Como joga Matheus Cunha, a sensação do retorno da Bundesliga

Matheus Cunha ainda é um desconhecido do grande público brasileiro. Entenda seu estilo de jogo, virtudes e pontos de melhoria

O retorno da Bundesliga como primeira grande liga do mundo a retomar as atividades com a pandemia da Covid-19, fez o interesse do ‘’torcedor comum’’ brasileiro se voltar a um atleta que vai ganhando espaço na Europa. Matheus Cunha está prestes a completar 21 anos, mas já vive a sua terceira temporada no velho continente.

Comprado pelo RB Leipzig junto ao FC Sion em meados de 2018, foi vendido recentemente ao Hertha Berlin e, mesmo num clube que vive um ano bem conturbado, chegou elevando o patamar da equipe, mostrando os dotes que o levaram a seleção olímpica do Brasil e o tiraram do Coritiba com apenas 18 anos.

Faça parte do Footure Club e receba conteúdos exclusivos diariamente por R$12 mensais

Em 2019/2020, Matheus Cunha fez até aqui 19 partidas, oito como titular, e marcou quatro gols, todos com a camisa do Hertha, clube que conta com seus serviços desde a parada de inverno do Campeonato Alemão. Por mais que o elenco do time treinado por Bruno Labbadia seja inferior ao do Red Bull Leipzig, algo que dá a Matheus mais protagonismo naturalmente, a repentina subida de produção pode ser considerada um pouco surpreendente. O Hertha tem em Labbadia o seu quarto técnico na temporada, é um time que tenta se ajustar faltando poucas rodadas para o fim da época, ainda ganha padrões, é apenas o 11º colocado na Bundesliga.

Não é simples para um jogador de 20 anos chegar em um clube relevante no cenário alemão e jogar tão bem nas condições citadas no parágrafo anterior. Temos aqui então o primeiro traço das características de Matheus, a personalidade forte. O atacante brasileiro tem no DNA o atrevimento, a vontade de arriscar, e a agressividade necessária aos homens de frente de alto nível. Isso potencializa algumas das virtudes deste natural de João Pessoa nos âmbitos técnico, tático e físico.  

Bundesliga Matheus Cunha

Parte Técnica

Matheus Cunha apresenta ótimo nível nas finalizações de média e curta distância para um atleta de 20 anos de idade. Tem chute potente da entrada da área e tenta sempre o arremate cruzado, rasteiro, em finalizações de dentro da área. Seu bom trato com a bola possibilita o desempenho satisfatório em conduções em velocidade, tabelas, e dribles curtos. Tem o último passe bem apurado para servir os companheiros. Pode melhorar o “primeiro toque”, o domínio, para resolver as jogadas mais rapidamente e evoluir quando está de costas para a zaga.

Na bola aérea também precisa melhorar. Para um jogador de 1,84m não tem um percentual tão alto de vitória nesse tipo de lance, assim como a técnica de cabeceio. Como tem pouco tempo de profissional e vem mudando o seu nível de competitividade ano após ano, ainda oscila nas ‘’tomadas de decisão’’. Nas cobranças de pênalti, tem o perfil ‘’dependente’’, corre para a bola olhando para o goleiro e espera a movimentação do arqueiro para escolher o lado, só deslocando, tem bom aproveitamento nas penalidades.

Parte Tática

O paraibano pode atuar como centroavante ou “segundo atacante”, como aliás vem sendo utilizado na maior parte dos minutos no Hertha Berlin, solto, por trás de Ibisevic ou Piatek. Também já foi escalado aberto pelo lado esquerdo, buscando a área em diagonal, tabelas e finalizações da entrada da área. Pelo seu potencial de movimentação, restringi-lo a uma faixa do campo, em ataques mais posicionais, não é a melhor forma de utilizá-lo. Quando joga como “9”, não é o tipo de atacante que dará profundidade o tempo inteiro, em vários momentos busca ficar na intermediária, no espaço entre a linha de defesa e de meio do adversário.

