A Espanha sai dessa Euro muito melhor do que entrou

A nova geração espanhola teve seus momentos nessa Euro, com ótimas histórias e conseguiu mudar a visão de muitos. A campanha terminou na semi, mas deixou muita ilusão para os próximos anos.

Já começo falando que ser eliminado pela Itália não é nenhum demérito, até pelo claro domínio espanhol durante os 90 minutos contra a melhor seleção dessa Euro. Em contrapartida, o sentimento de sair nos pênaltis é amargo de certa forma, mas apenas pela ideia de que estavam a um passo de chegar na grande final. Luis Enrique mostrou seu poder de leitura, adaptação durante os jogos e a manutenção de um sistema extremamente funcional para o que a seleção precisa produzir (e produz). Os jogadores cresceram mentalmente e trouxeram da Euro uma bagagem importante para o futuro.

No geral, a campanha acaba sendo bem especial por todo o contexto e conjuntura que essa geração foi inserida no último ano. Era tudo muito difícil apesar do talento estar ali para ser trabalhado, mas os mais experientes foram fundamentais nesse desenvolvimento durante a competição e entregaram o que se esperava.

Partidas difíceis contra Suécia e Polônia

A seleção sueca fez uma defesa sensacional contra a Espanha, não dá nem para cravar um jogo ruim dos comandados por Lucho. Dominaram a área e a entrelinha, soube limitar as ações entre Pedri e Dani Olmo – que era por onde saia as principais jogadas nos últimos amistosos – e as infiltrações de Jordi Alba foram a última alternativa da Espanha na partida. O sistema defensivo demonstrou fragilidade sem a bola, mas com atuações individuais acima do esperado nos passes para progredir em campo.

Quer conteúdo exclusivo? Que desconto nos cursos e na Loja Futeboleira? Assine o Footure Club por R$12 mensais

No segundo jogo os espanhóis encontraram um cenário bem parecido, mas a Polônia se mostrou bem mais limitada e defendia de maneira inferior em relação à Suécia. Muitos espaços para explorar e os jogadores pouco fizeram. Talvez o jogo mais ‘criticável’ da seleção até aqui, muito pela falta de objetividade e um time muito preso no que a Polônia indicava ser abaixo do nível de competição.

Goleada no último jogo da fase de grupos e esperança

Aqui temos um cenário completamente diferente. A Eslováquia sobe as linhas mais do que as outras adversárias, e ter Busquets de volta foi essencial para conseguir se impor nesse caso – literalmente o que faltava para engrenar era ele. A volta do capitão é fundamental para a equipe furar linhas contra qualquer adversário, e estar a frente no placar obrigou os eslovacos saírem ao ataque. Assim a Espanha foi condicionando o jogo a seu favor, ocasionando na goleada.

Como diz Mairon Rodrigues, Sergio Busquets é o Doutor Estranho da bola. Controla o passado e o futuro do jogo. O raciocínio dele é tudo que Luis Enrique precisava nesse meio-campo desde o início, sabe quando e como acelerar, pausar, verticalizar, a visão para furar linhas, controla o jogo sozinho e potencializa seus companheiros. A vitória passa por ele e confirma a esperança numa seleção que sofreu nos dois primeiros jogos.

A volta do meia trouxe maior objetividade na equipe no ataque, já que ele consegue ditar o ritmo muito bem e a Espanha precisa disso para vencer e convencer. (Reprodução/UEFA)

Mata-mata e reta final

Contra a Croácia o time pareceu mais confortável em campo do que contra qualquer outro na fase de grupos – até mesmo contra a Eslováquia. Os jogadores mais confiantes e criando bastante no último terço até a falha de Unai Simon e Pedri no lance que ocorreu o gol da Croácia. Até ali tudo parecia perfeito, mas o abatimento era natural até pela situação mental que a seleção enfrentava em 2021 com muitas cobranças, desconfiança e expectativa baixa.

Dominou contra a Eslováquia, mas conseguiu anular a Croácia nas poucas situações que poderiam gerar nos primeiros 45 minutos. Vlašić encontrou pouco espaço, Modrić teve poucas ações com a bola e a escolha de Gayà por ali explica tudo isso. A saída do lateral (por lesão) e de Eric Garcia quebram essa linha compacta que ganhou duelos contra os croatas enquanto estiveram em campo – e isso implica no resultado final.

As substituições mataram a seleção no momento que a Croácia crescia no jogo e desencadeou o empate mesmo vencendo por dois gols de diferença faltando menos de 10 minutos para acabar. Defender sem a bola não é uma opção e Luis Enrique entendeu isso a partir desse jogo.

A classificação vem pois Dani Olmo chegou inspirado a entregar tudo em campo durante a prorrogação. Sua facilidade em achar os companheiros foi fundamental para isso e a recorrência desses pontas pelos lados ajudarem tanto Lucho é um fator importantíssimo para se tirar dessa Euro. O sistema é privilegiado com sua luz própria, mas os jogadores se portam nele como é necessário, e isso explica os bons jogos de Gerard, Sarabia, Ferrán e Olmo nessa Euro.

Contra a Suíça temos o confronto em que a pressão finalmente se sobressai. Depois de tantas partidas sofrendo sem a bola, a equipe tem controle maior nas marcações ajustadas, um bloco mais alto bem conectado para reduzir os espaços e limitar os passes da equipe suíça. O gol cedo condiciona tudo isso, e é super importante para maior confiança dentro do que o jogo de posição determina. A confiança. Ela, que veio tarde, mas chegou no momento certo e levou a equipe até as quartas – e sucessivamente para as semis.

