Aquele junho de 1947

Neste primeiro dia do retorno da Premier League, duas marcas históricas estarão em jogo. Contra o Manchester City, o Arsenal tentará quebrar uma sequência de 73 anos sem vencer um jogo do Campeonato Inglês em junho, enquanto o Sheffield United defende contra o Aston Villa uma invencibilidade no sexto mês do calendário que perdura pelo mesmo período de tempo.

As realidade inglesas e brasileiras são distintas quando o assunto a ser tratado é a duração de suas principais competições. Desde a criação da Taça Brasil, convivemos com torneios de uma temporada terminando no ano seguinte. O ápice foi na edição de 1968 da Taça Brasil, encerrada somente em outubro de 1969 – além dos problemas de calendário, o torneio ficou parado por quatro meses devido a um impasse entre Botafogo e Metropol/SC. Outras oito edições das várias versões do Brasileirão começaram em um ano e terminaram no seguinte. Na terra da rainha, essa será somente a segunda vez em que o campeonato precisa se estender além de maio.

Faça parte do Footure Club e receba conteúdos exclusivos diariamente

Na primeira edição pós-Guerra do Inglês (temporada 1946/47), um severo inverno se estabeleceu na ilha e fez com que diversas partidas tivessem de ser adiadas. As baixas temperaturas e as constantes chuvas deixaram gramados alagados e congelados, tornando impossível a prática do futebol. Em março, sob um cenário de crise econômica devido aos custos da Guerra, a iminente falta de combustível e a infraestrutura precária, o governo adotou medidas para tentar aumentar a produtividade das fábricas com um raciocínio oposto ao que vemos de alguns no Brasil em tempos de coronavírus, onde muitos acreditam que a volta dos jogos é uma forma de distrair a população em tempos tão difíceis.

Apesar dos contextos diferentes, aquele ano de 1947 também era um período complicado. O futebol era visto como uma distração para os operários, o que era tudo que os governantes não queriam naquele momento de baixa produção industrial. Na tentativa de manter o foco, as partidas no meio de semana foram proibidas. Outras práticas esportivas sofreram a mesma sanção. Uma das exceções foi o críquete, visto como uma modalidade da elite e que não teve o seu programa de jogos alterado.

Restavam três alternativas para os dirigentes, similares ao que se apresentam hoje. Era possível realizar as partidas com portões fechados; encerrar o campeonato, embora os times tivessem um número diferente de partidas disputadas; ou jogar até junho para finalizar o torneio, o que acarretaria em um espaço exíguo (para os padrões ingleses) de 70 dias entre o fim de uma temporada e o início da outra. A escolha foi pela última opção.

O futebol era impraticável com os campos cobertos de neve (Getty Images)

Duas partidas tiveram de ser disputadas em junho de 1947. Mas, antes, no último dia de maio, o Liverpool venceu o Wolverhampton por 2 a 1, fora de casa, definindo a dramaticidade do cenário para a quinzena seguinte. O resultado deixou os Reds na liderança do campeonato, com 57 pontos, e alijou os Wolves, com 56 pontos junto com o Manchester United, da disputa pelo título. 

Em 7 de junho, o Arsenal perdeu para o  Sheffield United por 2 a 1, em um jogo sem peso para a parte de cima da tabela. O confronto que realmente importava era entre os Blades e o Stoke City, em Bramall Lane, no dia 14. Os Potters estavam na disputa pelo título e jogariam 90 minutos de tudo ou nada. Se vencessem, seriam campeões, ganhando a disputa do Liverpool pelo saldo de gols. Outros resultados davam o título aos Reds.

LEIA MAIS: Especial – 30 da Copa do Mundo de 1990

Após um ritmo frenético desde março, o Stoke chegava para o confronto decisivo sem o seu principal jogador. Brigado com os dirigentes e a comissão técnica, Stanley Matthews havia sido vendido para o Blackpool em maio. Sem o ‘Mago do Drible’, o Stoke sofreu uma derrota que mudou os rumos de sua história. O 2 a 1 o deixou em quarto lugar, até hoje sua melhor posição no Campeonato Inglês. O Liverpool colecionou a quinta de suas 18 taças de campeão nacional.

Com uma situação confortável em 2020, o Liverpool, mais de sete décadas depois, está perto de manter a escrita de ser o único clube inglês a conquistar o Campeonato Inglês em junho. Brincadeiras estatísticas à parte, a Premier League está de volta.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Avatar

Últimas Postagens

A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola
Lucas Filus

A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola

0 Comentários
O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?
Dimitri Barcellos

O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?

0 Comentários
Paul Pogba pode ser o primeiro ‘reforço’ do United para a próxima temporada
Lucas Filus

Paul Pogba pode ser o primeiro 'reforço’ do United para a próxima temporada

0 Comentários
A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir
Caio Nascimento

A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir

0 Comentários
Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari
Caio Bitencourt

Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari

0 Comentários
Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol
Caio Alves

Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol

0 Comentários
Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube
Caio Nascimento

Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube

0 Comentários
Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete
Bruna Mendes

Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete

0 Comentários
O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?
Jonatan Cavalcante

O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?

0 Comentários
4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021
Dimitri Barcellos

4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021

0 Comentários
Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense
Gabriel Corrêa

Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense

0 Comentários
Kayky, Galarza, Nestor, Kaiky, Rodrigo Varanda e o semestre animador dos garotos da base brasileira
Caio Nascimento

Kayky, Galarza, Nestor, Kaiky, Rodrigo Varanda e o semestre animador dos garotos da base brasileira

0 Comentários
As transições da Inter que as deixam na cara do gol (e do Scudetto)
Caio Bitencourt

As transições da Inter que as deixam na cara do gol (e do Scudetto)

0 Comentários
Danilo, uma boa dor de cabeça para Abel Ferreira no Palmeiras
Gabriel Corrêa

Danilo, uma boa dor de cabeça para Abel Ferreira no Palmeiras

0 Comentários
Zidane vence jogo de xadrez no El Clásico e aumenta disputa por título na Liga
Bruna Mendes

Zidane vence jogo de xadrez no El Clásico e aumenta disputa por título na Liga

0 Comentários