UM HORIZONTE PROMISSOR EM MILANELLO

Por @maiiron_ Depois de uma temporada e meia envolvido em especulações de venda, o Milan saiu das mãos do excêntrico Silvio Berlusconi, o homem que mudou a história do clube e que, além de dinheiro, colocou muitas taças no armário de Milanello. Na gestão dele foram cinco conquistas da Champions League. Para quem não sabe, Berlusconi […]

Por @maiiron_

Depois de uma temporada e meia envolvido em especulações de venda, o Milan saiu das mãos do excêntrico Silvio Berlusconi, o homem que mudou a história do clube e que, além de dinheiro, colocou muitas taças no armário de Milanello. Na gestão dele foram cinco conquistas da Champions League. Para quem não sabe, Berlusconi assumiu o Milan em épocas de vacas magras. O caso “Totonero”, que sacudiu o Calcio nos anos 80, atingiu fortemente o clube, que acabou rebaixado. Silvio trouxe um ainda emergente Arrigo Sacchi, e com ele o trio holandês que mudaria a história do clube: Rijkaard, Gullit e Van Basten. O tempo passou, o Milan seguiu com Capello, responsável por montar um esquadrão que encantou o mundo e estabeleceu um recorde de 58 vitórias seguidas.

Até 2007, de fato, o Milan era um clube respeitável na Europa; beliscava a Champions, o Campeonato Italiano e o que viesse. Mas o dinheiro de Berlusconi, cada vez mais envolvido na vida política e cuidando cada vez menos do clube, minguava. Com isso, ídolos foram embora. Kaká, Shevchenko, Thiago Silva e a polêmica ida de Pirlo para a Juventus são exemplos. O Milan viu a Juve renascer e se tornar uma força inabalável na Itália, sendo exemplo em organização financeira e papando todos os títulos domésticos possíveis.

Os títulos não apareceram, as dívidas acumularam e a venda, que se arrastava desde 2015, foi concluída. O conglomerado Rossoneri Sport Investment Lux, liderado pelo empresário chinês Yonghong Li, pagou R$ 2,5bi por 99,3% do Milan, que manteve Vincenzo Montella no comando da equipe. Montella fez muito com pouco material humano e levou o Milan para uma competição Europeia; feito comemorado, que não acontecia desde 2014. Fora de campo, o clube se reforçou. Massimo Mirabelli, que já trabalhou na Internazionale e conta com sete promoções dentro da Itália desde que virou diretor esportivo, chegou com pompa. Marco Fassone, que tem no currículo passagens por Juventus, Napoli e Milan, será o CEO. Os executivos chegam com a pressão de substituir Adriano Galliani e Ariedo Braida, dupla histórica do Milan. Até agora, é uma boa janela. Abaixo, as caras novas:

ANDRÉ SILVA:

andre-silva-ac-milan_9bvjuvhzd4tv1lwbgb2m1ia5i (1)

Idade: 21

Posição: Meia/Atacante

Jogos como profissional: 58

Gols: 27

Internacionalizações: 10

Chamado de “herdeiro de Cristiano Ronaldo” pelo próprio CR7, André Silva encanta pela precocidade. Já falamos sobre ele no texto sobre as dez revelações do futebol europeu e o Milan o pinçou no mercado por um preço aceitável, devido a inflação do mercado atual (€38Mi). Versátil, saiu da referência para jogar na faixa central do meio-campo quando Tiquinho Soares começou a empilhar gols no Porto. Além de goleador, tem ótima visão de jogo.

 

MATEO MUSACCHIO

thumbs0

Idade: 26 anos

Posição: Zagueiro

Jogos pelo profissional: 260

Gols: 10

Internacionalizações: 4

Zagueiro de bom toque, de boa técnica e muita imposição física, Musacchio ainda peca ainda nos duelos aéreos. Foi o parceiro eleito para Romagnoli. Com sete anos de Villareal, um dos pilares do time de Marcelino Garcia Toral e Fran Escribá chega já tarimbado ao Milan. Se não sofrer com lesões, é uma contratação acertadíssima.

 

RICARDO RODRÍGUEZ

naom_5939a20809f0c

Idade: 24 anos

Posição: Lateral-Esquerdo

Jogos pelo profissional: 232

Gols: 24

Internacionalizações: 45

Um dos laterais-esquerdos mais gabaritados da Europa, Ricardo Rodríguez chega com o peso de ser dono de uma posição carente no Milan. Desde Maldini (!) a banda esquerda Rossonera está abandonada. Dono de ótimo apoio, cruzamento afiado e bola parada perigosa, tem tudo para ser o dono da posição por muito tempo.

 

FRANCK KESSIÉ

KESSIÉ

Idade: 20 anos

Posição: meio-campista

Jogos pelo profissional: 68

Gols: 11

Internacionalizações: 17

Kessié, que também foi pauta aqui no Footure, é um daqueles “todocampistas” que continente africano nos dá de tempos em tempos. Com um bom ano pelo Cesena, voltou à competitiva Atalanta de Gasperini e foi um dos grandes nomes da boa campanha da equipe de Bérgamo. Dono de potência física e versatilidade impressionantes, pode ser o motor que falta ao meio-campo de Montella. Chega por empréstimo.

O Milan contrata nomes pensando no futuro, mas já afirmados no presente. A janela ainda nem abriu e promete agitação em Milanello. Renovação de Donnaruma, as possíveis chegadas de Çalhanoglu e Conti darão ainda mais potência ao bom time em formação de Montella. Olho no Milan, vocês não irão se arrepender.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Mairon Rodrigues

Últimas Postagens

Power in Motion: o projeto de restabelecimento do Dínamo de Moscou
Caio Nascimento

Power in Motion: o projeto de restabelecimento do Dínamo de Moscou

0 Comentários
Em sua primeira final europeia da história, o Villarreal desbanca o Arsenal nas semis da Europa League
Bruna Mendes

Em sua primeira final europeia da história, o Villarreal desbanca o Arsenal nas semis da Europa League

0 Comentários
A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola
Lucas Filus

A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola

0 Comentários
O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?
Dimitri Barcellos

O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?

0 Comentários
Paul Pogba pode ser o primeiro ‘reforço’ do United para a próxima temporada
Lucas Filus

Paul Pogba pode ser o primeiro 'reforço’ do United para a próxima temporada

0 Comentários
A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir
Caio Nascimento

A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir

0 Comentários
Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari
Caio Bitencourt

Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari

0 Comentários
Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol
Caio Alves

Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol

0 Comentários
Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube
Caio Nascimento

Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube

0 Comentários
Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete
Bruna Mendes

Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete

0 Comentários
O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?
Jonatan Cavalcante

O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?

0 Comentários
4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021
Dimitri Barcellos

4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021

0 Comentários
Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense
Gabriel Corrêa

Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense

0 Comentários
Kayky, Galarza, Nestor, Kaiky, Rodrigo Varanda e o semestre animador dos garotos da base brasileira
Caio Nascimento

Kayky, Galarza, Nestor, Kaiky, Rodrigo Varanda e o semestre animador dos garotos da base brasileira

0 Comentários
As transições da Inter que as deixam na cara do gol (e do Scudetto)
Caio Bitencourt

As transições da Inter que as deixam na cara do gol (e do Scudetto)

0 Comentários