Com propósitos diferentes na tabela, Atleti e Granada agradam nesse retorno

Além do ótimo desempenho do Villarreal, que comentamos na coluna da semana passada, outros times também conseguiram corrigir alguns problemas e aprimorar o desempenho ao fim da temporada.

Os gigantes Atlético de Madrid e Real Madrid conseguiram determinar em campo seus melhores desejos para coroar seus objetivos a partir do que foi jogado anteriormente – vaga na Champions League e briga pelo título, respectivamente. E sem dúvidas foram as equipes mais precisas nesse tempo, porém sobre o lado merengue falaremos em um futuro próximo…

Fora os dois times da capital, temos o Granada de Diego Martinez, que, independente de resultados, conseguiu manter seu “padrão” e faz um dos trabalhos mais íntegros na liga.

As particularidades de um Atleti renovado nessa fase final

Simeone sempre se mostrou preocupado com o físico de seus jogadores e em certos momentos seus maiores objetivos eram superados muito por conta disso. A força física se torna fundamental dentro de seu jogo, e ligeiramente frágil sem ela – não temos exemplos melhores do que as finais de Champions em 2014 e 2016 no qual a equipe se superou fisicamente e ainda assim levou o Real Madrid ao limite.

Quer imergir no mundo da análise de dados? Inscreva-se no workshop “Big Data: Análise de Dados no Futebol”

Independente das reclamações de muitos, é notório como o treinador consegue evoluir pelo menos um jogador durante grandes temporadas, e além do tático, pensando também na questão concreta. Morata e Diego Costa são os dois centroavantes ao lado de um João Félix mais ágil e enérgico. Após a paralisação, Llorente entra como alternativa ofensiva para superar, além do tático, o contexto físico.

É cômico determinar o estilo de jogo de uma equipe por número de volantes, ainda mais se tratando de um jogador como o jovem espanhol. Sabemos como cada um desses volantes, principalmente no Atleti, têm uma função diferente, visando características e habilidades. E por essa perspectiva Cholo reflete um raciocínio bastante plausível. Em uma sequência de leitura de jogo sem a bola, pressão lá no alto e retomada da mesma junto de transições rápidas, o volante ofereceu chances atrás de chances. É importante citar os companheiros que acompanham os avanços pelos lados, seja Carrasco ou Correa, e claro, ações envolvendo Koke – jogador extremamente necessário em termos de associação.

Essa adaptação de Marcos Llorente em uma nova função é o seu grande feito nesse sentido, uma solução genial para poupar jogadores de frente sem perder tanto poderio ofensivo. O camisa 14 consegue avançar, acelerar e produzir na mesma proporção que um jogador de frente de muitas equipes dentro da liga. Porém independente disso sabemos como Simeone enxerga o jogo além.

Atleti Simeone Llorente
Llorente se transformou em uma peça chave para Simeone nessa reta final da La Liga.

Ao lado do maior rival o Atleti é a equipe com melhor campanha nesse retorno, e é significante como, mesmo que o desempenho esteja abaixo – obviamente considerado que o elenco e o clube vivem uma reconstrução – o Atletinão desperdiça gols. Em todas as partidas que marcou pontuou. E mesmo que isso engane nas questões dos empates, o número de derrotas é o que leva a equipe a se classificar para a Champions League a frente do Sevilla que faz uma temporada bastante coesa.

Diego Martinez reforça o coletivo para manter o Granada na primeira divisão em grande estilo

No Granada, vemos uma equipe altamente adaptável a qualquer estilo. O que o adversário pede Diego Martinez responde. O técnico mais jovem da liga faz o grande trabalho da temporada – considerando que o Getafe de Pepe Bordalás já está decerto inserido desde 2018/19.

No seu primeiro ano como treinador do clube conseguiu o acesso e evoluiu ainda mais na elite. Desde que o futebol espanhol retornou, o clube tem apenas três derrotas e resultados importantes contra equipes que brigam na parte de cima da tabela.

