COPA DO MUNDO - DIA 8

Por @RodrigoCout e @Maiiron_ A melancolia de um tango poderia definir o 8º dia de Copa do Mundo. A vitória da Croácia por 3-0 sobre a Argentina pode ser vista na ótica dos hermanos, mas também é necessário perceber como foi gigante a dupla Rakitic e Modric. O Mundial vem apresentando também uma tendência aos centroavantes […]

Por @RodrigoCout e @Maiiron_

A melancolia de um tango poderia definir o 8º dia de Copa do Mundo. A vitória da Croácia por 3-0 sobre a Argentina pode ser vista na ótica dos hermanos, mas também é necessário perceber como foi gigante a dupla Rakitic e Modric. O Mundial vem apresentando também uma tendência aos centroavantes “raíz” e Giroud fez a França melhor suas ideias de jogo. Por fim, pudemos ver mais uma vez um grande Cristhian Eriksen pela Dinamarca e a eliminação do Perú à próxima fase. Vamos invadir mais um dia de Copa?


Argentina 0 x 3 Croácia

Quem tem Messi tem tudo? O argentino jogou os 180 minutos com a Celeste na Copa e não foi tudo. Messi é o melhor jogador do século, influencia os outros 21 que pisam no mesmo retângulo verde que eles e é sobre isso que quero falar. Mesmo com o pênalti perdido contra os islandeses, Lio procurava jogo e era limitado pela boa defesa de área. Na “Zona Messi”, que são os trinta metros perto do gol, eram dez jogadores rivais e ele sitiado, com pouco apoio. Mesmo assim a Argentina foi melhor, Halldorson foi a figura da partida e os Hermanos lamentam o empate.

Hoje contra a Croácia vimos Messi influenciando mais um sistema defensivo, a seleção dos Balcãs tinha usado Badelj, Rakitic e Modric por dentro contra a Nigéria. Era um time mais propositivo contra um adversário em tese mais fraco e não podia abdicar da bola, quis ter e foi mal, mesmo vencendo. Hoje Dalic colocou Brozovic de 5, justamente na Zona Messi, e isso mudou o curso da história. Ele não é um 5, é um jogador que sai mais com a bola e prefere pisar na área contrária, mas foi quem brecou toda ação argentina. O jogo por dentro, mais uma vez, foi inexistente. Messi pegava a bola e ele mordia individualmente ou com apoio do ótimo Rakitic, chegou a um ponto no primeiro tempo que Dejan Lovren tinha mais a bola do que Lionel e isso é um disparate. Além de Messi, Sampaoli errou muito. A Argentina foi uma caricatura de time hoje, as bandas com Salvio e Acuña eram estranhíssimas na transição defensiva. O meio campo com Mascherano e Enzo Pérez não fazia a saída de bola rompendo a linha, o jogo não fluía e isso acabou matando, o sempre abaixo da média com a camisa argentina, Aguero. A Croácia não fez uma exibição para ser lembrada por vinte anos, não foi brilhante. Mas matou o talento e nem precisou se impor tanto; as escolhas de Sampaoli, e o time, sem personalidade, ajudaram e deixaram Lovren, Vida e Subasic quase sem trabalhar.

Indo na contramão da exibição croata, Modric foi brilhante. Modric é um azarado, ele joga futebol na era dos atacantes que fazem 50 gols por ano, ganham títulos individuais e ele nunca ganhará uma Bola de Ouro da FIFA. Modric é o passo à frente em Xavi e Iniesta. Esses dois marcaram época, Luka é a outra época. A de que os meias precisam ser influentes em quatro fases do jogo: defesa, transição, organização e finalização. Quem teve o privilégio de assistir o croata jogando viu a maior atuação individual dessa Copa, talvez a maior atuação individual desde o título da Décima com o Real Madrid. Modric é um gênio do esporte. Obrigado, Luka.


