UM HORIZONTE PROMISSOR EM MILANELLO

Por @maiiron_ Depois de uma temporada e meia envolvido em especulações de venda, o Milan saiu das mãos do excêntrico Silvio Berlusconi, o homem que mudou a história do clube e que, além de dinheiro, colocou muitas taças no armário de Milanello. Na gestão dele foram cinco conquistas da Champions League. Para quem não sabe, Berlusconi […]

Por @maiiron_

Depois de uma temporada e meia envolvido em especulações de venda, o Milan saiu das mãos do excêntrico Silvio Berlusconi, o homem que mudou a história do clube e que, além de dinheiro, colocou muitas taças no armário de Milanello. Na gestão dele foram cinco conquistas da Champions League. Para quem não sabe, Berlusconi assumiu o Milan em épocas de vacas magras. O caso “Totonero”, que sacudiu o Calcio nos anos 80, atingiu fortemente o clube, que acabou rebaixado. Silvio trouxe um ainda emergente Arrigo Sacchi, e com ele o trio holandês que mudaria a história do clube: Rijkaard, Gullit e Van Basten. O tempo passou, o Milan seguiu com Capello, responsável por montar um esquadrão que encantou o mundo e estabeleceu um recorde de 58 vitórias seguidas.

Até 2007, de fato, o Milan era um clube respeitável na Europa; beliscava a Champions, o Campeonato Italiano e o que viesse. Mas o dinheiro de Berlusconi, cada vez mais envolvido na vida política e cuidando cada vez menos do clube, minguava. Com isso, ídolos foram embora. Kaká, Shevchenko, Thiago Silva e a polêmica ida de Pirlo para a Juventus são exemplos. O Milan viu a Juve renascer e se tornar uma força inabalável na Itália, sendo exemplo em organização financeira e papando todos os títulos domésticos possíveis.

Os títulos não apareceram, as dívidas acumularam e a venda, que se arrastava desde 2015, foi concluída. O conglomerado Rossoneri Sport Investment Lux, liderado pelo empresário chinês Yonghong Li, pagou R$ 2,5bi por 99,3% do Milan, que manteve Vincenzo Montella no comando da equipe. Montella fez muito com pouco material humano e levou o Milan para uma competição Europeia; feito comemorado, que não acontecia desde 2014. Fora de campo, o clube se reforçou. Massimo Mirabelli, que já trabalhou na Internazionale e conta com sete promoções dentro da Itália desde que virou diretor esportivo, chegou com pompa. Marco Fassone, que tem no currículo passagens por Juventus, Napoli e Milan, será o CEO. Os executivos chegam com a pressão de substituir Adriano Galliani e Ariedo Braida, dupla histórica do Milan. Até agora, é uma boa janela. Abaixo, as caras novas:

ANDRÉ SILVA:

andre-silva-ac-milan_9bvjuvhzd4tv1lwbgb2m1ia5i (1)

Idade: 21

Posição: Meia/Atacante

Jogos como profissional: 58

Gols: 27

Internacionalizações: 10

Chamado de “herdeiro de Cristiano Ronaldo” pelo próprio CR7, André Silva encanta pela precocidade. Já falamos sobre ele no texto sobre as dez revelações do futebol europeu e o Milan o pinçou no mercado por um preço aceitável, devido a inflação do mercado atual (€38Mi). Versátil, saiu da referência para jogar na faixa central do meio-campo quando Tiquinho Soares começou a empilhar gols no Porto. Além de goleador, tem ótima visão de jogo.

 

MATEO MUSACCHIO

thumbs0

Idade: 26 anos

Posição: Zagueiro

Jogos pelo profissional: 260

Gols: 10

Internacionalizações: 4

Zagueiro de bom toque, de boa técnica e muita imposição física, Musacchio ainda peca ainda nos duelos aéreos. Foi o parceiro eleito para Romagnoli. Com sete anos de Villareal, um dos pilares do time de Marcelino Garcia Toral e Fran Escribá chega já tarimbado ao Milan. Se não sofrer com lesões, é uma contratação acertadíssima.

