De 2005 à 2007: oito destaques da Copa do Brasil sub-17

Além de todo o talento de Endrick e o título do Palmeiras, quem mais foi destaque em suas equipes pela Copa do Brasil?

O Palmeiras, comandado por Rafael Paiva, sagrou-se campeão da Copa do Brasil sub-17, em uma final histórica contra a equipe do Vasco de Gustavo Almeida, com o placar de 4×1 na ida para a equipe palestrina, e um eletrizante 4×2 na volta para os cariocas. Dos seis gols feitos, somente nas finais, pelo Palmeiras, quatro foram marcados pelo fenômeno Endrick, que deu mais uma amostra do porque é posto no status de maior joia da base brasileira e mundial.

Contudo, é necessário observar os atletas que também tiveram destaque durante todo o torneio, incluindo também equipes que fizeram campanhas históricas, casos de Bahia e Sport que foram semifinalistas. Então, nós do Footure fizemos uma lista dos garotos que brilharam durante esta Copa do Brasil, além do Endrick.

Roger Gabriel, 2007 – Bahia

Nascido em 2007, o meia atacante do Bahia é tratado como o maior prospecto dos últimos tempos das suas categorias de base, ainda que muito jovem. O camisa 10 do Esquadrão tem uma desenvoltura excelente dentro da área, sendo capaz de oferecer infiltrações e bons desmarques nas costas da defesa, além é claro da sua boa finalização e tomada de decisão de frente para o goleiro, não a toa anotou cinco gols e foi o artilheiro da sua equipe na competição.

Riquelmy, 2005 – Sport

Pertencente a geração 05, o centroavante do Sport nessa Copa do Brasil foi um dos principais destaques da equipe que chegou a semifinal da competição (e que venceu um dos jogos contra o campeão Palmeiras). Com quatro gols marcados o camisa 9 do Leão da Ilha chama atenção pela capacidade de gerar jogo sem bola, capaz de se movimentar do centro para o lado do campo, sendo constante ameaça nos desmarques de ruptura e na capacidade de finalizar em gol.

GB, 2005 – Vasco da Gama

O camisa 9 do Vasco é mais um centroavante da geração 2005 que foi destaque da Copa do Brasil. O atacante vascaíno consegue aliar sua grande estatura a um bom jogo fora da área, oferecendo bons pivôs, ajudando na circulação da bola e somando decisões corretas, além disso possui boa presença de área, onde foi artilheiro do Vasco vice-campeão com seis gols marcados, e boa técnica pra finalizações e passes.

Paulinho, 2005 – Vasco da Gama

O único defensor presente nessa lista, o lateral-direito do Vasco é tido como um dos melhores formados na Colina Sagrada. Dono de uma técnica refinadíssima, tanto em passes, como em conduções em velocidade e dribles, é capaz de defender também com excelência com bom senso de cobertura e capacidade física para recompor durante os 90 minutos de partida. Inclusive é um dos concorrentes para as convocações do Brasil sub-20 de Ramon Menezes, já que há uma lacuna a ser preenchida ali (com a exceção de Vinicius Tobias).

Rayan, 2006 – Vasco da Gama

O ponta nascido em 2006 do Vasco, é tratado como um dos melhores atletas da base do clube nos últimos tempos, e não é por acaso que clubes da Europa frequentemente observam o desenvolvimento do garoto. É um canhoto que na maioria das vezes parte do lado direito pra dentro, sendo muito agressivo nas suas diagonais, sua característica mais marcante, e que possui bom acabamento das jogadas, sendo passes, ou chutes. Com isso e seu grande refino técnico, marcou um dos gols mais bonitos da competição na final contra o Palmeiras, e se igualou ao seu companheiro de ataque, GB, como artilheiro da equipe com seis gols. Muito por esse tipo de jogo, pode se desenvolver como um atacante mais de área, já que a pouca idade permite diversas experiências ainda nas divisões inferiores da equipe carioca.

Estevão William, 2007 – Palmeiras

O meia nascido em 2007 e com passagem na base do Cruzeiro, é o principal expoente da geração 07 do Brasil. Dono de uma perna canhota que impressiona pelo refino técnico, pela capacidade de condução, mudança de direção e boa finalização, foi apelidado de “Messinho”, alcunha que o mesmo recharçou. Estevão marcou 5 gols na Copa do Brasil, mesmo sendo mais novo em relação aos seus companheiros e ainda com status de reserva.

