Brasileirão 2021: começando como terminou

Flamengo pontuando, apesar de não ter atingido seu melhor desempenho, enquanto seus adversários pelo título vacilam. Um cenário parecido com o de 2020.

Na primeira rodada do Brasileirão, o Flamengo apresentou algumas vulnerabilidades defensivas, criou boas oportunidades de gol e conquistou a vitória. Além disso, viu seus principais concorrentes pelo título desperdiçarem pontos logo na largada. Por esse olhar, podemos concluir que o Brasileirão 2021 começou como terminou a edição de 2020.

Apesar da ausência de Gabigol comprometer a capacidade de ataque à profundidade e mobilidade do sistema ofensivo rubro-negro, a configuração da equipe foi a que estamos acostumados a ver com Rogério Ceni. Arão com Rodrigo Caio na zaga, Isla bem espetado no corredor direito, Filipe Luís preponderante na saída de bola ao lado dos zagueiros, Bruno Henrique aberto pela esquerda e Arrascaeta e Everton Ribeiro na entrelinha, por trás de Pedro.

Protegendo bem a área com uma linha de cinco na defesa, somada à três meio-campistas, o Palmeiras conseguia atrapalhar bastante a criação do Flamengo e encaixava jogadas de velocidade. Nesse aspecto, a dificuldade do time carioca em lidar com contragolpes adversários não é nova. Por isso, o Verdão colocou Rony para correr nas costas da linha alta da retaguarda flamenguista.

Com somente 37% de posse de bola, o Verdão criou as principais chances da etapa inicial a partir de transições ofensivas, superando os volantes do Flamengo ou aproveitando a recomposição mais lenta dos pontas rubro-negros. Vulnerabilidades conhecidas do atual bicampeão brasileiro.

Quer conteúdo exclusivo do Footure? Além disso, desconto nos cursos e na Loja Futeboleira? Faça parte do Footure Club por R$12 mensais. Assine já!

Contudo, no segundo tempo, vimos um Flamengo mais inteiro fisicamente e dominante. Seguiu pressionando com eficiência a saída de jogo adversária, forçou a bola longa e ganhou a maioria delas. O PPDA (Passes por Ação Defensiva) da equipe ficou em 6, ou seja, o Rubro-Negro sufocou e, em média, matava o ataque depois de somente seis passes do oponente. Soube acelerar o jogo, seja recuperando no setor ofensivo ou atraindo a marcação do Palmeiras para abrir espaços perto do gol.

Aos 30 minutos da etapa final, a principal força desse time apareceu: o poder de decisão muito acima da média do continente. Após uma boa trama coletiva, Bruno Henrique foi acionado com espaço na ponta esquerda, fez fila e deixou Pedro com o gol vazio para selar o triunfo. É um Flamengo que segue provando dos pontos fortes e dos riscos inerentes ao modelo adotado Ceni e buscando um maior equilíbrio.

Enquanto esse equilíbrio não é alcançado, o talento dos atletas vai garantindo pontos preciosos que Atlético-MG, Palmeiras, São Paulo, Internacional e Grêmio perderam em 2020 e na primeira rodada de 2021. O Brasileirão é um campeonato no qual as equipes chegam na reta final muito modificadas em relação ao início da competição. Resta saber se esse cenário no topo da tabela resistirá a metamorfose tradicional do nosso Campeonato Brasileiro.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Últimas Postagens

Florian Wirtz: referência técnica do Leverkusen aos 18 anos
Gabriel Belo

Florian Wirtz: referência técnica do Leverkusen aos 18 anos

0 Comentários
Real Sociedad e Real Betis na Europa League: é possível sonhar
Bruna Mendes

Real Sociedad e Real Betis na Europa League: é possível sonhar

0 Comentários
Diego Costa chega chegando e empolga ao lado de Hulk
Gabriel de Assis

Diego Costa chega chegando e empolga ao lado de Hulk

0 Comentários
Conor Gallagher e a busca por protagonismo no Palace
Gabriel Belo

Conor Gallagher e a busca por protagonismo no Palace

0 Comentários
Youth League retorna em 2021/22 com estrelas brilhando
Caio Nascimento

Youth League retorna em 2021/22 com estrelas brilhando

0 Comentários
Lazio: de que forma o Sarrismo pode funcionar na capital?
Caio Bitencourt

Lazio: de que forma o Sarrismo pode funcionar na capital?

0 Comentários
O ótimo começo de Carlos Soler na temporada do Valencia
Bruna Mendes

O ótimo começo de Carlos Soler na temporada do Valencia

0 Comentários
Marcão, André e o Fluminense de volta a briga por Libertadores
Gabriel de Assis

Marcão, André e o Fluminense de volta a briga por Libertadores

0 Comentários
Friendly #6 | A Copa de 2 em 2 anos, FIFA x UEFA, clubes x seleções e mudanças na análise mainstream
Eduardo Dias

Friendly #6 | A Copa de 2 em 2 anos, FIFA x UEFA, clubes x seleções e mudanças na análise mainstream

0 Comentários
O holandês que ajudou a transformar a carreira de Cristiano Ronaldo
Lucas Filus

O holandês que ajudou a transformar a carreira de Cristiano Ronaldo

0 Comentários
Sport: defesa sólida ou percepção quantitativa?
Jonatan Cavalcante

Sport: defesa sólida ou percepção quantitativa?

0 Comentários
O domínio do País Basco na cantera espanhola
Caio Nascimento

O domínio do País Basco na cantera espanhola

0 Comentários
Moise Kean: de volta para o futuro bianconero
Caio Bitencourt

Moise Kean: de volta para o futuro bianconero

0 Comentários
A mudança no perfil de contratações do Internacional
Douglas Batista

A mudança no perfil de contratações do Internacional

0 Comentários
O turno surpreendente do Cuiabá no Brasileirão
Gabriel de Assis

O turno surpreendente do Cuiabá no Brasileirão

0 Comentários