Pouca evolução: o trabalho de Aguirre do início ao fim

Apesar de alguns momentos ao longo do campeonato, o Internacional foi muito irregular com Diego Aguirre e não evoluiu onde mais precisava.

Contratado em junho para sua segunda passagem pelo Internacional, Diego Aguirre se despediu do Colorado ao final do Campeonato Brasileiro. O uruguaio chegou com a missão de recuperar a consistência defensiva e a imposição física de um elenco cuja base está formada há pelo menos três anos e brigou por diversos títulos. Não foi por falta de tentativa, mas o trabalho não deu certo e o time gaúcho acabou o Brasileirão em 12° lugar, com 48 pontos, na sua pior participação desde o retorno a Série A em 2018.

Em julho, falamos sobre os primeiros passos de Aguirre e concluímos que o Inter sabia o que fazer nas fases do jogo, porém o pouco tempo de trabalho não havia sido suficiente para consolidar os comportamentos desejados pelo treinador. Ele tentou, modificou estruturas, trocou atletas de posição, abriu mão de características, chegou a ter um bom momento entre setembro e outubro, quando parecia certa a vaga na pré-Libertadores, porém o caldo entornou na reta final.

Internacional Aguirre Footure
Movimentação e trocas de posição por dentro. As jogadas acabam em uma enfiada para Yuri Alberto ou com uma abertura para os lados.

A princípio, o uruguaio manteve o 4-3-3 de Miguel Ángel Ramírez, apesar de ter alterado as mecânicas da equipe. Um jogo bastante lateralizado, com inversões de bola, cruzamentos, descidas dos laterais e a presença de um ponta puro como Caio Vidal passou a ser utilizado. Além disso, o jogo direto para o pivô de Yuri Alberto também se tornou muito importante. Contudo, a construção carecia de uma ritmo mais acelerado e maior fluidez.

Curiosamente, a fase ofensiva talvez tenha sido o aspecto no qual o trabalho de Aguirre melhor se desenvolveu. A partir do momento em que teve Taison em plena forma, Aguirre mudou para o 4-2-3-1, com Rodrigo Dourado e Rodrigo Lindoso formando a dupla de volantes, Patrick e Edenílson como meias que se movimentam de fora para dentro, com o camisa 10 centralizado, por trás de Yuri Alberto, o centroavante. A nova configuração permitiu o aproveitamento de jogadores com maior capacidade de passe, que se aproximavam pelo centro e se combinavam com agilidade.

Internacional Aguirre Footure
Recomposição lenta, inclusive com jogadores de defesa (5 e 6) ficando para trás.

A mudança de esquema não foi motivada somente por questões ofensivas. Problemática nos tempos de Ramírez, a transição defensiva do Inter não melhorou com Aguirre. A falta de uma reação rápida após a perda da bola, seja para pressionar ou recompor, assombrou o Colorado durante toda a temporada. A presença de dois volantes fixos na frente da área, como Dourado e Lindoso, além do poderio físico de Edenílson e Patrick no meio visava resolver o problema, mas não adiantou. Defensivamente, a equipe sabia como se posicionar, porém era pouco combativa e deixava o adversário jogar demais, passando uma sensação de passividade e dando margem para a torcida classificar o elenco como “acomodado”.

Internacional Aguirre Footure
Sem intensidade e pressão, não há formação que funcione.

Em busca de um novo treinador e de oxigenar o elenco, o Internacional busca uma necessária cara nova para 2022. Apesar dos problemas financeiros, existe margem de melhora e possibilidade de alcançar objetivos maiores no próximo ano. E, como vimos em 2021, tudo passa pela escolha de um técnico que tenha compatibilidade com o elenco, porque nem sempre há tempo de corrigir a rota durante a temporada.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Últimas Postagens

Por que a Roma perdeu a mão ao fazer futebol?
Caio Bitencourt

Por que a Roma perdeu a mão ao fazer futebol?

0 Comentários
Silvio Romero: como se movimenta e finaliza as jogadas?
Jonatan Cavalcante

Silvio Romero: como se movimenta e finaliza as jogadas?

0 Comentários
Como funciona o sistema de marcação do Torino de Ivan Juric
Caio Bitencourt

Como funciona o sistema de marcação do Torino de Ivan Juric

0 Comentários
Schick: ‘intruso’ em meio a Lewandowski e Haaland
Gabriel Belo

Schick: 'intruso' em meio a Lewandowski e Haaland

0 Comentários
O potencial do Valencia de Pepe Bordalás
Bruna Mendes

O potencial do Valencia de Pepe Bordalás

0 Comentários
Destaques da Copa São Paulo – Eliminados na primeira fase
Douglas Batista

Destaques da Copa São Paulo - Eliminados na primeira fase

0 Comentários
Cuiabá tem atuação boa e consciente no mercado
Gabriel de Assis

Cuiabá tem atuação boa e consciente no mercado

0 Comentários
Pedro Naressi: acrescenta competitividade e repertório ao Sport
Jonatan Cavalcante

Pedro Naressi: acrescenta competitividade e repertório ao Sport

0 Comentários
O que é um ‘Falso 9’ e quais as diferenças entre os diversos tipos de centroavantes

O que é um 'Falso 9' e quais as diferenças entre os diversos tipos de centroavantes

Aurelio Solano
O encaixe dos reforços do Fluminense e Abel Braga
Gabriel de Assis

O encaixe dos reforços do Fluminense e Abel Braga

0 Comentários
Como Ferran Torres pode ajudar o Barcelona?
Bruna Mendes

Como Ferran Torres pode ajudar o Barcelona?

0 Comentários
As virtudes e vulnerabilidades que Richardson aporta ao Ceará
Jonatan Cavalcante

As virtudes e vulnerabilidades que Richardson aporta ao Ceará

0 Comentários
As perguntas e respostas que fazem evoluir o jogo
Luís Cristovão

As perguntas e respostas que fazem evoluir o jogo

0 Comentários
Cuca deixa o Atlético Mineiro como um dos melhores trabalhos de sua carreira
Gabriel de Assis

Cuca deixa o Atlético Mineiro como um dos melhores trabalhos de sua carreira

0 Comentários
Paulo Sousa: “O futebol é baseado no espaço e tempo”
Renato Gomes

Paulo Sousa: “O futebol é baseado no espaço e tempo”

1 Comentários