7 atacantes para ficar de olho na Libertadores

Chegamos ao último texto da série de jogadores para ser observar na Libertadores, desta vez: atacantes para ficar de olho

Seguindo a campanha #JogueEmCasa, concluímos a série de atletas para serem observados na Libertadores 2020 com os atacantes para ficar de olho. Você pode conferir as edições anteriores, em que falamos dos jogadores de defesa e de meio-campo.

Confira também nossa Live Futeboleira sobre a Libertadores 2020

A competição continental conta com vários atacantes de potencial para deslancharem a partir de 2020 e você confere alguns deles aqui:

#17 RODNEY REDES

atacantes para ficar de olho

Clube: Guarani-PAR

Posição: Extrema

Grupo B, com Palmeiras

Idade: 20 anos

Nacionalidade: Paraguaio

Altura: 1,73

Autor de dois gols nos confrontos contra o Palestino, na última fase das eliminatórias para a fase de grupos da Libertadores 2020, Rodney Redes é um dos destaques do Guarani do Paraguai, que se habituou a frequentar a competição continental nos últimos anos e também eliminou o Corinthians na fase prévia aos grupos.

O atacante paraguaio é um extrema por natureza, mas pode jogar mais próximo do gol, em uma dupla de atacantes. Tem como principais características o drible curto, sempre buscando a finalização ou o cruzamento pela ponta.

Destaca-se também pela facilidade de atuar em qualquer lado do ataque, já que, apesar de ser destro, utiliza muito bem o pé esquerdo para finalizações, passes e cruzamentos.

Rodney é rápido com a bola, tem um primeiro toque limpo e que busca orientar a bola para a progressão, mas precisa evoluir no sentido de se movimentar mais para criar linhas de passe aos companheiros.

Aos 20 anos, Rodney Redes tem presença, carisma, atitude e é um dos bons valores do futebol paraguaio e, se desenvolver a resistência física e alguns aspectos táticos, principalmente defensivos, já pode estar no radar de Eduardo Berrizzo para a seleção paraguaia.

#29 THIAGO VECINO

Clube: Nacional

Posição: Centroavante

Grupo F

Idade: 21 anos

Nacionalidade: Uruguaio

Altura: 1,83

Regularmente chamado para as seleções de base do Uruguai, Thiago Vecino demorou a receber chances na equipe principal do Nacional. Subiu para os profissionais no início de 2019 e obteve as primeiras oportunidades no segundo semestre. Em 2020, iniciou como titular os nos dois primeiros jogos da Libertadores.

Canhoto, Vecino é um centroavante de boa estatura e que finaliza bem, principalmente com seu pé dominante, mas também com a cabeça.

Como camisa 9, ainda precisa evoluir no posicionamento na área para finalizar, já que fora dela trabalha muito bem nas associações, sobretudo no pivô, usando bem o corpo nas disputas.

Pelo alto, também auxilia bastante nos embates aéreos longe da área, puxando defensores para fora da linha e abrindo espaço para quem vem de trás, seja os ponteiros entrando na diagonal ou os meias e volantes de infiltração.

Por sair bastante da referência, precisa aprimorar um pouco o primeiro toque, quando não consegue fazer o pivô de primeira, e também aprender a jogar um pouco de frente para o gol adversário.

Sem bola, Vecino é combativo e ajuda bastante seu time na marcação alta, mas perde um pouco de intensidade na medida em que vai cansando.

Aos 21 anos, precisa de mais experimento em jogos competitivos, seja a nível nacional ou internacional e a Libertadores 2020 é a grande oportunidade para chamar a atenção de quem está buscando um centroavante promissor. O passaporte italiano e os atributos físicos e táticos de Vecino são um atrativo para o futebol europeu.

#11 MARCOS BOLADOS

Clube: Colo-Colo

Posição: Extrema

Grupo C, com Athletico/PR

Idade: 24 anos

Nacionalidade: Chileno

Altura: 1,72

Desde 2018 recebendo convocações para a seleção chilena, Marcos Bolados começou o ano corrente a todo o vapor e parece estar finalmente se firmando como protagonista no Colo-Colo.

O chileno atua majoritariamente pelo flanco direito e tem nas jogadas de linha de fundo sua principal característica. Dono de um cruzamento preciso com a perna direita e razoável com a esquerda, Bolados usa bastante seu drible e controle de bola em velocidade para deixar os marcadores para trás e colocar os companheiros em condições de marcar.

É também um exímio puxador de contra-ataques e consegue percorrer grandes distâncias com a bola colada aos pés.

Na última linha de defesa, costuma se posicionar no limite para oferecer profundidade, seja para receber na ponta ou por dentro após um deslocamento diagonal.

Sem bola, Bolados executa a transição defensiva com competência e se posiciona bem na linha de marcação, demonstrando comprometimento com a equipe.

Sua confiança e entusiasmo sugerem um atleta motivado, com força mental para atuar em situações de adversidade e tomar boas decisões quando requerido.