 

RICARDO RODRÍGUEZ

naom_5939a20809f0c

Idade: 24 anos

Posição: Lateral-Esquerdo

Jogos pelo profissional: 232

Gols: 24

Internacionalizações: 45

Um dos laterais-esquerdos mais gabaritados da Europa, Ricardo Rodríguez chega com o peso de ser dono de uma posição carente no Milan. Desde Maldini (!) a banda esquerda Rossonera está abandonada. Dono de ótimo apoio, cruzamento afiado e bola parada perigosa, tem tudo para ser o dono da posição por muito tempo.

 

FRANCK KESSIÉ

KESSIÉ

Idade: 20 anos

Posição: meio-campista

Jogos pelo profissional: 68

Gols: 11

Internacionalizações: 17

Kessié, que também foi pauta aqui no Footure, é um daqueles “todocampistas” que continente africano nos dá de tempos em tempos. Com um bom ano pelo Cesena, voltou à competitiva Atalanta de Gasperini e foi um dos grandes nomes da boa campanha da equipe de Bérgamo. Dono de potência física e versatilidade impressionantes, pode ser o motor que falta ao meio-campo de Montella. Chega por empréstimo.

O Milan contrata nomes pensando no futuro, mas já afirmados no presente. A janela ainda nem abriu e promete agitação em Milanello. Renovação de Donnaruma, as possíveis chegadas de Çalhanoglu e Conti darão ainda mais potência ao bom time em formação de Montella. Olho no Milan, vocês não irão se arrepender.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Mairon Rodrigues

Últimas Postagens

Atlético-MG vive seu melhor momento na temporada
Gabriel de Assis

Atlético-MG vive seu melhor momento na temporada

0 Comentários
A onda tecnicista na função do auxiliar técnico de futebol
Jonatan Cavalcante

A onda tecnicista na função do auxiliar técnico de futebol

0 Comentários
Friendly #1 | Imaginar e construir o futuro, a habilidade fundamental do século XXI
Footure

Friendly #1 | Imaginar e construir o futuro, a habilidade fundamental do século XXI

0 Comentários
Surpresa e tradição: os classificados para as quartas do futebol masculino na Olimpíada
Caio Nascimento

Surpresa e tradição: os classificados para as quartas do futebol masculino na Olimpíada

0 Comentários
Osimhen, Simy, e a problemática das narrativas sobre jogadores africanos
Caio Bitencourt

Osimhen, Simy, e a problemática das narrativas sobre jogadores africanos

0 Comentários
O que esperar do Real Madrid para os próximos anos com Carlo Ancelotti?
Bruna Mendes

O que esperar do Real Madrid para os próximos anos com Carlo Ancelotti?

0 Comentários
O que explica as goleadas do Flamengo com Renato Gaúcho?
Gabriel de Assis

O que explica as goleadas do Flamengo com Renato Gaúcho?

0 Comentários
Como o Vojvodismo transformou o Fortaleza em protagonista no futebol brasileiro?
Jonatan Cavalcante

Como o Vojvodismo transformou o Fortaleza em protagonista no futebol brasileiro?

0 Comentários
God Save the Game #34 | A janela de transferências da Premier League 21/22
Gabriel Corrêa

God Save the Game #34 | A janela de transferências da Premier League 21/22

0 Comentários
Felipão chega entregando o de sempre: segurança e resultado
Gabriel de Assis

Felipão chega entregando o de sempre: segurança e resultado

0 Comentários
Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 2
Caio Nascimento

Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 2

0 Comentários
A Itália ainda pode crescer após o título da Euro?
Caio Bitencourt

A Itália ainda pode crescer após o título da Euro?

0 Comentários
Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 1
Caio Nascimento

Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 1

0 Comentários
O complicado início de Diego Aguirre no Internacional
Gabriel de Assis

O complicado início de Diego Aguirre no Internacional

0 Comentários
Rodrigo De Paul: o meia com DNA de Simeone e Atlético de Madrid
Bruna Mendes

Rodrigo De Paul: o meia com DNA de Simeone e Atlético de Madrid

0 Comentários