Como joga o Wolfsburg campeão da Alemanha e forte concorrente ao título europeu?

Depois do título da Frauen Bundesliga e a Copa da Alemanha, chegou a hora do Wolfsburg realizar os enfrentamentos a nível europeu. Afinal, como joga a equipe?

A Frauen Bundesliga se encerrou na última semana, consagrando o Wolfsburg como o grande campeão. O título não foi surpresa para ninguém, já que o time era amplo favorito e retornou da parada pela pandemia do Covid-19 com oito pontos de vantagem em relação ao Bayern de Munique – que protagonizou de início uma disputa mais acirrada contra o Hoffenheim pela segunda vaga na Women’s Champions League da próxima temporada.

Além do título da liga, no último sábado (04/07) o Wolfsburg levantou mais uma taça, o de campeão da Copa da Alemanha. A partida contra o Essen talvez tenha sido mais complicada do que o esperado. 3 a 3 no tempo regulamentar e nada mudou na prorrogação, sendo decidida nos pênaltis.

Quer entender mais sobre Big Data? Inscreva-se para o workshop “Big Data: Análise de Dados no Futebol” e ganhe desconto de 26% até dia 13/07

Apesar do Essen ser uma equipe bastante organizada e com muitos nomes de qualidade principalmente do meio pra frente, o Wolfsburg foi quem tomou o controle da partida, contudo em alguns lances faltou a concentração de rotina – justificável já que alguns dias antes o a equipe comemorou o título alemão – concedendo lances perigosos ao Essen, que acabou criando quase o mesmo tanto de chances de perigo, mesmo ficando menos com a bola – além dos três gols.

Wolfsburg levantou a taça de campeão da copa da Alemanha dias depois de se consagrar campeão da Frauen-Bundesliga

A Women’s Champions League retornará no dia 21 de Agosto, já nas quartas de final. O Lyon defende o posto de tetracampeão, mas o Wolfsburg é um dos nomes que ameaçam interromper a dinastia do time francês. O primeiro adversário é o Gasglow, atual campeão escocês – assim como no Brasil, a temporada escocesa se inicia e termina no mesmo ano, e a atual liga foi interrompida com apenas uma rodada e deve retornar em Outubro.

Desde a volta da pandemia, o Wolfsburg realizou dez partidas – sendo oito pela Bundesliga e duas pela copa da Alemanha. Agora mantem os treinos por mais de um mês até o início da competição europeia.

Quando se pensa em Wolfsburg, a artilheira e craque do time é o nome mais falado – e com muitos motivos para isso. Pernille Harder lidera a maioria das estatísticas ofensivas da equipe – e das competições alemãs. É a artilheira do Wolfsburg com 34 gols na temporada. A vice artilheira Pajor tem 19 – além de ser vice-líder em assistências com 8 passes para o gol, líder de chances criadas, passes decisivos e também dribles completados. Se houvesse prêmio de melhores jogadoras essa temporada, seria injusto a dinamarquesa não aparecer entre as três melhores.

O Wolfsburg tem uma das melhores jogadoras do mundo comandando as ações ofensivas do time, mas esse não é o único argumento da equipe alemã para ser tão soberana em território nacional e poder ser considerada uma potente ameaça ao Lyon na liga dos campeões.

Como joga o Wolfsburg?

O posicionamento padrão da equipe dá-se pelo 4-3-2-1 em momento defensivo, mas é incomum o time não ter a bola e se defender principalmente conservando a posse da mesma.

Wolfsburg Frauen Bundesliga
Posicionamento padrão do Wolfsburg em 4-3-2-1

Quando o adversário sai jogando de trás, o Wolfsburg – que se posiciona em bloco médio-alto – se movimenta para encaixar individualmente as jogadoras adversárias, e seguem a incomodar a portadora da bola mesmo quando essa marcação alta é vencida. É um time muito intenso e que dificilmente aceita ser atacado.

Wolfsburg Frauen Bundesliga
Encaixe individual do Wolfs à saída de bola adversária.

Quando recupera a bola, a configuração do time passa para o 3-4-2-1. A lateral esquerda compõe a saída de 3 com dupla de zaga, e a lateral direita avança ou para construir por dentro, ou para atacar o espaço que a camisa 10 abre pelo corredor.

Wolfsburg Frauen Bundesliga
3-4-2-1 do Wolfsburg contra o Essen pela final da copa da Alemanha

Marcar a saída de bola do Wolfsburg é muito complicado, pois o time cria muitas alternativas para vencer as armadilhas que o adversário possa criar, por isso a maioria de seus rivais opta por esperar em um bloco mais baixo e tentar contra-atacar. Nesse cenário, o Wolfsburg tem um ponto muito forte que é a zagueira Goessling – líder de desarmes e interceptações da equipe – mas também um ponto frágil, a lateral esquerda Bloodworth, que sofre um pouco em transição defensiva.

Quando a equipe adversária tenta sufocar a saída de jogo do Wolfsburg, Goessling busca as meio-extremas em profundidade – Rolf e Huth – e também utiliza da boa presença física de Pajor a brigar com as zagueiras pela posse, tendo Harder à sua frente para pegar a sobra.

