RÚSSIA IMPÕE 'ESTILO FÍSICO' E MASSACRA NA ABERTURA DA COPA

Por @RodrigoCout Se a vitória traz confiança no futebol, nada melhor do que estrear com uma goleada na Copa do Mundo dentro de casa e poder ter paz para trabalhar. A Rússia dominou a Arábia Saudita no jogo inaugural do Mundial de 2018, no Estadio Luzhniki, em Moscou, e venceu os asiáticos por 5×0. Gols […]

Por @RodrigoCout

Se a vitória traz confiança no futebol, nada melhor do que estrear com uma goleada na Copa do Mundo dentro de casa e poder ter paz para trabalhar. A Rússia dominou a Arábia Saudita no jogo inaugural do Mundial de 2018, no Estadio Luzhniki, em Moscou, e venceu os asiáticos por 5×0. Gols de Gazinskyi, Cherysev(2), Dzyuba e Golovin. Os dois primeiros ainda não haviam marcado pela seleção. Já o centroavante fez o seu 12º gol pela Rússia. A chave para vencer foi impor o seu estilo mais baseado no jogo direto, na imposição física no meio-campo e na bola aérea. Mais de 78 mil espectadores acompanharam a partida.

Stanislav Cherchesov resolveu mesmo abolir a linha de cinco que vinha utilizando e escalou a Rússia no 4-2-3-1. Mario Fernandes ganhou a posição na lateral-direita e surpreendentemente Kudryashov ficou no banco. Kutepov e Ignashevich formaram a zaga. Outra surpresa foi a ausência de Aleksei Miranchuk. Dzagoev foi o escolhido para ser o meia-central. Já a Arábia Saudita, comandada por Juan Manuel Pizzi, manteve a sua estrutura de jogo. 4-1-4-1, mas com Al-Sahlawi como titular na referência. Al Muwallad vinha jogando na função e era o mais aguardado, mas ficou no banco.

Como Rússia e Arábia Saudita iniciaram em campo.
Como Rússia e Arábia Saudita iniciaram em campo.

Os primeiros 15 minutos foram muito bons. Cada equipe tentava imprimir o seu estilo. Os donos da casa apostando num jogo mais direto. Muitos passes longos para o terço final do campo, inversões buscando os laterais, acúmulo de jogadores na faixa central e muita pressão logo após a perda da bola. Desta forma impôs o seu físico mais potente e sufocou a Arábia Saudita, que mesmo marcando em bloco baixo, tentava manter a posse no campo de ataque quando a recuperava, através de aproximação e troca de passes curtos. Faltou qualidade!

Foto 01 Foto 02 Foto 03

Os russos já eram mais perigosos quando abriram o placar aos 11 minutos em cabeçada do volante Gazinskyi após cruzamento de Golovin. Dzagoev vinha muito bem, atacando a área e sendo o jogador mais perigoso, mas acabou sentindo a posterior da coxa e saindo aos 23′. Mario Fernandes também levava muita vantagem pela direita. Após o tento, a Rússia recuou o seu bloco de marcação e ” deu a bola” para os sauditas. Com imensa dificuldade de criar algo, os asiáticos erravam e davam o contra-ataque. Depois dos anfitriões perderem muitas ocasiões de perigo, Chreysev, que havia entrado no lugar de Dzagoev, fez um golaço com assistência de Zobnin. A jogada contou com uma defesa completamente espaçada da Arábia.

Foto 04

A dupla de volantes que teve destaque nas jogadas dos gols foi muito importante para o predomínio russo no meio-campo. Muito intensos e literalmente atropelando os meio-campistas árabes. O time saudita só conseguia incomodar quando Al Dawsari produzia alguma jogada individual saindo da esquerda para o meio. Na volta do 2º tempo pouca coisa mudou. A Arábia Saudita seguiu com mais posse de bola, tentando jogar e esbarrando nas suas limitações. A Rússia abaixou a intensidade na abordagem de marcação e até levou um susto em cruzamento fechado aos dez minutos, mas nada que tenha incomodado muito.

