A Muralha do esquadrão

Finalizada no século XV, a Grande Muralha da China foi construída para proteger o Estado e impérios chineses dos grupos de nômades da Eurásia, principalmente os mongóis. Além disso, outra função primordial era controlar a entrada e saída de mercadores, sem contar as questões imigratórias. A 15.496km de distância, a Bahia não possui uma muralha, é verdade, mas um nome […]

Finalizada no século XV, a Grande Muralha da China foi construída para proteger o Estado e impérios chineses dos grupos de nômades da Eurásia, principalmente os mongóis. Além disso, outra função primordial era controlar a entrada e saída de mercadores, sem contar as questões imigratórias. A 15.496km de distância, a Bahia não possui uma muralha, é verdade, mas um nome vem surgindo com uma função parecida: proteger a entrada de rivais em sua área.

Apesar de ser uma surpresa para muitos, não é por acaso que o Bahia chega ao final do primeiro turno como 7º colocado do Campeonato Brasileiro de 2019, com 31 pontos. Com apenas 16 gols sofridos nestas 19 rodadas, a equipe de Roger Machado ostenta a quarta melhor defesa da competição. Para isso, Gregore é uma das peças fundamentais para este funcionamento e serve como muralha na equipe baiana.

Aos 25 anos, vive o melhor momento da sua carreira. O camisa 26 do Tricolor de Aço teve grandes jogos atuando no 1-4-1-4-1. Após a saída de Ramires, atleta que fazia o esquema varia, o time se fixado no 1-4-2-3-1 e Gregore tem atuado como um volante mais ao lado direito, cobrindo bastante as saídas de Nino Paraíba e auxiliando na saída de bola.

Imagem: SofaScore
Imagem: SofaScore

Como é possível observa no seu mapa de calor de 2019, Gregore tem atuado como um “pêndulo” fazendo coberturas dos laterais. Esta situação só é possível por sua ótima leitura de jogo, algo que proporciona um número bastante elevado de interceptações. Até o momento, são 179 em 33 jogos, uma média de 5,4 por jogo.

Algo importante de ressaltar é que Gregore tem um alto índice de vitórias em desafios¹. Apesar de ter apenas 1,81m, costuma ganhar na chamada “primeira bola”, quando o goleiro adversário dá o lançamento/chutão. Sua capacidade física o auxilia em duelos pelo chão, divididas e desarmes. A frente de Lucas FonsecaJuninho, se torna uma muralha pouco convidativa aos rivais. Ao todo, tem um aproveitamento de 73% nestes duelos (474 de 656 na temporada).

Os locais onde Gregore intercepta passes. (Imagem: InStat)
Os locais onde Gregore intercepta passes. (Imagem: InStat)

As características citadas acima são muito importantes no modelo do Bahia por se tratar de uma equipe que, quando enfrenta os times considerados maiores, espera seu adversário e sai em velocidade no contragolpe. Entretanto, o time de Roger Machado tem sido cada vez mais exigido quando tem a bola. Em média, Gregore dá 56 passes por jogo, um número que variou muito pouco ao longo da temporada e foi diferente apenas nos confrontos contra CSA (79) e Cruzeiro (104). É um jogador que ainda esta desenvolvendo este passe em profundidade e tem uma enorme margem de crescimento.

E mesmo bem longe da China, o volante Gregore se parece cada vez mais com um dos principais símbolos do oriente ao proteger a meta baiana e controlar os ataques adversários para tornar a equipe de Roger Machado uma verdadeira muralha defensiva.


¹ Entende-se por “desafios”: dividas pelo chão, pelo alto, desarmes e outras disputas de bola.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Gabriel Corrêa

Últimas Postagens

O que é a linha sustentada, conceito dominado por Tite e Mano Menezes e que fez sucesso no Corinthians
Caio Alves

O que é a linha sustentada, conceito dominado por Tite e Mano Menezes e que fez sucesso no Corinthians

0 Comentários
Atlético-MG vive seu melhor momento na temporada
Gabriel de Assis

Atlético-MG vive seu melhor momento na temporada

0 Comentários
A onda tecnicista na função do auxiliar técnico de futebol
Jonatan Cavalcante

A onda tecnicista na função do auxiliar técnico de futebol

0 Comentários
Friendly #1 | Imaginar e construir o futuro, a habilidade fundamental do século XXI
Footure

Friendly #1 | Imaginar e construir o futuro, a habilidade fundamental do século XXI

0 Comentários
Surpresa e tradição: os classificados para as quartas do futebol masculino na Olimpíada
Caio Nascimento

Surpresa e tradição: os classificados para as quartas do futebol masculino na Olimpíada

0 Comentários
Osimhen, Simy, e a problemática das narrativas sobre jogadores africanos
Caio Bitencourt

Osimhen, Simy, e a problemática das narrativas sobre jogadores africanos

0 Comentários
O que esperar do Real Madrid para os próximos anos com Carlo Ancelotti?
Bruna Mendes

O que esperar do Real Madrid para os próximos anos com Carlo Ancelotti?

0 Comentários
O que explica as goleadas do Flamengo com Renato Gaúcho?
Gabriel de Assis

O que explica as goleadas do Flamengo com Renato Gaúcho?

0 Comentários
Como o Vojvodismo transformou o Fortaleza em protagonista no futebol brasileiro?
Jonatan Cavalcante

Como o Vojvodismo transformou o Fortaleza em protagonista no futebol brasileiro?

0 Comentários
God Save the Game #34 | A janela de transferências da Premier League 21/22
Gabriel Corrêa

God Save the Game #34 | A janela de transferências da Premier League 21/22

0 Comentários
Felipão chega entregando o de sempre: segurança e resultado
Gabriel de Assis

Felipão chega entregando o de sempre: segurança e resultado

0 Comentários
Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 2
Caio Nascimento

Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 2

0 Comentários
A Itália ainda pode crescer após o título da Euro?
Caio Bitencourt

A Itália ainda pode crescer após o título da Euro?

0 Comentários
Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 1
Caio Nascimento

Guia do futebol masculino na Olimpíada de Tokyo 2020: parte 1

0 Comentários
O complicado início de Diego Aguirre no Internacional
Gabriel de Assis

O complicado início de Diego Aguirre no Internacional

0 Comentários