas as cores, de todas as condições sociais. O preto igual ao branco, o pobre igual ao rico. O rico paga mais, compra uma cadeira numerada, não precisa amanhecer no estádio, vai mais tarde, fica na sombra, não apanha sol na cabeça, mas não pode torcer mais do que o pobre, nem ser mais feliz na vitória, nem mais desgraçado na derrota”

 

3. A Dança dos Deuses – Hilário Franco Júnior

Imagem 3

Hilário Franco Júnior publicou a obra em 2007 com o intuito de mostrar que o futebol está intrinsecamente ligado à forma de como as civilizações se constituíram. No livro, há a exploração do esporte sob o ponto de vista da linguística, antropologia, religião, psicologia e sociologia. Em linhas gerais, o autor expõe o futebol como o fenômeno cultural mais propagado pelo mundo – e como ele é poderoso no campo das relações interpessoais.

A publicação, dividida em uma parte histórica e outra mais analítica, é densa e aborda até o desenvolvimento de conceitos do próprio jogo, como a tática, transações de jogadores, direitos televisivos e relações com o empresariado de atletas. Mas vale a pena. Apesar de longo, a linguagem é fácil, tornando a leitura muito fluida.

“O futebol enquanto dança competitiva não é somente figura de linguagem, como alguém indiferente a ele poderia julgar. Para Gilberto Freyre, os brasileiros transformaram o jogo britânico ‘bem ordenado’ em ‘dança cheia de surpresas irracionais e de variações dionisíacas’”

 

4. Como o Futebol Explica o Mundo –  Franklin Foer

Imagem 4

Podemos dizer que esta obra é uma das mais completas no que se propõe a explicar vários marcos históricos que tiveram no futebol um fator transformador. Em 2005, Franklin Foer trouxe neste livro conflitos complexos como A Guerra Iugoslava, A Reforma Protestante, os confrontos no Irã, o Comunismo, a violência dos Hooligans e o Apartheid. É o esporte no centro da globalização.

Foer dizia que o futebol está inserido não só na comunidade, mas também na economia e na estrutura política de onde se encontra.

“Segundo a maioria das escolas de ciências sociais, lugares como Glasgow deveriam ter superado o antigo tribalismo. Era o que dizia a teoria da modernização, herdada de Marx, refinada nos anos 1960 por acadêmicos como Daniel Bell, cultuada pela política externa do governo norte-americano e reapresentada, sob nova roupagem, pelos entusiastas da globalização da década de 1990. Ela afirmava que, uma vez que uma sociedade tenha se tornado economicamente avançada, também deverá tornar-se avançada do ponto de vista político – liberal, tolerante, democrática.”

 

5. Futebol & Guerra  -  Andy Dougan

Imagem 5

Publicado em 2004, temos aqui uma obra apaixonante. O britânico Andy Dougan narra a história de um grupo de desportistas do time ucraniano Dínamo de Kiev antes e durante a II Guerra Mundial, período que engloba a ocupação nazista. Atletas chegaram a ser levados para campos de concentração e outros fugiram. Entretanto, os que permaneceram por Kiev, para sobreviver, conseguiram emprego em um dos poucos lugares viáveis: a padaria de Josef Kordik, um apaixonado por esportes e, consequentemente, pelo futebol.

Posteriormente, Kordik reuniu jogadores do Dínamo e do Lokomotiv – ambos de Kiev e, à época, as maiores agremiações da Ucrânia – e dali nasceu o Start FC. A equipe até conseguiu bons resultados , mas uma vitória específica, em cima do Flakel, time alemão da SS (Schutzstaffel, organização paramilitar ligar a Hitler), trouxe os piores problemas possíveis. O livro é rico em elementos geopolíticos e históricos.

“Konstantin foi uma criança magra e enfermiça, que ficava muitas vezes aos cuidados de vizinhos enquanto a mãe e os irmãos saíam para trabalhar. Logo após a Revolução, o futebol organizado ficou abafado pela turbulência política, mas as crianças ainda jogavam. Konstantin foi convocado para os jogos com os meninos da vizinhança e, como era o menor de todos, os maiores o vigiavam. Eles jogavam durante horas no jardim de uma igreja próxima, e o jogo os mantinha afastados de confusões numa época em que muitos dos seus contemporâneos acabavam como mendigos ou criminosos. O exercício constante e o ar puro também ajudaram Konstantin e em pouco tempo ele se tornou saudável e forte.”

 

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Footure

Últimas Postagens

A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola
Lucas Filus

A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola

0 Comentários
O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?
Dimitri Barcellos

O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?

0 Comentários
Paul Pogba pode ser o primeiro ‘reforço’ do United para a próxima temporada
Lucas Filus

Paul Pogba pode ser o primeiro 'reforço’ do United para a próxima temporada

0 Comentários
A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir
Caio Nascimento

A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir

0 Comentários
Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari
Caio Bitencourt

Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari

0 Comentários
Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol
Caio Alves

Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol

0 Comentários
Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube
Caio Nascimento

Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube

0 Comentários
Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete
Bruna Mendes

Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete

0 Comentários
O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?
Jonatan Cavalcante

O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?

0 Comentários
4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021
Dimitri Barcellos

4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021

0 Comentários
Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense
Gabriel Corrêa

Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense

0 Comentários
Kayky, Galarza, Nestor, Kaiky, Rodrigo Varanda e o semestre animador dos garotos da base brasileira
Caio Nascimento

Kayky, Galarza, Nestor, Kaiky, Rodrigo Varanda e o semestre animador dos garotos da base brasileira

0 Comentários
As transições da Inter que as deixam na cara do gol (e do Scudetto)
Caio Bitencourt

As transições da Inter que as deixam na cara do gol (e do Scudetto)

0 Comentários
Danilo, uma boa dor de cabeça para Abel Ferreira no Palmeiras
Gabriel Corrêa

Danilo, uma boa dor de cabeça para Abel Ferreira no Palmeiras

0 Comentários
Zidane vence jogo de xadrez no El Clásico e aumenta disputa por título na Liga
Bruna Mendes

Zidane vence jogo de xadrez no El Clásico e aumenta disputa por título na Liga

0 Comentários