 

Dinamarca 1 x 1 Austrália

A Dinamarca conseguiu mais um resultado acima daquilo que fez no jogo. Não foi mal, mas a Austrália esteve mais perto da vitória, principalmente no 2º tempo. O time nórdico começou melhor. Com Schone como titular, Eriksen não precisava retornar tanto para buscar a bola e qualificar o passe inicial e podia agir mais perto da área, onde é mais perigoso. Pione Sisto também ajudava nesta faixa e o time europeu criou boas chances até os 30 minutos.

dtchgpfwsvikbthdnspf

Outro detalhe importante era a pressão pós-perda e a marcação adiantada em alguns momentos. Abriu o placar com o seu maior astro e sofreu o empate quando a Austrália começou a apostar nas bolas paradas/aéreas. Os Socceroos melhoraram também no aspecto defensivo e na segunda etapa foram mais agressivos com a bola. Liderados pela boa distribuição de Mooy e Jedinak, além das participações de Leckie e Arzani, criaram pelo menos duas chances claras para virar, mas não conseguiram.


 

França 1 x 0 Perú

Vitória importante para selar a classificação francesa, mas que foi obtida novamente com uma atuação irregular. O 1º tempo foi muito bom. Com a presença de Giroud, os franceses tinham uma boa opção para vencer a intensa marcação que o Peru fazia inicialmente a partir da linha média. Apostaram em alguns passes diretos para o camisa 9. Ele vencia a maioria das batalhas com a zaga peruana e o time foi ganhando ”jardas”. Kanté e Pogba também fizeram uma partidaça no meio-campa. A partir da intensidade deles e das boas jogadas de Mbappé pela direita a França foi crescendo mais. Criou várias oportunidades e abriu o placar.

i6vjaumgl2qkiki0sx6i

A seleção peruana sofria para marcar o lado direito de ataque francês. Trauco sofria com Mbappé e não tinha a cobertura devida. No 2º tempo a partida se transformou. O Peru melhorou com a entrada de Farfán e ida de Cueva para o lado esquerdo. Acertou bola na trave e levou perigo com alguns chutes de fora da área. A França não conseguia encaixar transições com frequência e decepcionou, pois havia espaço para jogar. Defensivamente foi bem! Defendeu a área de forma perfeita.

 

Compartilhe

Comente!

Tem algo a dizer?

Footure

Últimas Postagens

Power in Motion: o projeto de restabelecimento do Dínamo de Moscou
Caio Nascimento

Power in Motion: o projeto de restabelecimento do Dínamo de Moscou

0 Comentários
Em sua primeira final europeia da história, o Villarreal desbanca o Arsenal nas semis da Europa League
Bruna Mendes

Em sua primeira final europeia da história, o Villarreal desbanca o Arsenal nas semis da Europa League

0 Comentários
A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola
Lucas Filus

A coerência no Chelsea de Thomas Tuchel e no City de Pep Guardiola

0 Comentários
O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?
Dimitri Barcellos

O que fez Darío Sarmiento chamar a atenção do Manchester City?

0 Comentários
Paul Pogba pode ser o primeiro ‘reforço’ do United para a próxima temporada
Lucas Filus

Paul Pogba pode ser o primeiro 'reforço’ do United para a próxima temporada

0 Comentários
A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir
Caio Nascimento

A vez da geração 2004: conheça Matheus Nascimento, Cowell, Sesko e Demir

0 Comentários
Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari
Caio Bitencourt

Por que João Pedro é a tábua de salvação para o Cagliari

0 Comentários
Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol
Caio Alves

Biotipo, velocidade de raciocínio e tomada de decisão: o que é a intensidade no futebol

0 Comentários
Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube
Caio Nascimento

Knappenschmiede: a histórica forja do Schalke 04 em meio a turbulência existencial do clube

0 Comentários
Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete
Bruna Mendes

Campeão da Copa do Rei, Barcelona domina o Athletic e busca o doblete

0 Comentários
O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?
Jonatan Cavalcante

O que a contratação de Alexandre Gallo pode aportar ao Santa Cruz?

0 Comentários
4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021
Dimitri Barcellos

4 histórias para se observar na fase de grupos da Libertadores 2021

0 Comentários
Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense
Gabriel Corrêa

Raúl Bobadilla e Abel Hernández: conheça os novos centroavantes do Fluminense

0 Comentários
Kayky, Galarza, Nestor, Kaiky, Rodrigo Varanda e o semestre animador dos garotos da base brasileira
Caio Nascimento

Kayky, Galarza, Nestor, Kaiky, Rodrigo Varanda e o semestre animador dos garotos da base brasileira

0 Comentários
As transições da Inter que as deixam na cara do gol (e do Scudetto)
Caio Bitencourt

As transições da Inter que as deixam na cara do gol (e do Scudetto)

0 Comentários