O que condicionou um provável rebaixamento do Leganés?

Apesar de boas individualidades, as vendas no meio da temporada acabaram por minar o sonho do Leganés na luta contra o rebaixamento na Liga

Sem ganhar nenhum jogo desde o retorno do futebol espanhol, o Leganés está cada vez mais perto de ser rebaixado para a segunda divisão. Os pepineros conseguiram o acesso na temporada 2015/16 pela primeira vez na sua história e, a partir disso, boa parte das temporadas na La Liga foram resumidas em brigar na parte de baixo da tabela por uma permanência.

Na atual temporada, o clube conseguiu fazer duas vendas relevantes dentro do cenário espanhol, porém sem recompor com a mesma qualidade e assim sofrendo as consequências. Óscar Rodríguez chamou a responsabilidade nesse tempo, mas o fraco desempenho coletivo foi inevitável em relação as carências no elenco.

Faça parte do Footure Club e receba conteúdos exclusivos diariamente

É verdade que a equipe passou grande parte do campeonato na zona de rebaixamento, mas o desempenho individual de Youssef En-Nesyri e Martin Braithwaite era a ilusão da equipe para permanecer mais uma temporada na elite espanhola. Os dois jogadores eram peças fundamentais no sistema ofensivo da equipe até a janela de inverno e, mesmo fora do clube, completam a artilharia do Leganés ao lado de Óscar Rodríguez.

Leganés
Dos 24 gols do clube na liga, 19 foram marcados por três jogadores, e dois deles nem estão mais na equipe.

Ainda muito jovem, Youssef En-Nesyri chegou ao Málaga no verão de 2018. Já desenvolvido fisicamente, o marroquino se destacou ao sair do banco e em menos de 10 minutos fazer um gol contra a Espanha ainda na fase de grupos da Copa do Mundo da Rússia. Mas no Leganés, em um cenário acima do que vivia, foi onde começou a ser olhado mais de perto por outros times.

“Minha vida começou a mudar quando fui para o Málaga, porque quando você sai de Marrocos para a Europa é diferente.”

Youssef En-Nesyri

O Sevilla vinha sofrendo em relação aos centroavantes, Luuk de Jong não conseguiu se firmar como foi na sua temporada anterior junto do PSV, e rugia a necessidade de outro jogador no setor. En-Nesyri se tornou uma grande opção por todo o desempenho desde que chegou ao Leganés, além da pouca idade e tamanho potencial, o ambidestro já estava enturmado e adaptado ao país, outro contexto em relação ao centroavante holandês – facilitando o trabalho de Lopetegui em ajustar o atacante dentro da equipe.

OUÇA: El Rondo #11 | Real Betis, Valencia e Espanyol: os clubes sem rumo

Fato é que, mesmo com o rendimento abaixo do esperado desde que foi contratado, seu potencial é inegável.  Mesmo com toda sua envergadura e força física, tem a capacidade para sair da área. Seu ritmo intenso ao dar o pique, acelerar e partir para o gol o torna um centroavante moderno. Sua velocidade incomum e inexplicável do ponto de vista da lógica e da física, é muito interessante dentro do que pede o futebol espanhol. Pouco se sabe do futuro do jogador dentro do clube já que de Jong conseguiu se consolidar ao lado de Ocampos e Munir nesse tempo, mas, sem dúvidas, podemos afirmar que a sua ausência é sentida cada dia mais no sul de Madri.

No caso de Braithwaite é ainda mais árduo. Nos últimos 10 jogos pelo Leganés, antes do Barcelona pagar sua multa, o dinamarquês tinha cinco gols e duas assistências, sendo fundamental para a equipe vencer e arrancar pontos de equipes que hoje brigam diretamente contra o rebaixamento. Sua habilidade de jogar como atacante, segundo atacante ou deslocado pela esquerda era o principal fator para seu bom desempenho. A sua versatilidade era tudo que um Leganés reativo por si só precisava ao enfrentar equipes superiores tecnicamente.

Com a lesão de Suárez, o Barcelona foi atrás de jogadores que pudessem desempenhar função parecida dentro da equipe. De fato, a polivalência – além dos gols -, foi algo importante e que, mesmo com o retorno do uruguaio, Braithwaite segue sendo opção no ataque blaugrana. Entretanto, em uma futura janela de transferências fica claro que a equipe catalã irá atrás de outro jogador para o setor, e muito provavelmente ele perderá minutos.

