Por quê o Bahia sofre tantos gols de bola parada?

Falta de concentração, mau posicionamento, postura corporal relaxada e mérito do adversário, são alguns dos diversos motivos os quais explicam o alto número de gols sofridos em bolas paradas em 2020

Diante de um cenário de amplo acesso a informação, análises profundas, verdadeiros jogos de xadrez, qualidade individual similar e equipes buscando a consolidação de ideias, a bola parada ganha protagonismo na luta pelo famigerado resultado.

Os treinamentos específicos que precedem as partidas, contam com orientações direcionadas para explorar as fraquezas do adversário e potencializar as próprias virtudes. Seja ao defender ou atacar. Em um escanteio, falta ou até mesmo arremesso lateral.

Segundo o professor Jorge Castelo, entre 25 e 50% das situações de finalização e de criação das situações de finalização são originadas a partir da bola parada. Além disso, os confrontos entre equipes semelhantes são cada vez mais decididos por gols derivados de escanteios, faltas laterais, faltas diretas, pênaltis ou arremessos laterais.

E nesta temporada, sofrer gols de bola parada tem sido algo recorrente no Bahia. Dos 30 gols sofridos na Copa do Nordeste, Copa do Brasil, Sul-Americana e Brasileiro, um total de 43,3% (13 gols) tiveram origem a partir de uma bola parada.

Um índice bastante significativo e que apresenta diversos motivadores como causa. E para entender as causas, o Footure realizou um levantamento e analisou em texto e vídeo todos os gols sofridos de bola parada pelo Bahia.

ESCANTEIOS

O Bahia adota uma marcação mista com predominância zonal com participação efetiva dos 10 jogadores de linha. Ou seja, a maior parte dos defensores ocupam espaços previamente estabelecidos. Enquanto os demais se dividem em marcar individualmente, ficar no rebote e/ou marcar a cobrança curta.

Com a equipe principal, o Bahia sofreu 5 gols originados de escanteio (Brasileiro e Copa do Nordeste). Desses, 4 foram cobrados ao pé natural (batida aberta) e um com o pé trocado (batida fechada).

Contra o Corinthians o Bahia sofreu dois gols. E nas duas cobranças a bola foi batida para uma zona fora do alcance dos melhores cabeceadores do Tricolor de Aço. O primeiro foi cobrado para entrada da área.

Onde o Timão atraiu Élber para marcar uma possível cobrança curta e depois Rodriguinho para uma cobrança na 1º trave. O que possibilitou a retirada de dois jogadores que ficariam responsáveis pelo rebote, deixando a entrada da área livre para Otero finalizar.

No segundo, Danilo Avelar arrastou o marcador (Gregore) e abriu espaço para Gil subir sozinho. Mais uma vez a bola batida aberta e longe do alcance de Ernando, Juninho e Gilberto – melhores cabeceadores. O mesmo aconteceu diante do Ceará.

Diante do São Paulo, o técnico Fernando Diniz utilizou outra forma para superar a defesa do Bahia: sobrecarregar a zona do marcador. A bola é batida aberta e na 1º trave. O que poderia favorecer aos defensores.

No entanto, dois jogadores invadem a 1º trave causando superioridade numérica no setor e gerando dúvida e sobrecarga ao defensor. O jogador do São Paulo desvia a bola e na 2º trave e Luciano empata no final do jogo. O mesmo acontece contra o Vitória. A diferença é a batida fechada.

FALTAS FRONTAIS

Os gols sofridos de falta frontal representam 23% do total no universo de bolas paradas. O Bahia levou gols dessa forma contra Vitória e Botafogo-PB (Copa do Nordeste) e Atlético-GO (Brasileiro).

Diante dos Paraibanos e Goianos, a falta de concentração, postura corporal relaxada e mau posicionamento de quem estava com a obrigação de pegar o rebote foi algo latente. No primeiro lance do vídeo acima, nota-se que Élber é o jogador do rebote.

Entretanto, observa-se uma postura corporal relaxada e desconcentração. O que é vital para que no rebote Jean tenha a chance de finalizar mais uma vez. O mesmo acontece no jogo contra o Botafogo-PB. Apesar de ser um lance rápido, os jogadores estava mau posicionados e demoraram a reagir.

