5 jogos da Copa do Mundo Feminina de 2019 que valem a pena ver de novo

Em época de quarentena, hora de relembrar jogos da Copa do Mundo Feminina de 2019

A nova onda entre os amantes de futebol é assistir jogo antigo. Uma mania que surge a partir de uma crise mundial (o COVID-19) que nos “obriga” a ficar em casa com o propósito diminuir os efeitos catastróficos dessa pandemia. Até aí tudo bem, estamos vivendo uma crise e nosso papel é ficar em casa. Seria fácil se as jogadoras de futebol não precisassem fazer a parte delas também e estivessem jogando para a gente assistir em quarentena. 

Receba conteúdos exclusivos diariamente: faça parte do Footure Club

Para não enlouquecermos totalmente sem futebol, separei 5 jogos da Copa do Mundo Feminina de 2019 que valem a pena ver de novo. Essa seleção foi baseada em grandes jogos de nível técnico e tático e também que foram históricos de alguma maneira. Para os leitores que estão ingressando no mundinho do futebol feminino, é excelente para conhecer contextos atuais dos grandes nomes da modalidade, que diferente do que acontece no universo do futebol masculino, tem as seleções como as grandes protagonistas e não os times, cenário que deve mudar nos próximos anos.

Para evitar spoilers àqueles que forem assistir pela primeira vez, não vou citar os placares – embora vencedores e empates possam ser mencionados. Apenas números das partidas e informações interessantes sobre elas serão mencionados, além dos links para assistir aos jogos.

Argentina x Escócia 

Um dos jogos mais divertidos dessa copa. Talvez não para os nossos hermanos ou para os escoceses, que passaram muito nervoso, mas com certeza os que acompanharam todos os minutos dessa partida jamais esquecerão. Além de um jogo recheado de belos gols e reviravoltas, contou com a Argentina somando seu primeiro ponto na história da Copa do mundo, isso depois de passar 12 anos fora da competição.

Você pode assistir Escócia e Argentina, do Mundial Feminino, clicando aqui.

BONSEGUNDO, O DESTAQUE DA PARTIDA

25 passes certos, 3 key passes, 10 dribles completados, 3 finalizações, 2 finalizações no gol, 1 gol e 5 bolas recuperadas

A partida contou com a ídola do Santos, Sole Jaimes, que tem seu nome marcado na história do brasileirão como a segunda maior artilheira de uma só edição, perdeu o posto ano passado para a Millene do Corinthians. Porém, o grande nome da partida do lado argentino foi a Bonsegundo, que comandou a seleção sul-americana em busca do empate.

Noruega x Austrália 

jogos da copa do mundo feminina
(Photo by CHRISTOPHE SIMON / AFP)

Os Estados Unidos tem o posto de maior seleção de todos os tempos e com muito mérito. Não à toa é a única seleção tetra campeã da Copa do mundo, tendo vencido as duas últimas edições. Veja como foi a final da Copa de 2015 vencida pelos Estados Unidos em um momento de revanche contra o Japão em nosso texto da semana passada. Entretanto, se você perguntar aos torcedores brasileiros fieis da modalidade, a grande maioria apontará a Austrália como a seleção mais odiada, talvez hoje empatada com a França por razões que falarei ainda nessa coluna.

Você pode relembrar Noruega e Austrália clicando aqui.

Essa partida válida pelas oitavas de final, colocava frente à frente uma tradicional seleção Norueguesa, campeã da Copa do Mundo em 1995 e ouro Olímpico em 2000, mas desfalcada de sua principal jogadora na atualidade, Ada Hegerberg – que aos 24 anos, já é a maior artilheira da história da liga dos campeões UEFA feminina, com 53 gols em 50 jogos – ausente por escolha própria, não se sabe ao certo o motivo, mas teorias apontam que se trata de um descontentamento salarial em relação a seleção masculina.

Há teorias também que colocam o desentendimento com a comissão técnica como a principal razão, e a Austrália da polêmica Sam Kerr, que terminou a temporada da liga americana como artilheira e melhor jogadora da competição.

GRAHAM HANSEN, O DESTAQUE DA PARTIDA

28 passes certos, 5 key passes, 10 dribles completados, 11 finalizações e 5 finalizações no gol.

A partida contou com vários momentos de domínios distintos e participação ativa do VAR. Pelo lado da Austrália, apesar do nome que carrega a Sam Kerr, foi da Raso que surgiram as principais chances. Quem levou a melhor e passou de fase?