LEIA MAIS: Carlos Amadeu abre o jogo e fala sobre formação, Seleção Brasileira, Bahia, psicologia no esporte e a falta de respeito com profissionais

Outro movimento bem típico dele é a diagonal curta do meio para os lados, entre zagueiros e laterais, visando receber em profundidade e cruzar rasteiro, ou bater cruzado no canto oposto do goleiro. Dificilmente se sente confortável fazendo o trabalho de pivô, precisa melhorar nesse ponto. Defensivamente auxilia marcação na saída de bola adversária com intensidade, mas quando precisa retornar fechando o lado esquerdo como ponta acaba pecando no posicionamento e na agressividade ao pressionar a bola.

Matheus Cunha Bundesliga
Cunha é um atacante, mas está longe de ser o típico centroavante. A melhor forma de utilizá-lo é como ”segundo atacante” em uma dupla de ataque.

Parte Física

Longilíneo e forte fisicamente, Matheus vem evoluindo bastante neste aspecto desde que chegou ao futebol suíço. Se lhe falta mais sustentação para jogar de costas muitas vezes, sobra explosão para ganhar duelos em distâncias curtas, mudar rápido de direção e aproveitar o comprimento de suas pernas em jogadas de alta velocidade, como contra-ataques e reações velozes ao perder a bola. Fisicamente pode melhorar a resistência ao longo de todo o jogo. Tem períodos de queda de intensidade nos 90 minutos, mas quando ganha sequência de partidas cresce nesse ponto.

Projeção

Acompanhar a curva de crescimento de Matheus Cunha vem sendo satisfatório ao projetá-lo como atleta com potencial para brigar por vaga na Seleção num futuro próximo. Como todo jogador jovem e, consequentemente em processo de amadurecimento psicológico, social e físico, é preciso ter cautela e entendimento dos percalços e processos naturais que um profissional passa ao longo da carreira, mas uma coisa podemos dizer: o Brasil tem mais um atacante de alto nível nascendo.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Rodrigo Coutinho

Últimas Postagens

O que é a linha sustentada, conceito dominado por Tite e Mano Menezes e que fez sucesso no Corinthians
Caio Alves

O que é a linha sustentada, conceito dominado por Tite e Mano Menezes e que fez sucesso no Corinthians

0 Comentários
Atlético-MG vive seu melhor momento na temporada
Gabriel de Assis

Atlético-MG vive seu melhor momento na temporada

0 Comentários
A onda tecnicista na função do auxiliar técnico de futebol
Jonatan Cavalcante

A onda tecnicista na função do auxiliar técnico de futebol

0 Comentários
Friendly #1 | Imaginar e construir o futuro, a habilidade fundamental do século XXI
Footure

Friendly #1 | Imaginar e construir o futuro, a habilidade fundamental do século XXI

0 Comentários
Surpresa e tradição: os classificados para as quartas do futebol masculino na Olimpíada
Caio Nascimento

Surpresa e tradição: os classificados para as quartas do futebol masculino na Olimpíada

0 Comentários
Osimhen, Simy, e a problemática das narrativas sobre jogadores africanos
Caio Bitencourt

Osimhen, Simy, e a problemática das narrativas sobre jogadores africanos

0 Comentários
O que esperar do Real Madrid para os próximos anos com Carlo Ancelotti?
Bruna Mendes

O que esperar do Real Madrid para os próximos anos com Carlo Ancelotti?

0 Comentários
O que explica as goleadas do Flamengo com Renato Gaúcho?
Gabriel de Assis

O que explica as goleadas do Flamengo com Renato Gaúcho?

0 Comentários
Como o Vojvodismo transformou o Fortaleza em protagonista no futebol brasileiro?
Jonatan Cavalcante

Como o Vojvodismo transformou o Fortaleza em protagonista no futebol brasileiro?

0 Comentários
God Save the Game #34 | A janela de transferências da Premier League 21/22
Gabriel Corrêa

God Save the Game #34 | A janela de transferências da Premier League 21/22

0 Comentários
Felipão chega entregando o de sempre: segurança e resultado
Gabriel de Assis

Felipão chega entregando o de sempre: segurança e resultado

0 Comentários
Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 2
Caio Nascimento

Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 2

0 Comentários
A Itália ainda pode crescer após o título da Euro?
Caio Bitencourt

A Itália ainda pode crescer após o título da Euro?

0 Comentários
Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 1
Caio Nascimento

Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 1

0 Comentários
O complicado início de Diego Aguirre no Internacional
Gabriel de Assis

O complicado início de Diego Aguirre no Internacional

0 Comentários