Domènec Torrent e o Jogo de Posição no Flamengo

Depois da saída de Jorge Jesus, os dirigentes do Flamengo realizaram uma excursão a Europa para avaliar os candidatos a possíveis técnicos do clube para sucederem o “Mister” e o escolhido tem nome e sobrenome: Domènec Torrent

Domènec Torrent foi um meio-campista sem muito destaque no futebol. Desde cedo, porém, já demonstrava afeição à filosofia que carrega até os dias atuais. Aos 18 anos, deu uma entrevista para uma revista local de Girona, escolhendo Johan Cruyff como seu jogador estrangeiro preferido.

Como treinador, comandou equipes de menor expressão até 2005, quando assumiu o Girona. Dois anos depois, recebeu o convite de Pep Guardiola para fazer parte de sua comissão técnica no Barcelona B, como auxiliar.

Como parceiro de Pep, Torrent realizou muitas funções: observação de jogadores, análise de desempenho e auxiliar técnico de campo. Desde o início da parceria, Dome esteve ao lado de Guardiola em todos os clubes da sua carreira: Barcelona B, Barcelona, Bayern e Manchester City, totalizando 11 anos. Em 2018, optou por se tornar o treinador principal do New York City FC, clube da MLS que comandou por um ano e meio.

Números da passagem de Torrent pelo New York City FC na MLS:

‘Dome’ levou o New York City FC em 2019 a melhor campanha da história do clube como 1º colocado da Conferência Leste, somando 64 pontos na fase regular da MLS. Uma característica marcante também foi a variedade de sistemas usados, como 4-3-3 , 4-1-4-1, 4-2-3-1 , 3-4-3, entre outras adaptações.

Entre as temporadas 2018 e 2019, Domènec Torrent teve: 60 jogos, 29 vitórias, 15 empates, 16 derrotas, 104 gols marcados,76 gols sofridos e 56,6% de aproveitamento

Contexto e adaptação no Brasil

O técnico tem ampla vivência no alto nível do futebol mundial, fez parte das conquistas de Guardiola, dos treinamentos e foi responsável por várias das ideias que culminaram em mudanças táticas nos times de Pep. Isso, obviamente, pesa (e muito) para Domènec. O ex-treinador do NYCFC, agora, enfrentará um novo desafio no Brasil, e terá de se adaptar a muitos fatores: clima, cobrança torcida, língua, rotina extensiva de treinos e jogos. Será necessário tempo para adaptação e implementação do processo.

Domènec Torrent Flamengo Pep Guardiola Barcelona
Domènec Torrent e Pep Guardiola nos tempos de Barcelona

Não devemos esperar que Torrent seja Guardiola, até porque cada treinador é único. A parceria de trabalho e o compartilhamento da mesma filosofia entre os dois deixa muitos sinais positivos, bem como o bom trabalho no New York City FC em 2019 — apesar de problemas defensivos. Domènec já viveu muitos contextos no futebol, inclusive antes de trabalhar com Pep, e isso será importante para adaptação sua e de seu modelo de jogo aos jogadores do Flamengo.

Jogo de Posição ou Jogo de Localização?

O termo “Jogo de Posição” diz respeito a seguinte situação: o jogador tem de estar posicionado no local definido e com uma boa orientação corporal para seguir a jogada. A partir disso, se entende todo o comportamento do jogador em campo. Não somente ONDE ele está, mas também COMO ele está. Seu perfilamento, os ângulos de passe , a orientação corporal e sua relação com companheiros e adversários.

O jogador pode, portanto, estar BEM POSICIONADO, porém MAL LOCALIZADO ou vice-versa para o prosseguimento da ação coletiva/individual. Percebam a diferença entre os termos localização e posição — que representa a posição corporal do jogador. Para se praticar um Jogo de Posição bom, essas duas características são fundamentais.

Entender as constantes relações entre as distâncias e a participação na equipe

O futebol é feito de situações e interações. Elas duram uma fração de segundos e estão em constante mudança. Nesse aspecto, se torna imperativo o jogador ter uma boa compreensão da filosofia, do jogo e da relação entre ele e seus companheiros naquele exato momento. É saber que a posição atual influencia na estrutura e comportamento de toda a equipe, mesmo que não esteja atuando diretamente na situação. Como disse Paco Seiru.lo, os chamados espaços de fase.

Podemos dividir em 3 grandes grupos diferentes: os jogadores atuantes na jogada, os jogadores que estão próximos e os que estão distantes. De acordo com cada posição que o jogador assume, ele exercerá um papel básico. Ou seja, o posicionamento e sua função será diferente de acordo com a situação do jogo e a posição da bola.

