Clássico-Rei: Fortaleza encantado e Ceará em busca de reencontrar sua identidade

Em fases diferentes, Fortaleza e Ceará se enfrentam em um Clássico-Rei histórico e decisivo.

O Clássico-Rei da próxima quinta-feira (10), válido pelo segundo jogo da terceira fase da Copa do Brasil, será um confronto de muito peso para as duas equipes. Vale a classificação para as oitavas de final, vale R$ 2.7 milhões e vale escrever uma página importantíssima na história de uma rivalidade centenária. Além disso, vale uma confiança tremenda para a sequência do ano. De um lado, o Fortaleza, encantado por Vojvoda e sensação do Brasileirão. Do outro, o Ceará, buscando reencontrar sua identidade.

No “casamento” entre clube e treinador, o Leão do Pici e o técnico argentino estão em Lua de Mel. São oito jogos, seis vitórias, dois empates, 28 gols marcados, quatro sofridos, um título estadual e a liderança do Brasileirão. Para além dos resultados, a equipe demonstra padrões muito bem compreendidos em pouco tempo de trabalho. O time joga com um trio de zaga, tripé no meio-campo, alas muitos participativos e dois atacantes capazes de oferecer apoios por dentro, atacar a profundidade e ganhar bolas pelo alto.

Clássico-Rei: Fortaleza encantado e Ceará em busca de reencontrar sua identidade

Vojvoda chegou como um técnico de muita posse de bola, adepto do jogo posicional e, de fato, já implementou alguns mecanismos nesse sentido. Seja a saída por baixo, com grande protagonismo dos zagueiros, os avanços pelos lados do campo, Crispim saindo da ala-esquerda e trocando de posição com Jussa para ajudar na construção pelo centro ou Matheus Vargas encostando na dupla de ataque. Ainda assim, uma das chaves para seu bom início de Campeonato Brasileiro está na fase defensiva.

O Fortaleza tem sido muito capaz de anular a saída de jogo adversária, com encaixes precisos e bastante intensidade para pressionar. Consequentemente, o oponente se vê obrigado a chutar para frente e o trio de zagueiros costuma levar a melhor pelo alto. Além disso, com jogadores velozes como David e Robson no ataque e Yago Pikachu muito agressivo e artilheiro pela ala-direita, consegue aproveitar bem os espaços deixados pelo rival. Deste modo, virou para cima do Atlético-MG no Mineirão e fez 5 a 1 no Internacional.

O casamento entre Guto Ferreira e o Ceará, por sua vez, tem no clássico de quinta-feira a oportunidade de “renovar os votos” após um período conturbado na relação, devido aos vices na Copa do Nordeste e no Campeonato Cearense e a eliminação melancólica na Copa Sul-Americana. Caracterizado pela marcação intensa, a defesa da própria área e um belo contragolpe, o Vozão ganhou status de candidato à vaga na Libertadores com as contratações feitas para 2021. Contudo, depois de começar bem a temporada, o momento atual é de oscilação e falta de confiança.

Tendo disputado 30 jogos na temporada 2021, o Vovô tem tido dificuldades de concentração e perdido intensidade ao longos dos confrontos – fora as lesões. Para o último jogo, contra o Santos, no sábado (5), pelo Brasileirão, foram 10 desfalques. O que se viu foi um time que competiu, teve bons momentos, mas não marcou bem os lados do campo, principalmente pelo setor esquerdo e cometeu erros individuais e coletivos dentro da área. Resultado: derrota por 3 a 1.

Clássico-Rei: Fortaleza encantado e Ceará em busca de reencontrar sua identidade

No empate por 1 a 1 no jogo de ida contra o Fortaleza, na última quarta-feira (2), o Ceará começou muito bem. Pressionou com intensidade nos minutos iniciais, acelerou o jogo pelas laterais e abriu placar. Depois, controlou a partida sem bola, ainda que pouco tenha agredido em contra-ataques. Na segunda etapa, sentiu a parte física e viu o rival intensificar a pressão, encontrar alguns passes na entrada da área e levar mais perigo. Por outro lado, o Vovô também ameaça em transições com a velocidade de Rick. O cenário seguia favorável, porque a área estava bem protegida.

Estava. Afinal, aos 26 minutos, Lucas Crispim, com liberdade, fez mais um cruzamento fechado pelo lado esquerdo, o zagueiro Jordan errou na disputa de bola e Wellington Paulista igualou o clássico. Agora, o jogo decisivo começa com tudo empatado, um time em busca de retomar a segurança defensiva que já teve e outro querendo seguir em excelente fase, invicto com o novo treinador.

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Últimas Postagens

Geração 2003: quatro joias e quatro contextos diferentes na América do Sul
Caio Nascimento

Geração 2003: quatro joias e quatro contextos diferentes na América do Sul

0 Comentários
Existem perspectivas positivas para o Arsenal?
Lucas Filus

Existem perspectivas positivas para o Arsenal?

0 Comentários
Florian Wirtz: referência técnica do Leverkusen aos 18 anos
Gabriel Belo

Florian Wirtz: referência técnica do Leverkusen aos 18 anos

0 Comentários
Real Sociedad e Real Betis na Europa League: é possível sonhar
Bruna Mendes

Real Sociedad e Real Betis na Europa League: é possível sonhar

0 Comentários
Diego Costa chega chegando e empolga ao lado de Hulk
Gabriel de Assis

Diego Costa chega chegando e empolga ao lado de Hulk

0 Comentários
Conor Gallagher e a busca por protagonismo no Palace
Gabriel Belo

Conor Gallagher e a busca por protagonismo no Palace

0 Comentários
Youth League retorna em 2021/22 com estrelas brilhando
Caio Nascimento

Youth League retorna em 2021/22 com estrelas brilhando

0 Comentários
Lazio: de que forma o Sarrismo pode funcionar na capital?
Caio Bitencourt

Lazio: de que forma o Sarrismo pode funcionar na capital?

0 Comentários
O ótimo começo de Carlos Soler na temporada do Valencia
Bruna Mendes

O ótimo começo de Carlos Soler na temporada do Valencia

0 Comentários
Marcão, André e o Fluminense de volta a briga por Libertadores
Gabriel de Assis

Marcão, André e o Fluminense de volta a briga por Libertadores

0 Comentários
Friendly #6 | A Copa de 2 em 2 anos, FIFA x UEFA, clubes x seleções e mudanças na análise mainstream
Eduardo Dias

Friendly #6 | A Copa de 2 em 2 anos, FIFA x UEFA, clubes x seleções e mudanças na análise mainstream

0 Comentários
O holandês que ajudou a transformar a carreira de Cristiano Ronaldo
Lucas Filus

O holandês que ajudou a transformar a carreira de Cristiano Ronaldo

0 Comentários
Sport: defesa sólida ou percepção quantitativa?
Jonatan Cavalcante

Sport: defesa sólida ou percepção quantitativa?

0 Comentários
O domínio do País Basco na cantera espanhola
Caio Nascimento

O domínio do País Basco na cantera espanhola

0 Comentários
Moise Kean: de volta para o futuro bianconero
Caio Bitencourt

Moise Kean: de volta para o futuro bianconero

0 Comentários