Por que o Manchester City contratou Yan Couto?

Formado pelo Coritiba, o lateral Yan Couto quase foi contratado pelo Barcelona, mas o Manchester City se atravessou e adquiriu os direitos do atleta; afinal, o que fez os Citizens buscarem o lateral direito campeão do mundo sub-17?

As seleções de base, como bem sabemos, podem ser um perigo. Muitas vezes, o jovem se vê psicologicamente pressionado e não consegue dar sequência na carreira da forma que se imaginava. Por outro lado, já foram diversos os casos de craques que puderam ser vistos pela primeira vez em torneios sub-17, 19, 20 e por aí vai.

Yan Couto pode se encaixar nas duas categorias citadas. O Manchester City botou fé de que ele se juntará ao time das estrelas. E isso parece fazer sentido. Os €6 milhões pagos ao Coritiba pelo lateral-direito podem acabar sendo troco de boteco. Mas o que chamou a atenção dos Citizens?

Considerando o que foi visto na seleção sub-17, Yan não demonstrou ser um lateral de profundidade, na concepção mais clássica. É possível vê-lo alcançando a linha de fundo e buscando o cruzamento, mas seu repertório costuma transitar por territórios diferentes.

Yan Couto Coritiba Mapa de Calor
O mapa de calor de Yan Couto

Em suma, é um jogador que adora atravessar o campo, sendo capaz de avançar pelo lado inverso e de cortar para dentro com inteligência, gerando uma lógica de movimento rara que altera o andamento natural do ataque. A leitura de jogo aguçada já é considerado um ponto forte, ainda que ele seja tão jovem.

É notável como tem desenvoltura suficiente para atuar até como ala num eventual esquema de três zagueiros. E, mesmo assim, ainda se mostra defensivamente agressivo. Até demais, é verdade, o que pode ser considerado uma eventual falha em seu repertório até então. A forma como ataca a bola não é das mais cautelosas, porém isso deve ser trabalhado. Afinal, estamos falando de um jogador de 18 anos. As bolas paradas são outro ponto de destaque. Especialmente nos escanteios, que trouxeram bons resultados para a amarelinha. Yan Couto também já chamou a responsabilidade em pênaltis.

Ainda que tenha capacidade ofensiva para alcançar um patamar até mais elevado, é possível ver um pouco de Rafinha em seu jogo. O lateral-direito do Flamengo, também revelado na base do Coxa, é um jogador que ataca muito por dentro, tentando quebrar a estrutura defensiva adversária e gerando opções variadas. Em seu auge europeu, isso foi visto com frequência.

Campeão do mundo com a seleção brasileira sub-17, Yan Couto foi um dos principais responsáveis pelo título. Sua capacidade de quebrar a defesa com dribles curtos fez, inclusive, com que muitas vezes fosse criada uma lógica em que ele pudesse avançar mais, deixando o outro lateral mais preso. Essa estratégia foi usada, inclusive, em dois jogos-chave da campanha, contra a França e o México.

Sua escolha pelo City na briga com o Barcelona talvez tenha ligação com Guardiola. É possível que eles não cheguem a trabalhar juntos, visto que City conta com Cancelo e Walker por alguns anos, e Yan Couto provavelmente tenha um empréstimo em um futuro não tão distante. Entretanto, olhando para a forma que Pep evoluiu o jogo de Daniel Alves em característica até similares com as que Yan mostrou até agora, é possível sonhar com essa conexão acontecendo um dia. O jovem de 18 anos provavelmente já pensou bastante nisso.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Avatar

Últimas Postagens

O que é a linha sustentada, conceito dominado por Tite e Mano Menezes e que fez sucesso no Corinthians
Caio Alves

O que é a linha sustentada, conceito dominado por Tite e Mano Menezes e que fez sucesso no Corinthians

0 Comentários
Atlético-MG vive seu melhor momento na temporada
Gabriel de Assis

Atlético-MG vive seu melhor momento na temporada

0 Comentários
A onda tecnicista na função do auxiliar técnico de futebol
Jonatan Cavalcante

A onda tecnicista na função do auxiliar técnico de futebol

0 Comentários
Friendly #1 | Imaginar e construir o futuro, a habilidade fundamental do século XXI
Footure

Friendly #1 | Imaginar e construir o futuro, a habilidade fundamental do século XXI

0 Comentários
Surpresa e tradição: os classificados para as quartas do futebol masculino na Olimpíada
Caio Nascimento

Surpresa e tradição: os classificados para as quartas do futebol masculino na Olimpíada

0 Comentários
Osimhen, Simy, e a problemática das narrativas sobre jogadores africanos
Caio Bitencourt

Osimhen, Simy, e a problemática das narrativas sobre jogadores africanos

0 Comentários
O que esperar do Real Madrid para os próximos anos com Carlo Ancelotti?
Bruna Mendes

O que esperar do Real Madrid para os próximos anos com Carlo Ancelotti?

0 Comentários
O que explica as goleadas do Flamengo com Renato Gaúcho?
Gabriel de Assis

O que explica as goleadas do Flamengo com Renato Gaúcho?

0 Comentários
Como o Vojvodismo transformou o Fortaleza em protagonista no futebol brasileiro?
Jonatan Cavalcante

Como o Vojvodismo transformou o Fortaleza em protagonista no futebol brasileiro?

0 Comentários
God Save the Game #34 | A janela de transferências da Premier League 21/22
Gabriel Corrêa

God Save the Game #34 | A janela de transferências da Premier League 21/22

0 Comentários
Felipão chega entregando o de sempre: segurança e resultado
Gabriel de Assis

Felipão chega entregando o de sempre: segurança e resultado

0 Comentários
Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 2
Caio Nascimento

Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 2

0 Comentários
A Itália ainda pode crescer após o título da Euro?
Caio Bitencourt

A Itália ainda pode crescer após o título da Euro?

0 Comentários
Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 1
Caio Nascimento

Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 1

0 Comentários
O complicado início de Diego Aguirre no Internacional
Gabriel de Assis

O complicado início de Diego Aguirre no Internacional

0 Comentários