Com pernas curtas e ombros largos, o extrema chileno não chama a atenção pelo porte físico. Isto, aliado à idade já acima do limite informal, levam a crer que o futebol europeu já não é uma opção de carreira, tornando os mercados brasileiro, mexicano e da MLS como grandes competidores pelo futuro deste que já é um dos principais destaques do futebol chileno e caminha para expandir este protagonismo para o continente.

#23 SANTIAGO RODRÍGUEZ

Clube: Nacional

Posição: Extrema/Meia-ofensivo

Grupo F

Idade: 20 anos

Nacionalidade: Uruguaio

Altura: 1,67

Originalmente um atacante acostumado a jogar pela região central do campo, Santiago Rodríguez tem atuado mais pelos extremos a partir da segunda metade da última temporada, sua primeira com o elenco profissional do Nacional.

Santiago tem sido um dos destaques do início de campanha do Bolso na Libertadores 2020, em que foi titular nos dois jogos.

Com a bola, demonstra ótima capacidade de condução em velocidade, um primeiro toque refinado que busca sempre orientar a bola para a progressão ou para associar em velocidade, dificultando os movimentos defensivos adversários.

Tecnicamente tem bom passe curto e longo, usando bastante viradas de jogo pelo alto. Mais perto do gol, demonstra competência na finalização com as duas pernas, principalmente a direita, inclusive em bolas paradas, além do cruzamento qualificado

No aspecto tático, Rodríguez é um atleta inteligente e aplicado. Posta-se bem na linha defensiva quando atua pela ponta e demonstra intensidade para as transições, tanto ofensiva quanto defensiva. Na medida que cansa, vai perdendo um pouco deste ímpeto, o principal atributo a ser trabalhado até aqui.

Quando seu time tem a bola, é um atleta que sempre busca se movimentar para gerar linha de passe e triangular, além de atacar muito bem os espaços através do facão, tentando oferecer opção de profundidade, que é como surge para marcar a maioria de seus gols.

Também sabe jogar de costas e tem presença de área, sendo opção para jogar como um 9 móvel ou como um meia-atacante, como costumava jogar na base e nas seleções inferiores do Uruguai.

Apesar da estatura baixa, Santiago tem uma biotipia privilegiada, portanto existe potencial para desenvolver o aspecto físico e despontar rumo ao futebol europeu, caso siga ganhando espaço no tricolor de Montevidéu.

Versátil, inteligente taticamente e com boa técnica, Rodríguez é mais um dos valores do Nacional, que passou a apostar nas suas pratas da casa mais recentemente e a forte presença de seus atletas nas nossas listas, em praticamente todas as posições, é um indicativo de sucesso.

 #18 SEBASTÍAN FERREIRA

Clube: Libertad

Posição: Centroavante

Grupo H

Idade: 22 anos

Nacionalidade: Paraguaio

Altura: 1,80

Sebastián Ferreira é um atacante terminal. Emprestado ao Libertad pelo Monarcas Morelia, do México, o canterano do Olímpia sabe fazer gols como poucos atualmente no futebol sul-americano.

Mesmo formando dupla com Tacuara Cardozo e, portanto, precisando sair mais da área na formação de Ramón Díaz, Ferreira é o artilheiro do Libertad em 2020.

Apesar de não ser muito alto, o camisa 18 sabe se posicionar dentro e usa bem sua impulsão e a força física para vencer as disputas aéreas na área.

Seus gols dificilmente saem após mais de dois toques na bola graças ao posicionamento e qualidade na finalização, com ambas as pernas e a cabeça. É muito ágil e inteligente ao se posicionar para receber cruzamentos, tanto por baixo quanto por cima, vindo de qualquer um dos lados, já que demonstra facilidade no domínio e na finalização com os dois pés.

Ferreira sabe trabalhar como pivô protocolarmente, sem impressionar, entretanto, e tem um pouco de dificuldade quando precisa controlar a bola fora da área.

É um atacante que dificilmente terá oportunidades no mercado europeu pelas limitações para trabalhar fora da área, pouca contribuição sem bola e por já estar perto dos 23 anos, mas é muito jovem e moldado para brilhar no futebol latino-americano, lembrando fisicamente e em características o argentino Germán Cano, do Vasco.

#17 BENJAMÍN GARRÉ

Clube: Racing

Grupo F

Idade: 19 anos

Nacionalidade: Argentino

Altura: 1,72

Desenvolvido desde criança no Vélez Sarsfield, Benjamín Garré rumou ao Manchester City aos 15 anos para integrar as categorias inferiores dos citizens.

Após três anos e apenas três jogos entre os profissionais, o argentino decidiu retornar ao seu país no início deste ano, ao receber proposta do Racing.

Tem sido bastante utilizado por Sebastián Beccacece neste início de temporada. Inclusive na Libertadores, como titular ou vindo do banco.

Canhoto, Garré costuma ocupar a extrema-direita do ataque de La Acade, onde pode demonstrar sua habilidade no drible curto para sair da pressão e buscar a finalização com seu pé forte.