Foto05

Aos 18′, Pizzi resolveu acrescentar mais um atacante em sua equipe. Sacou o volante Otayf e colocou Al Muwallad. Mudou o esquema tático para o 4-4-2. Já Cherchesov percebeu que sua equipe tinha perdido força de marcação e pôs o volante Kuzyaev no lugar do meia Samedov. Zobnin, que teve ótima atuação, passou para o lado direito do meio-campo. Smolov foi sacado seis minutos depois para a entrada de Dzyuba. O gigante centroavante de 1,96m precisou de apenas uma volta no ponteiro para marcar de cabeça nas costas do fraco Osama Hawsawi. Mais uma assistência de Golovin.

No final da partida, já com a Arábia Saudita entregue, Cherysev fez um golaço, o segundo dele no jogo. Após ligação direta para o ataque, Dzyuba ajeitou de cabeça e o meia do Villareal acertou um lindo chute de trivela no angulo esquerdo saudita. Ainda deu tempo para o quinto. Golovin, o craque do jogo, marcou de falta aos 48 minutos. O tento marcou a maior vitória já ocorrida numa estreia de Copa do Mundo.

Como Rússia e Arábia Saudita terminaram o jogo.
Como Rússia e Arábia Saudita terminaram o jogo.

A Rússia aproveitou a ocasião de um adversário frágil para vencer com uma diferença de gols importante visando a classificação. Teve uma grande mostra que a estratégia tem que ser mesmo em cima do seu estilo. Encontrará dificuldades em outros jogos, mas não há outro caminho dentro do que dispõe em qualidade e característica. A Arábia Saudita não conseguiu sequer fazer uma marcação eficaz, como já apresentou recentemente. Até tentou jogar, mas foi atropelada por um oponente que levou a partida para o ”lugar” que lhe foi confortável. Não teve forças para reagir. Difícil acreditar que incomodará Uruguai ou Egito.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Rodrigo Coutinho

Últimas Postagens

Atlético-MG vive seu melhor momento na temporada
Gabriel de Assis

Atlético-MG vive seu melhor momento na temporada

0 Comentários
A onda tecnicista na função do auxiliar técnico de futebol
Jonatan Cavalcante

A onda tecnicista na função do auxiliar técnico de futebol

0 Comentários
Friendly #1 | Imaginar e construir o futuro, a habilidade fundamental do século XXI
Footure

Friendly #1 | Imaginar e construir o futuro, a habilidade fundamental do século XXI

0 Comentários
Surpresa e tradição: os classificados para as quartas do futebol masculino na Olimpíada
Caio Nascimento

Surpresa e tradição: os classificados para as quartas do futebol masculino na Olimpíada

0 Comentários
Osimhen, Simy, e a problemática das narrativas sobre jogadores africanos
Caio Bitencourt

Osimhen, Simy, e a problemática das narrativas sobre jogadores africanos

0 Comentários
O que esperar do Real Madrid para os próximos anos com Carlo Ancelotti?
Bruna Mendes

O que esperar do Real Madrid para os próximos anos com Carlo Ancelotti?

0 Comentários
O que explica as goleadas do Flamengo com Renato Gaúcho?
Gabriel de Assis

O que explica as goleadas do Flamengo com Renato Gaúcho?

0 Comentários
Como o Vojvodismo transformou o Fortaleza em protagonista no futebol brasileiro?
Jonatan Cavalcante

Como o Vojvodismo transformou o Fortaleza em protagonista no futebol brasileiro?

0 Comentários
God Save the Game #34 | A janela de transferências da Premier League 21/22
Gabriel Corrêa

God Save the Game #34 | A janela de transferências da Premier League 21/22

0 Comentários
Felipão chega entregando o de sempre: segurança e resultado
Gabriel de Assis

Felipão chega entregando o de sempre: segurança e resultado

0 Comentários
Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 2
Caio Nascimento

Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 2

0 Comentários
A Itália ainda pode crescer após o título da Euro?
Caio Bitencourt

A Itália ainda pode crescer após o título da Euro?

0 Comentários
Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 1
Caio Nascimento

Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 1

0 Comentários
O complicado início de Diego Aguirre no Internacional
Gabriel de Assis

O complicado início de Diego Aguirre no Internacional

0 Comentários
Rodrigo De Paul: o meia com DNA de Simeone e Atlético de Madrid
Bruna Mendes

Rodrigo De Paul: o meia com DNA de Simeone e Atlético de Madrid

0 Comentários