Contra o Vitória, pela Copa do Nordeste, há um mix entre o mérito da batida de Thiago Carleto e a falha individual de Douglas Friedrich.

FALTAS LATERAIS

Em faltas laterais, o Bahia sofreu 2 gols. E um deles gerou um prejuízo milionário e uma eliminação precoce na Copa do Brasil. Contra o Bragantino pelo Brasileiro, jogadores saíram depois da batida da bola (atrasados) e demoraram a reagir no rebote.

Na dura desclassificação para o River-PI, a equipe estava bem postada. Mas o erro individual de Juninho Capixaba, ao abandonar a sua zona por uma fração de segundos para bloquear o adversário, comprometeu toda estrutura e concedeu espaço para a bola entrar na 1º trave.

ARREMESSO LATERAL

O arremesso lateral é outra fonte de gols sofridos pelo Bahia. Diante de Grêmio e Flamengo foram 3 bolas dentro da própria rede. No primeiro jogo observado por Mano Menezes in loco, o Esquadrão de Aço tomou dois gols com origem em laterais.

O primeiro gol mostra a equipe defendendo com uma linha de 5 defensores, um jogador para o lateral curto, outro marcando individual e mais dois no rebote. No entanto, a equipe deixou Alisson livre na entrada da área. Erro crasso de posicionamento gerado pelo Grêmio que atraiu a marcação para uma cobrança média/curta.

O segundo gol, o Bahia tinha a posse de bola e perdeu a disputa de 1º e 2º bola. E sem uma pressão na bola eficiente e erros de coberturas viu o Grêmio progredir e finalizar.

No jogo contra o Flamengo, apesar da equipe ter superioridade numérica no setor da bola e Everton Ribeiro receber a bola de costas, a genialidade do jogador acima da média foi preponderante para marcar o gol.

O trabalho de Mano Menezes está no começo. E diante de um calendário acavalado com jogos seguidos semana a semana, é preciso otimizar os treinos para atacar as necessidades imediatas. E a bola parada defensiva carece de ajustes.

É preciso elevar o nível de concentração e encontrar um antídoto para as soluções elaboradas pelos adversários.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Jonatan Cavalcante

Últimas Postagens

Power in Motion: o projeto de restabelecimento do Dínamo de Moscou
Caio Nascimento

Power in Motion: o projeto de restabelecimento do Dínamo de Moscou

0 Comentários
Em sua primeira final europeia da história, o Villarreal desbanca o Arsenal nas semis da Europa League
Bruna Mendes

Em sua primeira final europeia da história, o Villarreal desbanca o Arsenal nas semis da Europa League

0 Comentários
A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola
Lucas Filus

A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola

0 Comentários
O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?
Dimitri Barcellos

O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?

0 Comentários
Paul Pogba pode ser o primeiro ‘reforço’ do United para a próxima temporada
Lucas Filus

Paul Pogba pode ser o primeiro 'reforço’ do United para a próxima temporada

0 Comentários
A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir
Caio Nascimento

A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir

0 Comentários
Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari
Caio Bitencourt

Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari

0 Comentários
Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol
Caio Alves

Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol

0 Comentários
Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube
Caio Nascimento

Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube

0 Comentários
Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete
Bruna Mendes

Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete

0 Comentários
O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?
Jonatan Cavalcante

O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?

0 Comentários
4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021
Dimitri Barcellos

4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021

0 Comentários
Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense
Gabriel Corrêa

Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense

0 Comentários
Kayky, Galarza, Nestor, Kaiky, Rodrigo Varanda e o semestre animador dos garotos da base brasileira
Caio Nascimento

Kayky, Galarza, Nestor, Kaiky, Rodrigo Varanda e o semestre animador dos garotos da base brasileira

0 Comentários
As transições da Inter que as deixam na cara do gol (e do Scudetto)
Caio Bitencourt

As transições da Inter que as deixam na cara do gol (e do Scudetto)

0 Comentários