Os “jogadores atuantes”, por exemplo, devem conduzir a bola para atrair rival, fazer o passe para o companheiro mais próximo ou mantê-la se não há opção de passe. Os “jogadores próximos” precisam se apresentar como linha de passe — de preferência atrás da linha de pressão rival —, além de darem continuidade ao jogo após receber a bola. Precisam estar bem localizados e posicionados. Por fim, os “jogadores distantes da bola” devem manter o rival ocupado em sua marcação, aumentar a amplitude/profundidade da equipe e oferecer linha de passe aguda.

Quais conceitos poderão ser observados no Flamengo de Torrent nas diferentes fases do jogo

No momento ofensivo, a equipe deve se utilizar do ataque posicional, um estilo de ataque compreendido dentro do Jogo de Posição e focado no preenchimento de posições no campo de acordo com a circunstância momentânea do jogo. Ou seja, os jogadores devem cumprir posições que permitam desequilibrar a organização defensiva do rival. A bola vai até os jogadores, e não o contrário.

“ A bola vai as posições, e não as posições vão até a bola’’

Juanma Lillo

O futebol como um jogo de interações entre companheiros, e também entre adversários, permite que — ocupando certos espaços e mantendo a posse de bola — consiga-se ditar o ritmo do jogo através da posse de bola como uma ferramenta e não um fim em si. Se tem a bola para ocupar espaços, eles são ocupados para desorganizar o rival. Assim, existe mais espaço a ser explorado, algo que fornece condições favoráveis para criação de chances de gol e, por lógico, os próprios gols, que são o objetivo final de uma partida.

Através da posse como uma ferramenta, pode-se manipular o rival a partir da interação de o que está acontecendo, e condicioná-lo a jogar da maneira como o time deseja.

Como o Flamengo fará isso? Como desequilibrará os rivais?  Através dos conceitos inseridos no ataque posicional.

Saída de bola estruturada: desde a saída de bola, os jogadores buscam atuar como um bloco, um coletivo, onde cada um tem sua localização definida e sua função dentro da equipe, buscando provocar efeitos no rival e se posicionando em diferentes alturas no campo e em diferentes corredores. Na saída de bola, é comum o uso do goleiro como um homem extra na hora de manter a posse para criar cenários benéficos ao time, ou então a realização da “saída de 3” para construir o jogo. Qual a importância desses jogadores na saída de bola? Para isso, é necessário entender os conceitos de Superioridade.

Superioridade Numérica: com a utilização do goleiro ou do volante perto dos zagueiros na saída de bola, é muito comum a realização de situações de superioridade numérica. Ou seja, a equipe busca ter mais jogadores que o rival em determinada zona do campo — geralmente próximo à bola —, o que permite a criação de situações vantajosas e mais jogadores para receber passes.

Superioridade Qualitativa: se refere a qualidade do jogador. Nem todas as situações de 1×1 são equilibradas, um jogador enfrentando individualmente Messi, por exemplo, quase sempre estará em desvantagem por questões de qualidade.

Superioridade Posicional: estar melhor posicionado que o rival direto e com boa orientação corporal para continuar a jogada.

Superioridade Cinética: a vantagem do movimento. É um jogador, por exemplo, começar a se movimentar antes de outro na jogada, o que confere vantagem em termos de tempo e espaço.

Amplitude: abrir o campo em relação às laterais, com jogadores abertos nas duas extremidades, normalmente tocando a linha lateral. Isso obriga o time adversário a cobrir uma maior área do campo, espaçando a linha de defesa e, também, facilitando situações de 1×1 ofensivo nos flancos.

Profundidade: aprofundar-se no campo rival, diminuir a distância entre o jogador mais ofensivo do seu time e o gol adversário. Ou seja, obrigar o adversário a andar em direção a seu próprio gol, cobrindo uma área maior do campo.

Conduzir para Liberar: um jogador conduz a bola e fixa um rival, deixando outro companheiro livre para se movimentar ou receber o passe.

Atrair para libertar jogadores distantes: atrair jogadores adversários na região da bola para ativar jogadores mais distantes. Por exemplo, um time atrai o adversário para a direita com passes curtos e inverte o jogo ao ponta-esquerdo com um passe longo.

Dinâmica do 3º homem: é quando três jogadores trocam passe com um sentido. O primeiro, que dá o passe, aciona o segundo que geralmente está com mais profundidade no campo, e este passa a bola de volta para um terceiro jogador que está de frente para o jogo, e consegue ter tempo e visão para realizar a jogada.

De qualquer forma, é importante frisar que o Jogo de Posição não faz os jogadores ficarem estáticos o jogo inteiro — e nem se trata de um modelo rígido, ele é adaptável. Sua aplicação depende de cada treinador. Abre-se espaço para movimentação, troca de posições — que, inclusive, era um dos aspectos do Barcelona de Pep Guardiola, desde que feitos de maneira correta.

