Um lateral para dominar

Por Gabriel Corrêa  Antes de iniciar, me permitam uma reflexão: quantos times foram campeãos sem ter pelo menos um jogador dominante pelos lados do campo? Se buscarmos os mais recentes campeão das Champions League, temos Liverpool (Robertson e Arnold), Real Madrid (Marcelo), Barcelona (Dani Alves) e Bayern (Lahm e Alaba) como exemplos. No jogo que […]

Por Gabriel Corrêa 

Antes de iniciar, me permitam uma reflexão: quantos times foram campeãos sem ter pelo menos um jogador dominante pelos lados do campo? Se buscarmos os mais recentes campeão das Champions League, temos Liverpool (Robertson e Arnold), Real Madrid (Marcelo), Barcelona (Dani Alves) e Bayern (Lahm e Alaba) como exemplos.

No jogo que tem cada vez menos espaços, os laterais construtores tem sido fundamentais para criar oportunidades e fluidez independente do modelo escolhido. Para entender um pouco o conceito deste lateral, inclusive, sugiro o The Pitch Invaders #153 com Renato Rodrigues e Leonardo Miranda.

É claro que as chegadas de Gabriel Barbosa, Bruno Henrique e De Arrascaeta foram fundamentais dentro de um crescimento para o Flamengo. Não por acaso, os três são responsáveis por mais de 60% dos gols da equipe em 2019. Entretanto, as chegadas de Filipe Luís e Rafinha foram cirúrgicas na evolução de um modelo imposto por Jorge Jesus e que tem chamado bastante atenção do Brasil. E, mais uma vez, me permitam ser mais específico e focar no lateral esquerdo.

O ex-lateral do Atlético de Madrid enfrentou por muitos anos de sua carreira o estigma de ser um “lateral defensivo”. Filipe atuou pouco dentro do país (sua única passagem foi pelo Figueirense) e isso me parece uma influência clara neste discurso. Portanto, esqueçam tudo e observem partidas da equipe de Simeone quando mais dominante na Europa, entre os anos 2013 e 2016.

No Flamengo esta sua capacidade tem se tornado ainda mais evidente – sem contar a ótima Copa América 2019 -. Poderíamos dizer que se trata de um meio-campista atuando pelos lados do campo, como podemos ver na imagem abaixo.

 

O mapa de calor de Filipe Luis pelo Flamengo.
O mapa de calor de Filipe Luis pelo Flamengo.

 

O camisa 16 participa ativamente do jogo na equipe de Jorge Jesus. Entre os jogadores da equipe titular, é quem mais toca na bola. Em média, são 74 toques por partida. Rafinha (73), Arão (68) e Éverton Ribeiro (65) vem na sequência. Atentem como o jogador sempre busca os jogadores entrelinhas para acelerar a equipe do Flamengo na saída. Além disso, tem média de 1.3 key passes por partida e cerca de 90% no acerto de passes.

Entretanto, se eu falei que o jogador ficou “marcado” por ser um lateral defensivo, é bem verdade que seus números atrás também são excelentes.

Recuperações de bola: 7 por jogo

Interceptações: 1.9 por jogo

Desarmes: 5 (81% de acerto)

Desafios: 13 (67% vencidos)

Disputas aéreas: 2 (62% vencidas)

E se para dominar um duelo é preciso muito mais do que atacantes, o Flamengo deve usar e abusar de seu meio-campista travestido de lateral esquerdo para enfrentar um Grêmio que também busca controlar seus adversários com a posse de bola.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Gabriel Corrêa

Últimas Postagens

A onda tecnicista na função do auxiliar técnico de futebol
Jonatan Cavalcante

A onda tecnicista na função do auxiliar técnico de futebol

0 Comentários
Friendly #1 | Imaginar e construir o futuro, a habilidade fundamental do século XXI
Footure

Friendly #1 | Imaginar e construir o futuro, a habilidade fundamental do século XXI

0 Comentários
Surpresa e tradição: os classificados para as quartas do futebol masculino na Olimpíada
Caio Nascimento

Surpresa e tradição: os classificados para as quartas do futebol masculino na Olimpíada

0 Comentários
Osimhen, Simy, e a problemática das narrativas sobre jogadores africanos
Caio Bitencourt

Osimhen, Simy, e a problemática das narrativas sobre jogadores africanos

0 Comentários
O que esperar do Real Madrid para os próximos anos com Carlo Ancelotti?
Bruna Mendes

O que esperar do Real Madrid para os próximos anos com Carlo Ancelotti?

0 Comentários
O que explica as goleadas do Flamengo com Renato Gaúcho?
Gabriel de Assis

O que explica as goleadas do Flamengo com Renato Gaúcho?

0 Comentários
Como o Vojvodismo transformou o Fortaleza em protagonista no futebol brasileiro?
Jonatan Cavalcante

Como o Vojvodismo transformou o Fortaleza em protagonista no futebol brasileiro?

0 Comentários
God Save the Game #34 | A janela de transferências da Premier League 21/22
Gabriel Corrêa

God Save the Game #34 | A janela de transferências da Premier League 21/22

0 Comentários
Felipão chega entregando o de sempre: segurança e resultado
Gabriel de Assis

Felipão chega entregando o de sempre: segurança e resultado

0 Comentários
Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 2
Caio Nascimento

Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 2

0 Comentários
A Itália ainda pode crescer após o título da Euro?
Caio Bitencourt

A Itália ainda pode crescer após o título da Euro?

0 Comentários
Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 1
Caio Nascimento

Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 1

0 Comentários
O complicado início de Diego Aguirre no Internacional
Gabriel de Assis

O complicado início de Diego Aguirre no Internacional

0 Comentários
Rodrigo De Paul: o meia com DNA de Simeone e Atlético de Madrid
Bruna Mendes

Rodrigo De Paul: o meia com DNA de Simeone e Atlético de Madrid

0 Comentários
A Inglaterra superou seus traumas e, agora, se permite sonhar
Lucas Filus

A Inglaterra superou seus traumas e, agora, se permite sonhar

0 Comentários