SANTOS 'AMASSA' O CEARÁ NO 1º TEMPO E MOSTRA PODERIO OFENSIVO

Por @RodrigoCout Mostrando evolução na parte ofensiva o Santos estreou muito bem no Campeonato Brasileiro 2018 na noite deste sábado, no Pacaembu. O Peixe jogou de forma convincente e venceu o Ceará por 2×0. Pio contra e Rodrygo balançaram as redes numa partida que poderia ter terminado com mais gols a favor do clube paulista. […]

Por @RodrigoCout

Mostrando evolução na parte ofensiva o Santos estreou muito bem no Campeonato Brasileiro 2018 na noite deste sábado, no Pacaembu. O Peixe jogou de forma convincente e venceu o Ceará por 2×0. Pio contra e Rodrygo balançaram as redes numa partida que poderia ter terminado com mais gols a favor do clube paulista. Jean Motta, Dodô e Rodrygo foram os destaques! O Ceará tentou se comportar de forma mais defensiva do que está acostumado e não executou bem a sua estratégia.

Depois de flertar com a escalação de quatro atacantes de ofício, Jair Ventura preferiu montar o seu time coma seguinte variação. Com a bola, um 4-3-3 com Léo Citadini e Jean Mota no meio-campo. Rodrygo ganhou a vaga na ponta-esquerda. Sem a bola, Jean Mota abria para fechar o lado esquerdo do campo e Citadini alinhava-se com Alison, liberando Rodrygo para dar o primeiro combate ao lado de Gabriel mais a frente. No Ceará, Marcelo Chamusca montou um 4-1-4-1 e escalou Rafael Carioca na lateral-esquerda, na vaga de Romário, que pertence ao Santos. Ernandes ficou com a vaga do lesionado Richardson.

Campo 01 (1)

O 1º tempo no Pacaembu contemplou um Santos que tomou a iniciativa de atacar, ocupou bem os espaços, e sabia exatamente o que fazer para agredir o Ceará. O Vovô, por sua vez, adotou uma postura reativa, tentava explorar os contra-ataques, mas foi amassado nos 45 minutos iniciais pelo ímpeto e pela qualidade técnica santista. Pior ainda para os visitantes que o meia Ricardinho saiu lesionado com apenas 13 minutos. O colombiano Reina entrou em seu lugar.

A proposta do Peixe era clara em buscar as triangulações pelos lados do campo. Jean Mota, Dodô e Rodrygo pela esquerda. Cittadini, Daniel Guedes e Sasha pela direita. O alvinegro praiano abria o campo e tentava alargar a defesa cearense. Gabriel rodava bastante a intermediária e sempre contava com as projeções de Rodrygo ou Cittadini para preencher a área adversária e manter a profundidade santista.

Print 01 Print 02

Faltava, porém, mais calma na entrada do terço final do campo. O Santos acabava se precipitando e errando passes. Mesmo assim levou perigo com Gabriel aos 21’, Cittadini aos 24’ e Lucas Veríssimo aos 31’. Avisos que o gol estava próximo. O Ceará se fechava bem, era compacto, mas parecia sem intensidade para acompanhar a movimentação santista. Nos raros momentos que teve a bola em fase ofensiva, via Arthur sair muito da referência  eninguém preencher o espaço. Nas transições, nada saía. O time estava ‘’pregado’’ atrás.Print 03

Aos 42 minutos finalmente o Peixe marcou. Jean Mota deu belo passe em profundidade para Daniel Guedes e o cruzamento encontrou o lateral do lado oposto no segundo pau. Dodô tocou na bola e viu Pio e Éverson se enrolarem antes da bola entrar. A arbitragem confirmou gol contra do lateral-direito cearense. Logo no início do segundo tempo o Santos ampliou no seu ponto forte: o contra-ataque. Juninho e Luiz Otávio falharam na saída de bola e Gabigol foi no fundo para servir o jovem Rodrygo. 2×0 Peixe!

Precisando pelo menos diminuir o marcador o Ceará tentou sair mais na segunda etapa. A equipe não mostrava inspiração e tecnicamente esteve em péssima noite. Parecia anestesiada pela pressão santista e a troca de passes era muito lenta. O Peixe postava-se bem e controlava sem maiores sustos as investidas do Vozão. Marcelo Chamusca tentou dar mais agressividade ao seu time com a entrada de Roberto no lugar de Wescley aos 23 minutos.

O Santos voltou a assustar aos 25’. Cittadini recebeu cruzamento e quase marcou o terceiro de cabeça. Pouco depois Gabriel quase marcou em contra-ataque. Os lances parecem ter despertado o Ceará, que depois de 71 minutos de inoperância quase diminuiu em chute de fora da área de Arthur. O jogo estava tão tranqüilo para o time da casa que Jair Ventura só promover a sua primeira substituição aos 31 minutos. Rodrygo deixou o campo muito aplaudido para a entrada de Arthur Gomes.

Campo 02 (1)

O Ceará não teve forças para reagir e a partida ganhou ritmo de treino nos últimos 20 minutos. O time nordestino sentiu da pior forma possível a dificuldade da Série A logo na estréia e terá que de adaptar rapidamente, tem uma tabela muito difícil nas primeiras rodadas. Já o Santos mostrou que tem um trabalho em desenvolvimento e apresentou melhoras no aspecto ofensivo. A vitória aumenta a confiança e corrobora a ação de Jair Ventura e seus comandados nas últimas semanas de treino.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Footure

Últimas Postagens

Início animador do Brasileirão Sub-17
Caio Nascimento

Início animador do Brasileirão Sub-17

0 Comentários
Como Vlahovic virou um artilheiro de muitos gols na Fiorentina
Caio Bitencourt

Como Vlahovic virou um artilheiro de muitos gols na Fiorentina

0 Comentários
Depressão: a inimiga invisível do futebol
Fernanda Lima

Depressão: a inimiga invisível do futebol

0 Comentários
Power in Motion: o projeto de restabelecimento do Dínamo de Moscou
Caio Nascimento

Power in Motion: o projeto de restabelecimento do Dínamo de Moscou

0 Comentários
Em sua primeira final europeia da história, o Villarreal desbanca o Arsenal nas semis da Europa League
Bruna Mendes

Em sua primeira final europeia da história, o Villarreal desbanca o Arsenal nas semis da Europa League

0 Comentários
A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola
Lucas Filus

A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola

0 Comentários
O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?
Dimitri Barcellos

O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?

0 Comentários
Paul Pogba pode ser o primeiro ‘reforço’ do United para a próxima temporada
Lucas Filus

Paul Pogba pode ser o primeiro 'reforço’ do United para a próxima temporada

0 Comentários
A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir
Caio Nascimento

A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir

0 Comentários
Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari
Caio Bitencourt

Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari

0 Comentários
Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol
Caio Alves

Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol

0 Comentários
Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube
Caio Nascimento

Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube

0 Comentários
Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete
Bruna Mendes

Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete

0 Comentários
O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?
Jonatan Cavalcante

O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?

0 Comentários
4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021
Dimitri Barcellos

4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021

0 Comentários