Existe vida após o 9 a 0: a revolução silenciosa de Ralph Hasenhüttl no Southampton

O treinador sobreviveu ao vexame sofrido em outubro e vem fazendo no sul da Inglaterra o que muitos consideravam impossível

Dia 25 de outubro de 2019, St. Mary’s Stadium. Southampton 0 x 9 Leicester City. Na época, décima oitava colocação. Não foi um erro de digitação. 

Dia 11 de janeiro de 2019, King Power Stadium. Leicester City 1 x 2 Southampton. Hoje, décima terceira colocação. Não foi um erro de digitação.


A pergunta que fica é: como um clube que sofreu uma das maiores pancadas da história da Premier League e parecia destinado ao caminho da melancolia conseguiu transformar a sua temporada do inferno ao céu?

De onde tirar forças após levar nove gols dentro de casa? (Foto: Reprodução/Fox Sports)

A começar, por uma decisão extremamente consciente da diretoria. Ralph Hasenhüttl foi mantido no cargo e prometeu fazer de tudo para recuperar o orgulho da instituição e dos seus torcedores. Os jogadores teriam que se alinhar às suas diretrizes ou não entrariam em campo. A situação passou de tentar formatar um elenco limitado ao que pareciam escalações baseadas na falta de qualidade e os riscos do adversário, para a de explorar as suas melhores características como treinador e as dos atletas. Dos dispostos, claro.

E assim nasceu uma das campanhas mais marcantes para a cidade de 270 mil habitantes no sul da Inglaterra. Vamos ao contexto.


Quando assumiu o bastão das mãos de Mark Hughes, em dezembro de 2018, o austríaco pegou um time fadado ao rebaixamento e com marcas que não animavam ninguém. Baixa autoestima individual, pouco espírito coletivo, falta de intensidade, fragilidades físicas e sintonia zero com as arquibancadas. Era a 16ª rodada e não havia tempo para ensinar detalhes de uma filosofia muito respeitada na Bundesliga, então a solução foi juntar os cacos, limitar com a organização a probabilidade de cada peça comprometer o resultado e criar uma sensação de equipe e competitividade dentro da mesma. 

Seu 3-5-2 rendeu os frutos esperados e afastou o perigo da queda, mas todos sabiam que o trabalho na pré-temporada seria extenso. Foi. Só que os placares nos primeiros meses de 19/20 trataram de acender o sinal vermelho novamente. Nove pontos de 39 possíveis, duas vitórias em 13 jogos e, claro, o fatídico 0 a 9. Poucos clubes no mundo apostariam na permanência do técnico em uma fase tão negativa. Os Saints apostaram.

Dono majoritário do clube, Gao Jisheng foi corajoso após os 9 a 0 (Foto: Reprodução/Read Southampton)

Após o choque, os jogadores acordaram para a realidade de que poderiam ficar marcados pelo fim de uma estadia de oito anos na Premier League e Ralph implantou de vez os conceitos que gostaria de ter colocado em prática desde o início. A base é um 4222 que permite equilíbrio entre os setores e a aplicação de um jogo de intensidade, pressão constante ao portador da bola, busca pelos espaços e rapidez para fechar os mesmos quando necessário. 

O ritmo alto é simbolizado por quem é a maior referência do time atualmente, Danny Ings. O atacante tem 14 gols no campeonato (excluindo pênaltis, é líder no quesito ao lado de Vardy e Aguero) e voltou a ser cotado para a Seleção da Inglaterra, mas seu impacto não acaba nas redes adversárias. É ele o responsável por ativar o high-pressing e puxar os companheiros consigo, fazendo o que o Southampton como clube sentia falta há tempos: ditando padrões. Só foi possível com muita força de vontade. 

Suas campanhas como atleta do Liverpool (de 15/16 a 17/18) não trazem boas lembranças: na primeira, fraturou o ligamento do joelho esquerdo; na segunda, do direito. Foram, no total, 498 dias no departamento médico e perspectivas, pelo menos sob seus olhos, sumindo gradativamente. Mas o empréstimo para o Soton aos poucos reviveu sua esperança com o futebol e, quando a cláusula de compra foi ativada, o sinal era claro. O camisa 9 dava passos consideráveis para voltar a ser decisivo como nos tempos de Burnley.

