A influência de Leonardo Fernández no ataque do Toluca

Emprestado pelo Tigres, o meia Leonardo Fernández já mostra estar habituado ao futebol mexicano após elevar o rendimento ofensivo de sua atual equipe

A campanha do Toluca não é nada marcante na temporada 2019/2020, é verdade. Após um Torneio Apertura fraquíssimo, terminando na 17ª posição entre 19 clubes, o Clausura seguia no mesmo ritmo até a parada forçada pelo COVID-19, com 10 pontos conquistados em 10 jogos e a 15ª posição na tabela. Entretanto, nem tudo são más notícias para os diablos rojos. No setor ofensivo, a produtividade aumentou de uma etapa da Liga MX para outra. E o motivo tem nome e sobrenome: Leonardo Fernández.

Faça parte do Footure Club e receba conteúdos exclusivos diariamente

O meia uruguaio desembarcou no Nemésio Diez em janeiro, e seu impacto foi notável de imediato. Emprestado pelo Tigres, dono do seu passe, até o mês de junho, Fernández já demonstrou porque chamou atenção do futebol mexicano. Revelado pelo Fênix (URU), teve temporadas de altíssima eficiência anotando gols e criando oportunidades, o que chamou a atenção dos auriazules. Após um empréstimo nada positivo para a desorganizada Universidad de Chile em 2019, conseguiu reencontrar o caminho das boas atuações e do futebol de elevado potencial que possui.

Mesmo em um time com diversas fragilidades como o Toluca, conseguiu ser potencializado a ponto de se tornar o principal criador e concretizador dos lances ofensivos. Para se ter uma noção de sua influência no desempenho do  quadro treinado por José Manuel de La Torre, seus 8 gols e 2 assistências em 10 partidas do Clausura representam participação em 62,5% das bolas colocadas na rede pela equipe. De 16 gols anotados, 10 saíram de seus pés. Ainda, em termos coletivos, estes 16 gols marcados em apenas 10 jogos já representam a mesma quantidade de gols que havia sido feito nos 18 embates do Apertura. Se a média sem Leonardo Fernández era de 0,88 gols por jogo, com o meia saltou para 1,6.

Como joga Leonardo Fernández?

Sendo um jogador de meio-campo com perfil finalizador, Fernández tem como característica principal arriscar o chute assim que houver espaço. A maior parte de suas conclusões são de longa distância, tirando proveito da potência que possui no pé canhoto. Entretanto, a maior parte de seus gols vieram em situações dentro da grande área.

Leonardo Fernández
O mapa das finalizações de Leo Fernández pelo Toluca: tentativas de longa distância, efetividade dentro da área

Muito por conta das finalizações de fora, seu índice de expected goals (xG) não chama a atenção, produzindo somente a expectativa de 3,78 tentos. A sua efetividade em zonas mais próximas do arco adversário é o que acaba fazendo a diferença, colocando uma boa margem entre os gols esperados e aquilo que foi concretizado.

Atuando na maior parte das vezes como meia-central do 4-2-3-1, acaba também ficando responsável pela articulação das jogadas ofensivas. Mais do que oferecer poder de fogo, o uruguaio acaba sendo a figura responsável por ligar os diferentes setores do time no campo de ataque, aparecendo na base da jogada em vários momentos para organizar as ações e buscar o passe antecipado para que seus companheiros ataquem os espaços.

Outro movimento que executa bastante é a aproximação junto ao lado esquerdo, acionando a subida do lateral para a tabela curta e buscando, com movimentos rápidos, limpar as jogadas para seus perigosíssimos chutes cruzados.

Se o objetivo do Tigres, além de se livrar do excesso de estrangeiros no elenco, era dar rodagem e adaptação a Leonardo Fernández no futebol mexicano, o objetivo vem sendo alcançado com sucesso. Se conseguir levar a regularidade mostrada no Toluca para o Estádio Universitário, será uma peça de muito valor para Ricardo Ferretti. Atualmente, o elenco de Tuca carece de um meia ofensivo capaz de ocupar espaços no corredor central e oferecer chegada à área na mesma medida. Quem sabe esteja em Leo a resposta para uma alternativa confiável de jogo.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Dimitri Barcellos

Últimas Postagens

A onda tecnicista na função do auxiliar técnico de futebol
Jonatan Cavalcante

A onda tecnicista na função do auxiliar técnico de futebol

0 Comentários
Friendly #1 | Imaginar e construir o futuro, a habilidade fundamental do século XXI
Footure

Friendly #1 | Imaginar e construir o futuro, a habilidade fundamental do século XXI

0 Comentários
Surpresa e tradição: os classificados para as quartas do futebol masculino na Olimpíada
Caio Nascimento

Surpresa e tradição: os classificados para as quartas do futebol masculino na Olimpíada

0 Comentários
Osimhen, Simy, e a problemática das narrativas sobre jogadores africanos
Caio Bitencourt

Osimhen, Simy, e a problemática das narrativas sobre jogadores africanos

0 Comentários
O que esperar do Real Madrid para os próximos anos com Carlo Ancelotti?
Bruna Mendes

O que esperar do Real Madrid para os próximos anos com Carlo Ancelotti?

0 Comentários
O que explica as goleadas do Flamengo com Renato Gaúcho?
Gabriel de Assis

O que explica as goleadas do Flamengo com Renato Gaúcho?

0 Comentários
Como o Vojvodismo transformou o Fortaleza em protagonista no futebol brasileiro?
Jonatan Cavalcante

Como o Vojvodismo transformou o Fortaleza em protagonista no futebol brasileiro?

0 Comentários
God Save the Game #34 | A janela de transferências da Premier League 21/22
Gabriel Corrêa

God Save the Game #34 | A janela de transferências da Premier League 21/22

0 Comentários
Felipão chega entregando o de sempre: segurança e resultado
Gabriel de Assis

Felipão chega entregando o de sempre: segurança e resultado

0 Comentários
Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 2
Caio Nascimento

Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 2

0 Comentários
A Itália ainda pode crescer após o título da Euro?
Caio Bitencourt

A Itália ainda pode crescer após o título da Euro?

0 Comentários
Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 1
Caio Nascimento

Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 1

0 Comentários
O complicado início de Diego Aguirre no Internacional
Gabriel de Assis

O complicado início de Diego Aguirre no Internacional

0 Comentários
Rodrigo De Paul: o meia com DNA de Simeone e Atlético de Madrid
Bruna Mendes

Rodrigo De Paul: o meia com DNA de Simeone e Atlético de Madrid

0 Comentários
A Inglaterra superou seus traumas e, agora, se permite sonhar
Lucas Filus

A Inglaterra superou seus traumas e, agora, se permite sonhar

0 Comentários