A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir

Matheus Nascimento, Cade Cowell, Benjamin Sesko e Yusuf Demir, apesar de diferentes nacionalidades, possuem coisas em comum. Todos eles têm 17 anos de idade, jogam perto do gol e balançaram as redes nos últimos dias.

Um brasileiro, um americano, um esloveno e um austríaco estiveram numa partida de futebol… Calma, o que está por vir não é piada infame, apenas uma constatação sobre o final de semana dos adolescentes no futebol profissional. Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir balançaram as redes em seus compromissos, ressaltando a expectativa sobre seus nomes.

Nesse momento, todos os garotos têm 17 anos, porém, o mais jovem dos quatro é o brazuca Matheus Nascimento, integrante da famosa “geração 04” (jogadores nascidos no ano de 2004), sendo companheiro de Ângelo e Sávio na seleção brasileira sub-15 e 16. No domingo passado, a joia botafoguense balançou as redes pela primeira como atleta profissional na goleada sobre o Macaé.

Aos 16 anos, em 2020, o centroavante já havia estreado com a bonita camisa do Botafogo, mas ainda não tinha conseguido converter seu primeiro tento. Com boas atuações, sobretudo em jogos grandes, como no empate em 2×2 com o Palmeiras, Matheus Nascimento se destaca por ser um tipo diferente do centroavante, daqueles que constrói o jogo junto aos armadores, saindo da grande área para gerar espaços e ativar os extremas com passes perfeitos.

Além disso, o camisa 9 do Fogão também é muito refinado, tendo um excelente domínio de bola. Por conta desses predicados, o nome de Matheus Nascimento ganha destaque mundial, haja vista que no futebol europeu é cada vez mais necessário esse tipo de centroavante. O gol no final de semana, em jogada de Ênio, outra joia do Botafogo, pode ser preponderante para consolidar o garoto entre os principais jovens do país e, porventura, como peça essencial na retomada do alvinegro carioca, que está na segunda divisão.

Subindo um pouco no mapa, mais precisamente na Califórnia, encontramos a grande promessa do San José Earthquakes colecionando momentos de pura técnica. Cade Cowell, nascido em 2003, já fez 22 jogos na MLS com a camisa dos Goonies, tendo marcado dois gols e dado duas assistências. Coincidentemente, os números dobraram nesse final de semana em uma atuação de gala do norte-americano contra o Dallas, quando registrou um gol e uma assistência na vitória por 3×1.

Cowell tem estilo semelhante ao de Matheus Nascimento, apesar de ser mais baixo (1,75m x 1,82m). O centroavante é bastante móvel e técnico, justificado pelo passado como extrema-esquerda na base. Assim como o brasileiro, o estadunidense é ótimo dando passes de três dedos para os companheiros que se aproveitam dos espaços criados por ele. Cowell também é explosivo na arranca e forte o suficiente para manter o sprint, o que o torna uma arma fundamental para equipes de transição rápida.

Longe das Américas, já em solo europeu, brilha a estrela de outro centroavante cuja expectativa pelo sucesso é digna de sua altura. Com 1,94m, Benjamin Šeško é mais uma joia que pertence ao RB Salzburg, mas que atualmente está emprestado ao FC Leifering, clube satélite que milita na segunda divisão austríaca.

Fazendo o mesmo caminho que Patson Daka, Sekou Koita e Karim Adeyemi trilharam antes de fazer sucesso no RB Salzburg, Benjamin Šeško está passando por um período de adaptação no “clube fazenda” – o Leifering é praticamente um RB Salzburg II, mas com certa autonomia para registrar outros jogadores não pertencentes ao conglomerado (e sem poder “segurar” os emprestados, que podem ser chamados de volta a qualquer momento). Com números assombrosos nas seleções de base da Eslovênia, frequentando desde o sub-15 até a sub-19 onde está atualmente, o centroavante tem 14 gols e cinco assistências em 24 jogos com a camisa alvirrubra na atual temporada.

Šeško é o “mais velho” dessa lista, pois ele completará 18 anos no próximo mês. No entanto, ele foi o primeiro jogador nascido em 2003 a marcar um gol pela segunda divisão austríaca, em 2019. No final de semana, dia 23 de abril, o esloveno marcou dois gols na vitória por 3×0 contra o Kapfenberger. No dia 27 de abril, quatro dias depois, ele registrou seu primeiro “poker” ao anotar QUATRO gols na goleada por 5×1 sobre o Áustria Viena II. Pelo Salzburg, Šeško só entrara em campo uma vez oficialmente, mas pela equipe sub-19 do “Touro Vermelho” o esloveno marcara três gols e uma assistência em nove atuações na Youth League de 2019.

Chamado em sua terra natal de “Milagre Esloveno”, Benjamin Šeško é excessivamente comparado a Erling Haaland devido as valências físicas semelhantes e pela maneira de se comportar em campo – além, claro, de estar no RB Salzburg. Como é de costume no clube, os homens de frente são treinados para desempenhar várias funções, se adequando a todos os estilos táticos possíveis.

