Mais uma noite de futebol

FC Porto e Sporting protagonizaram um encontro onde a diferença entre as duas equipas esteve sempre fora do campo. Os dez pontos de diferença na classificação condicionaram tanto uma, como outra equipa. Uma alusão do futebol enquanto algo que nos escapa ao controlo.

Talvez sejam as bancadas sem público, talvez a sensação de que as emoções se repetem, talvez a busca por uma novidade que acaba por não chegar, ou o futebol é mesmo só uma coisa onde o resultado é mais importante que tudo o resto. O encontro entre os dois primeiros classificados da Liga Portuguesa, FC Porto e Sporting, na noite do passado sábado, não nos devolveu todas as ambições que poderíamos ter para o mesmo, com os condicionalismos do início da partida a serem mais fortes do que aquilo que ambos os conjuntos puderam (ou quiseram) trazer para dentro de campo.

Sempre que um treinador diz que só a sua equipa quis ganhar tenho a sensação de que nos está a esconder alguma coisa. Como em tudo na vida, cada jogo tem um antes e um depois, não é um elemento separado dessa linha onde os eventos se empilham e desenvolvem de forma simultânea. À mesma hora do Porto – Sporting muitas outras coisas aconteceram e talvez até algumas delas possam ter contribuído para a forma como, agora, olhamos para esse encontro, mas os dez pontos de vantagem que os verde e brancos traziam na bagagem e a assunção desta partida como de “vida ou morte” para as aspirações dos portistas na Liga confundiram o que o jogo podia ser.

Não, não foi uma final, porque uma final só acontece quando ambas as equipas têm o mesmo a perder. A primeira parte foi uma demonstração clara de que não era disso que se tratava. O Sporting a esperar para ver, o FC Porto com algum receio de dar a mínima oportunidade para o rival crescer num erro seu. Rúben Amorim, de tanto falar na juventude da sua equipa, parece fazer um passo de mágica no nosso entendimento dos factos. Porque, em campo, para além de uma base de jogadores internacionais e muito experientes, conjuga um conjunto que sabe muito mais do que aquilo que anuncia. Porque, como ficou depois mostrado com a entrada de Francisco Conceição, a experiência nem sempre é a melhor resposta para um tabuleiro onde o talento tem uma palavra forte a dizer.

O FC Porto teve as melhores oportunidades, ao ponto de, costume estranho dos tempos que correm, Mehdi Taremi já ter pedido desculpa nas redes sociais por fazer o seu trabalho. Estava no lugar onde devia estar, com a intenção que devia ter, rematando à baliza um objeto redondo que não obedece a equações matemáticas. É o futebol, penso eu, mas onde eu vejo a beleza do imponderável muitos vêem uma responsabilidade contra toda a lógica. Ter as melhores oportunidades, no entanto, não chega. Ou não chegou nesta noite. Perante um Sporting que, olhando os dados Wyscout, só cinco vezes tocou a bola na área adversária e todas essas vezes por jogadores que começaram o jogo no banco. Uma ideia sobre a localização de mapas de tesouros.

O Sporting tem agora nove pontos de distância sobre o segundo classificado, que passou a ser o SC Braga, com o FC Porto a dez e o Benfica a entrar em campo mais logo. Faltam 13 jornadas e todos os seus rivais procuram ainda chegar à final da Taça de Portugal, enquanto ao Sporting só a Liga interessa mesmo. Rúben Amorim não assume favoritismos, mas certas situações são, de facto, mais fortes do que aquilo que as palavras possam indicar. Confundir os dicionários é um trabalho inglório, perante audiências tão grandes. O jogo não foi mesmo aquilo que se esperava, mas afinal é isso que é o futebol. Uma coisa que está sempre a acontecer para lá daquilo que entendemos como a nossa capacidade de controlar.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Últimas Postagens

O caminho da Seleção, as mudanças de Tite e um norte para o Catar
Aurelio Solano

O caminho da Seleção, as mudanças de Tite e um norte para o Catar

0 Comentários
Cinco promessas africanas na base de clubes europeus
Caio Nascimento

Cinco promessas africanas na base de clubes europeus

0 Comentários
Pellegrini: a história dos romanos na Roma continua
Caio Bitencourt

Pellegrini: a história dos romanos na Roma continua

0 Comentários
A afirmação da Espanha e sua nova geração
Bruna Mendes

A afirmação da Espanha e sua nova geração

0 Comentários
Guto Ferreira coloca o Bahia para acelerar
Gabriel de Assis

Guto Ferreira coloca o Bahia para acelerar

0 Comentários
RAIO-X: De onde saem as assistências dos líderes do quesito na Série B
Douglas Batista

RAIO-X: De onde saem as assistências dos líderes do quesito na Série B

0 Comentários
Os destaques dos 8 classificados no Brasileirão Sub-20
Caio Nascimento

Os destaques dos 8 classificados no Brasileirão Sub-20

0 Comentários
A reinvenção de Brahim Diaz no meio-campo do Milan
Caio Bitencourt

A reinvenção de Brahim Diaz no meio-campo do Milan

0 Comentários
Maduro, o Red Bull Bragantino se aproxima de fazer história
Gabriel de Assis

Maduro, o Red Bull Bragantino se aproxima de fazer história

0 Comentários
Friendly #7 | O novo rico Newcastle, Sports Washing e a ‘era’ de clube-estado
Eduardo Dias

Friendly #7 | O novo rico Newcastle, Sports Washing e a 'era' de clube-estado

0 Comentários
Napoli: O impacto inicial de Anguissa com a camisa partenopei
Caio Bitencourt

Napoli: O impacto inicial de Anguissa com a camisa partenopei

0 Comentários
O Grande Norte e os grandes desafios: o que o futuro reserva para o futebol masculino do Canadá?
Caio Nascimento

O Grande Norte e os grandes desafios: o que o futuro reserva para o futebol masculino do Canadá?

0 Comentários
O agressivo América/MG de Vagner Mancini
Gabriel de Assis

O agressivo América/MG de Vagner Mancini

0 Comentários
O Botafogo/PB em busca de um acesso histórico na Paraíba
Douglas Batista

O Botafogo/PB em busca de um acesso histórico na Paraíba

0 Comentários
A disparidade entre Atlético de Madrid e Barcelona
Bruna Mendes

A disparidade entre Atlético de Madrid e Barcelona

0 Comentários