Quando o time perde a bola…

Transição do ataque para a defesa e Momento Defensivo

Como planeja atacar o adversário no campo dele e manter os jogadores com uma boa localização em campo, o Flamengo deve passar a maior parte do tempo com a linha alta, o que significa muito espaço às costas da defesa e necessidade de um bom perfilamento corporal para ler a situação, tomar as decisões necessárias e também se movimentar para defender esses espaços.

Tais elementos apareciam no jogo com Jorge Jesus, o que deve tornar a tarefa de Torrent mais fácil. É fundamental tomar cuidado com a compactação do time, sobretudo nos momentos de transição do ataque para a defesa, para que o time não fique vulnerável na hora da mudança de comportamento.

Se bem implementado e executado, será possível observar no Flamengo de Domènec Torrent a busca pela pressão pós-perda no rival para recuperar a bola rapidamente e ter superioridade numérica defensiva. Assim, fecham-se as linhas de passe dos rivais para apressar a tomada de decisão adversária e causar erro, além de se realizar coberturas defensivas, defender em linha alta e ter os zagueiros próximos do meio campo.

Se o time aplica bem os conceitos no momento em que não tem a bola, e a recupera, temos a transição da defesa para o ataque. A equipe deve seguir alguns princípios como: aproveitar os espaços através da circulação de bola; a dinâmica do terceiro homem; a busca pela superioridade numérica e a criação de finalizações.

Entretanto, caso os jogadores fiquem sem espaço ou decidam apenas ficar com a bola, teremos a manutenção da posse para conservar a bola, a ocupação espaço de forma racional com cada jogador em sua devida localização e a continuação do jogo da equipe.

Em breve, descobriremos as características concretas do Jogo de Posição de Domènec Torrent no Flamengo. O treinador, entretanto, tem tudo para montar uma equipe ofensiva e que controle os jogos — até pela qualidade do elenco em relação aos outros times —, e que potencialize ainda mais as qualidades individuais de jogadores como Gabigol, Éverton Ribeiro, Rafinha e Gerson.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

André Andrade

Últimas Postagens

A onda tecnicista na função do auxiliar técnico de futebol
Jonatan Cavalcante

A onda tecnicista na função do auxiliar técnico de futebol

0 Comentários
Friendly #1 | Imaginar e construir o futuro, a habilidade fundamental do século XXI
Footure

Friendly #1 | Imaginar e construir o futuro, a habilidade fundamental do século XXI

0 Comentários
Surpresa e tradição: os classificados para as quartas do futebol masculino na Olimpíada
Caio Nascimento

Surpresa e tradição: os classificados para as quartas do futebol masculino na Olimpíada

0 Comentários
Osimhen, Simy, e a problemática das narrativas sobre jogadores africanos
Caio Bitencourt

Osimhen, Simy, e a problemática das narrativas sobre jogadores africanos

0 Comentários
O que esperar do Real Madrid para os próximos anos com Carlo Ancelotti?
Bruna Mendes

O que esperar do Real Madrid para os próximos anos com Carlo Ancelotti?

0 Comentários
O que explica as goleadas do Flamengo com Renato Gaúcho?
Gabriel de Assis

O que explica as goleadas do Flamengo com Renato Gaúcho?

0 Comentários
Como o Vojvodismo transformou o Fortaleza em protagonista no futebol brasileiro?
Jonatan Cavalcante

Como o Vojvodismo transformou o Fortaleza em protagonista no futebol brasileiro?

0 Comentários
God Save the Game #34 | A janela de transferências da Premier League 21/22
Gabriel Corrêa

God Save the Game #34 | A janela de transferências da Premier League 21/22

0 Comentários
Felipão chega entregando o de sempre: segurança e resultado
Gabriel de Assis

Felipão chega entregando o de sempre: segurança e resultado

0 Comentários
Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 2
Caio Nascimento

Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 2

0 Comentários
A Itália ainda pode crescer após o título da Euro?
Caio Bitencourt

A Itália ainda pode crescer após o título da Euro?

0 Comentários
Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 1
Caio Nascimento

Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 1

0 Comentários
O complicado início de Diego Aguirre no Internacional
Gabriel de Assis

O complicado início de Diego Aguirre no Internacional

0 Comentários
Rodrigo De Paul: o meia com DNA de Simeone e Atlético de Madrid
Bruna Mendes

Rodrigo De Paul: o meia com DNA de Simeone e Atlético de Madrid

0 Comentários
A Inglaterra superou seus traumas e, agora, se permite sonhar
Lucas Filus

A Inglaterra superou seus traumas e, agora, se permite sonhar

0 Comentários