Os anos na Europa auxiliaram Garré a compreender e executar bem seu papel defensivo, demonstrando intensidade na marcação e comprometimento com a recomposição e a postura na linha de marcação.

Tem uma boa leitura de jogo e tempo de bola, visíveis pelo controle orientado que busca fazer da bola e pela inteligência para executar o drible de corpo, além de utilizar sempre o passe ativo no sentido de quebrar as linhas adversárias.

Mentalmente demonstra ser um atleta focado e motivado, a decisão surpreendente por voltar ao seu país em busca de mais minutos como profissional, mesmo com contrato em um clube de ponta da Europa também sugerem um atleta ávido por demonstrar valor profissionalmente. Características e qualidade para voltar a Europa em um futuro próximo não faltam para o jovem das seleções argentinas de base.

#7 BRIAN OCAMPO

Clube: Nacional

Posição: Extrema

Grupo F

Idade: 20 anos

Nacionalidade: Uruguaio

Altura: 1,72

Na terceira temporada como profissional, Brian Ocampo herdou a camisa 7 e busca se firmar como titular do Nacional.

Dono de uma boa condição física, o extrema demonstra resistência de velocidade para aguentar grandes distâncias e capacidade natural de mudar de direção com a bola, além de possuir uma velocidade de arranque fundamental para quem atua pelos flancos.

Consegue se virar bem em espaços encurtados, saindo da pressão principalmente através de dribles curtos e giros.

Apesar de atuar majoritariamente pela direita, onde se destaca pelas jogadas de linha de fundo e pelo ótimo cruzamento, também pode jogar pela esquerda, de onde conseguiu marcar vários gols cortando pra dentro e chutando com seu pé dominante, o direito.

Pelo bom cruzamento, também oferece opção para faltas laterais e escanteios.

Taticamente, consegue recompor a linha de meio com eficiência e rapidez, além de se postar bem na linha de marcação. Na fase ofensiva, também transita com velocidade e é inteligente para criar linhas de passe e atacar a profundidade na última linha adversária.

Brian Ocampo é mais um dos valores tricolores em nossa lista, que já contou com Mathiás Suárez, Agustín Oliveros, Guzmán Corujo, Gabriel Neves, Thiago Vecino e Santiago Rodríguez, ou seja, mais da metade do time titular do Nacional, que não deve concorrer ao título, mas com certeza é o time a ser observado em termos de jovens com potencial na Libertadores 2020.


Esquecemos de alguém? Deixe a sua impressão sobre os citados e mencione quem ficou faltando.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Últimas Postagens

Cinco promessas africanas na base de clubes europeus
Caio Nascimento

Cinco promessas africanas na base de clubes europeus

0 Comentários
Pellegrini: a história dos romanos na Roma continua
Caio Bitencourt

Pellegrini: a história dos romanos na Roma continua

0 Comentários
A afirmação da Espanha e sua nova geração
Bruna Mendes

A afirmação da Espanha e sua nova geração

0 Comentários
Guto Ferreira coloca o Bahia para acelerar
Gabriel de Assis

Guto Ferreira coloca o Bahia para acelerar

0 Comentários
RAIO-X: De onde saem as assistências dos líderes do quesito na Série B
Douglas Batista

RAIO-X: De onde saem as assistências dos líderes do quesito na Série B

0 Comentários
Os destaques dos 8 classificados no Brasileirão Sub-20
Caio Nascimento

Os destaques dos 8 classificados no Brasileirão Sub-20

0 Comentários
A reinvenção de Brahim Diaz no meio-campo do Milan
Caio Bitencourt

A reinvenção de Brahim Diaz no meio-campo do Milan

0 Comentários
Maduro, o Red Bull Bragantino se aproxima de fazer história
Gabriel de Assis

Maduro, o Red Bull Bragantino se aproxima de fazer história

0 Comentários
Friendly #7 | O novo rico Newcastle, Sports Washing e a ‘era’ de clube-estado
Eduardo Dias

Friendly #7 | O novo rico Newcastle, Sports Washing e a 'era' de clube-estado

0 Comentários
Napoli: O impacto inicial de Anguissa com a camisa partenopei
Caio Bitencourt

Napoli: O impacto inicial de Anguissa com a camisa partenopei

0 Comentários
O Grande Norte e os grandes desafios: o que o futuro reserva para o futebol masculino do Canadá?
Caio Nascimento

O Grande Norte e os grandes desafios: o que o futuro reserva para o futebol masculino do Canadá?

0 Comentários
O agressivo América/MG de Vagner Mancini
Gabriel de Assis

O agressivo América/MG de Vagner Mancini

0 Comentários
O Botafogo/PB em busca de um acesso histórico na Paraíba
Douglas Batista

O Botafogo/PB em busca de um acesso histórico na Paraíba

0 Comentários
A disparidade entre Atlético de Madrid e Barcelona
Bruna Mendes

A disparidade entre Atlético de Madrid e Barcelona

0 Comentários
Tuchel, Solskjaer, tropeços e realidades diferentes
Lucas Filus

Tuchel, Solskjaer, tropeços e realidades diferentes

0 Comentários