Luis Guilherme, 2006 – Palmeiras

O camisa 7, nascido em 2006, foi um dos principais responsáveis pelo título do Verdão, ainda que ofuscado pelo brilho do seu companheiro de ataque no Palmeiras e na Seleção. O meia-esquerda do Palmeiras era quem atacava os espaços da lateral para o centro do ataque, com muita velocidade e boas tomadas de decisões. Merece destaque também pela sua capacidade de conduzir a bola por longas distâncias e a constante participações em gols. Por toda essa soma de características muitas vezes se deslocava ao centro do campo pra gerar jogo por dentro pra sua equipe.

Thalys, 2005 – Palmeiras

Talvez o menos comentado do trio de ataque do Palmeiras, Thalys pertence a geração 2005 e possui passagem pelas canteras do CRB, de Alagoas. O camisa 10 do Palestra concentrou suas ações majoritariamente pelo lado direito do campo, à pé trocado, já que é canhoto. Com um biotipo que o favorece, boa estatura (1,84m) e uma certa experiência pra categoria, conseguiu somar muito ao time de Rafael Paiva, onde além das valências físicas, é um jogador capaz de encontrar boas soluções em situações de 1vs1, excelente tomada de decisão no último terço (a assistência no primeiro gol do Palmeiras, no jogo de volta da final mostra isso) e bom posicionamento para participar de gols.

Há também menções honrosas a alguns atletas, como Isac zagueiro do Sport, ou até mesmo os médios JP e Figueiredo, de Vasco e Palmeiras, respectivamente. Portanto, essa Copa do Brasil é mais uma evidência do quanto o futuro do futebol brasileiro promete, graças a esses garotos.

Compartilhe
1XBet - Receber Bônus

Comente!

Tem algo a dizer?

Últimas Postagens

O começo animador de Fábio Silva no Anderlecht
Matheus Soares

O começo animador de Fábio Silva no Anderlecht

0 Comentários
Agressivo, pressionante e veloz: o América-MG de Vagner Mancini
Gabriel de Assis

Agressivo, pressionante e veloz: o América-MG de Vagner Mancini

0 Comentários
Com a cara de Pedro Raul e Jair Ventura, Goiás ganha força para permanecer na Série A
Gabriel de Assis

Com a cara de Pedro Raul e Jair Ventura, Goiás ganha força para permanecer na Série A

0 Comentários
Mapa do gol: veja como e onde alguns dos artilheiros do futebol Sul-Americano marcam

Mapa do gol: veja como e onde alguns dos artilheiros do futebol Sul-Americano marcam

Douglas Batista
O impacto de Vagner Love no Sport: como joga o novo atacante da equipe
Jonatan Cavalcante

O impacto de Vagner Love no Sport: como joga o novo atacante da equipe

0 Comentários
1XBet - Receber Bônus
O presente e o futuro da Seleção do Equador
Matheus Soares

O presente e o futuro da Seleção do Equador

0 Comentários
Pedro e Gabigol: como funciona a parceria no Flamengo de Dorival
Gabriel de Assis

Pedro e Gabigol: como funciona a parceria no Flamengo de Dorival

0 Comentários
As providências do Fortaleza para se manter na Série A do Campeonato Brasileiro
Gabriel de Assis

As providências do Fortaleza para se manter na Série A do Campeonato Brasileiro

0 Comentários
O atual e mais novo goleador do Uruguai: como joga Mauro Méndez
Aurelio Solano

O atual e mais novo goleador do Uruguai: como joga Mauro Méndez

0 Comentários
Os 12 destaques jovens sub-23 das Séries B, C e D do Brasileirão

Os 12 destaques jovens sub-23 das Séries B, C e D do Brasileirão

Douglas Batista
O mérito defensivo do Fluminense de Fernando Diniz
Gabriel de Assis

O mérito defensivo do Fluminense de Fernando Diniz

0 Comentários
1XBet - Receber Bônus
Existe vida para o “goleiro líbero” na Serie A italiana?
Caio Bitencourt

Existe vida para o “goleiro líbero” na Serie A italiana?

0 Comentários
Galhardo, Otero e Lucas Sasha: como jogam os novos reforços do Fortaleza
Douglas Batista

Galhardo, Otero e Lucas Sasha: como jogam os novos reforços do Fortaleza

0 Comentários
Mohamed-Ali Cho: presente e futuro da Real Sociedad
Bruna Mendes

Mohamed-Ali Cho: presente e futuro da Real Sociedad

0 Comentários
Guia da Eurocopa Feminina de Futebol 2022

Guia da Eurocopa Feminina de Futebol 2022

Luís Cristovão