Por que o Villarreal é o time que mais empata na La Liga?

Atualmente o Villarreal está em 6º lugar da La Liga e é a segunda equipe com menos derrotas no campeonato. Por outro lado, é o time que mais empata. Por qual motivo isso acontece?

Desde o empate contra o Granada em janeiro, o Villarreal não vence pela La Liga. São seis jogos seguidos sem vitória, os rivais da parte debaixo se aproximam e os de cima se distanciam. O hype pelas contratações e também pela chegada de Emery foi enorme, mas apesar do começo excelente, e uma grande sequência invicta de 12 jogos no campeonato espanhol, o time tem problemas para conseguir vencer.

Os pesares e principais destaques

Em busca pela vaga direta a Europa League, o time perde muitos pontos em confrontos diretos. Dos que estão no top 6 da liga hoje, o Villarreal não venceu nenhum, e, além disso, não consegue se impor por completo diante de outras equipes da primeira parte da tabela. Ganhar confrontos no qual o time é teoricamente superior pode ser tratado como situação óbvia, entretanto a necessidade de vencer confrontos diretos implica no que o clube busca atualmente, uma vaga para competição europeia.

Apesar de ser uma equipe um pouco mais inconsistente, a Real Sociedad entrega ritmo coletivo que não é visto com a mesma frequência na equipe de Unai Emery. O treinador espanhol segue ótimo trabalho na Europa League, competição que venceu três vezes consecutivas. Entretanto, escorrega em alguns aspectos para seguir forte dentro do campeonato espanhol.

O Submarino Amarelo empatou mais jogos do que qualquer outra equipe nas cinco primeiras ligas europeias nesta temporada: são 13 empates.

A prioridade sempre vai ser a competição em que o clube desempenha melhor, mas nem sempre é uma garantia. A importância em se manter bem na liga é necessária não só para a atual temporada, mas também para garantir a seguinte. Em 2021 alguns problemas visualizados desde o início da 2020/21 vieram à tona.

Emery consegue colocar seus jogadores em um conceito que não permite ceder espaços. A equipe é compacta em campo, principalmente no círculo central, e assim consegue segurar suas linhas e oferecer perigo no pós-perda. Por outro lado, existe uma certa dependência dos seus melhores jogadores.

Nas últimas temporadas, Gerard Moreno vem sendo peça essencial para que o Villarreal consiga competir em qualquer aspecto. Desde o fim do ano passado, os problemas em definir partidas começaram a aparecer. Assim como citado anteriormente, Gerard Moreno é a principal peça no último terço. A partir disso consegue criar as principais chances para si mesmo, mas também para seus companheiros.

Só Messi (19), Suárez (18) e Benzema (17) têm mais participações em gols no campeonato espanhol do que Gerard Moreno (16).

A equipe pouco consegue sair para o ataque e criar chances construídas coletivamente que o ajudem a decretar vitórias que na teoria seriam “fáceis”. Mas futebol é prática. Depender do individual é um problema quando poucos dos seus jogadores conseguem isolar performances acima da média.

Em transição ofensiva, Alfonso Pedraza é um dos melhores jogadores da liga. Sabe ler os espaços e tem boas decisões no passe curto. Dani Parejo foi a principal contratação da temporada, começou fazendo sua parte e vem demonstrando o seu melhor como regista. Entretanto o diferencial que é tanto apontado no jogador não é o suficiente para desafogar em momentos chave, o que deveria.

Outro jogador que vinha sendo importante e diminuiu o ritmo foi Paco Alcácer. Com cinco gols e três assistências, o atacante espanhol só fica atrás de Gerard Moreno em participações, mas além dos números a importância não é tão significativa como o compatriota.

A regularidade da primeira parte da temporada não existe mais e o time sente falta de um segundo jogador mais decisivo no último terço. Na defesa o maior problema é a bola aérea. Mas, como dito anteriormente, o time é bastante compacto e oferece poucos espaços, o controle do meio-campo é o foco principal e com base nisso o jogo defensivo é ponderado.

