Como joga o Wolfsburg campeão da Alemanha e forte concorrente ao título europeu?

Depois do título da Frauen Bundesliga e a Copa da Alemanha, chegou a hora do Wolfsburg realizar os enfrentamentos a nível europeu. Afinal, como joga a equipe?

A Frauen Bundesliga se encerrou na última semana, consagrando o Wolfsburg como o grande campeão. O título não foi surpresa para ninguém, já que o time era amplo favorito e retornou da parada pela pandemia do Covid-19 com oito pontos de vantagem em relação ao Bayern de Munique – que protagonizou de início uma disputa mais acirrada contra o Hoffenheim pela segunda vaga na Women’s Champions League da próxima temporada.

Além do título da liga, no último sábado (04/07) o Wolfsburg levantou mais uma taça, o de campeão da Copa da Alemanha. A partida contra o Essen talvez tenha sido mais complicada do que o esperado. 3 a 3 no tempo regulamentar e nada mudou na prorrogação, sendo decidida nos pênaltis.

Quer entender mais sobre Big Data? Inscreva-se para o workshop “Big Data: Análise de Dados no Futebol” e ganhe desconto de 26% até dia 13/07

Apesar do Essen ser uma equipe bastante organizada e com muitos nomes de qualidade principalmente do meio pra frente, o Wolfsburg foi quem tomou o controle da partida, contudo em alguns lances faltou a concentração de rotina – justificável já que alguns dias antes o a equipe comemorou o título alemão – concedendo lances perigosos ao Essen, que acabou criando quase o mesmo tanto de chances de perigo, mesmo ficando menos com a bola – além dos três gols.

Wolfsburg levantou a taça de campeão da copa da Alemanha dias depois de se consagrar campeão da Frauen-Bundesliga

A Women’s Champions League retornará no dia 21 de Agosto, já nas quartas de final. O Lyon defende o posto de tetracampeão, mas o Wolfsburg é um dos nomes que ameaçam interromper a dinastia do time francês. O primeiro adversário é o Gasglow, atual campeão escocês – assim como no Brasil, a temporada escocesa se inicia e termina no mesmo ano, e a atual liga foi interrompida com apenas uma rodada e deve retornar em Outubro.

Desde a volta da pandemia, o Wolfsburg realizou dez partidas – sendo oito pela Bundesliga e duas pela copa da Alemanha. Agora mantem os treinos por mais de um mês até o início da competição europeia.

Quando se pensa em Wolfsburg, a artilheira e craque do time é o nome mais falado – e com muitos motivos para isso. Pernille Harder lidera a maioria das estatísticas ofensivas da equipe – e das competições alemãs. É a artilheira do Wolfsburg com 34 gols na temporada. A vice artilheira Pajor tem 19 – além de ser vice-líder em assistências com 8 passes para o gol, líder de chances criadas, passes decisivos e também dribles completados. Se houvesse prêmio de melhores jogadoras essa temporada, seria injusto a dinamarquesa não aparecer entre as três melhores.

O Wolfsburg tem uma das melhores jogadoras do mundo comandando as ações ofensivas do time, mas esse não é o único argumento da equipe alemã para ser tão soberana em território nacional e poder ser considerada uma potente ameaça ao Lyon na liga dos campeões.

Como joga o Wolfsburg?

O posicionamento padrão da equipe dá-se pelo 4-3-2-1 em momento defensivo, mas é incomum o time não ter a bola e se defender principalmente conservando a posse da mesma.

Wolfsburg Frauen Bundesliga
Posicionamento padrão do Wolfsburg em 4-3-2-1

Quando o adversário sai jogando de trás, o Wolfsburg – que se posiciona em bloco médio-alto – se movimenta para encaixar individualmente as jogadoras adversárias, e seguem a incomodar a portadora da bola mesmo quando essa marcação alta é vencida. É um time muito intenso e que dificilmente aceita ser atacado.

Wolfsburg Frauen Bundesliga
Encaixe individual do Wolfs à saída de bola adversária.

Quando recupera a bola, a configuração do time passa para o 3-4-2-1. A lateral esquerda compõe a saída de 3 com dupla de zaga, e a lateral direita avança ou para construir por dentro, ou para atacar o espaço que a camisa 10 abre pelo corredor.

Wolfsburg Frauen Bundesliga
3-4-2-1 do Wolfsburg contra o Essen pela final da copa da Alemanha

Marcar a saída de bola do Wolfsburg é muito complicado, pois o time cria muitas alternativas para vencer as armadilhas que o adversário possa criar, por isso a maioria de seus rivais opta por esperar em um bloco mais baixo e tentar contra-atacar. Nesse cenário, o Wolfsburg tem um ponto muito forte que é a zagueira Goessling – líder de desarmes e interceptações da equipe – mas também um ponto frágil, a lateral esquerda Bloodworth, que sofre um pouco em transição defensiva.