Repetindo, Busquets, Koke e Pedri é o nível necessário para a Espanha seguir avançando na competição. É tudo muito bem administrado pelos três, e a entrega do meio-campo em relação à Suíça passa pela entrega deles. Além disso, depois de ter sofrido contra a Croácia, Luis Enrique entende perfeitamente que precisa se defender com a posse, e não recuar chamando o adversário para seu campo, já que isso fortalece as jogadas ofensivas deles e contém o principal problema da Espanha até aqui: a defesa da própria área. E aí acontece o empate.

A classificação veio nos pênaltis, depois de 30 minutos de uma prorrogação de ataque contra defesa. Unai fez seu nome mais uma vez depois da falha nas oitavas e mostrou porque é o goleiro titular dessa equipe.

Ganhar nos pênaltis tirou um grande peso de estatísticas passadas que mostrava a seleção com aproveitamento ruim nas cobranças e deu ainda mais confiança para o restante da competição. (Reprodução/REUTERS/Kirill Kudryavtsev)

A semifinal contra a Itália foi o encontro da Espanha contra uma seleção top 10 no ranking da FIFA e o mais importante na hora de pesar a mão: que não perde desde 2018. Os espanhóis dominaram os primeiros minutos, com confiança e boas ações entre os meias e os atacantes que se movimentavam bastante para furar a forte defesa italiana. Além disso, o meio-campo como um todo determinava a velocidade como sempre é pensado por Lucho, e assim era necessário para conseguir superar e vencer o duelo contra Jorginho (principalmente esse daqui que foi muito bem marcado), Verratti e Barella.

Um jogo trabalhado na pressão e na escolha de Luis Enrique por colocar Dani Olmo como falso 9 entre as linhas da Itália, principal fator pelo domínio espanhol no primeiro tempo. O gol de Chiesa foi construído em tudo aquilo pensado durante todo o jogo, uma ação mais direita, pegando o sistema defensivo de surpresa com uma jogada inteligentíssima do jovem jogador da Juve. Mesmo atrás do placar, a Espanha teve controle do jogo por todo o tempo e a entrada de Morata deu a profundidade necessária.

A ótima funcionalidade entre os três atacantes e Olmo como 9 foi super interessante pois teve mais possiblidades de passes. Entretanto, era preciso ter maior incômodo para Bonucci e Chiellini, e na troca de Mancini por três zagueiro ao tirar Emerson e colocar Tolói – obviamente pensando em espaçar o campo e matar o jogo numa jogada de transição rápida – isso ficou ainda mais concretizado no que Lucho tinha colocado em campo: Gerard Moreno e Morata.

A Espanha soube quando acelerar e empatou nessa ideia. Dani Olmo coroou seu excelente jogo com a assistência e Morata lavou a alma ao empatar e impedir uma classificação da Itália dentro dos 90 minutos. Sem muitas opções na prorrogação, a disputa de pênalti define tudo como no jogo contra a Suíça, mas dessa vez com uma sensação que expectativas foram superadas, e o valor de fato dessa geração é muito maior do que é pautado dentro das exigências.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Últimas Postagens

O caminho da Seleção, as mudanças de Tite e um norte para o Catar
Aurelio Solano

O caminho da Seleção, as mudanças de Tite e um norte para o Catar

0 Comentários
Cinco promessas africanas na base de clubes europeus
Caio Nascimento

Cinco promessas africanas na base de clubes europeus

0 Comentários
Pellegrini: a história dos romanos na Roma continua
Caio Bitencourt

Pellegrini: a história dos romanos na Roma continua

0 Comentários
A afirmação da Espanha e sua nova geração
Bruna Mendes

A afirmação da Espanha e sua nova geração

0 Comentários
Guto Ferreira coloca o Bahia para acelerar
Gabriel de Assis

Guto Ferreira coloca o Bahia para acelerar

0 Comentários
RAIO-X: De onde saem as assistências dos líderes do quesito na Série B
Douglas Batista

RAIO-X: De onde saem as assistências dos líderes do quesito na Série B

0 Comentários
Os destaques dos 8 classificados no Brasileirão Sub-20
Caio Nascimento

Os destaques dos 8 classificados no Brasileirão Sub-20

0 Comentários
A reinvenção de Brahim Diaz no meio-campo do Milan
Caio Bitencourt

A reinvenção de Brahim Diaz no meio-campo do Milan

0 Comentários
Maduro, o Red Bull Bragantino se aproxima de fazer história
Gabriel de Assis

Maduro, o Red Bull Bragantino se aproxima de fazer história

0 Comentários
Friendly #7 | O novo rico Newcastle, Sports Washing e a ‘era’ de clube-estado
Eduardo Dias

Friendly #7 | O novo rico Newcastle, Sports Washing e a 'era' de clube-estado

0 Comentários
Napoli: O impacto inicial de Anguissa com a camisa partenopei
Caio Bitencourt

Napoli: O impacto inicial de Anguissa com a camisa partenopei

0 Comentários
O Grande Norte e os grandes desafios: o que o futuro reserva para o futebol masculino do Canadá?
Caio Nascimento

O Grande Norte e os grandes desafios: o que o futuro reserva para o futebol masculino do Canadá?

0 Comentários
O agressivo América/MG de Vagner Mancini
Gabriel de Assis

O agressivo América/MG de Vagner Mancini

0 Comentários
O Botafogo/PB em busca de um acesso histórico na Paraíba
Douglas Batista

O Botafogo/PB em busca de um acesso histórico na Paraíba

0 Comentários
A disparidade entre Atlético de Madrid e Barcelona
Bruna Mendes

A disparidade entre Atlético de Madrid e Barcelona

0 Comentários