Contratou um chef particular que o visita todos os dias para manter a alimentação adequada, adotou práticas como a de fazer aulas de pilates e, quando longe do CT de Staplewood, dedica algumas horas para a academia que tem em casa. Nas últimas férias, viajou até Portugal e Estados Unidos para treinar com o personal trainer Alex Parsons, visando entrar no condicionamento que o colocaria entre os principais atacantes do país. Descrição que agora o enquadra.

E motiva toda uma equipe atrás dele a fazer o melhor em termos de cuidados diários para que o desempenho no final de semana esteja alinhado com o que o professor requer. Ward-Prowse, outrora conhecido por boa técnica e poucas valências físicas, vem sendo uma máquina nas transições e adicionou ao seu arsenal uma mentalidade combativa. Hojbjerg é duro nos desarmes, recicla a posse quando necessário e está prestes a receber proposta de renovação de contrato.

Bertrand, lateral esquerdo, recuperou o nível que haviam em outras temporadas lhe promovido para um dos mais sólidos da posição. Stephens e Bednarek alinharam a zaga e facilitaram a troca debaixo das traves, de Gunn para McCarthy, que vem passando segurança e é no momento o titular absoluto. Redmond está mais confiante, Armstrong fez por merecer uma vaga nas escalações e a espinha dorsal do conjunto está clara. E eficiente.

O Southampton tem, finalmente, um time (Foto: Reprodução/The Independent)

São 16 pontos dos últimos 24 possíveis e a 13ª colocação, com mais proximidade para o top 6 do que o Z3. Os atletas estão respondendo às instruções da comissão técnica e demonstrando atitudes que só aparecem em times bem treinados. E, pela primeira vez em muitos anos, o torcedor se sente conectado ao grupo e seus feitos dentro das quatro linhas. 

Até agora, só Manchester City e Leicester permitiram menos passes do oponente antes que fizessem alguma ação defensiva. Isso não é sinal de clube sem alma; pelo contrário. Está cada vez mais vivo e gera a expectativa de uma reviravolta total dos rumos que estavam seguindo. Silenciosamente, Ralph Hasenhüttl comanda uma revolução no St. Mary’s Stadium. E a diretoria colhe os frutos de uma tacada arriscada, mas certeira.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Lucas Filus

Últimas Postagens

A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola
Lucas Filus

A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola

0 Comentários
O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?
Dimitri Barcellos

O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?

0 Comentários
Paul Pogba pode ser o primeiro ‘reforço’ do United para a próxima temporada
Lucas Filus

Paul Pogba pode ser o primeiro 'reforço’ do United para a próxima temporada

0 Comentários
A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir
Caio Nascimento

A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir

0 Comentários
Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari
Caio Bitencourt

Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari

0 Comentários
Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol
Caio Alves

Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol

0 Comentários
Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube
Caio Nascimento

Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube

0 Comentários
Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete
Bruna Mendes

Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete

0 Comentários
O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?
Jonatan Cavalcante

O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?

0 Comentários
4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021
Dimitri Barcellos

4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021

0 Comentários
Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense
Gabriel Corrêa

Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense

0 Comentários
Kayky, Galarza, Nestor, Kaiky, Rodrigo Varanda e o semestre animador dos garotos da base brasileira
Caio Nascimento

Kayky, Galarza, Nestor, Kaiky, Rodrigo Varanda e o semestre animador dos garotos da base brasileira

0 Comentários
As transições da Inter que as deixam na cara do gol (e do Scudetto)
Caio Bitencourt

As transições da Inter que as deixam na cara do gol (e do Scudetto)

0 Comentários
Danilo, uma boa dor de cabeça para Abel Ferreira no Palmeiras
Gabriel Corrêa

Danilo, uma boa dor de cabeça para Abel Ferreira no Palmeiras

0 Comentários
Zidane vence jogo de xadrez no El Clásico e aumenta disputa por título na Liga
Bruna Mendes

Zidane vence jogo de xadrez no El Clásico e aumenta disputa por título na Liga

0 Comentários