Estados Unidos x França 

(Foto: Reuters)

As donas da casa contra a melhor seleção de todos os tempos. Além de jogar em seu país, a França contava com muitas jogadoras do melhor time feminino dos últimos tempos, o Lyon. Vencedor de 6 das 18 edições da liga dos campeões, sendo que 4 títulos foram conquistados em sequência nas últimas 4 edições. Os Estados Unidos entraram em campo para defender o título e disparar ainda mais na ponta entre seleções campeãs do mundo, em 2015 havia desempatado com a Alemanha, levando o tricampeonato.

Relembre as quartas de final da Copa do Mundo Feminina entre França e Estados Unidos: clique aqui.

Do outro lado, a França acreditava que poderia ser a seleção a desbancar as americanas, porém, ainda não havia traduzido em campo sua qualidade no papel, exceto contra a Tailândia na fase de grupos, e se viu despedir da copa diante de um confronto civil entre Megan Rapinoe e Donald Trump.

MEGAN RAPINOE, O DESTAQUE DA PARTIDA

33 passes certos, 3 key passes, 3 dribles completados, 2 finalizações, 2 finalizações no gol e 2 gols.

Antes da partida, a camisa 15 da seleção americana, que terminou o mundial como artilheira e melhor jogadora, fez uma declaração polêmica onde disse que não visitaria a casa branca ao fim do torneio. O presidente americano rebateu a jogadora dizendo que ela precisaria primeiro vencer a copa do mundo.

Quis o destino que a dona e tais declarações e de posicionamento muito forte extracampo fosse a craque da partida. Veja os números:

Japão x Holanda

(Reprodução/Globoesporte)

A tradição do Japão, que vinha de duas finais de copa do mundo conquistando um título, contra as vencedoras da Eurocopa e que obtinham 100% de aproveitamento até então, enquanto as asiáticas só somavam uma vitória na fase de grupos.

Relembra o duelo entre Holanda e Japão, no Mundial Feminino, clicando aqui.

LIEKE MARTENS, O DESTAQUE DO JOGO

26 passes certos, 2 key passes, 2 dribles completados, 2 finalizações, 2 finalizações no gol e 2 gols.

Durante a partida, as japonesas tiveram várias chances, mas a goleira holandesa e a trave mantiveram o jogo equilibrado no placar. Já a Holanda contou com grande partida da Martens.

Inglaterra x Estados Unidos

Getty Images/Getty Images

A Inglaterra vinha a campo depois de ter feito sua melhor campanha em copa do mundo na edição de 2015, com um terceiro lugar. Muito se falava sobre o possível confronto entre a lateral Lucy Bronze, uma das principais jogadoras inglesas e também do badalado Lyon e da Megan Rapinoe, melhor jogadora da competição.

A protagonista da Copa do Mundo, todavia, fora poupada da partida por lesão muscular e Christen Press, uma das melhores jogadoras do mundo (o que traduz o tamanho da seleção americana que pode se dar ao luxo de ter uma das principais jogadoras do mundo no banco) a substituiu, e fez gol.

Relembre o ótimo confronto entre Inglaterra e Estados Unidos clicando aqui.

ALEX MORGAN, O DESTAQUE DA PARTIDA

11 passes certos, 1 key pass, 3 dribles completados, 2 finalizações, 1 finalizações no gol e 1 gol

O confronto teve direito a Ellen White, artilheira inglesa, fazendo gol, Alex Morgan, destaque da partida, celebrando simulando beber um chá, bebida típica dos ingleses – ato que até hoje gera polêmica -, e pênalti no final da partida a favor das inglesas, mas defendido pela goleira americana.

Extra: Brasil x França

Na fase de grupo, a Austrália esteve no mesmo grupo do Brasil, e nos vencera de virada. Essa partida não entra na lista entre os 5 jogos da Copa para serem revistos pois é um jogo ainda difícil de digerir, já que vencíamos por 2×0 e tomamos a virada com falhas grotescas da nossa zaga. 

Você pode rever França e Brasil clicando aqui.

AMANDINE HENRY, O DESTAQUE DA PARTIDA

27 passes certos, 3 key passes, 3 dribles completados, 4 finalizações, 1 finalização no gol, 1 gol, 7 bolas recuperadas, 2 desarmes e 6 interceptações

Poderíamos encontrar um caminho mais fácil nas oitavas de final se tivéssemos confirmado a vitória, mas essa virada nos levou a enfrentar a França, donas da casa e uma das favoritas logo nas oitavas. 

