Brasileirão 2021: começando como terminou

Flamengo pontuando, apesar de não ter atingido seu melhor desempenho, enquanto seus adversários pelo título vacilam. Um cenário parecido com o de 2020.

Na primeira rodada do Brasileirão, o Flamengo apresentou algumas vulnerabilidades defensivas, criou boas oportunidades de gol e conquistou a vitória. Além disso, viu seus principais concorrentes pelo título desperdiçarem pontos logo na largada. Por esse olhar, podemos concluir que o Brasileirão 2021 começou como terminou a edição de 2020.

Apesar da ausência de Gabigol comprometer a capacidade de ataque à profundidade e mobilidade do sistema ofensivo rubro-negro, a configuração da equipe foi a que estamos acostumados a ver com Rogério Ceni. Arão com Rodrigo Caio na zaga, Isla bem espetado no corredor direito, Filipe Luís preponderante na saída de bola ao lado dos zagueiros, Bruno Henrique aberto pela esquerda e Arrascaeta e Everton Ribeiro na entrelinha, por trás de Pedro.

Protegendo bem a área com uma linha de cinco na defesa, somada à três meio-campistas, o Palmeiras conseguia atrapalhar bastante a criação do Flamengo e encaixava jogadas de velocidade. Nesse aspecto, a dificuldade do time carioca em lidar com contragolpes adversários não é nova. Por isso, o Verdão colocou Rony para correr nas costas da linha alta da retaguarda flamenguista.

Com somente 37% de posse de bola, o Verdão criou as principais chances da etapa inicial a partir de transições ofensivas, superando os volantes do Flamengo ou aproveitando a recomposição mais lenta dos pontas rubro-negros. Vulnerabilidades conhecidas do atual bicampeão brasileiro.

Quer conteúdo exclusivo do Footure? Além disso, desconto nos cursos e na Loja Futeboleira? Faça parte do Footure Club por R$12 mensais. Assine já!

Contudo, no segundo tempo, vimos um Flamengo mais inteiro fisicamente e dominante. Seguiu pressionando com eficiência a saída de jogo adversária, forçou a bola longa e ganhou a maioria delas. O PPDA (Passes por Ação Defensiva) da equipe ficou em 6, ou seja, o Rubro-Negro sufocou e, em média, matava o ataque depois de somente seis passes do oponente. Soube acelerar o jogo, seja recuperando no setor ofensivo ou atraindo a marcação do Palmeiras para abrir espaços perto do gol.

Aos 30 minutos da etapa final, a principal força desse time apareceu: o poder de decisão muito acima da média do continente. Após uma boa trama coletiva, Bruno Henrique foi acionado com espaço na ponta esquerda, fez fila e deixou Pedro com o gol vazio para selar o triunfo. É um Flamengo que segue provando dos pontos fortes e dos riscos inerentes ao modelo adotado Ceni e buscando um maior equilíbrio.

Enquanto esse equilíbrio não é alcançado, o talento dos atletas vai garantindo pontos preciosos que Atlético-MG, Palmeiras, São Paulo, Internacional e Grêmio perderam em 2020 e na primeira rodada de 2021. O Brasileirão é um campeonato no qual as equipes chegam na reta final muito modificadas em relação ao início da competição. Resta saber se esse cenário no topo da tabela resistirá a metamorfose tradicional do nosso Campeonato Brasileiro.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Últimas Postagens

Por que a Roma perdeu a mão ao fazer futebol?
Caio Bitencourt

Por que a Roma perdeu a mão ao fazer futebol?

0 Comentários
Silvio Romero: como se movimenta e finaliza as jogadas?
Jonatan Cavalcante

Silvio Romero: como se movimenta e finaliza as jogadas?

0 Comentários
Como funciona o sistema de marcação do Torino de Ivan Juric
Caio Bitencourt

Como funciona o sistema de marcação do Torino de Ivan Juric

0 Comentários
Schick: ‘intruso’ em meio a Lewandowski e Haaland
Gabriel Belo

Schick: 'intruso' em meio a Lewandowski e Haaland

0 Comentários
O potencial do Valencia de Pepe Bordalás
Bruna Mendes

O potencial do Valencia de Pepe Bordalás

0 Comentários
Destaques da Copa São Paulo – Eliminados na primeira fase
Douglas Batista

Destaques da Copa São Paulo - Eliminados na primeira fase

0 Comentários
Cuiabá tem atuação boa e consciente no mercado
Gabriel de Assis

Cuiabá tem atuação boa e consciente no mercado

0 Comentários
Pedro Naressi: acrescenta competitividade e repertório ao Sport
Jonatan Cavalcante

Pedro Naressi: acrescenta competitividade e repertório ao Sport

0 Comentários
O que é um ‘Falso 9’ e quais as diferenças entre os diversos tipos de centroavantes

O que é um 'Falso 9' e quais as diferenças entre os diversos tipos de centroavantes

Aurelio Solano
O encaixe dos reforços do Fluminense e Abel Braga
Gabriel de Assis

O encaixe dos reforços do Fluminense e Abel Braga

0 Comentários
Como Ferran Torres pode ajudar o Barcelona?
Bruna Mendes

Como Ferran Torres pode ajudar o Barcelona?

0 Comentários
As virtudes e vulnerabilidades que Richardson aporta ao Ceará
Jonatan Cavalcante

As virtudes e vulnerabilidades que Richardson aporta ao Ceará

0 Comentários
As perguntas e respostas que fazem evoluir o jogo
Luís Cristovão

As perguntas e respostas que fazem evoluir o jogo

0 Comentários
Cuca deixa o Atlético Mineiro como um dos melhores trabalhos de sua carreira
Gabriel de Assis

Cuca deixa o Atlético Mineiro como um dos melhores trabalhos de sua carreira

0 Comentários
Paulo Sousa: “O futebol é baseado no espaço e tempo”
Renato Gomes

Paulo Sousa: “O futebol é baseado no espaço e tempo”

1 Comentários