A nova geração da Seleção Espanhola

Ansu Fati, Pau Torres, Ferran Torres, Oyarzabal e outros jovens começam a se destacar na Espanha de Luis Enrique pensando no futuro

Depois de golear a Alemanha por 6×0 no último jogo da Nations League, Seleção Espanhola se confirmou como uma forte concorrente ao título da Euro 2020 – que será realizada em 2021, fora da data estabelecida, devido à pandemia. A partida foi marcada pela afirmação de jovens jogadores dentro do contexto importante de uma seleção, e isso vem sendo uma ótima forma do país lidar com seus jovens jogadores sem maiores pressões.

Luis Enrique faz um trabalho consistente e de acordo com o que a Espanha precisa: competitividade e renovação. É certo que a última Copa do Mundo foi uma decepção, mas de acordo com o contexto – saída de Lopetegui em cima da hora – temos explicações plausíveis. A Euro está cada vez mais perto e chegar forte para a Copa do Mundo de 2022 é essencial.

OUÇA TAMBÉM: EL RONDO #22 | A ESPANHA DE LUÍS ENRIQUE E O ADEUS DE MASCHERANO

A renovação por parte do treinador é interessante em vista do que a equipe oferece no presente, mas além disso do que pode oferecer no futuro. É claro que comparações são apenas suposições de um bom trabalho atual, entretanto é notório os movimentos feitos por Lucho em busca de chances aos novos talentos de uma geração que promete.

A média de idade da equipe titular vem sendo menor que 27 anos a alguns jogos. Contra a Suiça, ainda pela fase de grupo da Nations League, a média chegou a ser de 25.7 anos. Ainda assim, na maioria das vezes, Sergio Ramos está em campo, o que acaba por puxar bastante essa média de idade já que o zagueiro tem 34 anos – ou seja, sem ele essa média seria ainda menor.

Os principais destaques da Seleção Espanhola

No último jogo, o maior destaque foi Ferrán Torres com um belo hat-trick e maiores impressões nas finalizações, punindo todos os erros que a Alemanha cometeu pelo lado esquerdo da defesa. Nos seus tempos de Valencia já era possível destacar maiores características e habilidades, mas o poder de decisão cresceu ainda mais no último ano.

Aos 20 anos, Ferrán tem quatro gols em sete partidas com a seleção principal.

A Espanha vinha sofrendo bastante para encontrar atacantes mais incisivos e que pudessem atuar pelos lados do campo sem perder características pontuais ao propor o jogo. E a melhor notícia possível é que esse estilo de jogador parece ainda mais presente nessa “nova geração”.

Ao acompanhar com mais veemência, fica nítido como Ferrán Torres (20) e Mikel Oyarzabal (23) são extremamente talentosos e com um grande futuro pela frente. Mas o melhor deles é que, ainda jovens, conseguem reproduzir na seleção principal performances dignas de jogadores já consolidados no futebol mundial.

Outro jogador que encaixa nesse conceito, e ainda mais jovem que os dois citados acima, é Ansu Fati (18). Seu primeiro ano com o Barcelona foi excelente e a versatilidade ainda tão jovem é até aqui sua maior forma de demonstrar com propriedade uma capacidade gigantesca de atuar no último terço do campo.

Talvez o maior talento saindo da La Masia nos últimos anos, o jovem culé consegue ser determinante atuando como atacante em qualquer função, e dentro da seleção essa flexibilidade provoca um teto sem muitos limites para um menino de 18 anos. O poder de decisão, mesmo com pouca experiência no cenário profissional, é fundamental para se firmar dentro de um clube como o Barcelona. Além disso, pode contribuir fielmente ao que Luis Enrique quer, mesmo em poucos jogos (4) com a seleção principal até aqui.

Outro setor importante é a defesa. Desde a aposentadoria de Piqué pela seleção, poucos zagueiros conseguiram se firmar ao lado de Sergio Ramos. Mas hoje podemos dizer que essa posição está cada vez mais dominada, e o nome da vez é Pau Torres. O canhoto do Villarreal vem conseguindo uma série de boas atuações com o submarino amarelo, e isso acaba acontecendo na seleção também. Com apenas 23 anos, é o mais próximo que chegamos de um zagueiro que consiga se destacar no principal papel de um defensor: defender, mas que também oferece saída de bola e visão de jogo – o que acarreta melhores construções desde a defesa.

A lateral também é uma posição que pede passagem, principalmente pelo lado esquerdo. Jordi Alba que vinha sendo a principal peça por lá completará 32 anos no próximo ano e desde 2019 não vem sendo convocado. Durante esse tempo, diversos jogadores foram testados. Com isso, temos alguns nomes como: José Gayá, Sergio Reguilón e Marc Cucurella. Os dois primeiros se destacando mais, com Regui conseguindo mais espaço no cenário entre clubes e Gayá ganhando cada vez mais espaço individual com o momento inconsistente que vive o Valencia.