Quando a equipe adversária tenta sufocar a saída de jogo do Wolfsburg, Goessling busca as meio-extremas em profundidade – Rolf e Huth – e também utiliza da boa presença física de Pajor a brigar com as zagueiras pela posse, tendo Harder à sua frente para pegar a sobra.

Faça parte do Footure Club e receba conteúdos exclusivos diariamente por R$12 mensais

O Wolfsburg se utiliza de dois conceitos clássicos ao “Jogo de Posição”, os conceitos do ‘homem livre’ e do ‘terceiro homem’, ou aqui a ‘mulher livre’ e da ‘terceira mulher’. O primeiro é baseado em atrair e repelir adversários. O time trabalha a posse em um lado específico do campo, somando um número alto de peças pelo setor e trocando passes, com o objetivo de atrair o foco das adversárias e criar uma situação propensa a inverter o lado da jogada, encontrando alguém livre para receber a bola, com espaço e tempo para executar as jogadas.

Já o segundo, consiste em trabalhar as jogadas de modo a criar superioridade numérica, facilitando a progressão. O objetivo é ativar uma jogadora que esteja de frente para a defesa rival, com tempo e espaço para dar continuidade na jogada. Porém, essa jogadora não pode ser acionada num primeiro momento, então é necessário que uma segunda atleta receba e a ative de frente para a jogada.

Se os lados do campo vão muito bem obrigada, é porque iniciando as jogadas, existe Ingrid Engen. Se defendendo faz dupla com Popp à frente da primeira linha de defesa, quando tem a bola, Popp avança para perto de Harder e cabe a Engen conectar os setores a partir da defesa. Ela dialoga com todas as áreas, e mesmo não liderando as principais estatísticas da equipe, é fundamental ritmando o jogo do Wolfsburg.

Wolfsburg Frauen Bundesliga
Saída 3-1 do Wolfsburg com Engen à frente da primeira linha.

Quando perde a bola, a pressão pós perda do campeão alemão é bastante intensa. A portadora da bola é sempre muito sufocada. Engen é terceira em desarme, o seu papel em contribuir com a recuperação da bola é fundamental.

Wolfsburg Frauen Bundesliga
Em destaque, Engen cerca a portadora para pegar a sobra da disputa em ação. Harder fecha a linha de passe em recuo e Popp se movimenta para pressionar mais uma possível saída opção de associação adversária.

O grande desafio para o Wolfsburg na Champions League, todavia, será enfrentar adversários mais fortes. Há anos a equipe domina o futebol alemão, e está acostumada a impor seu jogo diante de adversários que respeitam e se armam para jogar de maneira reativa. A linha alta com que joga o Barcelona – dominante no futebol espanhol – fora um prato cheio para o Lyon na última final, que goleou por 4×1. Vai ser interessante ver as estratégias da equipe diante de rivais que também jogam a partir da obsessão pela posse da bola.

Wolfsburg Frauen Bundesliga
Reprodução do Twitter.

Quem tem um time com tantos argumentos e, principalmente, Pernille Harder, pode sonhar com a taça de campeão europeu. A dinamarquesa é uma das principais jogadoras do mundo, e por mais que os adversários sejam muito aplicados a defender, a habilidade da capitã do Wolfsburg de criar espaços com dribles é acima da média.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Giselle Andreolla

Últimas Postagens

Power in Motion: o projeto de restabelecimento do Dínamo de Moscou
Caio Nascimento

Power in Motion: o projeto de restabelecimento do Dínamo de Moscou

0 Comentários
Em sua primeira final europeia da história, o Villarreal desbanca o Arsenal nas semis da Europa League
Bruna Mendes

Em sua primeira final europeia da história, o Villarreal desbanca o Arsenal nas semis da Europa League

0 Comentários
A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola
Lucas Filus

A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola

0 Comentários
O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?
Dimitri Barcellos

O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?

0 Comentários
Paul Pogba pode ser o primeiro ‘reforço’ do United para a próxima temporada
Lucas Filus

Paul Pogba pode ser o primeiro 'reforço’ do United para a próxima temporada

0 Comentários
A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir
Caio Nascimento

A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir

0 Comentários
Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari
Caio Bitencourt

Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari

0 Comentários
Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol
Caio Alves

Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol

0 Comentários
Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube
Caio Nascimento

Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube

0 Comentários
Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete
Bruna Mendes

Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete

0 Comentários
O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?
Jonatan Cavalcante

O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?

0 Comentários
4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021
Dimitri Barcellos

4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021

0 Comentários
Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense
Gabriel Corrêa

Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense

0 Comentários
Kayky, Galarza, Nestor, Kaiky, Rodrigo Varanda e o semestre animador dos garotos da base brasileira
Caio Nascimento

Kayky, Galarza, Nestor, Kaiky, Rodrigo Varanda e o semestre animador dos garotos da base brasileira

0 Comentários
As transições da Inter que as deixam na cara do gol (e do Scudetto)
Caio Bitencourt

As transições da Inter que as deixam na cara do gol (e do Scudetto)

0 Comentários