Faça parte do Footure Club e receba conteúdos exclusivos diariamente por R$12 mensais

O Wolfsburg se utiliza de dois conceitos clássicos ao “Jogo de Posição”, os conceitos do ‘homem livre’ e do ‘terceiro homem’, ou aqui a ‘mulher livre’ e da ‘terceira mulher’. O primeiro é baseado em atrair e repelir adversários. O time trabalha a posse em um lado específico do campo, somando um número alto de peças pelo setor e trocando passes, com o objetivo de atrair o foco das adversárias e criar uma situação propensa a inverter o lado da jogada, encontrando alguém livre para receber a bola, com espaço e tempo para executar as jogadas.

Já o segundo, consiste em trabalhar as jogadas de modo a criar superioridade numérica, facilitando a progressão. O objetivo é ativar uma jogadora que esteja de frente para a defesa rival, com tempo e espaço para dar continuidade na jogada. Porém, essa jogadora não pode ser acionada num primeiro momento, então é necessário que uma segunda atleta receba e a ative de frente para a jogada.

Se os lados do campo vão muito bem obrigada, é porque iniciando as jogadas, existe Ingrid Engen. Se defendendo faz dupla com Popp à frente da primeira linha de defesa, quando tem a bola, Popp avança para perto de Harder e cabe a Engen conectar os setores a partir da defesa. Ela dialoga com todas as áreas, e mesmo não liderando as principais estatísticas da equipe, é fundamental ritmando o jogo do Wolfsburg.

Wolfsburg Frauen Bundesliga
Saída 3-1 do Wolfsburg com Engen à frente da primeira linha.

Quando perde a bola, a pressão pós perda do campeão alemão é bastante intensa. A portadora da bola é sempre muito sufocada. Engen é terceira em desarme, o seu papel em contribuir com a recuperação da bola é fundamental.

Wolfsburg Frauen Bundesliga
Em destaque, Engen cerca a portadora para pegar a sobra da disputa em ação. Harder fecha a linha de passe em recuo e Popp se movimenta para pressionar mais uma possível saída opção de associação adversária.

O grande desafio para o Wolfsburg na Champions League, todavia, será enfrentar adversários mais fortes. Há anos a equipe domina o futebol alemão, e está acostumada a impor seu jogo diante de adversários que respeitam e se armam para jogar de maneira reativa. A linha alta com que joga o Barcelona – dominante no futebol espanhol – fora um prato cheio para o Lyon na última final, que goleou por 4×1. Vai ser interessante ver as estratégias da equipe diante de rivais que também jogam a partir da obsessão pela posse da bola.

Wolfsburg Frauen Bundesliga
Reprodução do Twitter.

Quem tem um time com tantos argumentos e, principalmente, Pernille Harder, pode sonhar com a taça de campeão europeu. A dinamarquesa é uma das principais jogadoras do mundo, e por mais que os adversários sejam muito aplicados a defender, a habilidade da capitã do Wolfsburg de criar espaços com dribles é acima da média.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Últimas Postagens

O caminho da Seleção, as mudanças de Tite e um norte para o Catar
Aurelio Solano

O caminho da Seleção, as mudanças de Tite e um norte para o Catar

0 Comentários
Cinco promessas africanas na base de clubes europeus
Caio Nascimento

Cinco promessas africanas na base de clubes europeus

0 Comentários
Pellegrini: a história dos romanos na Roma continua
Caio Bitencourt

Pellegrini: a história dos romanos na Roma continua

0 Comentários
A afirmação da Espanha e sua nova geração
Bruna Mendes

A afirmação da Espanha e sua nova geração

0 Comentários
Guto Ferreira coloca o Bahia para acelerar
Gabriel de Assis

Guto Ferreira coloca o Bahia para acelerar

0 Comentários
RAIO-X: De onde saem as assistências dos líderes do quesito na Série B
Douglas Batista

RAIO-X: De onde saem as assistências dos líderes do quesito na Série B

0 Comentários
Os destaques dos 8 classificados no Brasileirão Sub-20
Caio Nascimento

Os destaques dos 8 classificados no Brasileirão Sub-20

0 Comentários
A reinvenção de Brahim Diaz no meio-campo do Milan
Caio Bitencourt

A reinvenção de Brahim Diaz no meio-campo do Milan

0 Comentários
Maduro, o Red Bull Bragantino se aproxima de fazer história
Gabriel de Assis

Maduro, o Red Bull Bragantino se aproxima de fazer história

0 Comentários
Friendly #7 | O novo rico Newcastle, Sports Washing e a ‘era’ de clube-estado
Eduardo Dias

Friendly #7 | O novo rico Newcastle, Sports Washing e a 'era' de clube-estado

0 Comentários
Napoli: O impacto inicial de Anguissa com a camisa partenopei
Caio Bitencourt

Napoli: O impacto inicial de Anguissa com a camisa partenopei

0 Comentários
O Grande Norte e os grandes desafios: o que o futuro reserva para o futebol masculino do Canadá?
Caio Nascimento

O Grande Norte e os grandes desafios: o que o futuro reserva para o futebol masculino do Canadá?

0 Comentários
O agressivo América/MG de Vagner Mancini
Gabriel de Assis

O agressivo América/MG de Vagner Mancini

0 Comentários
O Botafogo/PB em busca de um acesso histórico na Paraíba
Douglas Batista

O Botafogo/PB em busca de um acesso histórico na Paraíba

0 Comentários
A disparidade entre Atlético de Madrid e Barcelona
Bruna Mendes

A disparidade entre Atlético de Madrid e Barcelona

0 Comentários