Aquele junho de 1947

Neste primeiro dia do retorno da Premier League, duas marcas históricas estarão em jogo. Contra o Manchester City, o Arsenal tentará quebrar uma sequência de 73 anos sem vencer um jogo do Campeonato Inglês em junho, enquanto o Sheffield United defende contra o Aston Villa uma invencibilidade no sexto mês do calendário que perdura pelo mesmo período de tempo.

As realidade inglesas e brasileiras são distintas quando o assunto a ser tratado é a duração de suas principais competições. Desde a criação da Taça Brasil, convivemos com torneios de uma temporada terminando no ano seguinte. O ápice foi na edição de 1968 da Taça Brasil, encerrada somente em outubro de 1969 – além dos problemas de calendário, o torneio ficou parado por quatro meses devido a um impasse entre Botafogo e Metropol/SC. Outras oito edições das várias versões do Brasileirão começaram em um ano e terminaram no seguinte. Na terra da rainha, essa será somente a segunda vez em que o campeonato precisa se estender além de maio.

Faça parte do Footure Club e receba conteúdos exclusivos diariamente

Na primeira edição pós-Guerra do Inglês (temporada 1946/47), um severo inverno se estabeleceu na ilha e fez com que diversas partidas tivessem de ser adiadas. As baixas temperaturas e as constantes chuvas deixaram gramados alagados e congelados, tornando impossível a prática do futebol. Em março, sob um cenário de crise econômica devido aos custos da Guerra, a iminente falta de combustível e a infraestrutura precária, o governo adotou medidas para tentar aumentar a produtividade das fábricas com um raciocínio oposto ao que vemos de alguns no Brasil em tempos de coronavírus, onde muitos acreditam que a volta dos jogos é uma forma de distrair a população em tempos tão difíceis.

Apesar dos contextos diferentes, aquele ano de 1947 também era um período complicado. O futebol era visto como uma distração para os operários, o que era tudo que os governantes não queriam naquele momento de baixa produção industrial. Na tentativa de manter o foco, as partidas no meio de semana foram proibidas. Outras práticas esportivas sofreram a mesma sanção. Uma das exceções foi o críquete, visto como uma modalidade da elite e que não teve o seu programa de jogos alterado.

Restavam três alternativas para os dirigentes, similares ao que se apresentam hoje. Era possível realizar as partidas com portões fechados; encerrar o campeonato, embora os times tivessem um número diferente de partidas disputadas; ou jogar até junho para finalizar o torneio, o que acarretaria em um espaço exíguo (para os padrões ingleses) de 70 dias entre o fim de uma temporada e o início da outra. A escolha foi pela última opção.

O futebol era impraticável com os campos cobertos de neve (Getty Images)

Duas partidas tiveram de ser disputadas em junho de 1947. Mas, antes, no último dia de maio, o Liverpool venceu o Wolverhampton por 2 a 1, fora de casa, definindo a dramaticidade do cenário para a quinzena seguinte. O resultado deixou os Reds na liderança do campeonato, com 57 pontos, e alijou os Wolves, com 56 pontos junto com o Manchester United, da disputa pelo título. 

Em 7 de junho, o Arsenal perdeu para o  Sheffield United por 2 a 1, em um jogo sem peso para a parte de cima da tabela. O confronto que realmente importava era entre os Blades e o Stoke City, em Bramall Lane, no dia 14. Os Potters estavam na disputa pelo título e jogariam 90 minutos de tudo ou nada. Se vencessem, seriam campeões, ganhando a disputa do Liverpool pelo saldo de gols. Outros resultados davam o título aos Reds.

LEIA MAIS: Especial – 30 da Copa do Mundo de 1990

Após um ritmo frenético desde março, o Stoke chegava para o confronto decisivo sem o seu principal jogador. Brigado com os dirigentes e a comissão técnica, Stanley Matthews havia sido vendido para o Blackpool em maio. Sem o ‘Mago do Drible’, o Stoke sofreu uma derrota que mudou os rumos de sua história. O 2 a 1 o deixou em quarto lugar, até hoje sua melhor posição no Campeonato Inglês. O Liverpool colecionou a quinta de suas 18 taças de campeão nacional.

Com uma situação confortável em 2020, o Liverpool, mais de sete décadas depois, está perto de manter a escrita de ser o único clube inglês a conquistar o Campeonato Inglês em junho. Brincadeiras estatísticas à parte, a Premier League está de volta.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Avatar

Últimas Postagens

Atlético-MG vive seu melhor momento na temporada
Gabriel de Assis

Atlético-MG vive seu melhor momento na temporada

0 Comentários
A onda tecnicista na função do auxiliar técnico de futebol
Jonatan Cavalcante

A onda tecnicista na função do auxiliar técnico de futebol

0 Comentários
Friendly #1 | Imaginar e construir o futuro, a habilidade fundamental do século XXI
Footure

Friendly #1 | Imaginar e construir o futuro, a habilidade fundamental do século XXI

0 Comentários
Surpresa e tradição: os classificados para as quartas do futebol masculino na Olimpíada
Caio Nascimento

Surpresa e tradição: os classificados para as quartas do futebol masculino na Olimpíada

0 Comentários
Osimhen, Simy, e a problemática das narrativas sobre jogadores africanos
Caio Bitencourt

Osimhen, Simy, e a problemática das narrativas sobre jogadores africanos

0 Comentários
O que esperar do Real Madrid para os próximos anos com Carlo Ancelotti?
Bruna Mendes

O que esperar do Real Madrid para os próximos anos com Carlo Ancelotti?

0 Comentários
O que explica as goleadas do Flamengo com Renato Gaúcho?
Gabriel de Assis

O que explica as goleadas do Flamengo com Renato Gaúcho?

0 Comentários
Como o Vojvodismo transformou o Fortaleza em protagonista no futebol brasileiro?
Jonatan Cavalcante

Como o Vojvodismo transformou o Fortaleza em protagonista no futebol brasileiro?

0 Comentários
God Save the Game #34 | A janela de transferências da Premier League 21/22
Gabriel Corrêa

God Save the Game #34 | A janela de transferências da Premier League 21/22

0 Comentários
Felipão chega entregando o de sempre: segurança e resultado
Gabriel de Assis

Felipão chega entregando o de sempre: segurança e resultado

0 Comentários
Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 2
Caio Nascimento

Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 2

0 Comentários
A Itália ainda pode crescer após o título da Euro?
Caio Bitencourt

A Itália ainda pode crescer após o título da Euro?

0 Comentários
Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 1
Caio Nascimento

Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 1

0 Comentários
O complicado início de Diego Aguirre no Internacional
Gabriel de Assis

O complicado início de Diego Aguirre no Internacional

0 Comentários
Rodrigo De Paul: o meia com DNA de Simeone e Atlético de Madrid
Bruna Mendes

Rodrigo De Paul: o meia com DNA de Simeone e Atlético de Madrid

0 Comentários