A quantidade de empates é uma boa forma de assimilar esses pontos negativos. Apesar de garantir um ponto em partidas mais difíceis – como aconteceu contra o Real Madrid e o Atleti – o time perde dois pontos em outras que não deveriam ser tão complicadas. É verdade que poucas derrotas são interessantes visando que cada ponto é importante. O problema é ter a vitória nas mãos, ou pelo menos em campo uma superioridade, e não conseguir transformar isso em três pontos.

É preocupante apenas oito vitórias em 24 jogos, é um aproveitamento incoerente com os objetivos e investimentos. E não dá para negar isso quando olhamos para a tabela e avistamos os adversários com resultados melhores.

Da mesma forma que os empates (ou não-derrotas) garantem o Villarreal em 6º lugar também garantem superioridade dos adversários do top 5. O motivo do time não se manter superior a essas equipes pode complicar o campeonato da equipe nesse sentido, já que na maioria das vezes o peso maior acaba sendo perder dois pontos e não ganhar um.

Levantar a Europa League seria ótimo, mas não é uma garantia. Os bons desempenhos na La Liga mantêm o time firme para as próximas temporadas, disputando e competindo no alto nível. Não dá para deixar um campeonato de pontos corridos de lado quando é ele que determina a consistência do seu time.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Bruna Mendes

Últimas Postagens

A onda tecnicista na função do auxiliar técnico de futebol
Jonatan Cavalcante

A onda tecnicista na função do auxiliar técnico de futebol

0 Comentários
Friendly #1 | Imaginar e construir o futuro, a habilidade fundamental do século XXI
Footure

Friendly #1 | Imaginar e construir o futuro, a habilidade fundamental do século XXI

0 Comentários
Surpresa e tradição: os classificados para as quartas do futebol masculino na Olimpíada
Caio Nascimento

Surpresa e tradição: os classificados para as quartas do futebol masculino na Olimpíada

0 Comentários
Osimhen, Simy, e a problemática das narrativas sobre jogadores africanos
Caio Bitencourt

Osimhen, Simy, e a problemática das narrativas sobre jogadores africanos

0 Comentários
O que esperar do Real Madrid para os próximos anos com Carlo Ancelotti?
Bruna Mendes

O que esperar do Real Madrid para os próximos anos com Carlo Ancelotti?

0 Comentários
O que explica as goleadas do Flamengo com Renato Gaúcho?
Gabriel de Assis

O que explica as goleadas do Flamengo com Renato Gaúcho?

0 Comentários
Como o Vojvodismo transformou o Fortaleza em protagonista no futebol brasileiro?
Jonatan Cavalcante

Como o Vojvodismo transformou o Fortaleza em protagonista no futebol brasileiro?

0 Comentários
God Save the Game #34 | A janela de transferências da Premier League 21/22
Gabriel Corrêa

God Save the Game #34 | A janela de transferências da Premier League 21/22

0 Comentários
Felipão chega entregando o de sempre: segurança e resultado
Gabriel de Assis

Felipão chega entregando o de sempre: segurança e resultado

0 Comentários
Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 2
Caio Nascimento

Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 2

0 Comentários
A Itália ainda pode crescer após o título da Euro?
Caio Bitencourt

A Itália ainda pode crescer após o título da Euro?

0 Comentários
Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 1
Caio Nascimento

Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 1

0 Comentários
O complicado início de Diego Aguirre no Internacional
Gabriel de Assis

O complicado início de Diego Aguirre no Internacional

0 Comentários
Rodrigo De Paul: o meia com DNA de Simeone e Atlético de Madrid
Bruna Mendes

Rodrigo De Paul: o meia com DNA de Simeone e Atlético de Madrid

0 Comentários
A Inglaterra superou seus traumas e, agora, se permite sonhar
Lucas Filus

A Inglaterra superou seus traumas e, agora, se permite sonhar

0 Comentários