PERSPECTIVA TÁTICA – A NOVA REGRA DO TIRO DE META SEM A POSSE DA BOLA

Por André Andrade No início do ano, foram definidas mudanças nas regras do futebol pela International Board. Dentre elas, a mudança com relação a cobrança do tiro de meta. Antes, era necessário a bola sair da grande área para estar em jogo. A partir da mudança, a bola está em jogo assim que se executa o primeiro […]

Por André Andrade

No início do ano, foram definidas mudanças nas regras do futebol pela International Board. Dentre elas, a mudança com relação a cobrança do tiro de meta. Antes, era necessário a bola sair da grande área para estar em jogo. A partir da mudança, a bola está em jogo assim que se executa o primeiro toque. Assim sendo, os jogadores do time com a posse podem receber o passe dentro da área. Já na equipe que está sem a posse, seus jogadores devem ficar fora da grande área até que a bola seja colocada no jogo.

Leia também: Perspectiva tática – A nova regra do tiro de meta COM a posse de bola

Já é possível ver equipes se adaptando as novas regras na saída de bola. Na segunda parte desta análise, iremos apresentar os modelos das equipes quando estão SEM a bola.


EQUIPE SEM A POSSE DE BOLA, DEFENDENDO A AÇÃO DE TIRO DE META

Se escolhe pressionar ativamente:

ORIENTAÇÃO CORPORAL

Deve-se treinar de modo que o jogador possa reconhecer qual orientação corporal facilita sua situação no jogo e permite um melhor sucesso em ações de pressão, de fechar linhas de passe e de ocupação de espaço também em relação a bola, a seus companheiros e ao adversário.

FECHAMENTO DE LINHAS DE PASSE

Os jogadores devem se preocupar com o fechamento de linhas de passe perto do portador da bola, de maneira a limitar suas opções e também seu espaço-tempo com bola. Longe da bola o foco deve ser no controle do espaço e do oponente também, zagueiros por exemplo, devem realizar ações de vigilância em cima dos adversários.

CONTROLE DO ESPAÇO E DA PROFUNDIDADE

Os jogadores devem tentar controlar os espaços mais próximos a bola e principalmente as entrelinhas, e tentar manter o time sempre compacto em campo, e por mais que o adversário tente, não deve oferecer muita profundidade, subindo assim a linha de marcação e reduzindo as distâncias entre o primeiro e último jogador. O controle de espaço e de profundidade pode ter também a participação do goleiro jogando fora da área ou extremamente adiantado, como já vimos Neuer fazer muitas vezes, atuando como um “líbero” por trás da linha de defesa.

DIFERENCIAÇÃO DE BOLA COBERTA E DESCOBERTA

Basicamente os termos se referem a:

Bola coberta é quando o adversário que tem a bola e tenta fazer o passe ou progredir a jogada é pressionado.

Bola descoberta é quando o adversário que tem a bola e tenta fazer o passe ou progredir a jogada não está pressionado, portanto tem mais tempo e espaço.

Manutenção da profundidade e associação rápida CAP e exemplo negativo do FLA em bola descoberta

De acordo com cada situação, as linhas de defesa – principalmente a última linha – devem se comportar de modos diferentes visando a orientação corporal de seus jogadores os movimentos. É normal quando se tem uma bola coberta, a linha subir para compactar e reduzir o espaço com as seguintes linhas do time.

Já quando se existe uma bola descoberta, a atenção deve ser redobrada e o posicionamento dos jogadores também, o foco passa tanto por retirar o tempo-espaço e conforto do jogador rival com a bola, mas também principalmente a defender o espaço (geralmente grande) as costas da linha defensiva.

PROTEÇÃO DOS ESPAÇOS ENTRELINHAS

A proteção dos espaços entrelinhas configura-se como peça-chave em uma pressão alta estruturada contra um adversário que busca sair com posse de bola utilizando-se da nova regra de tiro de meta, visto que dessa forma se a equipe conseguir se manter compacta e manter a estrutura, será muito mais difícil do adversário penetrar. Caso a equipe ceda muitos espaços entrelinhas será mais fácil o adversário superar a pressão e progredir com a jogada.

De tal modo, a equipe que tem a posse de bola tem mais vantagens em minha opinião, visto que pode planejar o que irá acontecer – até certo ponto -, e pode tentar impor algumas condições ao oponente que terá que defender uma área muito grande do campo se escolher pressionar alto. Se não pressionar, cederá o controle instantâneo da posse de bola ao adversário e desse modo pode ter bastante problemas se o adversário tiver intenção em posse e uma ideia clara de como gerar situações vantajosas.

Será bem interessante continuar acompanhando as adaptações a nova regra do tiro de meta que a temporada brasileira já está trazendo, e em breve com o início da temporada europeia, acredito que teremos vários times apostando na ideia e também tentando cancelar as ideias dos adversários, com muitos mecanismos utilizados .

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Footure

Últimas Postagens

Início animador do Brasileirão Sub-17
Caio Nascimento

Início animador do Brasileirão Sub-17

0 Comentários
Como Vlahovic virou um artilheiro de muitos gols na Fiorentina
Caio Bitencourt

Como Vlahovic virou um artilheiro de muitos gols na Fiorentina

0 Comentários
Depressão: a inimiga invisível do futebol
Fernanda Lima

Depressão: a inimiga invisível do futebol

0 Comentários
Power in Motion: o projeto de restabelecimento do Dínamo de Moscou
Caio Nascimento

Power in Motion: o projeto de restabelecimento do Dínamo de Moscou

0 Comentários
Em sua primeira final europeia da história, o Villarreal desbanca o Arsenal nas semis da Europa League
Bruna Mendes

Em sua primeira final europeia da história, o Villarreal desbanca o Arsenal nas semis da Europa League

0 Comentários
A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola
Lucas Filus

A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola

0 Comentários
O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?
Dimitri Barcellos

O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?

0 Comentários
Paul Pogba pode ser o primeiro ‘reforço’ do United para a próxima temporada
Lucas Filus

Paul Pogba pode ser o primeiro 'reforço’ do United para a próxima temporada

0 Comentários
A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir
Caio Nascimento

A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir

0 Comentários
Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari
Caio Bitencourt

Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari

0 Comentários
Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol
Caio Alves

Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol

0 Comentários
Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube
Caio Nascimento

Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube

0 Comentários
Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete
Bruna Mendes

Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete

0 Comentários
O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?
Jonatan Cavalcante

O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?

0 Comentários
4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021
Dimitri Barcellos

4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021

0 Comentários