Sempre é bom analisar como cada treinador impõe suas ideias pensando nos jogadores que tem em mãos. Não adianta exigir algo que seu elenco não consegue suportar, e essa questão é a grande semelhança entre Atleti e Granada até aqui. Nesse caso, a forma como o jovem treinador se relaciona em estabelecer ideias é admirável.

O segundo tempo contra o Real Madrid é a maior prova dessa ascensão. Uma partida extremamente difícil, contra um time rodeado de estrelas e jovens talentos, e ainda assim Martinez conseguiu superar deficiências da primeira etapa (principalmente as defensivas) para pressionar a equipe madridista – que conseguiu sair com os três pontos muito por conta das grandes defesas de Courtois e Sergio Ramos salvando em cima da linha.

Diego Martínez Granada
A pressão na saída de bola do Real Madrid foi o que originou o gol da equipe em uma partida que poderia muito bem ter terminado com um empate.

Inserido no mais alto nível, a versatilidade foi o que mais concedeu pontos ao Granada nessa liga. As diferentes maneiras e a habilidade de se adaptar às circunstâncias, estabelecendo uma hierarquia entre Roberto Soldado e Carlos Fernández, e o coletivo permanece. Uma solidez defensiva estabelecida como consequência de uma responsabilidade tática e com proteção de espaços, muitas vezes alternando para marcação individual, são fragmentos de uma equipe facilmente adaptável seja dentro ou fora de casa.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Últimas Postagens

Cinco promessas africanas na base de clubes europeus
Caio Nascimento

Cinco promessas africanas na base de clubes europeus

0 Comentários
Pellegrini: a história dos romanos na Roma continua
Caio Bitencourt

Pellegrini: a história dos romanos na Roma continua

0 Comentários
A afirmação da Espanha e sua nova geração
Bruna Mendes

A afirmação da Espanha e sua nova geração

0 Comentários
Guto Ferreira coloca o Bahia para acelerar
Gabriel de Assis

Guto Ferreira coloca o Bahia para acelerar

0 Comentários
RAIO-X: De onde saem as assistências dos líderes do quesito na Série B
Douglas Batista

RAIO-X: De onde saem as assistências dos líderes do quesito na Série B

0 Comentários
Os destaques dos 8 classificados no Brasileirão Sub-20
Caio Nascimento

Os destaques dos 8 classificados no Brasileirão Sub-20

0 Comentários
A reinvenção de Brahim Diaz no meio-campo do Milan
Caio Bitencourt

A reinvenção de Brahim Diaz no meio-campo do Milan

0 Comentários
Maduro, o Red Bull Bragantino se aproxima de fazer história
Gabriel de Assis

Maduro, o Red Bull Bragantino se aproxima de fazer história

0 Comentários
Friendly #7 | O novo rico Newcastle, Sports Washing e a ‘era’ de clube-estado
Eduardo Dias

Friendly #7 | O novo rico Newcastle, Sports Washing e a 'era' de clube-estado

0 Comentários
Napoli: O impacto inicial de Anguissa com a camisa partenopei
Caio Bitencourt

Napoli: O impacto inicial de Anguissa com a camisa partenopei

0 Comentários
O Grande Norte e os grandes desafios: o que o futuro reserva para o futebol masculino do Canadá?
Caio Nascimento

O Grande Norte e os grandes desafios: o que o futuro reserva para o futebol masculino do Canadá?

0 Comentários
O agressivo América/MG de Vagner Mancini
Gabriel de Assis

O agressivo América/MG de Vagner Mancini

0 Comentários
O Botafogo/PB em busca de um acesso histórico na Paraíba
Douglas Batista

O Botafogo/PB em busca de um acesso histórico na Paraíba

0 Comentários
A disparidade entre Atlético de Madrid e Barcelona
Bruna Mendes

A disparidade entre Atlético de Madrid e Barcelona

0 Comentários
Tuchel, Solskjaer, tropeços e realidades diferentes
Lucas Filus

Tuchel, Solskjaer, tropeços e realidades diferentes

0 Comentários