O Brasil é historicamente conhecida por seu soberano jogo técnico, mas pouco intenso e pobre taticamente. Esperávamos um jogo muito difícil pro nosso lado, contando com brilho individual para equilibrar as forças, e foi o que aconteceu.

Curiosidade: O Brasil jamais venceu a França!

A eliminação veio nos acréscimos com um gol de um nome que nos assombra tanto na modalidade feminina quanto na masculina: Henry. 


Luta pela igualdade de gênero marcou essa Copa do Mundo

Muito se debateu durante esse torneio sobre a igualdade de gênero e a escandalosa diferença de pagamentos recebidos entre jogadores e jogadoras.

A manifestação da Marta ficou marcada para nós, brasileiros, e repercutiu positivamente no mundo inteiro. A melhor jogadora de todos os tempos abriu mão de patrocínio na chuteira para exibir apenas o símbolo azul e rosa que representa a campanha #GoEqual, a qual faz parte e que visa expandir o debate para o mundo inteiro.

A Megan Rapinoe, melhor jogadora da competição, também chamou atenção fora dele por seu forte posicionamento sobre essa questão e outras.

Fato é que a modalidade já deixou de ser uma promessa há anos e se tornou uma realidade rentável para quem investe de maneira justa, mas os salários seguem muito distantes. Veja a diferença de premiações da copa do mundo masculina x feminina:

Copa do Mundo (Masculina)

  • Campeão – $38 million
  • Vice-campeão – $28 million
  • 3º colocado – $24 million
  • 4º colocado – $22 million
  • Eliminados nas quartas – $16 million
  • Eliminados nas oitavas – $12 million

Copa do Mundo (Feminina)

  • Campeão – $4 million
  • Vice-campeão – $2.6 million
  • 3º colocado – $2 million
  • 4º colocado – $1.6 million
  • 5º-8º colocado – $1.4 million
  • 9º-16º colocado – $1 million

Números: Empório do FF

E para você, qual foi o melhor jogo da Copa do Mundo de 2019?

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Últimas Postagens

O caminho da Seleção, as mudanças de Tite e um norte para o Catar
Aurelio Solano

O caminho da Seleção, as mudanças de Tite e um norte para o Catar

0 Comentários
Cinco promessas africanas na base de clubes europeus
Caio Nascimento

Cinco promessas africanas na base de clubes europeus

0 Comentários
Pellegrini: a história dos romanos na Roma continua
Caio Bitencourt

Pellegrini: a história dos romanos na Roma continua

0 Comentários
A afirmação da Espanha e sua nova geração
Bruna Mendes

A afirmação da Espanha e sua nova geração

0 Comentários
Guto Ferreira coloca o Bahia para acelerar
Gabriel de Assis

Guto Ferreira coloca o Bahia para acelerar

0 Comentários
RAIO-X: De onde saem as assistências dos líderes do quesito na Série B
Douglas Batista

RAIO-X: De onde saem as assistências dos líderes do quesito na Série B

0 Comentários
Os destaques dos 8 classificados no Brasileirão Sub-20
Caio Nascimento

Os destaques dos 8 classificados no Brasileirão Sub-20

0 Comentários
A reinvenção de Brahim Diaz no meio-campo do Milan
Caio Bitencourt

A reinvenção de Brahim Diaz no meio-campo do Milan

0 Comentários
Maduro, o Red Bull Bragantino se aproxima de fazer história
Gabriel de Assis

Maduro, o Red Bull Bragantino se aproxima de fazer história

0 Comentários
Friendly #7 | O novo rico Newcastle, Sports Washing e a ‘era’ de clube-estado
Eduardo Dias

Friendly #7 | O novo rico Newcastle, Sports Washing e a 'era' de clube-estado

0 Comentários
Napoli: O impacto inicial de Anguissa com a camisa partenopei
Caio Bitencourt

Napoli: O impacto inicial de Anguissa com a camisa partenopei

0 Comentários
O Grande Norte e os grandes desafios: o que o futuro reserva para o futebol masculino do Canadá?
Caio Nascimento

O Grande Norte e os grandes desafios: o que o futuro reserva para o futebol masculino do Canadá?

0 Comentários
O agressivo América/MG de Vagner Mancini
Gabriel de Assis

O agressivo América/MG de Vagner Mancini

0 Comentários
O Botafogo/PB em busca de um acesso histórico na Paraíba
Douglas Batista

O Botafogo/PB em busca de um acesso histórico na Paraíba

0 Comentários
A disparidade entre Atlético de Madrid e Barcelona
Bruna Mendes

A disparidade entre Atlético de Madrid e Barcelona

0 Comentários