A afirmação de Nahuel Bustos no Talleres

Uma das principais revelações da última Superliga Argentina, Nahuel Bustos apresentou suas credenciais com méritos na primeira temporada em que foi titular com maior regularidade

Na temporada 2016/2017, o Talleres começava se estabelecer no mais alto escalão do futebol argentino depois de retornar da segunda divisão, após vários anos nas divisões inferiores. Todavia, este processo não se deu apenas através do bom planejamento em nível profissional. Nas categorias de base, a equipe de Córdoba investia pesado para garantir seu futuro e encontrar, assim, a sustentabilidade necessária para brigar entre River Plate, Boca Juniors e outros clubes de maior expressão.

No mesmo ano em que retornou à elite do país, a La T deu um passo importante nesta caminhada, vencendo o Torneio de Reservas – uma espécie de campeonato de aspirantes da Argentina. Alguns jogadores que viriam a serem peças fundamentais para o Talleres mais adiante fizeram parte da campanha vitoriosa, como Juan Komar, Juan Ramírez e Emanuel Reynoso, que não demorou a subir definitivamente para o time principal após boas atuações. Entretanto, nenhum deles teve tanto destaque e tamanha influência na conquista como Nahuel Bustos.

Quase três anos depois de pintar como uma grande promessa, o atacante vem crescendo jogo após jogo e já é realidade para o Talleres. A última Superliga foi o salto que faltava para virar uma figura imprescindível. Apesar de seu time ter feito um campeonato de muita irregularidade, Bustos conseguiu demonstrar um rendimento positivo mesmo nos momentos adversos. Nos 20 jogos em que esteve em campo, anotou 9 gols e ainda distribuiu 3 assistências, liderando sua equipe nos dois quesitos.

Como joga Nahuel Bustos

Capaz de se posicionar de várias formas próximo à área, o jogador que costumava atuar aberto nos times de base vem encontrando seu espaço mais centralizado no ataque. Mesmo assim, tem total liberdade para flutuar em campo ofensivo e abrir zonas para seus companheiros, afinal, não é o tipo de homem de frente que oferecerá profundidade e irá segurar os zagueiros atrás.

Os posicionamentos médios de Nahuel Bustos (10) em jogos contra Huracán, San Lorenzo e Newell’s Old Boys. Jogando como homem de frente do 4-2-3-1, volta bastante para procurar a bola e a proximidade de seus companheiros (Fonte: Wyscout)

Nos momentos de transição se destaca, usando sua velocidade para buscar máxima separação dos defensores e explorar o espaço no menor tempo possível para sair na frente do gol. Quando não consegue fugir da marcação ou encontra cobertura, possui habilidade para limpar os zagueiros e ter melhor condições de concluir as jogadas.

E é na conclusão onde Bustos consegue exibir todos os seus recursos. Apesar de ser destro, faz um trabalho de primeira linha com o pé esquerdo na definição. Dos 9 gols que marcou na última Superliga, 5 foram com o pé direito, três com a canhota e um de cabeça. Seu leque de possibilidades não se limita apenas ao modo como marca os gols. Abrange, também, a distância de suas finalizações.

Na mesma medida em que é sutil para tirar a bola do goleiro dentro da área, é preciso e potente quando necessário em chutes de longa distância. Como vem atuando mais adiantado, não vem arriscando de longe como costumava fazer, tanto que todos seus gols marcados na Superliga em 2019/2020 foram nos 17 metros finais do campo.

Alguns dos gols de Nahuel Bustos na Superliga Argentina: poder de definição, capacidade individual e precisão nas ações para balançar as redes adversárias

O bom desempenho mostrado no Campeonato Argentino não é fruto apenas de sua individualidade. Bustos foi parte de uma parceria muito produtiva com o colombiano Dayro Moreno, invertendo os papéis do que se espera de ambos. Se Moreno foi um jogador de definição ao longo de sua carreira, colecionando artilharias em diversos campeonatos e times, na temporada passada apareceu como garçom. Ele foi o principal assistente de Nahuel na competição, dando o passe final para 3 dos 9 gols marcados. Junto com Wilson Morelo/Luís Rodríguez (Colón), Rafael Santos Borré/Matías Suárez (River Plate) e Adolfo Gaich/Marcelo Herrera (San Lorenzo), foram a dupla mais proficiente em termos de gols marcados/assistências fornecidas.

A evolução de Bustos foi notória nos últimos 12 meses e tende a subir ainda mais. Com tamanha versatilidade e ferramentas para agredir o adversário, seu teto é bastante alto. Convocado para a Seleção Sub-23 da Argentina e chamando atenção de clubes grandes, tem a chance de despontar para o futebol mundial e sacramentar de vez o conceito de clube formador que o Talleres luta para estabelecer.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Últimas Postagens

O caminho da Seleção, as mudanças de Tite e um norte para o Catar
Aurelio Solano

O caminho da Seleção, as mudanças de Tite e um norte para o Catar

0 Comentários
Cinco promessas africanas na base de clubes europeus
Caio Nascimento

Cinco promessas africanas na base de clubes europeus

0 Comentários
Pellegrini: a história dos romanos na Roma continua
Caio Bitencourt

Pellegrini: a história dos romanos na Roma continua

0 Comentários
A afirmação da Espanha e sua nova geração
Bruna Mendes

A afirmação da Espanha e sua nova geração

0 Comentários
Guto Ferreira coloca o Bahia para acelerar
Gabriel de Assis

Guto Ferreira coloca o Bahia para acelerar

0 Comentários
RAIO-X: De onde saem as assistências dos líderes do quesito na Série B
Douglas Batista

RAIO-X: De onde saem as assistências dos líderes do quesito na Série B

0 Comentários
Os destaques dos 8 classificados no Brasileirão Sub-20
Caio Nascimento

Os destaques dos 8 classificados no Brasileirão Sub-20

0 Comentários
A reinvenção de Brahim Diaz no meio-campo do Milan
Caio Bitencourt

A reinvenção de Brahim Diaz no meio-campo do Milan

0 Comentários
Maduro, o Red Bull Bragantino se aproxima de fazer história
Gabriel de Assis

Maduro, o Red Bull Bragantino se aproxima de fazer história

0 Comentários
Friendly #7 | O novo rico Newcastle, Sports Washing e a ‘era’ de clube-estado
Eduardo Dias

Friendly #7 | O novo rico Newcastle, Sports Washing e a 'era' de clube-estado

0 Comentários
Napoli: O impacto inicial de Anguissa com a camisa partenopei
Caio Bitencourt

Napoli: O impacto inicial de Anguissa com a camisa partenopei

0 Comentários
O Grande Norte e os grandes desafios: o que o futuro reserva para o futebol masculino do Canadá?
Caio Nascimento

O Grande Norte e os grandes desafios: o que o futuro reserva para o futebol masculino do Canadá?

0 Comentários
O agressivo América/MG de Vagner Mancini
Gabriel de Assis

O agressivo América/MG de Vagner Mancini

0 Comentários
O Botafogo/PB em busca de um acesso histórico na Paraíba
Douglas Batista

O Botafogo/PB em busca de um acesso histórico na Paraíba

0 Comentários
A disparidade entre Atlético de Madrid e Barcelona
Bruna Mendes

A disparidade entre Atlético de Madrid e Barcelona

0 Comentários