Com duas assistências no 6-0 contra a Alemanha, Gayá se firma como uma das principais opções para a lateral-esquerda da Espanha nos próximos anos. Foto: REUTERS/Kai Pfaffenbach

No meio-campo temos a presença de Rodrigo (24), que, apesar de se transformado em um jogador menos determinante com Guardiola do que era com Simeone no Atleti, vem demonstrando na seleção melhores atributos desde a base da jogada, dominando o círculo central até situações sem a bola.

Dani Olmo (22) é outro que vem recebendo boas chances depois da sua estreia no fim do ano passado. Atuando tanto pelo meio quanto pelas pontas é um jogador facilmente adaptável em diversas funções. Fabián (24), Mikel Merino (24) e Marcos Llorente (25) são outros meias que se destacam no atual cenário.

Llorente vem de uma evolução e ajustes em sua função que o tornaram um jogador ainda mais completo, podendo ocupar qualquer faixa do campo ao realizar diversas funções – cabeça de área, volante distribuidor, atacante infiltrando e entre outras. Fabián cresce no contexto da seleção, se destacando mais por lá do que propriamente pelo Napoli.

Já Merino se fortalece dentro do contexto atual da Real, e vem sendo um dos maiores facilitadores dentro da equipe desde que foi contratado. Pensando no papel de Koke (28), é o melhor substituto possível nessa passada de bastão que deve acontecer nos próximos anos. Além dos citados, temos Dani Ceballos (24), bastante elogiado por Lucho no último ano, e que também vem recebendo minutos apesar de não ter sido convocado para os últimos três jogos.

É fato que Luis Enrique percebe o talento ao convocar e dar chances de fato aos menos experientes. Essa renovação a cada convocação é uma referência cada vez maior a um novo ciclo nas competições futuras.

A nova geração é recheada de talentos e peças com características pouco vista nos últimos cinco anos e faladas no decorrer deste texto. Esses jogadores se destacam dentro da La Liga e Lucho está sempre de olho. Com isso acabam sendo sustentados dentro do cenário europeu quando o sucesso acarreta o interesse de outros clubes no resto do continente.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Últimas Postagens

O caminho da Seleção, as mudanças de Tite e um norte para o Catar
Aurelio Solano

O caminho da Seleção, as mudanças de Tite e um norte para o Catar

0 Comentários
Cinco promessas africanas na base de clubes europeus
Caio Nascimento

Cinco promessas africanas na base de clubes europeus

0 Comentários
Pellegrini: a história dos romanos na Roma continua
Caio Bitencourt

Pellegrini: a história dos romanos na Roma continua

0 Comentários
A afirmação da Espanha e sua nova geração
Bruna Mendes

A afirmação da Espanha e sua nova geração

0 Comentários
Guto Ferreira coloca o Bahia para acelerar
Gabriel de Assis

Guto Ferreira coloca o Bahia para acelerar

0 Comentários
RAIO-X: De onde saem as assistências dos líderes do quesito na Série B
Douglas Batista

RAIO-X: De onde saem as assistências dos líderes do quesito na Série B

0 Comentários
Os destaques dos 8 classificados no Brasileirão Sub-20
Caio Nascimento

Os destaques dos 8 classificados no Brasileirão Sub-20

0 Comentários
A reinvenção de Brahim Diaz no meio-campo do Milan
Caio Bitencourt

A reinvenção de Brahim Diaz no meio-campo do Milan

0 Comentários
Maduro, o Red Bull Bragantino se aproxima de fazer história
Gabriel de Assis

Maduro, o Red Bull Bragantino se aproxima de fazer história

0 Comentários
Friendly #7 | O novo rico Newcastle, Sports Washing e a ‘era’ de clube-estado
Eduardo Dias

Friendly #7 | O novo rico Newcastle, Sports Washing e a 'era' de clube-estado

0 Comentários
Napoli: O impacto inicial de Anguissa com a camisa partenopei
Caio Bitencourt

Napoli: O impacto inicial de Anguissa com a camisa partenopei

0 Comentários
O Grande Norte e os grandes desafios: o que o futuro reserva para o futebol masculino do Canadá?
Caio Nascimento

O Grande Norte e os grandes desafios: o que o futuro reserva para o futebol masculino do Canadá?

0 Comentários
O agressivo América/MG de Vagner Mancini
Gabriel de Assis

O agressivo América/MG de Vagner Mancini

0 Comentários
O Botafogo/PB em busca de um acesso histórico na Paraíba
Douglas Batista

O Botafogo/PB em busca de um acesso histórico na Paraíba

0 Comentários
A disparidade entre Atlético de Madrid e Barcelona
Bruna Mendes

A disparidade entre Atlético de Madrid e Barcelona

0 Comentários