Não podemos ignorar o fato dos €18 milhões serem importantes para um clube como o Leganés, mas este dinheiro não irá fazer os gols necessários para permanecer na La Liga, certo? Certo. Se não fosse pela multa, dificilmente o clube aceitaria qualquer proposta, pela importância do atacante, por não poder contratar nenhuma reposição – o que gerou grande discussão no país – e também por já ter perdido En-Nesyri para o Sevilla poucas semanas antes.

LEIA MAIS: A temporada do Alavés pode ser representada por Lucas Pérez

Mesmo que o time como um todo não correspondesse em campo, a atuação individual desses dois jogadores, ao lado de Óscar, seria fundamental na busca pela permanência. Não podemos negar que o clube foi prejudicado nesse sentido, mesmo com quase €40 milhões envolvidos nas duas vendas.

Imaginando que restam 15 pontos em disputa e a diferença para o primeiro fora da zona de rebaixamento seja de 9 pontos, fica difícil pensar em uma permanência depois do começo tão ruim – ainda mais considerando que o Celta não pontue mais. Dessa forma, é para se pensar como a equipe se revolucionará para disputar a segunda divisão depois de tantos anos fora. O empréstimo de Óscar termina ao fim da temporada, e se tratando de uma temporada excelente do canterano madridista, é improvável uma renovação de empréstimo ou até mesmo contratação em definitivo visando equipes da primeira divisão interessadas no mesmo.

A presidente María Victoria Pavón fez um excelente trabalho nos últimos 10 anos tirando a equipe do limbo da terceira divisão e chegando a La Liga, mas precisará lidar bem com um rebaixamento para não se perder na ascensão da equipe dentro do futebol espanhol.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Últimas Postagens

Cinco promessas africanas na base de clubes europeus
Caio Nascimento

Cinco promessas africanas na base de clubes europeus

0 Comentários
Pellegrini: a história dos romanos na Roma continua
Caio Bitencourt

Pellegrini: a história dos romanos na Roma continua

0 Comentários
A afirmação da Espanha e sua nova geração
Bruna Mendes

A afirmação da Espanha e sua nova geração

0 Comentários
Guto Ferreira coloca o Bahia para acelerar
Gabriel de Assis

Guto Ferreira coloca o Bahia para acelerar

0 Comentários
RAIO-X: De onde saem as assistências dos líderes do quesito na Série B
Douglas Batista

RAIO-X: De onde saem as assistências dos líderes do quesito na Série B

0 Comentários
Os destaques dos 8 classificados no Brasileirão Sub-20
Caio Nascimento

Os destaques dos 8 classificados no Brasileirão Sub-20

0 Comentários
A reinvenção de Brahim Diaz no meio-campo do Milan
Caio Bitencourt

A reinvenção de Brahim Diaz no meio-campo do Milan

0 Comentários
Maduro, o Red Bull Bragantino se aproxima de fazer história
Gabriel de Assis

Maduro, o Red Bull Bragantino se aproxima de fazer história

0 Comentários
Friendly #7 | O novo rico Newcastle, Sports Washing e a ‘era’ de clube-estado
Eduardo Dias

Friendly #7 | O novo rico Newcastle, Sports Washing e a 'era' de clube-estado

0 Comentários
Napoli: O impacto inicial de Anguissa com a camisa partenopei
Caio Bitencourt

Napoli: O impacto inicial de Anguissa com a camisa partenopei

0 Comentários
O Grande Norte e os grandes desafios: o que o futuro reserva para o futebol masculino do Canadá?
Caio Nascimento

O Grande Norte e os grandes desafios: o que o futuro reserva para o futebol masculino do Canadá?

0 Comentários
O agressivo América/MG de Vagner Mancini
Gabriel de Assis

O agressivo América/MG de Vagner Mancini

0 Comentários
O Botafogo/PB em busca de um acesso histórico na Paraíba
Douglas Batista

O Botafogo/PB em busca de um acesso histórico na Paraíba

0 Comentários
A disparidade entre Atlético de Madrid e Barcelona
Bruna Mendes

A disparidade entre Atlético de Madrid e Barcelona

0 Comentários
Tuchel, Solskjaer, tropeços e realidades diferentes
Lucas Filus

Tuchel, Solskjaer, tropeços e realidades diferentes

0 Comentários