Šeško é veloz, possui bom domínio de bola e consegue se associar fora da área. Ele é fatal no último terço, tendo como posição ideal a de centroavante, porém, ele já atuara de extrema e até de meia-ofensivo no passado. Mesmo sendo destro, o esloveno é igualmente efetivo finalizando com o pé esquerdo. Pegá-lo no 1v1 é uma tarefa árdua, pois não é todo jogador alto que consegue ter agilidade e finalização.

Salzburgo se tornou referência pela revelação de jogadores com a chegada da Red Bull, no entanto, alguns quilômetros dali, na capital, reside outra promessa austríaca de 17 anos desesperada para vingar.

Nascido em Viena, Yusuf Demir veste as cores do Rapid desde a época dos juvenis. A jovem promessa dos Hütteldorfers não é centroavante como os outros, atuando costumeiramente como meia-ofensivo ou extrema. Demir estreou profissionalmente aos 15 anos, no começo da temporada 2019/20, porém, sem muita sequência. Entretanto, na atual época, o talento austríaco tem recebido maiores oportunidades. Até o momento, foram 22 partidas (sendo quatro como titular), registrando seis gols e três assistências.

No domingo passado, dia 25 de abril, Demir entrou em campo aos 78 minutos contra o Swaroski Tirol, quando os donos da casa venciam por 1×0. Três minutos depois, a joia austríaca ampliou para 2×0 e novamente em três minutos ele fizera 3×0. A peleja terminou em uma goleada por 4×0, mas os 15 minutos em que esteve em campo foram suficientes para eleger o jovem Yusuf como o melhor da partida.

Demir é canhoto e o domínio orientado é sua grande qualidade. Além disso, a prata da casa consegue conciliar velocidade e drible, sendo particularmente perigoso em jogadas de frente para o gol, pois a finalização também é muito boa.

Analisado de perto pelos principais clubes europeus, Yusuf Demir fora convocado para a seleção principal da Áustria no mês passado. Mesmo não sendo titular absoluto no Rapid de Viena, o meia é jogador de partidas grandes, tendo feito gol, inclusive, pela Liga Europa.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Caio Nascimento

Últimas Postagens

Como o Vojvodismo transformou o Fortaleza em protagonista no futebol brasileiro?
Jonatan Cavalcante

Como o Vojvodismo transformou o Fortaleza em protagonista no futebol brasileiro?

0 Comentários
God Save the Game #34 | A janela de transferências da Premier League 21/22
Gabriel Corrêa

God Save the Game #34 | A janela de transferências da Premier League 21/22

0 Comentários
Felipão chega entregando o de sempre: segurança e resultado
Gabriel de Assis

Felipão chega entregando o de sempre: segurança e resultado

0 Comentários
Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 2
Caio Nascimento

Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 2

0 Comentários
A Itália ainda pode crescer após o título da Euro?
Caio Bitencourt

A Itália ainda pode crescer após o título da Euro?

0 Comentários
Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 1
Caio Nascimento

Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 1

0 Comentários
O complicado início de Diego Aguirre no Internacional
Gabriel de Assis

O complicado início de Diego Aguirre no Internacional

0 Comentários
Rodrigo De Paul: o meia com DNA de Simeone e Atlético de Madrid
Bruna Mendes

Rodrigo De Paul: o meia com DNA de Simeone e Atlético de Madrid

0 Comentários
A Inglaterra superou seus traumas e, agora, se permite sonhar
Lucas Filus

A Inglaterra superou seus traumas e, agora, se permite sonhar

0 Comentários
Prestes a completar 100 jogos pelo Ceará, Guto Ferreira fala sobre o trabalho no Vozão, as críticas pela “falta de repertório” e sua metodologia de treino
Jonatan Cavalcante

Prestes a completar 100 jogos pelo Ceará, Guto Ferreira fala sobre o trabalho no Vozão, as críticas pela "falta de repertório" e sua metodologia de treino

0 Comentários
Brasileiro Sub-17 chega a fase de mata-mata
Caio Nascimento

Brasileiro Sub-17 chega a fase de mata-mata

0 Comentários
Ataque emperra e São Paulo perde confiança
Gabriel de Assis

Ataque emperra e São Paulo perde confiança

0 Comentários
A Espanha sai dessa Euro muito melhor do que entrou
Bruna Mendes

A Espanha sai dessa Euro muito melhor do que entrou

0 Comentários
A importância discreta: o que Víctor Cantillo soma ao Corinthians?
Aurelio Solano

A importância discreta: o que Víctor Cantillo soma ao Corinthians?

0 Comentários
Campionato Primavera: a mina de ouro do futebol italiano
Caio Nascimento

Campionato Primavera: a mina de ouro do futebol italiano

0 Comentários